História A minha fucking história de amor. - Capítulo 16


Escrita por: ~ e ~EmoNeko-chan

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Muita Comédia!
Exibições 48
Palavras 2.867
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Eu tinha esquecido de postar...Deus.


O próximo capítulo é um...Bem diferente, e está gigante...Espero que não se importem em ler aquele...Tamanho.
Boa leitura...Prestem bem atenção nos sentimentos do Mi.

Capítulo 16 - Capítulo 15


Assim que eu fui pedir os cafés, acontece uma coisa inesperada...Fotógrafos.

Havia muitos dentro da loja, eles queriam tirar um monte de fotos minhas...

Nossa jura?


Me senti idiota.


Eles vieram para cima de mim, foi tipo, sabe quando você está de frente para o seu ídolo e você tenta a todo custo tocar nele, beijar, transar ali mesmo? Então... Isso mesmo, só que com câmeras.


-Droga!


Saio de lá correndo e vou até onde o Marshall está.


-Marshall! Vamos sair daqui!
-Marshall: O que foi?


Não respondo, apenas corro até a saída segurando em sua mão, e Deus, parecia que estávamos correndo nas ruas da China, tá' não vou exagerar, mas eu corri como nunca, e tipo várias pessoas estavam correndo atrás de nós com as suas câmeras, eu não sei o motivo de tudo isso, algo aconteceu! E isso tem haver com as piores pessoas da minha vida! Meus pais.


(...)


Depois de muita complicação, chegamos em sua casa, chego já batendo o pé, não havia ninguém na sala, o Marshall havia ido na cozinha beber água, ele ainda não sabia de nada, começo a ligar para o meu pai e ver o motivo dessa maluquice toda.



LIGAÇÃO ON


Alô? Pai?


Mal-educado resolveu me ligar para?


Hoje, tinha um monte de fotógrafos atrás de mim.


E do seu amigo também?


O que você quer dizer?


Óbvio que você estava com o seu amigo, colega de quarto, acha que eu já não vi as notícias?


O que está acontecendo? Qual o motivo de um monte de gente começar a me perseguir?


Você viu a ninha última entrevista?


Não.- Ri debochado


Então veja, e você vai saber, mal-educado. Filho.- Senti a ironia ma palavra filho... estranho.


LIGAÇÃO OFF.



Assim que ele desliga, vou procurar na internet o que ele havia falado, e acho uma matéria, mas a matéria foi dessa manhã.



"Nesta manhã fotógrafos avistaram Max Yoshida, filho dos maiores cozinheiros e donos de restaurantes do mundo caminhar até uma cafeteria junto de um colega (Marshall Lee) que segundo pessoas é filho de um dos maiores empresários chineses do mundo, Ziang Lee, entrevistadores também estavam lá e queriam perguntar, ou fazer uma entrevista mais detalhada, do porquê da revolta de seu pai e sua mãe ao afirmarem que:"


"Gabriel Yoshida não é mais nosso filho."


"A matéria foi dada ontem e todos queremos saber o motivo de tal ação de seus pais."


"Max Yoshida está sabendo disso? Ele apoia a decisão dos pais? Ele é contra? O que seu irmão fez?"


"Alguma história está por trás disso, e todos queremos saber, e podem ter certeza que conseguiremos."


"E por fim, qual a relação de Max Yoshida com o herdeiro de uma das maiores empresas do mundo? Qual a sua relação com Marshall Lee?"


Desgraça na minha vida é o que não falta.


-Que droga! Marshall!
-Marshall: Que foi?- Ele pergunta me abraçando por trás.
-Olha só isso!

Quando ele começa a ler a matéria sai de perto de mim e sua expressão fecha.

-Marshall: Eu não acredito! Você já sabe, não é?
-Acho que sim...
-Ziang: O que está acontecendo?
-Marshall: Nada...Não está acontecendo nada.

Ele diz saindo de perto de mim, mas antes me entregando o celular e me fuzilando com os olhos.


Caiu a ficha.


Foi minha culpa.


Quebrei meu juramento.


Se eu não tivesse feito meu irmão ter ido até lá e discutido com os meus pais, isso não teria acontecido.


É claro.


Minha culpa.


Inteiramente minha.


Eu jurei não fazer mais isso.


-Ziang: Algum problema?
-Na-nada, com licença.


Saio da casa dos Lee e vou andando até achar um táxi, assim que acho dou o endereço da casa do meu irmão e quando chego lá vejo o Leo sentado em uma das cadeiras que havia lá fora, ele parecia mole, extasiado.


-Hey Leo! Are you ok?
-Leo: Max?!?
-Sim sou eu, algum problema?
-Leo: Vo-você não devia estar aqui, devia estar na-na ca-casa do Marshall, não?


Ele parecia surpreso e ele estava me escondendo alguma coisa.


-Você é péssimo em mentiras.
-Leo: Desculpa mas eu não posso abrir para você.
-Que? É a casa do meu irmão!
-Leo: Vai embora! Você não devia estar aqui! Se eles te verem eles-
-Xxx: OLHEM ELE LÁ, VAMOS LÁ!


Um monte de gente veio para o portão que foi aberto pelo Leo, que infelizmente foi forçado por umas pessoas que o fizeram abrir, ele olhou para mim como se pedisse desculpas e eu lhe devolvi o olhar em compreensão.


-Xxx: Max o que você acha da atitude de seus pais?
-Xxx: Eles estão certo?
-Xxx: E você acha isso certo? Ou errado?
-Esperem! Vamos com calma, o que vocês querem?


Vi que tinha uma câmera que estava gravando, pronto, fudeu.


Alguns ficaram quietos, apenas atentos para as minhas respostas e outros tirando fotos.


-Xxx: O seu pai e sua mãe disseram que o senhor Gabriel não é mais filho deles por conta do seu namoro com um homem.
-Ah, o Leo, não é? Eu acho a atitude dos meus pais...Ridícula, feia, esquisita, horrorosa, desgostosa, sabe meu irmão nunca foi de meninos, mas ele gosta, ama o Leo, e eu apoio eles com todo o meu coração, é o meu irmão e o meu cunhado, eu nunca desprezaria meu irmão aquele que me deu mais amor do que meus próprios pais, só por que ele está namorando um homem, isso é ridículo... Sem contar que o Leo é uma ótima pessoa, eu gostei dele, ele é legal, amoroso, correto, gentil e muitas outras coisas, e também fofo, eu vejo que tanto ele quanto meu irmão se amam, e não é por causa dos meus pais que eu não aceitaria, não apoiaria ou não cuidaria deles.


Todos ficaram chocados, o Gabriel estava lá no fundo traduzindo as minhas palavras para o Leo, ambos sorriam, mas a minha linha de pensamentos foi cortada por uma pessoa.


-Xxx: E o seu relacionamento com Marshall Lee?


Eu pensei no que poderia responder, teria que tomar cuidado, o que eu falasse poderia entregar o nosso relacionamento de antes, o que eu estaria fazendo na casa do meu ex? Ou a nossa relação agora é amizade colorida ou amigos?


-Nos conhecemos quando eu tinha 13 anos e ele 15, ficamos melhores amigos de primeira, mas depois de 1 anos eu tive que mudar de escola e cortei todos os meus contatos, e a uns meses eu fui estudar em um internato na Inglaterra e por coincidência, ele era meu colega de quarto, aconteceu umas coisas e eu estou junto de duas amigas passando as “férias” lá na casa do meu melhor amigo.
-Xxx: Qual o seu relacionamento com essas duas meninas?
-Uma delas é a minha namorada, o nome dela é Lola, a outra é a Gabi, elas duas são muito amigas e estudam juntas, junto de mim e do Marshall, elas vieram passar as férias no Brasil já que as suas famílias não moram aqui.
-Xxx: E o seu casamento com a semhorita Alessandra?
-Meu casamento?- Eu comecei a rir, mas tipo como se tiverem contado a piada mais engraçada do mundo, minha barriga até doeu. - Bem, quem decidiu o “meu casamento” foi os meus pais, e eu já deixei bem claro que eu não vou casar com a Alessandra, muito claro, claro até demais se é que me entendem, ela é a minha prima de SEGUNDO grau e eu não tenho nem um pouco de vontade de me casar com ela, somos só primos, e bem vocês podem ir embora pois eu tenho uns assuntos a resolver.


Saio do meio deles e entro na casa do meu irmão, algumas pessoas tentaram fazer mais perguntas mas eu ignorei tudo.


-Por que foi até lá?!?
-Bi: Max eu-
-Por que?...Se você não tivesse ido estria tudo bem, vo-você não teria que ouvir aquelas palavras horríveis deles, sabe como eu fiquei triste? Sabe como eu fiquei mal? De mais uma vez você se ferir para me proteger? De mais uma vez eu ter de presenciar você sofrer por minha culpa? Eu prometi, jurei que não faria mais isso, fazer você pagar pelos meus erros! Você-
-Gabriel: MAX! A culpa não é sua! Eu fui lá porque queria, eu fui lá porque estava cansado de ver você ser atingido e ficar quieto!
-Mas assim você só se fere mais! Eu não quero isso, eu começo a me lembrar do que a gente sofreu do que VOCÊ sofreu quando éramos pequenos, nem toda a minha depressão foi por causa daquilo com o Marshall, eu já estava fazendo aquilo muito antes do Marshall, ver você apanhar e acontecer o que acontecia comigo todos os dias naque-


Tampo minha boca, meu irmão sabia o que eu fazia e por muito tempo deixei de fazer e pretendo nunca mais fazer isso de novo, me cortar, depois da minha “reabilitação”, eu acordei para o mundo e vi o mal que eu me fazia, mas ele não sabia que eu me cortava antes pelo que nossos pais faziam comigo, ele sabia que eu apanhava, mas não sabia que eu apanhava todo o dia, quando ele chorava e ficava no quarto, era a minha vez, ele não sabia que antes do Marshall eu já me cortava, eu usava blusas compridas, ele nunca viu, e quando ele via, eu falava que havia caído no parquinho e ralado o pulso.


-Gabriel: Você o quê?- Ele pergunta me fuzilando com o olhar.
-E-eu...
-Gabriel: Max?- Ele estava com o rosto próximo ao meu. - Você já se cortava, mesmo antes da sua depressão?
-...- Não respondi, por medo.
-Gabriel: ME RESPONDA!


Estremeci com o tom de sua voz, o Leo que então estava ao nosso lado também se assustou. O olhei e ele mordia seus belos lábios com força, sua mão estava fechada em um punho grande... Olhei para ele e meu olhar vacilou. Sua expressão de raiva era a mesma do meu pai.


-Si-si-


Ele levanta a mão e abre-a, ela vai certeira em minha face causando um edtalo alto e forte, ele bateu na minha cara, o Gabriel pela primeira vez levantou a mão para mim, aquele tapa me fez lembrar da primeira vez que eu apanhei do meu pai, era a mesma expressão, a mesma dor, a mesma sensação, a mesma força...


-Gabriel: Max me desculpa eu-
-SAI!
-Gabriel: Max me perdoa eu não-
-PARA!- Ele tentou me tocar. - Po-por favor, não me bate, desculpa desculpa.
-Pai: O que? FALE MAIS ALTO!
-DESCULPA EU NÃO QUERIA DESCULPA, PAI...POR FAVOR NÃO ME BATE!
-Pai: FALA ISSO DE NOVO PARA VER SE VOCÊ NÃO LEVA MAIS UM!


Me encolhi na parede a tampei os ouvidos, eu não sei se era real, se eu estava tendo um ataque de pânico, fazia muito tempo que eu não havia tido isso, era a primeira vez nesse ano, mas em que anos estávamos? Era meu pai me batendo não era?


-Por favor desculpa eu não queria, eu faço o que você quiser só não me bate, não me bate desculpa, desculpa desculpa, desculpa...
-Pai: Na próxima vez que você falar e agir comigo assim na frente de todos, EU JURO QUE VOCÊ ME PAGA OUVIU MOLEQUE? SE PREPARE QUE VOCÊ E SEU IRMÃO VÃO PAGAR! AQUELE PESTINHA TE COBRE EM TUDO.
-Pai...Não bate nele, foi minha culpa, não bate nele, ele vai começar a ficar triste, por favor não bate, a culpa é minha, a culpa é minha, é minha, é minha, é minha, a culpa é minha...


Não seu quanto tempo fiquei encolhido chorando, mas logo a voz se fez presente.


-Pai: Max...
-Desculpa desculpa, não me bate, eu não faço mais isso, me perdoa.- Digo entre soluços. - Eu juro que não faço mais.
-Pai: É o Marshall...
-Nini?
-Marshall: É o Marshall olha para mim.


Olho para ele e vejo que eu estava na casa do meu irmão, ele estava com os olhos marejados, enquanto o Leo  abraçava o Biel, o Lola e a Gabi estava nos olhando com olhos arregalados e o Lucca estava ao lado da tia Hellen.


-Por que eu estou aqui?
-Marshall: Você não se lembra?
-Lembro, mas eu lembro de falar com umas pessoas, e eu estava discutindo com o Gabriel aí ele-
-Marshall: Eu sei, depois fale com ele, mas e depois?
-Depois o quê?
-Marshall: Você não se lembra?
-Não...
-Marshall: Eu vi a sua reportagem e vim correndo de moto para cá, as meninas chegaram logo depois, foi difícil te controlar.
-Como assim?
-Marshall: Você não parecia estar tendo só uma ataque de pânico, você estava gritando e ficou violento, quando eu tentei me aproximar de você, você começou a gritar e jogou um vaso para cima de mim, quase me pegou.
-O que?
-Marshall: Seu pai fazia o que com você?
-Ele me batia, me maltratava, eles me tratavam pior do que como tratavam o Gabriel, teve um dia que ele me queimou.
-Marshall: Por que você estava gritando?
-Porque meu pai estava me batendo.
-Marshall: Não...O Bi te deu um tapa no rosto e você começou a gritar, a pedir para parar, eu cheguei e você começou a falar que não iria mais fazer aquilo, eu tentei me aproximar e você lançou um vaso na minha direção, e me olhou como se eu fosse te matar, você estava apavorado, os seus ataques estão ficando piores, e você sabe o motivo.
-Mas eu não me lembro, eu só lembro do que aconteceu na minha discussão com o Bi e só, não aconteceu mais nada.
-Marshall: Aconteceu...
-Lucca: Max, lamento, mas não era você naquela hora, você parecia outra pessoa, era outra pessoa...


Levanto e vejo o Gabriel me olhar, seus olhos estavam vermelhos, fui até ele e o abracei.


-Gabriel: Desculpa, eu perdi a cabeça, me perdoa por favor, eu não queria que isso acontecesse, mas saber que você já fazia aquilo muito antes da sua depressão me deixou com culpa e com raiva...Me perdoa irmão...Por favor....
-Tudo bem, eu te desculpo...


Me separo do seu abraço e ele me da um selinho, olho para o Leo e dou um abraço nele e peço desculpas pelo que causei, as meninas me dão um abraço forte e a Gabi disse que iria falar comigo sobre o meu namoro com a Lola, o Lucca e a tia Hellen ficaram me perguntando se eu realmente estava bem e eu assenti, diversas vezes.


Depois de convencer a tia e o Lucca de que eu estava bem eles foram embora, assim que eles saíram só faltou o Marshall, todos ficaram me olhando e me encorajando com o olhar, já que ele ainda estava de costas, acho que pensando.


-Marshall?
-Marshall: Oi meu amor, você está melhor agora?


O encaro e enquanto eu olhava para os seus olhos negros tudo ao redor desaparece, sorrio para ele, mas não em resposta a sua pergunta e sim por ver o quanto ele é lindo, abraço os seus ombros e sussuro em seu ouvido, o fazendo estremecer.


-Agora sim.


Ele retribui o abraço colando mais os nossos corpos, ele afasta a sua cabeça do meu ombro e me beija, no começo é um beijo calmo até ele subir suas mãos que estavam até agora em minhas costas para o meus rosto, as minhas que estavam cruzadas atrás de sua cabeça, foram para o seu monte de cabelos e se perderam ali, em um beijo de língua leve, lento e sem malícia, nos separamos por falta de ar, desgrudo nossos corpos e quando eu me viro, o Leo está de boca aberta, meu irmão estava um pouco chocado, já as meninas, bom...Desapareceram...


-Leo: ELES SE PEGAM?!?
-Bi: Eles já foram namorados há 2 anos.
-Leo: Agora é amizade colorida?
-Me poupe gracinha, a gente é...Acho que melhores amigos, colegas de quarto, ex-namorados e...Não sei, psicólogos um do outro?- Falo na sua língua.
-Marshall: Talvez seja isso mesmo, mas sabe, eu tenho uma curiosidade.


Ele diz me abraçando por trás apoiando seu queixo em meu ombro, e abraçando a minha cintura, eu me apoio em seu corpo com as mãos sobre as suas.


-Marshall: Vocês nunca disseram como se conheceram...
-Gabriel: Sabe...Eu não herdei a empresa dos meus pais, mas eu já havia me formado em outra coisa, eu sou pintor, fotógrafo e formado em direito, eu fazia as aulas de direito em casa, já em uma idade em que eu ainda estudava, fazia o ensino médio e direito por conta do meu pai.
-Leo: Nossa você realmente vai falar isso?
-Gabriel: Sim amor, desculpa.
-Leo: Está bem...


O Leo estava vermelho, tinha coisa aí, virei o rosto e dei de cara com o do Marshall, ele se virou também sorrindo e me arrancando um selinho rápido.


-Gabriel: Eu estava trabalhando em uma impresa na época, o Leo tinha 16 anos acho, e eu 20, eu estava na Chu'tys aquela que eu trabalhava mas depois saí depois de abrir a minha própria empresa sabe?
-Sim, lembro...
-Gabriel: Então eu pintava as pessoas nuas Marshall, e um dia um garoto de 16 anos chegou e disse que queria que pintassem ele...


Essa história, também é uma perfeita obra do destino, uma outra fucking história de amor.



Notas Finais


Espero que tenham gostado, e bem...Até o próximo capítulo.
Nossa eu escrevi pouca coisa... Eu estou ouvindo Boy In Luv, naquela parte em que eles falam um monte de OPA, como se estivessem caindo, caralho isso foi estranho. Tenham uma boa noite, ou dia...Tarde..


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...