História A Outra Face - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Backstreet Boys, Originais
Personagens AJ MacLean, Brian Littrell, Howie D, Kevin Richardson, Nick Carter, Personagens Originais
Tags Backstreet Boys, Bsb, Fanfics
Visualizações 12
Palavras 902
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Bem vindos a mais uma fanfic.
Espero que gostem!

Capítulo 1 - Capítulo 1


Fanfic / Fanfiction A Outra Face - Capítulo 1 - Capítulo 1

À noite na cidade de Los Angeles, estava mais frio do que de costume para a época. Um rapaz, alto, de cabelos curtos e loiros, olhos azuis, rosto afilado, em seu veículo do ano, atravessa a cidade em busca de diversão.

            Um lugar o chama a atenção, em letras em vermelho, ele ler: Mistic Night Club. Um prédio, com incontáveis janelas, da cor esverdeada. O moço estaciona na frente, pensando se deve seguir em frente ou não.

            Acaba descendo, de longe aciona o alarme do carro. Caminha a passos rápidos para a outra calçada. Na porta, é revistado e em seguida, convidado a entrar. Entrega o cartão de crédito, comprando assim, sua entrada para o próximo ambiente.

            Acaba sendo difícil caminhar com tantas pessoas juntas; passa pela música eletrônica, entrando na porta seguinte, uma música menos agitada. Indo até o bar, pede a bebida mais forte da casa.

            Logo o bar Mem coloca na sua frente um copo com um líquido da cor azul, fumaçando. Ele pega o copo com bastante cuidado, elevando-o até a boca, seus lábios tocam finalmente a borda, e ele vira.

            Quase se engasga, o líquido desde goela a baixo, queimando tudo. O moço desiste de pedir outro. Encontra um pequeno recipiente em formato de folha, dentro dele algumas bolinhas, que ele resolve experimentar.

            Ao colocar um punhado em sua boca, começa o processo de mastigação, começa a sentir um sabor delicioso, que não consegue definir, mas gosta. Antes que possa colocar outro punhado na boca, alguém o toca.

            Ao virar-se, percebe uma linda jovem do seu lado, seus olhos, por conta da iluminação do ambiente, não consegue definir, mas praticamente de sua altura, magra, cabelos lisos e longos, quase em sua cintura, parecendo uma modelo européia.

 

            - Você... poderia me dar licença? – ela fala apontando para o lugar ao seu lado - ... está tomando dois lugares

            - Desculpe!... fique a vontade... – o rapaz senta-se direito, dando espaço para a jovem

            - Está gostando daqui?... – ela acaba perguntando - ... posso te oferecer uma bebida? – a jovem continua a falar, e chama o rapaz do bar - ... 2 absintos por favor...

            - Interessante esse lugar... – o rapaz apenas responde  - ... seu nome?...  o meu é...

            - ... nada de nomes... – ela vira-se rapidamente pra ele entregando-lhe a bebida - ... estamos em um encontro casual... nem sabemos se vamos nos encontrar de novo... – ela continua

            - Bom!... Tudo bem... – pela primeira vez, ele fica sem saber o que falar – Você é daqui? – bebe um gole bem generoso do absinto

            - Vem comigo! – ela o puxa pelo colarinho

 

            Ele a segue, atraído por todo aquele suspense feito pela moça. Acabam ficando em um ponto escondido, entre dois ambientes. Antes que possa sair qualquer som de sua boca, ela o empurra contra a parede.

            Os dois começam a se beijar, ela o beija com selvageria. Suas línguas travam uma batalha. Seus corpos se colam. Ele, empolgado, segura firme em seus cabelos, puxando-os para trás, beijando o pescoço dela.

            Ambos começam a ficar ofegantes, suados. Do nada, ela para, ele tenta beijá-la, mas ela se afasta, empurrando-o com um pouco mais de força. Ele, que estava pegando “fogo” fica sem entender.

 

            - O que foi? – ele pergunta abrindo os braços, respirando rápido

            - Vem... – ela o chama mais uma vez, como se nada tivesse acontecido – ... vamos para outro lugar - ... ela o puxa pelo braço

 

            O rapaz não fala nada, apenas a acompanha. Eles acabam entrando em um ambiente mais iluminado. Com cores leves, e música erudita. Ela mostra uma mesa, onde eles se sentam.

            Ela chama o rapaz um pouco distante do bar, pede mais duas bebidas. Os dois ficam calados. O bar man, retorna com os copos em uma bandeja e volta para seu lugar.

 

            - O que foi aquilo? – o rapaz pergunta passado

            - ... um encontro casual... – ela responde desinteressada

            - ... você tem olhos lindos! – ele fala mudando de assunto

            - Essa sua cantada... não vai funcionar... – ela responde bebendo o drink - ... vamos almoçar amanhã?... – ela propõe - ...conhece o Restaurante Scorpions?...

            - Sim... – ele responde, procurando mais palavras para dizer

            - ... me encontre lá... ao meio dia... e não se atrase... – ela completa, levantando-se

            - ... espera... onde você vai? – ele levanta-se também, segurando em seu braço

            - Lamento... tenho que ir embora... – ela responde, soltando-se de sua mão

 

            O rapaz acaba não falando mais nada. Vendo ela ir embora, senta-se novamente, tomando o restante de sua bebida. Ele olha para o relógio, decide ir embora. Demora um pouco para sair do lugar, que mais parecia um labirinto.

            Entra no carro, dando partida no carro, dá uma última olhada no local. Sorrir pelo canto da boca. “Preciso voltar mais vezes aqui”, acaba pensando, em sua mais nova e futura “vítima”, a jovem sem nome.

            Assim que chega em casa, um primeiro andar, a beira da praia, saí largando as roupas pelos cantos, ficando apenas de cueca Box. Indo até o bar, pega uma das bebidas, bebendo no gargalo.

            Sentando-se confortavelmente no sofá, estica as pernas, colocando os pés em cima do centro bem a sua frente; mira o controle em sua TV de 50 polegadas, ligando-a.

 

            - ... Preciso descobrir quem é você... qual o seu preço... – o loiro começa a falar sozinho, dando mais um gole - ... você vai ser minha... como todas as outras...


Notas Finais


Aguardem as próximas emoções


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...