História A nova Acessora - Jungkook - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts Biakook Armys
Exibições 27
Palavras 1.411
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Ecchi, Festa, Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Sci-Fi, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


ARMYS!!! VOLTEI!!!

BOA LEITURA!!

Capítulo 6 - A Carta


Fanfic / Fanfiction A nova Acessora - Jungkook - Capítulo 6 - A Carta

- acordeeeem!!!! - chamava balançando Suga.- já vamos descer!! - ate que tive uma ideia. Fui ate a cabine de emergência onde tinha uma buzina de gás e voltei. Olhei os sete anjinhos dormindo confortavelmente em suas poltronas chegando ao Brasil, pera, oito com a Jennie atracada com o Tae. - ACORDEM!!!- Buzinei bem alto. Toda pularam no mesmo instante.- bom dia santos Diabinhos!!

- aish, já chegamos? - pergunta Jin abraçado ao seu travesseiro rosa.

- sim, vamos descer...


"Senhores passageiros queiram apertar os cintos, estamos aterrizando agora mesmo no aeroporto internacional de São Paulo."


- UUUUUUHUUUU!!!- gritaram se ajeitando nos seus lugares e eu fui para o meu, ao lado de kookie.

- nervoso?- perguntei apoiando minha cabeça em seu ombro.

- não... Sim...talvez. Da ultima vez foi incrível!!!- disse pegando minha mão e a beijando.

- gente. - chamei a atenção.- quando saímos do avião eu terei que ir direto para o tribunal, vocês vão com a Jennie e os seguranças para o Hotel, quando eu voltar vou leva-los em alguns lugares. E se saírem escondidos...- fiz sinal de cortar a garganta.- estamos entendidos?

- sim!- disseram.


(...) Uma Hora depois [No Tribunal]


- Beatriz Ferrari?- perguntou a secretaria.- já estão a sua espera. Levantei da cadeira e entrei na sala. Estava cheio de gente, meu advogado, juiz e outras pessoas.

- Bom Dia.- os comprimentei e sentei na cadeira ao lado do meu advogado.

- estamos aqui para saber o que sua falecida Tia a deixou. - fez sinal para que o advogado lê-se o papel.


" estamos aqui no dia 25.02.16, para ver os direitos no qual ____ Ferrari deixou para Beatriz Ferrari de herança..."


Cânceres vai, conversa vem e nada de acabar.


- "deixo a minha sobrinha, meu apartamento em São Paulo, Rio de Janeiro, Los Angeles, meus carros que estão na casa de Curitiba, assim como a casa, deixei fotos familiares e uma carta para que ela saiba de tudo. As: _______ Ferrari."


- creio que esteja encerrado, ne?- perguntei. 

- sim.

- pois eu só vou querer a caixa onde tem as fotos e a carta. O resto pode vender e doar ao meu advogado.- falei e meu advogado pulou da cadeira.

- Bia, somos amigos a muito tempo... Eu não po...

- pode e vai. - peguei a caixa que me pertence e andei ate a saída.- Boa Sorte Hamis.


Sai o mais rápido de lá e peguei um taxi. O pedi para ir na minha antiga casa. Assim que paramos dei um minimo sorriso. A grama que vivia verde agora esta seca, a tinta desgastada, subi alguns degraus da varanda e sentei em um bando de balanço. Ali foi onde eu passei os dias mais felizes da minha vida, era ali, naquela casinha banca e creme, de dois andares, três quartos, uma cozinha, dois banheiros, uma sala... Que eu vivi ate meus pais morrerem.

Abri a caixa e peguei as fotos e me deixei chorar. Fotos de momentos felizes, eu, minha mãe, meu pai... Ate algumas onde tinha minha tia se divertindo comigo no colo. Ate não parecia o ogro que me criou. Eu via felicidade em seus olhos. Vi um papel branco... Levantei e fui ate a porta, de arranque o já que sempre guardei a chave e entrei, os moveis, TV, tudo, cheios de panos bracos os cobrindo. Subi ao andar superior onde ficava meu quarto e entrei. 


Tinha um berço junto a uma cama, uma comoda e vários brinquedos, minha familia não passava necessidades, mas também não eramos ricos. Peguei um ursinho de pelúcia que eu adorava e sai rumo ao quarto dos meus pais. E tava lá, do jeito que eu me lembrava. A cama de casal no centro do quarto. Dois criados mudos, um banheiro, um gigante guardas roupas e um tapete branco que agora estava marrom. 


Peguei a carta e ousei o lançou da cama me sentando na mesma. Depois de tanto tempo o cheiro deles ainda continuava nos lençóis e travesseiros. Abri a carta.


"Bia, por tudo que eu fiz a você, das coisas ruins que eu disse, das vezes que eu lhe batia sem você fazer nada, saiba... Que eu me arrependo de tudo, ate porque eu era chantageada por aquele que matou seus pais, sim, não foi um acidente de carro, foram assassinados no dia do seu aniversário. "

Comecei a chorar.


"Eu fiz o possível para te manter salva, mas ele nos encontrou, eu queria pedir desculpas, falar que eu te amo, de como doía em mim ver você daquele estado, te da biscoitos com chocolates em dias frios, sair para o shopping e comer muito. Eu queria morrer sabendo que você iria me perdoar, mas não deu. Queria dizer que no dia em que perdeu a virgindade eu lutei contra ele, mas ele apontou a arma na minha cabeça e disse que iria me matar e matar você."


Ela lutou por mim...


"Quando você passou para a universidade eu fiquei tão feliz, eu queria te abraçar e dizer o quanto estava orgulhosa, dizer que quando você dormir eu ia de fininho lhe dava um beijo na testa e pedia perdão. Quando você foi embora minha vida ficou sem sentido, ele me bateu, disse que não podia ter a deixado ir. Ele me deixou viver ate saber o de você estava. Quando descobrir dará um fim em mim. Quero que me perdoe, para que eu possa descansar em paz, e acima de tudo, eu te amo, muito, muito!! Somente Deus sabe!"


Eu estava chorando... Chorando que nem criança. Aquela que julgava ser um monstros... Sempre me amou. Cuidou de mim. Fazia e falava coisas porque era obrigada.


- Tia, porque não me disse? - sussurros.- eu te amo. E só descobri isso hoje. Agora. Que sinto a falta que James ira embora...


Meu celular começou a tocar. Limpei a garganta e atendi.


- Oi kookie.- digo com a voz embargada.

- Bia? O que houve? Você esta chorando.- perguntou aflito.

- e-eu estou bem... Eu já estou indo.- desligou o celular e levanto da cama pegando  a caixa e a carta. Desco as escadas dou um ultimo adeus a casa e saiu trancando a porta.- adeus.


Chamo o taxi que passava ali perto e entrei dando endereço. Quando cheguei tinha varias pessoas, fãs, na entrada do hotel. Desci do carro e fui entrando ate ouvir meu nome.


- EII!! BEATRIZ FERRARI!!! SOMOS SUAS FÃS!!! NOS DIGA COMO CONQUISTAR O CORAÇÃO DELES!!!- gritaram. E eu ri. Mandei somente um tchau e entrei. Assim que sai do elevador dei de cara com duas garotas loiras conversando com o kookie no final do corredor.


Mas. O. Que. Ele. Ta. Fazendo. Lá?


Aish! Eu to com ciumes?


Andei depressa ate o apartamento onde todos iriam ficar e vida kookie me chamando. Vai chamar aquelas duas!


Entrei e vida todo mundo no sofá assistindo eliana, que eles não entendem nada. Botei a caixa na mesinha de centro e eles me olharam.


- o que é isso?- perguntou Jimin.

- só algumas coisas.- digo e vou em direção a cozinha. Pego um copo de água e me encosto no balcão.

- Bia, essa é a sua família?- pergunta Namjoon entrando com as fotos na mão e os outros atrás dele.

-é...

- essa carta... 

- eu já li. Ai esta toda a verdade.- digo deixando uma lagrima cair. Mas logo a limpo. Kookie parou em minha frente e me abraçou. Me senti segura. Amada. O abracei de volta e chorei. Mesmo estando na frente dos outros eu chorei. Que se o foda o orgulho.

- podemos ler?- pergunta Hobi.

- vamos pra sala e você lê.-diga fungando. Me solteira de kookie e fui pra sala, kookie sentou em uma poltrona e me puxou para sentar em seu colo.


Quando percebi todos estavam chorando. Inclusive eu. Eles fizeram um Rocinha e me abraçaram. Ali... Naquele momento. Eu passei a acreditar. Meus pais me amavam. Minh tia me amava. Eles me amam.


- eu amo vocês!- digo e repetimos a crise de choro.


(...)


- ta Okay. Amanhã vamos sair então vocês vão dormir agora, e na terça é o show de vocês.- digo para os meninos que já estavam deitados. - boa noite.- falei indo ate a porta.

- Bia. - chamou kookie. - eu te amo.- disse e os outros fizeram um "aaawwwon" o fazendo ficar vermelho e eu também. 

-eu sei. Eu também me amo.- digo e ele riu.- Psiu.- fui ate ele.- eu também te amo. Você e os outros me ensinaram. - sussurro em seu ouvido.- mais se eu ver você de novo com aquelas loiras, sozinho sem nem um amigo por perto eu te mato!


Ameaçou e saiu do quarto indo para o meu.




Notas Finais


Gente! Eu chorei muito...

Foi triste o cap... Mas também foi feliz!!! VIVA!!!!

Ate o próximo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...