História A misteriosa garota da montanha - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Alfonso Herrera, Anahí, Christian Chávez, Christopher Uckermann, Diego Boneta, Dulce María, Maite Perroni, Rebelde
Personagens Alfonso Herrera, Anahí, Christian Chavez, Christopher Uckermann, Dulce Maria, Maite Perroni, Personagens Originais
Tags Adultério, Alfonso Herrera, Amor, Anahi, Chaverroni, Christian Chavéz, Christopher Uckermann, Colegial, Dulce Maria, Família, Maite Perroni, Ponny, Rbd, Rebelde, Romance, Viagem, Vondy
Exibições 73
Palavras 1.133
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Adultério, Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 8 - Nova paixão


Ucker se surpreendeu com o que Dulce havia dito. Ela já gostava dele? Se sentou ao lado dela e a abraçou, para que ela sentisse seu perfume.
- Não vai jantar comigo? - ele perguntou. - Eu prometo que te trago o mais rápido possível.
- Não é isso! Eu não quero ir hoje, preciso descansar um pouco.
- Não confia em mim? - ele perguntou, fitando-a.
- É claro que eu confio! Eu sei que você é diferente dos seus pais, mas...
- Mas... sempre tem um mas! - disse, com um semblante falsamente irritado.
- Ucker, eu confio em você, mas eu não quero ir, tudo bem?
- Desculpa, Dul! É que eu gosto muito de você e tenho medo que não queira nada comigo.
- Não acha que está avançando rápido demais não? - Dulce perguntou, um pouco desconfiada.
- Me desculpa! Eu gosto de você! Agora, eu vou indo, preciso dormir um pouco. Descansa, tá? - Ucker roubou um selinho dela e saiu. Ele não saía da cabeça dela, em todos os seu pensamentos, Christopher estava. Realmente, Dulce estava perdidamente apaixonada por ele. Como aconteceu tão rápido? Como se apaixonou pelo filho dos seus principais inimigos? - ela perguntava em meio aos flashes que tinha dos momentos que teve com ele, sua mais nova paixão. Pegou seu livro e leu mais algumas páginas, adormecendo com o mesmo nos braços. Na manhã seguinte, Dulce acordou cedo, como de costume, mostrando um pouco da reserva para o grupo de Christopher, o que era uma grande tentação pra ela. Enquanto explicava sobre o ambiente, Natália observava de longe, com um ódio estampado em seu rosto. De certo, odiava a Dulce.
- Amei este lugar! Além de conhecer a reserva, conheci uma nova amiga, não é, Dul? - May afirmou, com um lindo sorriso.
- Obrigada, May! - Dulce agradeceu.
- Eu também conheci uma nova amiga, a Dulce! - Ucker afirmou. - Na verdade, queria que ela fosse mais do que uma amiga, pena que ela não quer! - Ucker falou, fitando-a.
- Está apaixonado, Uckerzito? - Anny perguntou.
- Acho que sim, Anny! - ele respondeu, cínico.
- Até parece que o maior pegador do colégio está apaixonado! - Christian debochou.
- A Dulce é diferente, Chris! - disse, tentando se defender. - Eu não sou assim, você sabe disso.
- Vamos continuar? - Dulce perguntou, vermelha de vergonha. - Vocês estão me deixando constrangida.
- Desculpa, Dul! Minha intenção não era esta. - Ucker se desculpou.
- Tudo bem! - ela respondeu. - Podemos continuar agora? Eu tenho que mostrar pra vocês a... - ela parou de falar, mas ninguém entendia o por quê. - Gente, eu tenho que ir, vou pedir a Zora pra ajudar vocês. Ela saiu chorando, indo até Zoraida, que foi até os alunos. Ucker, como não era bobo, viu alí uma oportunidade para se aproximar ainda mais da moça.
- Dul, o que houve? Por quê saiu daquele jeito? - ele perguntou, assim que chegou no quarto dela.
- Nada, é que eu passei mal! - ela respondeu, deitada em sua cama, sem fitá-lo.
- Eu sei que não é isso! Ficou assim pelas coisas que eu disse?
- Não! É que a Natália está aqui de novo! - Ucker arregalou os olhos, pensando em tudo o que ia dizer. Não poderia dar nenhum vacilo.
- Quem é Natália? - perguntou, fingindo não saber de nada.
- O pai dela é dono do hotel daqui! - disse ela, se sentando. - Eles eram meus vizinhos e só viviam discutindo um com o outro. A Natália era minha amiga, mas tudo mudou quando meus pais foram assassinados.
- A Natália também é sua inimiga? - Ucker perguntou, boquiaberto.
- Não, ela não é minha inimiga, apesar de ter me feito muito mal.
- Você sofre muito então!
- Ainda bem que eu tenho a Zora e a Esmeralda! - Dulce sorriu.
- E à mim! Você sempre poderá contar comigo, Dul! - Christopher respondeu-lhe.
- Obrigada, Chris! Você mal me conhece e já me ajuda muito! Eu não sei o que fiz pra merecer tudo isso.
- Você não precisa me agradecer, Dul! Como eu disse, eu te adoro e quero te ajudar.
- Chris, é sério o que disse para seus amigos? - Dulce perguntou.
- Que eu gosto muito de você e estou apaixonado? - ela assentiu com a cabeça. - Sim, Dul! Eu estou muito apaixonado por você. Não sei como foi acontecer tão rápido, mas sinto que devo te proteger! - disse ele. Ucker pegou na mão dela e levou até seu peito. - É assim que meu coração bate quando estou com você. - Ele poderia ter todas as armas da sedução, mas seu coração estava batendo forte. Encostou sua testa na de Dulce e a encarou por alguns instantes, dando início à um beijo calmo, que foi se transformando em um beijo veloz e selvagem. Ela levou sua mão esquerda até a nuca dele, trazendo-o para mais perto de si. Estavam se beijando romanticamente, até serem interrompidos por Esmeralda.
- Está na hora do café da manhã dela! Quer me ajudar? - perguntou.
- Não, não, obrigado! Se não se importar, eu vou seguir meu grupo. Fique bem, tá? Quanto à essa tal de... - fingiu não lembrar.
- Natália! - Dulce afirmou.
- Isso! - concordou. - Quanto à essa Natália, não se preocupe, não vou deixar que ela se aproxime de você. Eu já odeio  essa mulher, sem conhecê-la. - Ucker fitou Dulce por alguns instantes e saiu, deixando ela cada vez mais pensativa.

                                ****
- Quer dizer que esse garoto disse que está apaixonado por você? - Zora perguntou.
- É, Zora! O Ucker gosta muito de mim e eu também gosto muito dele! - Dulce afirmou.
- Eu tenho medo que... - Dulce interrompeu.
- Que ele não seja de confiança! - completou. - O Ucker gosta de mim, ele quer me proteger, sem conhecer a Natália.
- Como? Ele disse isso?
- Isso o quê, Zoraida? - ela perguntou, sem entender.
- Ele disse que não conhece a Natália?
- Não, mas não tem como o Chris conhecê-la. - respondeu.
- Dulce, hoje estavam no restaurante do hotel. - Zora afirmou. - Pareciam se conhecer muito bem.
- É claro! Bem capaz da Natália ter se oferecido pra ele, mas deve ter esquecido de dizer o nome ou você deve ter se confundindo.
- Já vi que você está apaixonada mesmo! - brincou.
- Eu não queria, mas estou gostando do Chris, mas fique tranquila, ele não vai me decepcionar ou fazer o mal. - afirmou.
- Espero que ele não te machuque! - Zora se despediu de Dulce e foi para seu quarto.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...