História A minha fucking história de amor. - Capítulo 24


Escrita por: ~ e ~EmoNeko-chan

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Muita Comédia!
Exibições 22
Palavras 3.226
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Voltei, como prometi.

Espero que gostem.

EU DEI UM SPOILERZÃO AKI NESSE CAP. É tipo, um spoiler gigante. Não gigante, mas o babado é enorme, do tipo, o resto da fic.
Uma dica: Está durante um diálogo.

Boa leitura.

Capítulo 24 - Capítulo 24


-Como assim?

-Lola: Eu odeio ele, ele nos xingou e até tentou nos bater depois que eu sentei no seu colo aquele dia, claro que nessas horas você e o Marshall haviam saído, íam dormir.

-Mas...

-Gabi: De qualquer jeito, ele é louco por você, você devia se afastar dele sério, ele parece ser muito manipulador.

-Lola: Estou te avisando , ele é super louco por você, você nunca notou nada?

-Já notei, sim...

-Gabi: Temos que ir, meus pais pediram para nós ligarmos para eles, mas enfim...Ele não é uma boa pessoa.

-Lola: Mas antes, saiba que o Marshall já notou o que o Paul quer, mas ele sabe que você não gosta de fazer amigos, e o Jean você se deu bem, então ele faz isso por você.

-Entendi...Obrigado, vocês realmente são as minhas gostosinhas.

-Lola: Entendi amor, a diária é-

-Gabi: A diária tua xana, cala a boca e vamos.

-Desde quando a Gabi é a que manda?

-Gabi: Eita meu Deus, olha quem fala, o senhor passivo!

Lhes dei o dedo do meio e fui em direção aos dormitórios.

Quando eu estava próximo do dormitório 7 alguém tampa minha vista e se cola ao meu corpo, fiquei em dúvida em quem podia ser.

Toco as mãos dessa pessoa e já sei quem é.

-Assustar as pessoas assim não pode, sabia, Jean?

Ele solta uma risada e se afasta.

-Jean: Como sabia que era eu?

-Só existem duas pessoas que fazem isso comigo.

-Jean: Quem?- Ele pergunta sério.

-Marshall tem essas brincadeiras, e você também.

-Jean: Mas como sabia que era eu?

Por que as mãos do Marshall são únicas.


-Não sei...

-Jean: Eu queria falar com você, mas entes que tal a gente ir para o refeitório?

-Certo.


Era sábado, hoje faziam exatas 2 samanas que ele havia chegado na escola. Fomos em direção ao refeitório e o mesmo estava vazio.


Sentamos em uma mesa e ele mudou derrepente, sua cara estava diferente, ele sorriu e começou.


-Jean: Eu acho que você devia prestar mais atenção nas coisas ao seu redor.

-Como assim?

-Jean: O Marshall gosta de você e ele não pode!

-Como assim?

-Jean: Ele gosta de você!


Comecei a rir e vi que ele realmente falava sério, para disfarçar ainda continuei risonho, o que eu iria falar poderia sair um pouco rude.

-E se ele gostar? O que você tem haver?

-Jean: Ele não pode!

-Como assim não pode? E ele não gosta de mim louco, nós sempre fomos próximos.

-Jean: Mas não pode! Vocês ficam muito próximos, ele fica te abraçando, ele não pode, Max.

-Jean, chega! O que você tem haver com isso? Parece até que eu sou sua propriedade!

-Jean: Eu gosto de você!

-O que?

-Jean: Eu gosto de você! E você tem que ser meu!

-Jean... 

Me levanto e começo a me afastar, ele se levanta também e fica me olhando.

-Cara você tem problemas? Desde quando eu sou seu?

-Jean: Você é tão delicado, desde o primeiro dia que eu te vi eu senti vontade ter você como meu namorado.

-Jean! Isso é loucura...

Me viro para ir embora, porém ele segura meu braço, seu rosto estava muito próximo do meu.

-Jean: Max você é tão lindo, tão meu...

-Me solta!

Ele me coloca em cima da mesa e tenta me beijar, seu dentes mordiam meus lábios, eu estava de boca fechada mas ele tentava a todo custo me beijar.

-Jean: Vamos para outro lugar.

Ele me puxa e eu tento me soltar mas ele era muito forte, fomos para trás da escola e ele me prenssa na parede, tenta me beijar de novo mas eu viro meu rosto.

-JEAN, ME SOLTA!

-Jean: Não!

Me solto dos seus braços e tento correr, ele me segura de novo e me joga na parede.

-Jean, eu não sou seu, se toca! Eu já amo alguém e essa pessoa também me ama.

-Jean: O que?

-Marshall é meu namorado, eu jamais poderia ter esse tipo de sentimento por você, agora me solta!

-Jean: VOCÊ TAMBÉM GOSTA DELE! QUEM DISSE QUE VOCÊ PODE?

-E QUEM DISSE QUE VOCÊ TEM ALGO HAVER COM ISSO?

-Jean: Tenho certeza que eu sou melhor do que ele.

-Jean, acredite, para mim ninguém é melhor do que o Marshall, tanto nos beijos.

Vejo ele ficar vermelho de raiva.

-Quanto na cama.

Ele da um tapa no rosto, minha visão ficou turva e minha respiração acelerou.

-Vo-você-

-Jean: Nunca me trate assim, você não é melhor do que ninguém, NUNCA ME TRATE ASSIM, OUVIU?

Ele me bate outra vez, olho para o lado e havia uma menina, minha visão estava embaçada por causa das lágrimas.

-Por favor, não me bate...

Ele agarra meu braço e levanta a mão com o cinto.

-Pai: Eu disse para você sempre me obedecer.

-Sim, sim falou.

Ele me bateu com o cinto, sinto o filete de sangue escorrer pela minha pele.

-Pai: Tira a roupa.

-Não, eu não vo-vou tirar.

Ele começa a me bater mais com o cinto, meu corpo todo ardia, sinto uma mão tocar meu ombro mas antes que eu pudesse falar algo mais uma vez o cinto vai de encontro a minha pele.

-Por fa-favor, para...

Ele segura nos meus cabelos e me joga contra a parede do meu quarto, ele chuta o meu estômago depois acerta um murro em meu rosto, sinto o gosto de sangue em minha boca e logo olho para ele, ele estava com um cinto na mão, e na outra estava cheia de anéis.

-Pai: Você não deve obedecer a ninguém! você não é melhor do que ninguém.

-Pa-para, pai.

Ele começa a me bater mais e sua mão que estava com anéis deu um soco em meu estômago, o gosto metálico mais uma vez invade minha boca, sinto meus olhos arderem de tanto chorar.

-Xxx: Ataque de pânico!

-Xxx: O que eu faço!?!

-Xxx: Marshall!

Mais uma vez começo a sentir dores em meu corpo, a casa estava muito barulhenta, eu chorava e pedia para ele parar, o local estava ficando mais barulhento.

-PARA, PAI!

-Pai: EU DISSE PARA VOCÊ ME OBEDECER! SEU IMPRESTÁVEL! ME ARREPENDO ATÉ HOJE DE NÃO TER FORÇADO A SUA MÃE A TER TE TIRADO.

-Para! Cala a boca! Me deixa em paz! Sai da minha cabeça.

Ele segura meu pescoço e começa a apertá-lo, minha respiração começa a falhar.

-Marshall: Max! Está tudo bem, olha para mim, olha para mim, relaxa, você está aqui comigo.

Abro os olhos e Marshall está na minha frente, vejo algumas pessoas olhando para nós, a diretora estava aflita com os olhos arregalados, Lola e Gabi estavam junto da diretora, elas estavam super pálidas e respirando com dificuldade como se estivessem acabado de correr, Jean estava sendo segurado por alguns amigos do Marshall.

-Marshall: Calma, já passou.

-Ni, meu pai me bateu de novo.

-Marshall: Não ele não te ba-quem levantou a mão para você?

-Meu pai...

Sinto seus braços rodearem meus ombros, abraço seu corpo e fico por lá mesmo.

-Marshall: Todos podem ir embora, mas Lola, Gabi, Jean e os meninos que seguram ele fiquem por favor, diretora gostaria que a senhora ficassem também.

-Lins: Claro...

Afundo mais meu rosto em seu pescoço e cheiro o seu pescoço.

-Marshall: Max não irá compreender nada agora depois de uma crise, então eu quero saber primeiro o que aconteceu?- Ele falava em inglês, Jean e os amigos do Ni eram os únicos ali que não entendiam português.

-Lins: Ele começou a ter uma cri-

-Marshall: Mentira! Ele só tem uma crise quando ele se sente ameaçado, quem bateu nele? Ele só tem uma crise quando alguém levanta a mão para ele.

-Xxx: Eu vi tudo!

-Marshall: Quem é você?

-Xxx: Foi culpa dele!

-Marshall...Foi minha culpa.

-Marshall: Shh, calma meu amor, calma, não é com você que ela está falando.

-Xxx: Eu vi tudo, esse menino tentou beijar o seu amigo, ele conseguiu uma vez, então ele puxou o seu amigo aqui a força e bateu na cara dele 2 vezes.
-Lins: A senhora irá para a diretoria e contar tudo.

Marshall me aperta contra o seu corpo e eu me agarro nele mais ainda.

-Marshall: Você tentou beijar ele? Você BATEU NELE? Você é louco? Você quer que eu te mate, seu merda?

Ele foi se levantar mas eu o segurei.

-Não sai...

-Lins: Isso é verdade?

-Jean: Que? Claro que não!

Ao ouvir sua voz eu estremeço, começo a tremer e a chorar de novo.

-Marshall: Se é mentira me explica como ele ficou assim? Em? Me diz!

-Xxx: Eu vi tudo! Foi ele mesmo! Ele está mentindo! Ele até falou que o seu amigo pertencia a ele.

-Marshall: Desde quando ele pertence a você?!? JEAN ME RESPONDE! DESDE QUANDO O MAX TE PERTENCE?

-Jean: Eu sabia que vocês tinham algo!

-Marshall: Desde quando a minha relação com ele é da sua conta? ME RESPONDE, JEAN! VOCÊ ACABOU DE TENTAR ABUSAR DE ALGUÉM! ALÉM DE TER AGREDIDO FISICAMENTE!

-Para de gritar, eu quero ficar sozinho com você...

-Marshall: Diretora, eu irei levar ele para o quarto, ele disse que não se sente bem.

-Lins: Sim claro, e você senhor Jean, me acompanhe até a diretoria, e Gabi e Lola obrigado por avisarem o ocorrido.

Marshall vai andando comigo até o dormitório, chegando no quarto ele tenta me tirar do seu colo mas eu me agarro mais ao seu corpo, ele se agacha e eu fico sentado em sua cama com ele sentado no chão entre minhas pernas abraçando minha cintura.

-Fica comigo, me abraça...

-Marshall: Deixa eu trocar de roupa.

Ele se afasta e eu aproveito para tirar a roupa também, fiquei só de cueca boxer, ele tirou sua blusa preta e eu a peguei e a coloquei, ela ia até metade de minhas coxas, ele está, agora, com uma calça de moletom cinza e com uma regata vermelha, o quarto estava um pouco gelado por conta do clima ainda frio que estava fazendo naquela época do ano.

-Me abraça.

Meus olhos estava ardendo de tanto eu chorar, ele deita comigo e entrelaça suas pernas as minhas, agarro seu tronco e começo a cheirar seu pescoço, uma coisa que eu adoro fazer é cheirar seu pescoço.

-Marshall: O que aconteceu?

-Ele me beijou, me-me bate-teu...- Comecei a chorar de novo.

-Marshall: Calma, bebê, calma.

Coloco minhas mãos em seus cabelos e os puxo, sua cabeça vai para trás e eu começo a cheirar seu pescoço com mais vontade, começo a me movimentar para cima e para baixo, fazendo seu joelho entre minhas pernas irem de encontro ao meu pênis.

-Me abraça.

-Marshall: Max...

-Me abraça, eu quero sentir que você está aqui, eu quero o seu abraço.

Ele me abraçou com mais força e eu começo a morder seu pescoço.

-Você me ama?

-Marshall: Amo muito meu doce.

Cheiro seu pescoço e mordo o mesmo com mais vontade, pego uma boa quantidade de sua carne e mordo e chupo-a, ele me aninha mais em seu corpo e eu o aperto mais contra mim, suas mãos que estavam em minhas costas foram para as minhas nádegas e as apertaram estimulando a fricção entre meu pênis e seu joelho.

-Marshall: Te amo.

-Te amo.

Ele me abraça com força e me faz ficar em cima de seu corpo, ele se senta e eu sento em seu colo, coloco minhas pernas em volta de sua cintura e os braços em torno de seu pescoço, olho para ele e o mesmo me beija apaixonadamente, separo nossas bocas e um filete de saliva nos conecta.

-Estou com frio, me cobre.

Ele se inclina um pouco para frente e pega a coberta bem grossa e nos cobre, eu estava sentado sobre seu pênis, mas não era para fazer nada, não tinha clima, o máximo que poderíamos fazer seria trocar algumas carícias, eu queria carinho, eu estava estranhamente manhoso, depois desse ataque eu fiquei muito manhoso.

Marshall acariciava meus cabelos e mnhas costas, eu não fazia idéia de quantos minutos ficamos naquela posição.

-Marshall: Não está com fome?

-Não...Que horas são?

-Marshall: Duas da tarde, quer comer alguma coisa?

-Estou sem fome, mas você pode ir comer, eu não vou sair tão cedo desse quarto, dessa cama.

Ele riu com a minha fala e beijou o topo de minha cabeça.

-Marshall: Desde o dia em que transamos pela primeira vez você ficou mais...Manso eu acho, diferente, manhoso, estranhamente manhoso.

-Sério?

-Marshall: Sim, isso é tão gostoso...

-Ok...E você continua mais grudento!
-Marshall: E você não gosta?

-Acho que você devia ficar menos cola branca e mais super bonde.

Ele riu e começou a beijar o topo de minha cabeça, abraçou forte minha cintura e me tirou do seu colo, eu deitei na cama e ouvi o barulho da porta fechar.

Quando eu estava pegando no sono meu celular toca em cima da cômoda



LIGAÇÃO ON



Alô?


Como assim alô, seu filho de uma puta?

O que foi Ni? Quer dizer Bi? Não xinga nossa mãe.


Você se cortou, seu bostinha?


Não é a melhor hora para você me dar sermões.


O que aconteceu?


Do que que você quer saber?


De tudo, eu não te liguei antes pois estava sem tempo.


Naquela semana eu entrei em depressão e bem, você já sabe, agora eu meio que levei ums tapinhas na cara e um menino tentou me beijar, ai eu tive um ataque, e bem, quem resolveu foi o Marshall.


Droga...Max, eu sei que isso é meio ruim mas-


E seu eu procurasse um médico?


Eu iria falar isso...


Assim, eu sei do meu problema, mas eu também acho que anda ficando pior cada surto que eu tenho.


Mas...Por que o Marshall consegue te acalmar?


Eu não sei...


Eu vou arranjar um jeito de-


Não quero causar problemas, você já tem muitos.


Você não é um problema, e sabe que faz tempo que eu quero que você procure um médico.


Deixa que eu vejo isso ok?


Suas férias, nelas você volta para o Brasil, e nós vemos isso, ok?


Sim...


Se cuida meu amor, o Leo está mandando um beijo.


Manda um beijo para ele também, até mais irmão, te amo.


Também te amo meu xodó, e eu ainda quero saber tudo detalhado em! Bye bye!



LIGAÇÃO OFF



Coloquei meu celular de volta na cômoda e me viro para dormir, a porta abre, eu sinto um peso sobre mim e uma coisa úmida é colocada em meus lábios, eu pensei merda claro.


-Marshall: A-abre a boca.


Ele gaguejou, fiquei com receio mas abri a boca, o troço era amargo e doce ao mesmo tempo, e tinha um líquido meio doce.


-Marshall: Morando com chantilly, os seus favoritos!


Mordi o morando e engoli, virei o rosto e Marshall estava sentado em minhas coxas.


-Marshall: Gostou?

-Sim.

-Marshall: Estava tendo lá no refeitório, resolvi pegar um pouco, toma.


Ele me deu um potinho cheio de morango com chantilly e eu juro que eu podia morrer, e morria feliz.


Mordi um e o resto coloquei na boca no Marshall.


-Que delícia, coloca na minha boca.

-Marshall: Folgado.


Me sentei na cama com ele ainda sobre minhas coxas e ele começa a colocar os morangos em minha boca, eu mordia metade e a outra metade ele comia, no último morango quando ele vai colocar para mim comer eu mordo seu dedo também e acabo pegando o morango inteiro.


-Marshall: Seu safado! Era o último!

Ele ia sair do meu colo mas eu o segurei, abracei ele e mordi seu ombro.


-Desculpa! Não resisti!

-Marshall: Sai, seu bosta!

-Você vai me deixar, amor?

-Marshall: Não usa esse...É golpe baixo.


Sorrio e ele abaixa a cabeça para me beijar, lhe dou um selinho e começo a aprofundar o beijo, sua língua brincava com a minha, ele começou a morder meu lábio inferior e a subir no meu colo, ele se sentou mais uma vez e desceu sua boca para o meu pescoço.


-Marshall: Eu adoro morder o seu pescoço.

-Tô' vendo.

-Marshall: Você é tão gostoso...


Ele sai do meu colo e me puxa para o seu, sento sobre o seu colo e ele começou a apertar minha cintura.


-Marshall: Tão lindo...- Ele apertou minha bunda.

-O-o que mais?

-Marshall: Tão saboroso...- Ele enfiou sua mão dentro da minha cueca e apertou minhas nádegas.

-Mais?

-Marshall: Tão gostoso, lindo, sua voz é tão perfeita...- Uma de suas mãos foram para frente apertando meu membro por cima da boxer.

-Por que?

-Marshall: Você gemendo meu nome...- Ele enfiou sua mão para dentro da cueca e segurou meu pênis já rijo. - Você pedindo por mais, rebolando sobre meu colo, ah, tão fodidamente sendo fodido.- Passou seu dedão em minha glande. - Quando você começa a quicar sobre meu pênis indo fundo em seu interior ahn, rápido, forte e fundo.

-Nini...Eu não...

-Marshall: Eu não vou entrar, relaxa.

-Marshall...

-Marshall: Eu só quero te dar prazer, você deixa?

-Sim...- Falo beijando seus lábios.


Ele tira minha cueca e abre minhas pernas, seu membro mesmo por cima da roupa estava nítido, seu tamanho estava bem nítido.


Ele leva seu rosto para as minhas pernas e sem demora abocanha meu membro e começa a subir e descer sobre ele.


-Ma-Marshall!


Sua língua rodava meu membro, ele abandona meu pênis e leva dois dedos a sua boca, lambe os mesmos bem e desce seu rosto para meu membro outra vez, uma de suas mãos segurou meu pênis e ele começou a chupar meus testículos, primeiro no direito e começou sugando-o bem até o mesmo estar totalmente em sua boca, começou a chupá-lo como se fosse uma bala e deu uma leve mordida na pele da mesma, foi para o esquerdo e repetiu todo o processo.


Depois colocou ao dois na boca e começou a dar chupadas mais fortes arrancando gemidos altos de minha garganta.


-Ma-Marshall! A-assim!


Ele leva sua boca agora para a minha entrada, ele abre mais minhas nádegas dando a total visão da minha entrada.


-Marshall: Tão vermelhinha e olha, está piscando.


Ele leva sua língua a minha entrada e fica chupando aquela área, ele abre toda a sua boca e fica enfiando sua língua em meu orifício apertado, ele enfiava e a tirava de lá, ele começa a enfiar ela e a movimentar a mesma em meu interior.


-Marshall: Você é tão perfeito!


Ele retira sua língua de lá e enfia seus dedos de uma vez, começa a movimentar os mesmo em meu interior, ele movimentava rápido seus dedos arrancando gemidos meus quando ele conseguia acertar minha próstata, ele leva sua boca ao meu membro e começa a chupar ele.


Ele me fodia com seus dedos enquanto chupava toda a minha extensão, começo a gemer mais alto e mais rápido, me desfaço em sua boca e o vejo correr para o banheiro, eu também não era muito fã de porra,ma sna hora você não pensa e acaba engolindo.


-Marshall: Você é uma delícia.- Ele diz beijando meus lábios em um singelo selinho.

-E você?

-Marshall: Um dia você me paga por isso.


Ele sorri e se afasta, deitando do meu lado.


-Pega a cueca por favor.


Ele pega e coloca-a em meu corpo, olho para seu membro e ele ainda está rijo.


-Pensa em uma coisa broxante.

-Marshall: Tipo?

-A cozinheira do colégio de biquíni.

-Marshall: Puta que pariu, não faz isso.






Notas Finais


Como eu falei cao passado, ou em algum outro.

Eu vou viajar e to em semana de provas. Só dia 6 ou 5 de Dezembro eu vou att. Um desses dois dias é terça-feira, dia de atualização.

Até um desses dias, espero que tenham gostado.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...