História A Minha Própria Escolha. - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Mitologia Chinesa
Personagens Personagens Originais
Tags Akai Ito, Mistério, Romance
Visualizações 5
Palavras 1.663
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Famí­lia, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir culturas, crenças, tradições ou costumes.

Notas da Autora


Desculpem eu realmente não conseguia escrever e por isso que desapareci porém não abandonarei a finc, fiquem tranquilos!

Capítulo 9 - A sala da verdade.


Fanfic / Fanfiction A Minha Própria Escolha. - Capítulo 9 - A sala da verdade.

  Meus olhos não conseguiam me obedecer por algum motivo e meu estomago começou a revira isso enquanto eu observava a silhueta dele sua mão sobre a  parecia grande como se pudesse apagar todas as minhas incertezas, por ele está a segurando eu tive impressão de que eu estava certa, podia fazer qualquer coisa.
O meu conhecido Garoto de mil sorrisos segurava a minha mão enquanto me guiava até algum lugar, só fui entender o que ele queria me mostra quando paramos em frente a um grande espelho, o local ficava em uma sala nos fundos da escola.
-Esse espelho tem um brilho diferente -cometei ao observa a tonalidade azul que envolvia nós dois através dos nossos reflexos.
O mil sorrisos, balançou a cabeça e soltou a minha mão fazendo uma expressão de sábio que eu achei engraçada.
-Tem gente que acredita que esse espelho é mágico e pode mostra verdades, como se pusesse ver através das almas - ele fez um biquinho engraçado quando terminou de explicar -Me pergunto quantas verdades ele já revelou - finalizou com cara de garoto sapeca.
Dei risada ele era meio, idiota?Eu falaria que um idiota único.
-Se ele pode ver as almas as nossas tem um contorno azul?Será que todas as almas tem essa cor? - perguntei intrigada.
-Talvez cada uma tenha uma cor especifica - ele deu de ombros e se aproximou do objeto que estava meio empoeirado.
Me perguntei como seria a cor das almas de cada pessoa se é que essa coisa de cor existe, olhei em volta estava meio escuro e tinha também um pouco de pó pelos cantos quantas pessoas viam aqui?Tenho impressão que são poucas.
-Ey Nabi vem aqui! - o mil sorrisos disse fazendo um gesto com a mão.
-Quem é Nabi? - falei olhando para trás de mim para ver se achava alguem além de nós dois.
-Você, é o apelido que acabei de te dar sabe significa borboleta em coreano - falou e eu sorri.
-E você sabe como se fala em japonês? - perguntei curiosa.
-Sim, mais não vem ao caso agora.
..-o interrompi.
-Por que borboleta? - perguntei e ele deu um sorriso pensativo.
-Vejamos porque quando te vejo penso em você como alguem liver forte, mais um pouco delicada e que pode voa alto se quiser - explicou isso fez meu coração para.
-A cacheada sempre me diz que eu careço com um pássaro livre - sorri feliz e abrir os braços  inundada pelos seus olhos pretos cheios de vida.
-Ela está certa, você é como um ser do ar -falou de uma forma que fez meu estomago revirar - Vem - ele me estendeu a mão me aproximei do espelho e observei enquanto ele tirava o pó da frente  dele.
Tinha uma escritura bem ali olhei bem e o vi sorri enquanto a lia.
-"Só os que tem imaginação sincera podem ver a verdade por trás desse espelho" - falou me fazendo olhar bem a imagem que o espelho refletia tinha algo a mais nela.
-Por que me está mostrando esse lugar que ninguém vem? - perguntei me virando e colocando a mão na cintura intrigada.
-Por que prometemos um ao outro, vamos descobrir o que nós liga dessa maneira.
Olhei em seus olhos e senti que pude ver mais do que eu podia entender ali, só tinha certeza de que era ele!Eu podia confiar e me arisca mesmo que o medo estivesse tentando comandar minhas pernas.
-Você acha que talvez...só talvez o Akai Ito seja o que nós ligá? -perguntei sentindo meu coração pular.
O Mil sorrisos deu de ombros.
-Se estamos aqui algo tem, quem pode saber o que?Pensei que talvez pudéssemos ver por aqui se é verdade aquela linha... - ele pegou na minha mão e então eu olhei para os nossos reflexos no espelho de repente a imagem da linha vermelha quando encontrei um certo garoto a anos me veio a cabeça.
-Akai Ito - susurei - Mil sorrisos você acha que o vento pode fala, que ele tem uma alma? - perguntei e o vi balançando a cabeça positivamente e apontando para o espelho.
-Eu só sinto que talvez tudo a nossa volta possa ter uma alma - explicou e eu sorri olhando para ele e apertando sua mão.
Sem explicação ele se virou de frente para mim e me abraçou pela cintura, meu corpo se sentiu tranquilo e vivo de algum modo, senti seus lábios perto do meu ouvido.
-Me perdoe se estou exagerando - disse-Esculte" Debaixo da escura noite, iluminada apenas pela brilhante lua cheia caminhava, apressadamente, para a sua casa um pequeno menino. Enquanto caminhava encontrou um velho, sentado embaixo de uma árvore observando a grande lua.

– Boa noite rapaz! – Disse-lhe humildemente o velho que, na realidade, era o Deus Xia Lau Yue. O menino nunca antes vira o velho, por isso, continuou o seu caminho sem lhe prestar atenção.

– Sabes! – continuou o velho. – Devias começar a preparar-te para o teu destino. Já não falta muito para te tornares um homem e, como todos os homens, precisas de arranjar uma esposa.

O menino era ainda muito jovem e não mostrava nenhum interesse em se casar. – Eu nunca vou me casar. – Disse amargamente. – Isso só o destino pode dizer… Completou o ancião. – E sabes o que ele diz agora? Mesmo não estando a gostar muito da conversa o menino acenou que não com a cabeça.

Mesmo assim o velho homem continuou… – O destino diz que te casarás com a jovem que estiver do outro lado da corda que amarrei ao teu tornozelo. Pela primeira vez, o menino conseguiu ver a corda vermelha amarrada ao seu tornozelo, que se estendia no chão formando um estreito caminho cor de sangue.

Na outra ponta da corda estava uma jovem menina, sentada à porta da sua casa, observando o céu escuro da noite. O menino não queria acreditar no que os seus olhos viam, pegou então numa pedra e atirou-a ao rosto da garota, pensando que aquilo seria o suficiente para mantê-la longe dele para sempre.

Em seguida, limpou as mãos sujas de terra nos calções e correu, correu como nunca antes havia corrido, passando por tortuosos caminhos, deixando completamente emaranhada a corda vermelha que continuava amarrada ao seu tornozelo, mas que por algum motivo, já não conseguia ver.

Passaram-se anos, e o menino de outrora tinha-se transformado num belo homem cobiçado por muitas mulheres. Ele sabia que tinha de desposar uma daquelas jovens para honrar a sua família, dando-lhe continuidade, mas a verdade, é que nenhuma daquelas mulheres lhe interessava. Na aldeia, diziam que mesmo que procurassem pelo mundo inteiro jamais encontrariam uma dama que lhe agradasse.

Certa noite, o menino, agora já homem, esquecido da conversa que tinha tido com o velho a anos atrás, caminhava debaixo da lua cheia, pensando que talvez nunca conseguisse encontrar  o seu par ideal. Foi então que, passando por uma das casas da região, viu a silhueta de uma mulher.

Pela primeira vez, pressentiu que aquela era a mulher com quem queria passar o resto da vida, mesmo que dela conhecesse apenas a sua silhueta. Essa jovem, por quem tão abruptamente se apaixonara, era conhecida como sendo uma das mais belas mulheres da vila, contudo raramente saia de casa por ter vergonha de uma cicatriz em seu rosto.

Contudo, pelo arranjo de seus pais, os jovens acabaram comprometidos, marcando seu casamento. No tão esperado dia, a jovem não mostrou o rosto, mantendo-o escondido sob o tradicional véu. No entanto, no fim da cerimônia, quando se encontravam sozinhos, o homem perguntou-lhe por que motivo ela ainda cobria o rosto. – Acredite, não vai querê-lo ver. É feio e está marcado por uma horrível cicatriz. – Respondeu. – Quando era pequena, um rapaz atirou-me uma pedra ao rosto, deixando uma cicatriz sobre a minha sobrancelha.

Aquelas palavras trouxeram-lhe à memória aquela noite. A noite em que tinha falado com o velho, o deus Xia Yue Lau. E com um suave movimento retirou o véu da sua esposa, deparando-se com a mais bela mulher que alguma vez havia visto. Nesse dia o jovem percebeu que não adianta fugir, pois o destino do Akai Ito será sempre cumprido."- enquanto ele contava a historia Fechei os olhos e imaginei a cena inteira e também me perdi em seu cheiro e no toque suave da sua mão na minha cintura

-Êh então será que o fio vermelho do destino nos ligá? - perguntei apreensiva.
-Eu realmente não sei...dizem que se você olhar três minutos para alguem você saberá... Se apaixonará - a voz dele faltou porque assim como eu estava sobre um enquanto forte.
Coloquei as mãos sobre seus braços para os tira da minha cintura, eu estava com falta de ar,O Garoto De Mil Sorrisos não me deixou as tira de lá e se aproximou lentamente.
Seus lábios delicados se encostaram nós meus, senti o gosto novamente daquele toque que parecia familiar e permaneci quieta enquanto sentia uma das suas mãos ir até meus cabelos, ele permaneceu quieto esperando eu me mexer, o que fiz logo em seguida.
O abraçei e correspondendo ao beijo, sentindo uma explosão de certeza que eu não sei lembrá ao certo, só sei que tive a impressão de que enquanto meu peito se enchia de felicidade graças ao beijo, o espelho nós revelou algo que não se podia comprá.
Ele se afastou me olhando com um sorriso no rosto.
-Da outra vez e agora quando te beijei me sentir...feliz, nervoso, inquieto acho que amo essa sensação - senti meu rosto cora.
Me aproximei e coloquei a cabeça sobre seu ombro, ele me abraçou e me deu um beijo na testá.
-Posso ficar do teu lado? - pedi sem pensa.
Um sorriso diferente surgiu nós seus olhos e lábios, não sei o descrevê mais sei que esse sorriso só séria mostrado para mim não importa o que acontecesse.
-Por favor - falou me apertando levemente.
-Não acho que vocês deveriam está por aqui - olhei para a porta e lá estava o professor de cabelos brancos. 


Notas Finais


Oh espero que tenha gostado, tchau até em breve espero.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...