História A minha esperança!!(Park Jimin) - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Visualizações 21
Palavras 651
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Visual Novel
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 16 - 16


Fanfic / Fanfiction A minha esperança!!(Park Jimin) - Capítulo 16 - 16

Dançamos daquele jeito, ela seguindo meus passos e eu senti seu nervosismo indo embora aos poucos. Não sei porque, mas olhei para ela, e como se fosse impossível olhar para outro lugar, fiquei a encarando, não demorou até que ela me olhasse também, dessa vez, intensamente. Sorrimos feitos bobos por termos feitos aquilo de novo, era inevitável.

                                                                              ***

 

— Acho que agora eu posso te considerar um amigo — Ela disse, ainda olhando em meus olhos.

— É, acho que também posso te considerar uma amiga — Disse e ela pisou no meu pé, fazendo eu dizer um “ai” de dor.

 

Tive que a levar pra casa depois de ela olhar as horas em seu celular e se assustar com o horário. Era a primeira vez que via sua casa, e cara, aquilo parecia uma mansão, ela percebeu meu olhar.

— É, eu sei, bem exagerado.

— É, talvez seja mesmo — Disse sorrindo — Então, amanhã na mesma hora?

— Ah… Jimin, amanhã eu vou viajar com meu pai, vou voltar só na sexta — Ela explicou.

— Ah — Falei coçando a nuca — Então… Tchau, amiga — Disse e abri um sorriso de canto logo depois.

— Tchau, amigo — Ela sorriu também e se dirigiu para a porta de sua casa.

Fiquei a observando subir as escadas para a entrada e avistei __________ olhar para trás, e sorriu, quando me viu ali. Depois, entrou de vez em sua casa e eu entrei em meu carro, ligando e saindo da casa dela.  Confesso que, não queria que ela fosse com seu pai, queria mesmo sair com ela amanhã, e… droga, eu simplesmente queria ter um dia como esse de novo, com ela.

 

Com a cabeça encostada no banco, coloquei meus fones e fechei os olhos, deixando o som de uma das minhas bandas preferidas tocar em meus ouvidos. Por algum motivo, aquela música me fazia lembrar de Jimin, e me peguei olhando pela janela, as nuvens, as luzes distantes, e me lembrando de que ele estava lá embaixo, talvez pegando alguma garota oferecida. Nós éramos amigos e sinceramente, nunca pensei que pudesse chamar ele assim, não sei quando isso aconteceu. O avião deu uma pequena balançada e eu segurei firme no braço do banco, sempre tive medo de aviões e mesmo já tendo viajado várias vezes, nunca me acostumaria com aquela  sensação. Meu pai estava sentando logo ao lado, com o notebook a sua frente, respondendo vários emails e vez ou outra atendendo alguma ligação. Eu voltei a olhar para a janela do avião, com os pensamentos longe e o o sono quase me dominando por completo.

 

Acordei com uma pequena turbulência e meu pai riu de minha expressão de assustada, ainda estava um pouco perdida, tentando me localizar, depois eu ri também.

 

— Você tinha que ter visto a sua cara — Falou meu pai ainda rindo.

 

— Para pai, que saco — Falei sorrindo e dando um soco em seu ombro.

 

Ele levantou os braços, como se rendesse, uma mensagem do piloto dizia que já estávamos chegando nos Estados Unidos,  eu já tinha ido lá, mas dessa vez era diferente. Saímos do avião e já estávamos saindo do aeroporto, prontos para pegar um táxi e provavelmente nos hospedar em um hotel de Los Angeles. Entramos no carro e meu pai disse o destino ao taxista e eu fiquei olhando a cidade pela janela. O sol estava se pondo e os raios de sol entre os prédios e luzes da cidade contrastava, era lindo. Não sei ao certo o porque, mas peguei meu celular, indo até os contatos e procurando o nome de Jimin na lista. Eu deveria mandar uma mensagem? Ou era melhor deixar quieto? Fiquei um tempo olhando para o nome e número dele e, pensando melhor, decidi não mandar nenhuma mensagem pra ele, não agora. O táxi parou e quando saí do automóvel, não fui com um hotel que me deparei e sim, uma casa. Olhei confusa para meu pai e ele apenas sorriu.


Notas Finais


Caso queiram ler minhas outras fics o link esta aqui:
https://spiritfanfics.com/perfil/namjoonie_s2/historias


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...