História A Nerd e o Bad Boy - Capítulo 28


Escrita por: ~

Postado
Categorias Alex Mapeli, Bruna Unzueta, Originais
Personagens Alex Mapeli, Bruna Unzueta, Personagens Originais
Tags A Nerd, Ação, Adaptação Camren, Camren, Camren G!p, Comedia, Drama, Fanfic Camren, O Bad Boy, Revelaçoes, Romance, Sexo
Visualizações 121
Palavras 971
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Hentai, Luta, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi pessoal, aqui está mais um capítulo pra vocês, deixem ai seus comentários pra mim, pra ficar mais animada pra posta pra vocês, até lá embaixo.

AVISO NO PRÓXIMO CAPÍTULO IRAM ENTENDER O QUE ESTÁ ACONTECENDO DE VERDADE, BEIJOS.

Capítulo 28 - Vivendo um pesadelo


Camilo

Eu já estava a quase 3 horas sentado aqui neste chão frio, ninguém me trazia noticias da Lauren e aquilo já estava me deixando nervoso, queria saber da minha mulher e dos meus filhos, mas estes enfermeiros e secretários não sabiam me responder nada. Já passava das 11 da noite, uma das enfermeira havia cuidado dos ferimentos do meus lábios, que teve que dar pontos por dentro e também me deu um remédio para dor, mas isto não me importava, minha aparência não me importava e nem estar todo sujo de sangue. Ver minhas roupas assim só me deixava mais mal ainda, porque sabia que Lauren tinha perdido muito sangue, nunca perdoaria meus pais se eu perdesse minha mulher e meus filhos. Meus pais haviam passado por mim a quase 1 hora atrás, não sabia o que eles estavam fazendo aqui, mas pouco me importavam. Peguei meu celular que estava no bolso da minha calça de moletom, por sorte ainda tinha um pouco de bateria no celular, fui até minha lista de contatos e apertei no número do Danley e fiquei esperando ele atender.

LIGAÇÃO ON

- Danley: Camilo porque está me ligando a uma hora desta. - disse Dan e pude perceber a voz de sono dele.

- Camilo: Danley não pergunta só preciso que você venha até o hospital Hernández, aqui eu te explico tudo, ligue pros outros e traga eles também, fala que e sobre Lauren e os bebês e urgente. - disse rapidamente com a voz já embriagada e pude sentir as lágrimas escorrerem pelo meu rosto.

- Danley: Tudo bem Milo já estou indo no caminho eu ligo pros pessoal e falo com eles, chego ai em no máximo 20 minutos. - disse e logo a ligação foi desligada.

LIGAÇÃO OF

Há quase 4 horas eu havia trazido Lauren pro hospital, não havia notícias nenhuma ainda, estava desesperado, não conseguia parar de chorar. Me levantei e fui até o balcão em busca de mais informações, mas a mulher não sabia me dizer nada. Eu estava quase explodindo e arrebentando todo aquele hospital, se daqui 10 minutos não trouxessem informações da Lauren e dos bebês iria acabar com toda àquela sala de espera. Voltei a me sentar no chão e levei as mãos a cabeça, não podia perder eles, não mesmo.

- Camilo. - escutei a voz de Danley me chamando, me levantei imediatamente e me joguei nós braços dele e ele me envolveu de forma apertada. - o que aconteceu Milo?. - perguntou-me passando a mão pelas minhas costas, ergui um pouco a cabeça e percebi que Nicole nós observava.

Expliquei tudo para ele e pude ver a cara de ódio que o mesmo ficou, assim que percebeu o meu estado também. Uns 5 minutos depois o resto do pessoal chegou, Steven e o que identifiquei ser a noiva dele, pela aliança que eles usavam e o filho dele que estava dormindo em seu colo. É novamente tive que explicar tudo para eles e a vontade de todas eram matar meus pais, passou mais uns 10 minutos depois todas nós estávamos sentados. Todos tentavam me acalmar, mas ao mesmo tempo tentavam não pirar também, logo o mesmo médico Keller que havia atendido Lauren da primeira vez que viemos aqui, veio até nós e sua cara não era das melhores.

- Então doutor minha mulher está bem e meus filhos como eles estão?. - perguntei aflito e me levantando, fui passando minha mão nervosamente uma na outra.

- Senhor Hernández, nós tentamos fazer de tudo pra salva sua filha e sua mulher, mas infelizmente ambas vieram à falecer, sua mulher perdeu muito sangue e não aguentou ao parto e sua filha infelizmente morreu no ventre de sua mulher, mas nós conseguimos salvar o menino, por ainda ser muito prematuro ele está na incubadora, você poderá ver ele assim que nós fizermos todos os exames necessários nele. - disse o médico e em cada palavra que ele falava várias lágrimas desciam pelo meu rosto.

Cai no chão em desespero, eu não acreditava que tinha perdido minha filha e minha mulher era tudo o que meus pais queriam, não podia acredita nisso, dei dois socos com força no chão. Não podia ser verdade, senti alguém me abraçar fortemente, os soluços dos outros podiam ser escutados pela sala toda de espera, me levantei do chão e olhei para o médico.

- Eu quero a ver será que eu posso me despedir dela?. - perguntei ao médico e ele me levou até onde o corpo de Lauren estava.

Quando vi o corpo dela na maca, me permiti chorar ainda mais, eu não acreditava que ela tinha falecido. Me aproximei da maca e toquei a mão de Lauren, ela ainda estava quente, mas sua respiração não existia mais, passei a outra mão pelos cabelos dela e a olhei por longos segundos ali de olhos fechados. Beijei sua testa e olhei para a mão da mesma, que estava segurando e de lá tirei o anel que ela usava em um dos dedos e o coloquei em uma corrente que usava no pescoço. Lauren usava aquele anel desde sempre e seria uma coisa que levaria sempe comigo, dei um beijo em sua testa novamente.

- Isto não e um adeus Lolo, você sempre será tudo pra mim, prometo que vou ser o melhor pai do mundo pro nosso filho. - disse dando um último beijo na testa dela e deixando as lágrimas descerem pelo meu rosto.

Sai do quarto e o médico me perguntou se eu queria ver a nossa filha, mas eu neguei, não sabia se iria aguentar ver minha filha morta, minha princesinha. Agora eu tinha que ser forte pelo nosso filho, precisava de um emprego e de uma casa pequena, não vou mas morar com os meus pais, eles me fizeram perder a mulher da minha vida e nossa filha, nunca vou os perdoar por isto.


Notas Finais


Espero que não me matem, próximo capítulo vocês iram entender, beijos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...