História A new love. - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Maggie Lindemann, Paulo Dybala
Personagens Personagens Originais
Tags Dybala, Futebol!, Jogador, Juventus, Maggie Lindemann, Paulo Dybala
Visualizações 78
Palavras 1.274
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


esse capitulo, aiai, altas revelações!
leiam até o final porque ESSE FINAL vai ser muito importante!!!!

espero que gostem <3

Capítulo 8 - Guilty?


Fanfic / Fanfiction A new love. - Capítulo 8 - Guilty?

 

            I. Marina Bartolini

Dois dias haviam se passado desde toda aquela confusão. A notícia passava o tempo inteiro em programas de fofoca, e até mesmo em canais de esporte. Aquilo já estava passando dos limites, e as pessoas estavam tão preocupadas com o que aconteceu que a própria faculdade me deu dias em casa, como se isso fosse a solução para o problema. 

Paulo não havia se pronunciado em nenhuma rede social ou em coletivas de imprensa, e espero que isso não aconteça tão cedo. Sei que ele vai falar que a culpa foi minha e que eu criei essa história por pura fama, mas essa não é a verdade, e infelizmente ele não sabe disso, e nem me deu a chance de explicar. 

            alguns dias depois...

O moletom que vinha até minhas coxas infelizmente não escondiam minhas olheiras e cara amassada de tanto chorar e dormir. Estava de noite quando resolvi me sentar de frente pra televisão e procurar alguma coisa que não seja um programa de fofocas para assistir, quando meu celular vibrou. Peguei o aparelho e desbloqueei, abrindo diretamente no aplicativo de mensagens. Era Holly.
 

Oi... Como você tá? 
                                                        

                             Mal, bem mal. 
 

Sobre isso... Eu preciso te contar uma coisa, mas você precisa entender o meu lado nessa história. 

Do que ela estava falando? 

                         Nossa, que foi? 

Calma, eu preciso te contar pessoalmente, pode me encontrar na Cafeteria Hollister, no final do quarteirão? 

                                Tá, tô indo já!

Bloqueei meu celular e fui vestir uma calça e botas, estava frio demais. Guardei o aparelho no bolso assim que estava pronta e coloquei um gorro em minha cabeça, tentando evitar a friagem. 

Sai do apartamento e fui caminhando até a cafeteria, já que não era tão longe. Logo em que entrei, avistei Holly sentada em um sofá mesa no fim da pequena cafeteria. O lugar era pouco iluminado, e tinha um balcão com alguns banquinhos e algumas mesas acompanhadas por um sofá acolchoado. O clima aqui dentro estava quentinho, por isso tirei o gorro e me sentei em frente à Holly, que não parava de bater as pontas das unhas na madeira da mesa. 

— Oi. — disse.

— Oi. — respondeu, perdida em seus próprios pensamentos. 

— O que queria me falar? — perguntei.

Holly parecia aflita, ou talvez com medo de dizer o que tinha para falar. Pensei em não força-la, mas a curiosidade já estava me matando. 

— Conta logo! — disse. 

— Marina, é serio, você precisa entender meu lado. — disse Holly. 

— Tá bom, tá bom, só me conta logo. Tô ficando nervosa. — disse.

Holly respirou fundo e forçou um sorriso, ainda batendo com as unhas na mesa.

— Foi Corey quem contou pra imprensa sobre você e o Dybala.

— O que? — perguntei, mesmo tendo escutado o que ela havia dito. 

Por sua vez, se acomodou no sofá e respirou fundo.

— Foi o Corey que soltou na imprensa sobre você e o Dybala. — disse Holly pausadamente de um jeito que eu pudesse compreender melhor. 

Minha boca entre aberta entregava tudo o que eu pensava naquele momento. Holly me encarava sem demonstrar qualquer reação, mesmo deixando escapar a ansiedade em suas unhas, que batucavam sem parar a mesa. 

— E como ele soube? — sussurrei. 

— É ai que está o problema. Mari, me desculpa, eu juro que não foi de propósito. — disse Holly, tocando em minhas mãos.

Tirei a mão e a coloquei em cima da minha perna.

— Holly, como ele soube? — perguntei firme.

— Eu estava falando com Daniel pelo telefone, aquele jogador que eu conheci na festa, e Corey acabou ouvindo a nossa conversa. Quando eu desliguei a ligação, ele entrou no quarto feito um louco e tentou me agredir, querendo tirar alguma informação de mim e tentando saber com quem eu estava falando. Eu fiz de tudo pra não contar sobre a festa, e por isso inventei que estava falando com um parente distante, mas eu vacilei Mari, me desculpa. Acabei indo dormir e deixei meu celular atoa, e por isso ele viu as mensagens que eu havia trocado com Daniel, e ele me falava que Dybala pensava muito em você, então Corey usou isso contra mim por ter mentido pra ele. Ele sabia que Paulo estava namorando e que teria uma confusão enorme se as pessoas achassem que ele havia traído a namorada. Me perdoa Mari, não foi de propósito, eu juro! — disse Holly. 

Todas aquelas informações de uma vez me causaram um mal estar. Senti minha vista pesar, e logo em que meu estômago revirou, todo o meu almoço foi parar no chão da cafeteria. As pessoas me olharam com espanto e uma senhora veio me perguntar se eu estava bem. Olhei pra Holly, que havia se levantado e foi chamar alguém para limpar.

Afirmei para a senhora que estava bem, e logo ela foi embora. No momento em que chegaram pra limpar, bebi um pouco de água e Holly voltou a se sentar.

Respirei fundo por um tempo e Holly ficou em silêncio. 

— Você me perdoa? — perguntou Holly. 

Seus olhos estavam marejados, e seu cabelo loiro estava com pequenas ondinhas. A pele dela era bem branquinha, mas do jeito que ela estava nervosa, estava começando a ficar vermelha. 

— Eu preciso de um tempo pra processar tudo isso. — disse.

— Eu posso te dar esse tempo, mas o que eu não posso fazer é conviver com essa dor. Eu errei em ter mentido pra ele, eu errei em ter me envolvido com ele, mas eu realmente não queria colocar ninguém no meio dessa confusão toda! eu sinto muito. 

— Holly, você fez uma merda do caramba. Você é incrível, mas vai ser difícil te perdoar por isso. Paulo acha que sou uma mentirosa, minha mãe acha que não me educou direito, e provavelmente metade do mundo está me achando uma vadia aproveitadora neste exato momento. Isso não é pouca coisa, desculpa. — disse, e então me levantei indo em direção à porta da cafeteria.

Quando sai, senti a brisa fresca bater contra o meu rosto, fazendo meus cabelos voarem por trás dos meus ombros. Coloquei novamente o gorro e segui em direção a minha casa, tentando processar tudo o que Holly havia me dito. 

 

       I. Paulo Dybala

 

Havia se passado algum tempo desde o dia em que aconteceu tudo aquilo. Minha família me ligava várias vezes por dia apenas pra saber o que eu estava fazendo, se estava com alguém ou qual seriam os meus planos para o final de semana. Nem eles tinham mais confiança em mim. Daniel era a mesma coisa, porém demonstrava um pouco mais de compreensão. Ele sabia que as coisas não haviam acontecido desse jeito, mas o problema é que o mesmo não fazia ideia do que Ally tenha feito em Toronto. 

Logo meus pensamentos voltaram à barra de peso que eu levantava. Coloquei-a no lugar e me sentei, tentando me concentrar o máximo possível e não surtar antes do próximo jogo. 

E quando eu finalmente pensei que teria paz, Daniel apareceu e se sentou ao meu lado. 

— Preciso que você venha comigo até um lugar. — disse Daniel, um pouco mais baixo para que os outros não escutassem.

— Pra onde? 

— Cala a boca e vem. — ele disse.

Por sua vez, ele se levantou e fez menção para que eu o seguisse. Me levantei e fui andando atrás dele, até que o mesmo me levou até o lado de fora da academia.

Havia uma garota de costas, vestindo calça jeans e moletom. Daniel foi até ela e tocou em seu ombro, fazendo a garota se virar em nossa direção. Logo então os dois se entreolharam e voltaram com a atenção para mim. A garota me observou dos pés à cabeça e tirou os óculos escuros.

— Precisamos conversar. 


Notas Finais


bom, quero dizer que essa parte da estória já estava planejada desde o começo, e que é por causa disso que o dybala e a marina terão um romancezinho hahahaha (aquele spoiler leve)

mas enfim, quem vocês acham que é essa garota? hmmmm, tá muito suspeito!!!! comentem o que acharam, eu amo ler os comentários de voces!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...