História A noiva do meu melhor amigo - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Dylan O'Brien, Justin Bieber, Katherine McNamara
Personagens Dylan O'Brien, Justin Bieber, Katherine McNamara
Exibições 94
Palavras 1.915
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi, pessoal. Tudo bem com vocês? Eu havia dito que postaria só no dia 22, mas não resisti, aqui estou eu então :)
→ Dedico esse capítulo a todos que comentam me apoiando sempre, vocês são demais! Mas principalmente a Danger, ela está me ajudando sempre que preciso. Sou muito grata por ter vocês, viu?

Capítulo 9 - Girassóis, café da manhã e momentos no parque.


Fanfic / Fanfiction A noiva do meu melhor amigo - Capítulo 9 - Girassóis, café da manhã e momentos no parque.

A noiva do meu melhor amigo. (Notas finais importante.)

Quinta-feira, 18 de Agosto de 2016. - 10:26AM.

"Girassóis, café da manhã e momentos no parque." - Narração na 3ª pessoa.

 

— Bom dia. — Justin murmura quando Isabelle remexe-se sobre seu colo.

A garota havia caído no sono com a cabeça deitada sobre o colo do rapaz enquanto eles assistiam o filme da noite anterior.

— Bom dia. — ela diz se sentando no sofá.

— Dormiu bem?

— Não muito. — respondeu colocando a mão na cabeça que lateja — Estou com uma dor de cabeça horrível.

— Você bebeu demais ontem. — o loiro diz rindo ao lembrar-se do quanto ela estava bêbada.

— E você, dormiu bem? — pergunta indo até a cozinha para tomar um remédio que aliviasse a dor insuportável que ela está sentindo.

— Certamente não foi uma das minhas melhores noites. — ele responde fazendo com que Isabelle dê risada — Dormir no sofá me rendeu uma bela dor nas costas.

— Você quer um também? — questiona referindo-se ao remédio.

— Sim. — respondeu pegando o remédio na mão de Isabelle — Obrigada.

— Você quer tomar café da manhã aqui ou vai para casa?

— Acho melhor eu ir para casa.

— Ah! — diz desapontada — Nós poderíamos tomar café na padaria aqui perto, mas tudo bem.

— Mas e os seus pais?

— Eles vão demorar chegar.

— Se você quiser eu fico, então. — o loiro fala sorrindo de lado.

— Você vai adorar o sanduíche de lá! — Isabelle diz batendo palmas enquanto sorria animada. — Vou pegar uma escova de dentes sem usar e uma toalha para você tomar banho, vem! — fala pegando na mão dele arrastando-o até seu quarto.

— Obrigada. — ele agradeceu pegando a toalha de sua mão.

— Use o quarto de hóspedes; quarta porta, à esquerda. — sorri para ele. — Vou tomar um banho rápido e te espero lá embaixo.

— Beleza. — responde saindo do quarto da ruiva.

Isabelle sentia um pouco de culpa por estar próxima de Justin, mas ela não conseguia evitar. A garota se sentia feliz por estar perto dele, mesmo sendo por pouco tempo. Pois depois eles deveriam cortar essa aproximação para os pais de Isabelle não ficarem bravos com ela, além do fato de Dylan não poder saber também.

Isabelle deixou seu pensamentos de lado e entrou no box, ligando o chuveiro em seguida fazendo com que a água relaxasse seus músculos.

Minutos depois desligou o chuveiro e saiu enrolada numa toalha em direção ao closet para vestir algo confortável. Sua escolha foi simples: uma regata preta e um short jeans claro, já que fazia calor naquela manhã.

Após escovar seus dentes, ela lembrou-se que não havia dado uma escova de dentes sem usar para Justin, então foi em direção do quarto de hóspedes.

Uma, duas, três batidas e nada de Justin abrir a porta.

A menina então revirou os olhos e se apoiou na maçaneta da porta que acabou abrindo pois o loiro não havia trancado. Isabelle então acabou tropeçando nos próprios pés, e nesse momento o barulho do chuveiro parou, Justin então enrolou uma toalha em sua cintura e saiu do banheiro dando de cara com a ruiva boquiaberta.

— Oh meu Deus! Me desculpe. — pediu envergonhada enquanto ainda o fitava — Eu abri a porta sem querer, juro para você.

— Você sabe que ainda está me olhando, certo? — perguntou segurando o riso fazendo com que Isabelle se tocasse do que estava fazendo.

Ela literalmente estava o admirando desde que ele saiu do banheiro com a toalha na cintura.

— Desculpe. — pediu novamente, só que dessa vez virando-se para frente da porta, permitindo que Justin se trocasse sem ela o secando.

— Já pode virar. — ele anunciou colocando sua blusa e assim Isabelle fez, virou-se enquanto mordia os lábios pensando na visão que teve minutos atrás — Vamos? —  perguntou estalando os dedos na frente do rosto dela, tirando-a de seus pensamentos.

— Sim, claro! — respondeu pegando na mão do loiro que se assustou com tal ato, mas preferiu não falar nada.

Isabelle o arrastou até o fim do quarto e quando eles chegaram na rua o silêncio se instalou por metade do caminho, deixando um clima nada agradável para os dois.

— Justin? — o chamou quebrando o silêncio.

— Sim?

— Obrigada por cuidar de mim ontem. — fala ao passarem em frente de uma floricultura.

— Não foi nada. — respondeu sorrindo de lado e então tem uma ideia — Espere! — ele pediu fazendo com que ela pare com o semblante confuso.

— O que foi? — pergunta confusa o olhando pegar um girassol dentro de um vaso azul sobre uma mesa em frente a floricultura.

— Tome. — diz entregando o girassol para Isabelle que sorri enquanto suas bochechas coram, aquelas flores eram suas favoritas.

— Obrigada, Justin. — fala enquanto ele paga o senhor dono da floricultura. — Ela é linda. — diz admirando a flor.

— Verdade. — concorda sorrindo enquanto observa seus traços.

De fato Isabelle era linda, mas para Justin ela era dona de uma beleza divina. Seu cabelo quase cor de fogo o deixava encantado, seus lábios tão convidativos para um beijo, além de ser dona de um sorriso magnífico. Certamente ele poderia admirá-la por horas, mas não se cansaria.

— Vamos? — perguntou fazendo com que Justin saísse do seu transe para voltarem a andar até a padaria.

Os dois então voltaram a andar e depois de alguns minutos já estavam em frente a padaria, que tinha um delicioso cheiro de pão que acabará de sair do forno.

— O que o casal vai querer? — um senhor atrás do balcão perguntou para Isabelle e Justin.

Eles se entreolharam sem jeito e sorriam desajeitados com o comentário do padeiro.

— Não somos um casal. — Justin respondeu sorrindo triste.

Isabelle e ele não eram um casal realmente, mas poderiam ser, pensou.

— Me desculpem, pensei que fossem. — o senhor pediu envergonhado.

— Não tem problema, nós éramos. — Isabelle disse sorrindo gentilmente para o padeiro que retribuiu.

— E então, o que vão querer?

— Um sanduíche natural, por favor. — Justin pediu — E você?

Isabelle então observou o que estava à  venda. Havia diversos doces, pães salgados, sanduíches, mas apenas algo chamou sua atenção. Um donut de morango. A garota sabia que aquilo não era saudável, já que ela seguia uma dieta, e sua mãe a mataria por comer aquele doce de manhã, mas Isabelle não conseguia evitar sua vontade. Fazia muito tempo que ela comia algo fora da dieta, então acabou resolvendo comprar, já que acreditava não fazer mal algum aquele doce para o seu peso.

— Um donut de morango, por favor. — pediu sorrindo animada por comer algo á risca depois de tanto tempo fazendo dietas e mais dietas, para manter o peso ideal que sua mãe tanto falava desde que Isabelle era pequena.

O padeiro então pegou o que os dois pediram e foi atender outro cliente.

— Eu pago. — Justin falou quando chegou a vez deles serem atendidos pela moça do caixa que sorriu maliciosa para o loiro, mas acabou desmanchando seu sorriso ao ver que ele estava acompanhado. Isabelle então revirou os olhos ao vê-lo sorrir para morena que certamente gostaria de flertar com ele se ela não estivesse presente.

— Não, Justin. Eu pago, estou te devendo 20 dólares mesmo. — disse pegando o dinheiro do bolso e entregando para a garota do caixa que fechou a cara para a ruiva  — O que foi aquilo? — perguntou já fora da padaria enquanto voltavam para casa.

— Aquilo o que?

— Não se faça de idiota, Justin. A garota estava te comendo com os olhos. — falou enojada, fazendo ele engasgar com a saliva devido ao fato de querer rir dela.

— Não posso fazer nada se sou atraente, baby. — disse simples mordendo seu sanduíche.

— Você se acha, garoto. — a ruiva falou revirando os olhos ao terminar de comer seu donut.

— Não me acho, Isabelle. Eu simplesmente sou. — riu. — Olha que legal esse parque! — falou fazendo com que ela prestasse atenção no local à sua volta.

Ele era lindo, cheio de árvores, alguns brinquedos que algumas crianças brincavam enquanto seus pais ficavam sentados em alguns bancos distribuídos ao redor do parque.

— Justin, será que nós poderíamos sentar naquele banco? — perguntou apontando para o assento perto dos balanços.

— Por mim tudo bem.

Isabelle e ele então caminharam até o banco, onde sentaram para observar o local.

O parque era realmente lindo e estava um calor agradável, mesmo com algumas crianças brincando dava para ouvir alguns pássaros cantando, o que certamente dava uma sensação de paz aos dois.

— Eu duvido você ir no balanço. — o loiro falou com um sorriso divertido.

— Você é doido? — perguntou olhando para ele. — As pessoas vão olhar para mim me achando uma criançona.

—A opinião delas é importante? — questionou fazendo com que ela o olhasse. — Você está com medo, isso sim.

— Não estou com medo, Justin. — respondeu irritada.

— É claro que está, olhe para sua cara. Ela transborda medo! — diz rindo do semblante da ruiva. — Não acredito que você ainda tem trauma daquela vez em que te derrubei do balanço, Isabelle.

A garota então o fuzila com o olhar ao lembrar-se de quando eles tinham 14 anos e Justin a derrubou do balanço que tinha no parque perto da casa dele. Isabelle não poderia se esquecer daquilo que rendeu a ela 3 pontos no local machucado, já que ao cair do balanço seu joelho foi de encontro a uma pedra que tinha na grama.

— Eu vou! — falou levantando-se do banco — Mas se você me empurrar rápido demais eu juro que quebro a sua cara.

— Eu juro que não vou te derrubar dessa vez. — disse rindo enquanto ia com ela até o balanço.

— Justin, eu vou cair. — Isabelle gritou com medo já que o rapaz estava a empurrando forte já.

— Está com medo? — perguntou rindo da cara que ela fazia ao balanço ir cada vez mais rápido.

— Pare essa merda agora, Justin Drew Bieber. — ordenou com a voz embargada de medo.

E então assim ele fez, parou o balanço fazendo com que a garota desse graças a Deus por não ter caído.

— Viu, eu disse que não te derrubaria.

— Mas quase derrubou! — disse indignada socando o peitoral de Justin.

— Relaxa, Belle. Você não caiu, é o que importa. — falou rindo ao segurar suas mãos.

— Nunca mais confio em você. — murmuro indignada enquanto soltava-se dos braços do loiro.

— Acho melhor irmos, mais tarde eu tenho uma reunião. — Justin diz ao olhar em seu relógio percebendo que deveria ir embora caso não quisesse perder a hora do trabalho.

— Vamos então. — Isabelle respondeu indo pegar sua flor que estava no banco para eles irem para a casa dela.

Durante o caminho de volta eles conversaram sobre a noite anterior que havia sido vergonhosa para ela, mas que  mesmo assim acabou sendo divertida, tanto para Justin quanto para Isabelle.

— Acho que tchau, então. — a ruiva falou parando em frente a porta de sua casa.

— É. — ele respondeu a fitando.

— Obrigada por huh, você sabe... — sorriu.

Os dois então sorriram sem graça fazendo com que um silêncio se instalasse, permitindo um clima pairar sobre eles. Isabelle  então mordeu os lábios enquanto Justin se aproximou lentamente de seu rosto para fazer algo que não deveriam.

Aquilo era errado, os dois sabiam que iriam se arrepender, mas naquele momento qualquer indício de culpa parecia ter sumido, fazendo com que eles sentissem mais vontade ainda de se beijarem.

E quando ele finalmente havia chegado perto o suficiente para beijá-la, a garota fechou os olhos apoiando-se na maçaneta que acabou abrindo a porta.

— Isabelle! — uma voz gritou fazendo com que eles se afastassem rapidamente — O que você pensa que está fazendo? — sua mãe, Angeline, perguntou fazendo os dois se olharem nervosos com o coração acelerado sem saberem o que fazer diante daquela situação.


Notas Finais


Capítulo betado pela Danger (Valerie Edits/York Designs).
Oi, gente. Espero que tenham gostado desse capítulo, pois escrevê-lo foi muito bom, acho que realmente saiu como o planejado.
→ Esses dias eu quase apaguei ANDMM, porque a tia Ali ia fazer isso? Simplesmente me passou pela cabeça que a história está horrível (sempre tenho momentos assim que resultam nas exclusões de tudo que já escrevi até hoje). Primeiro eu apaguei Scarlet, uma one-shot que escrevi recentemente e postei, depois me veio vontade de apagar Fake Dating e por fim, ANDMM. Infelizmente sempre tenho esses momentos quando posto algo e geralmente resulta na exclusão, só que com essa história eu realmente não quero fazer isso. Já estou muito apegada a todos vocês, e seria uma covardia fazer isso, não é? Estou passando por um pequeno bloqueio em alguns capítulos, mas isso não é motivo suficiente para apagar ANDMM, certo? Infelizmente sou bastante insegura com a minha escrita, além da minha insegurança sempre que posto algum capítulo, e para piorar a situação, já recebi críticas não construtivas via MP, algo que me desmotivou muito.
Com esse desabafo todo, eu quero dizer que não desistirei de ANDMM, afinal já tenho o final todo planejado, mas possa ser que alguns capítulos demorem, me desculpem. Por mais que eu ame escrever, sinto que está ruim, e minha escrita não é das melhores nesse momento. Desculpem a tia Ali por esse desabafo chato, acho que eu quis ser sincera com vocês, sabe? Enfim, obrigada por tudo, pelos favoritos e comentários. Tudo isso significa muito para mim, já sou feliz por ver que algumas pessoas gostam da minha história. Muitíssimo obrigada por todo o apoio que recebo, eu amo vocês ❤
→ Seria de extrema importância saber o que vocês estão achando, eu estou totalmente aberta a comentários e críticas construtivas. Ficarei muito feliz em saber a opinião de todos ❤
→ Novamente obrigada por tudo, me perdoem por esse desabafo confuso e chato.
Até o dia do aniversário da tia Ali! Beijinhos ❤ (Se alguém quiser fazer amizade comigo é só fazer o pedido de amizade.)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...