História A Minha Desejada Aventura - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Aventura, Baseado Em Realidades, Hot, Romance
Visualizações 9
Palavras 3.229
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Famí­lia, Festa, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olá pessoal <3 tenham uma boa leitura e espero que esse capítulo prendam vocês '3'
Não se esqueçam de ler as notas finais.

Capítulo 4 - Elizza Brooke.


Fanfic / Fanfiction A Minha Desejada Aventura - Capítulo 4 - Elizza Brooke.


   P.O.V Angeline - Continuação.
 Nós dançamos juntos, e aquela sensação era ótima, talvez ele não tenha mentido sobre os pisões no pé, não sou uma boa dançarina, mas tudo bem. Eu me sentia confortável com ele, seu perfume pairava no ar, mas ainda restava uma dúvida, o que faremos agora? Ele diz gostar mesmo de mim.
 Ele de repente parou a dança e acariciou meu rosto.
 – Posso te beijar? – Me supreendi com a pergunta, e sim eu queria muito, apenas respondi com um 'uhum'.
 Ele me beijou carinhosamente, começou com um beijo calmo, até que ele se separou me dando alguns selinhos, voltamos a nos fitar, e dessa vez fui eu quem tomei seus lábios pra mim, ambos ficamos surpresos, mas eu não iria mais reprimir o desejo que venho sentindo com ele, a coisa começou a ficar intensa, até que fomos interrompidos por um "graan gran".
 – Sinto muito, mas não podem ficar fazendo isso aqui. – Aparentemente era um dos seguranças, e céus que vergonha!
 Lector riu e se desculpou, logo nós descemos e fomos procurar o Bones, que nada mais e nada menos estava assistindo a uma novela com alguns petiscos na mão, ainda pergunto por que eles colocam uma TV nas lanchonetes.
 Nós ficamos juntos o resto da noite, pegamos um filme de terror para ver, eu não estava tão acostumava e me assustava fácil, eu não queria ir, só aceitei para não tirar a diversão deles... Agora é certo, eu não dormiria essa noite, me assustava tanto que eu estava espremendo bones como um tomate.
 Eles pareciam se divertir bastante com minhas reações.
 – Olhe só meu amor, ainda tem mais demônios para atacar... – Lector dizia irônico e me fazia prestar atenção, sem querer soltei um grito devido ao susto.
 – Para com isso seu imbecil. – Agora eu cobria meu rosto com as mãos, ele riu e me abraçou.
 Depois das duas piores horas da minha vida, estávamos dirigindo para casa, Lector disse que me levaria pois tinha assuntos a tratar com Meggie, estava de fato curiosa.
 Nós conversamos e rimos durante a viagem até minha casa, ele sinceramente tem umas piadas horríveis, chegamos e entrei em casa, estava tudo escuro, deduzi que ela já havia chegado e se deitado. Acendi as luzes e verifiquei meu celular, tinha uma mensagem dela.
   "Me chame quando chegar"
 – Não repare Lector casa bagunçada, Meggie e eu sempre tiramos um dia para arrumar, mas recentemente parece que fomos deixando.
 – Tudo bem... Meggie está dormindo? – Por um momento me incomodei com ele perguntando assim pela Meggie.
 – Sim, ela pediu para chama-la quando chegasse, espere um minuto... – Coloquei minha bolsa no sofá e segui até o quarto de Meggie.
 Entrei e ela estava abraçada com o travesseiro, e ainda babava nele, tirei uma foto e o flash da câmera a acordou. Ela coçou os olhos e sorriu ao me ver, ela estava tão fofa, nem parece que morde.
 – Lector está na sala, ele disse que queria falar com voc... – Ele nem me deu ouvidos e desceu de pijama mesmo, já estava começando a me irritar com esses dois.
 Nunca fui de ser ciumenta, nem mesmo com Meggie, se esse garoto quer me matar deveria fazer logo, essas emoções fortes estão acabando comigo, não sou nada acostumada. Bem, desci e me juntei a conversa.
 – Enfim, okay que você está amando isso tudo, mas é muito cedo, quando for a hora certa deixa que eu te aviso... – Meggie dizia empolgada.
 – Hora certa do que? Vocês tem segredos de mim agora? – Cruzei os braços e fui rude.
 – È ciumes? È isso mesmo produção? – Meggie me encarava e eu continuava com os braços cruzados, e do nada ela aperta forte minhas bochechas. – Aaah aqui está a apaixonada.
 Corei devido as palavras de Meggie, ela sabia exatamente como me fazer passar vergonha.
 – Não estou com ciúme nem nada, estou brava por vocês não me contarem, são meus amigos.
 – Mas é que é uma surpresa... – Ela se desculpava.
 – Fico feliz em saber que a senhorita já tem ciúme, sua possessiva.
 – P-Possessiva? Tá de brincadeira? Enfim, vou dormir, boa noite pra vocês. – Eu me dirigi ao meu quarto depois de despedir.
 Acho que depois de hoje vou dormir com mais facilidade, eu já disse pra ele que gosto dele, agora o resto só precisamos descobrir, meu peito ainda estava acelerado, coloquei dois dedos sobre os lábios e fechei meus olhos, lembrava constantemente daquelas palavras que me arrancaram um sorriso.
 Sinto que ele é minha felicidade e tenho que correr atrás, mas sempre tem o "porém" da coisa, eu com certeza estaria disposta a tentar avançar um passo, ou até mesmo ter alguma relação com ele. Tenho que me controlar, afinal, ainda tenho um pouco de medo dele, se eu avançar o sinal rápido demais pode ser um erro.
 Chega de ficar pensando! Apenas veja pelo lado bom, posso começar a minha tão desejada aventura que procurava, aquele rapaz me encanta, não quero mais fugir dele.
 Depois de algumas lembranças adormeci de sorriso no rosto, foi uma das minhas melhores noites e eu iria me lembrar, com certeza iriam ter mais momentos.
   P.O.V Lector
 Nesse momento eu estava na casa de Angel, a mesma acaba de ir se deitar, não a culpo, deve estar cansada e o dia cheio. Tinha assuntos delicados a tratar com Meggie, que apesar de muito extrovertida e brincalhona, sabe levar assuntos a sério.
 Meggie estava me aconselhando sobre a Angel, já que a conhece melhor que eu, confessei que estava apaixonado por ela.
 – E então ela dormiu? – Perguntei a Meggie que acabara de sair do quarto de Angel.
 – Sim, e ela parece contente, estou feliz que vocês dois tenham sentimentos um pelo outro, mas por favor prometa uma coisa pra mim. – Ela me encarava de uma maneira séria. – Não a magoe, não posso vê-la sofrer por isso de novo...
 – Eu nunca faria isso, Meggie se você soubesse as reações que ela me causa, tenho vontade de pedi-la em namoro agora mesmo. – Ela ri.
 – Falei pra ter calma... Vocês dois são muito fofos, e eu tenho certeza que posso confiar em você. – Ela abria uma bala e colocava na boca. – Eu nunca vi ela se arrumar tão animada, geralmente arrasto ela para os lugares... Você a faz bem.
 Aquilo era música para os meus ouvidos, eu queria estar com ela, estar perto dela. Nenhuma outra garota me fez sentir tudo isso tão rápido, sei que é loucura, mas ás vezes me pego pensando num futuro distante e me vejo com ela, talvez casados.
 Abri um sorriso sincero, e me despedi de Meggie, eu a admirava bastante, oque ela faz pela amiga é muito bonito, o jeito que Meggie a protege é incrível, e agora eu iria protegê-la também. Entrei no carro e dirigi até em casa.
 Chego em casa se já vou tirando a camisa e a calça, até que recebo uma mensagem, o rementente era " Lizza" o que essa garota quer dessa vez? Abri logo a mensagem dela.
   "Eu te vi hoje no shopping central falando com o velho Bones (uma pena que ele não tenha chegado a me conhecer :( ) e uma outra garota, saiba que não gostei de ver aquela menina te olhando daquela forma."
                                                    ...
 Outra mensagem:
   " Estou disposta a fazer qualquer coisa por você, avise essa piranha mirim que estarei de olho, não gosto que toquem nos meus pertences. A farei sofrer se você não deixa-la em paz.
   Acabarei com ela, por você. "

 Não acredito nisso, ela que tente encostar na Angel, pelo que conheço da Lizza, ela está blefando, provavelmente se sente sozinha e quer que eu cuide de sua carência.
 Elizza Brooke, uma advogada bem sucedida e minha ex namorada, nós tivemos um relacionamento de dois anos, eu estava louco por ela e iria pedir a mão dela em casamento. Preparei uma surpresa na casa dela com ajuda de sua irmã Vanessa, estávamos todos escondidos, porém ela chegou com um amante, aos beijos e tudo mais... Agora me parece até engraçado, mas na época sofri muito.
 Eu vou ignorar, quando ela perceber que está sendo deixada de lado, vai desistir dessas ideias malucas, porém se ela querer fazer mal a uma das meninas eu não me seguro, essa garota já me causou muita tristeza, não quero vê-la nem pintada de ouro.
     -#-  (Quebra de tempo)
 Acordei no outro dia com meu celular tocando, era Angel, no mínimo deve ter pegado meu número com Bones, atendi ainda muito sonolento.
 – Alô?
 – Bom dia dorminhoco, te acordei?
 – Bom dia, não eu estava acordado, aconteceu alguma coisa? – Menti.
 – Não nada, como não vou ver você hoje pensei em ligar. – Ri.
 – E como vão as coisas? Vai ter um dia cheio hoje? – Perguntei curioso.
 – Hoje é quinta-feira, meu dia de folga na semana, mas ainda sim vou ajudar o Bones com uma seleção, você sabe... Temos uma vaga livre, estou louca pra saber quem vai trabalhar comigo.
 – Boa sorte, não se preocupe, Bones é um ótimo chefe, não poderia ter confiado em outra pessoa esse ramo da empresa.
 – Tem razão, vou indo agora. – Ela iria encerrar a chamada, mas a chamei.
 – Espera, eu amo você precisava dizer. – Nesse momento não se ouvia nada mais, creio eu que ela ficou com vergonha e dei um riso nervoso, assim encerrando a chamada depois.
 Às vezes acho que Angel tem um espírito adolescente, eu não sei como explicar, mas ela é delicada, tímida, e forte também. Olhei em meu celular e já eram 9:00 da manhã, eu tomei um banho quente e demorado, sai mais relaxado e fui ver que horas eram meu compromisso com o grupo do comitê.
 Com uma hora livre, resolvi tentar algo que estive planejando enquanto estava no banho, não posso esperar mais, já devia ter feito isso a um tempo. Fui até uma joalheria próxima do meu apartamento.
 Como faz um tempo que não saio para comprar coisas, eu não sabia realmente oque escolher, acabei pegando com ajuda da vendedora e ela parecia ter um ótimo gosto, por isso confiei nela.
 Próximo passo? Floricultura... Tempos que eu não tenho em mente uma coisa dessas, tomara que não saia errado como da última vez, estou me esforçando para que saia perfeito. Céus, que Meggie não me mate por isso, mas precisaria da ajuda dela. Deve estar se perguntando oque planejo com tudo isso, planejo uma bela surpresa!
 Chegando a floricultura, fiquei do mesmo modo ao entrar na joalheria. Não sabia mesmo oque escolher, tirei o celular do bolso e liguei para Meggie, ela teria que me ajudar, optar pelas rosas seria muito clichê, a menos que ela gostasse.
 – O que é? Tô fazendo uma coisa importante. – Dizia ela, talvez algo ruim estivesse acontecendo.
 – Se acalme, só preciso saber quais são as flores preferidas da Angel.
 – Vai fazer mesmo? – Ouvia-se um barulho de cadeira arrastando. – Meninas, preciso atender, é particular... São as Dálias.
 – Onde você está?
 – Estou com a Angel e uma outra garota, parece que elas vão trabalhar juntas e querem se conhecer, estamos num café. E cara, eu já não gostei dessa garota, ela parece ser tão superficial, não sei como Angel gosta dela.
 – Dê uma chance... – Ri. – Enfim, tem certeza que são as Dálias?
 – Eu a conheço e ela já me disse isso, pode confiar, enfim, vou voltar e fingir que não estou vendo o sorriso falso daquela megera.
 – Se cuide, até. – Encerrei a ligação.
 Confiei em Meggie e pedi ao senhor que me desse uma dúzia delas num buquê, imagino a cara de surpresa dela, ficarei feliz em vê-la numa saia justa cheia de timidez. Voltei bem tranquilo para o apartamento e guardei as coisas, preciso pensar mais um pouco em como farei isso. Bem, fui para a reunião que durou aproximadamente 30 minutos e eles favam praticamente as mesmas coisas, um pouco irritado tentei encerrar a reunião.
 – Então, finalizando tudo, vocês acham que precisamos inovar o projeto da revista ou criar algo novo? Perdão, mas vocês passaram o tempo criticando o modo como cuido dessa parte da empresa.
 – Sim, é isso, e nós temos muito oque criticar, você da mais atenção para a parte dos jornais e dos sites. Todos sabem que a B News é confiável e por isso tem sucesso, temos poucos paparazzis e parece estar caindo. – Aquilo tudo era verdade, eu estava ficando descuidado, e não é culpa deles me alertarem isso.
 – Vou providenciar isso ainda hoje, podemos fechar com bons paparazzis, enfim, vou cuidar para que as notícias tenham mais qualidades a partir de hoje.
 Depois de concordarmos e eu acabar ganhando mais coisas a fazer, peguei meu carro e fui pra casa, eu teria que contratar um assessor, pois muitas vezes me perco em meus compromissos e acabo perdendo outros, realmente, eu devia ter visto isso antes.
 Passei num supermercado e comprei algumas besteiras, como chocolate e chips.Quando eu estava saindo do local, vi alguns exemplares da B News mesmo, e me surpreendi ao me ver numa foto com a seguinte manchete: " Confusão em umas das famílias mais influentes da América? Nosso queridinho empresário tem envolvimento com isso, saiba de tudo na pág.6 "
 Isso era de fato péssimo, não sei se Angeline sabe disso, mas creio que quando ver que o acontecimento está no momento circulando por todo Japão, não vai ficar muito feliz.
 Meu celular tocava em meu bolso, mas ignorei, entrei dentro do carro e me dirigi até meu apartamento, chegando lá deixei as compras em cima do balcão da cozinha e estava prestes a tomar um banho para tirar um cochilo.
 ~TRIM TRIM~
 Vendo que eu não teria escolha atendi o persistente, e pra minha surpresa...
 – Mas que droga, por que não estava atendendo? – Era a Meggie e seu péssimo humor. – Por favor vem logo pra cá, não aguento mais.
 – Eu estava dirigindo, aconteceu algo?
 – È aquela vagabunda de mais cedo, ela está muito próxima da Angel, eu sinto que ela é uma peste, mas ela é tão inconveniente que não percebeu meus sinais de que ela está incomodando. – Ri. – E para de rir, vem me ajudar agora.
 E desligou... ela estava realmente muito brava, nunca pensei ficar tão próximo da Meggie, a amizade dela já contava muito pra mim, e eu iria lá de qualquer modo. Enviei uma mensagem perguntando onde ela estava e ela estava em casa, fiquei bastante curioso para descobrir quem é a garota de má sorte.
 Resolvi pegar as flores que daria a Angel, junto com uma linda caixinha de veludo preta, era uma boa chance para surpreendê-la afinal. Coloquei-as no banco passageiro e segui até a casa das meninas cantando as músicas na rádio.
 Eu estava muito feliz com aquilo e um pouco nervoso também, não acreditava nas reações tão intensa que essa mulher me causava. Assim que cheguei, toquei a campainha e fui atendida por Meggie, que vestia uma camisola e uma touca na cabeça.
 – Finalemente. – Ela suspirou ao me ver.
 – Meggie venha aqui, não acabamos de jogar! – Escutei uma voz feminina familiar, e não estava acreditando.
 Passei por Meggie num movimento nada educado e adrentei a casa e fui até o quarto, Meggie me seguia enquanto me questionava.
 – O que foi?!
 Ao abrir a porta e ver aquela figura, uma raiva invadiu meu corpo de uma maneira inevitável, eu não conseguia ver Elizza tão próxima de Angel daquela forma, que diabos ela fazia ali?!
 Ela me olhou de cima a baixo e soltou um riso brincalhão e me abraçou, apenas via Angel sorrindo enquanto isso, me soltei num movimento brusco.
 – Se afaste agora mesmo. – A encarei cara a cara e ela parecia se divertir. – Elizza, não quero te machucar.
 – Lector? Como pode falar essas coisas ao me ver? Eu... Senti tantas saudades.
 Ela me abraçou novamente, Angel permanecia quieta e observava, eu me perguntava oque estava se passando em sua mente, quando Meggie se pronunciou.
 – Não quero você aqui. – Ela encarava Elizza de modo frio. – Se não pegar suas coisas e sair por aquela porta em três minutos, eu juro que faço você engolir meu punho.
 – Meggie? Não faça isso com ela, é nossa amiga esqueceu? – Dizia Angel enquanto abraçava Elizza. – Não seja tão fria, e você também Lector.
 Eu estava pasmo, como deixei isso acontecer? Virei as costas e Elizza de repente ganha a amizade de Angel? Eu não iria deixar. Nós ficamos em silêncio por um tempo, até que Elizza deixou uma lágrima escapar, e eu duvido que seja real.
 – Eu vou ir embora, obrigada por me deixar te conhecer Angel, você é incrível... – Abraçavam-se e logo se soltaram. – Lector e Meggie, espero ser boa o bastante para vocês me aceitarem, até...
 Ela pegou usa bolsa que estava em cima de um puff, e desceu as escadas de pressa.
 – De certa forma estou decepcionada com vocês, ela fez algo pra vocês? – Dizia Angel nos dando um sermão. – Ela se sente sozinha, e eu já me senti assim, prometi ajudar e estava me dando bem com ela, eu amo vocês, mas isso foi horrível.
 Se ela soubesse apenas da metade... Aquela mulher não presta, e vejo que não mudou, aquele sorriso sínico me da nojo. Meggie visivelmente chateada, não disse nada e foi para o quarto, depois nos avisou que iria pra casa de Tyler, seu namorado.
 Depois que ela se arrumou e saiu, o silêncio de certa forma, reinou pela casa e isso me incomodava, então tratei de quebra-lo, mesmo que eu ainda estivesse com um pouco de raiva pela Elizza, Angel me hipnotizava quando me ecarava com seus olhos âmbar.
 – Com licença... – Peguei uma faixa vermelha que estava amarrando um embrulho na estante e me aproximei de Angel. – Pode se virar?
 – O que vai fazer? – Ela me encarava sorrindo.
 – Te vendar... – Assim que ela se virou de costas, amarrei a faixa sobre seus olhos e peguei sua mão, a conduzi até o sofá e a fiz sentar. – Pode me esperar aqui?
 Ela concordou e então fui até o carro pegando oque eu havia preparado, eu estava bem nervoso agora, mas também empolgado. Caminhei de volta até a sala de estar e me ajoelhei a sua frente, parecia um pouco embaraçoso, mas era por ela que fazia tudo aquilo.
 – Tire a faixa do rosto agora...
 Sua expressão de surpresa logo passou para uma expressão tímida, ela pegou o buquê das minhas mãos e me fez levantar.
 – Obrigada, são adoráveis, eu realmente prefiro as dálias. – Ela me abraçou. – O que fiz para merecer isso?
 Eu separei o abraço e tomei seus lábios para mim novamente, ansiava essa sensação, eu via faíscas e sentia o calor do meu amor que tinha por essa mulher, depois de um tempo namorando no sofá, eu me lembrei das alianças que havia comprado e colocado em meio as flores.
 – Eu tenho um pedido para te fazer. – Ela me olhou e tenho certeza que soube de imediato oque estava acontecendo ali. – Quero que você encontre um surpresa que deixei em meio as flores.
 Ela fez como eu pedi, e em minutos encontrou a caixinha de veludo, ela abriu e se surpreendeu ao encontra-las vazia, antes que ela pudesse dizer algo, a abracei por trás, e coloquei a aliança que havia colocado em meu bolso em sua mão.
 – Isso é sério? – Ela se virou pra mim com a aliança na mão. – Não vou deixar você voltar atrás okay? – Assenti.
 – É sério, quero que seja minha Angel, não sabe o quanto. – A encarei. – Seja minha namorada.
 
 


Notas Finais


Estou planejando uma nova fanfic, pois estou inspirada e amo brincar com o destino nas histórias, meu hábito de tentar colocar a comédia e o romance juntos é realmente velho, espero que tenham gostado. :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...