História A patricinha sobe o morro - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Chiyo, Chouji Akimichi, Deidara, Fugaku Uchiha, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hidan, Hinata Hyuuga, Hizashi Hyuuga, Hyuuga Hiashi, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Izumi Uchiha, Jiraiya, Kabuto, Kakashi Hatake, Kakuzu, Kankuro, Karin, Karui, Kiba Inuzuka, Kimimaru, Kisame Hoshigaki, Kizashi Haruno, Konan, Konohamaru, Kushina Uzumaki, Madara Uchiha, Maito Gai, Mangetsu Houzuki, Matsuri, Mebuki Haruno, Mei, Menma Uzumaki, Metal Lee, Mikoto Uchiha, Mitsuki, Nagato, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Obito Uchiha (Tobi), Orochimaru, Pain, Rin Nohara, Rock Lee, Sai, Sakura Haruno, Sari, Sasori, Sasuke Uchiha, Shikaku Nara, Shikamaru Nara, Shion, Shisui Uchiha, Shizune, Suigetsu Hozuki, Temari, TenTen Mitsashi, Toneri Otsutsuki, Tsunade Senju, Yahiko, Yamato, Zabuza Momochi, Zetsu
Tags Apatricinhasobeomorro, Gaara, Gaino, Hinata, Ino, Itachi, Naruhina, Naruto, Nejiten, Saino, Sakura, Sasuke, Sasusaku, Shikatema
Exibições 136
Palavras 3.022
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Hentai, Mistério, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá meus amores voltei enfim estou postando o capítulo apartir do próximo capítulo e tudo novidade em pra quem já tinha lido pois na outra conta eu tinha postado apenas até o capítulo 7 então espero que gostem daqui pra frente terá muitas tretas então boa leitura.
@LuaUchiiha beta reader

Capítulo 7 - Cerejas


Fanfic / Fanfiction A patricinha sobe o morro - Capítulo 7 - Cerejas

Capítulo 7º

Shikamaru Nara-

 O dia já estava claro há muito tempo e eu ainda estava deitado pensando em como iria realizar minha missão, na verdade eu nem havia dormido a noite toda. Hoje eu começaria, não podia perder tempo ou então meu emprego estaria à risca. Sentei na cama amarrando meus cabelos em um rabo de cavalo alto, isso definitivamente era problemático, fui em direção ao banheiro, tomei um banho rápido, vesti uma blusa verde, uma calça preta e calcei um tênis. Saí bocejando do quarto, mas a casa percebendo a casa vazia, passei pelo corredor e então me sentei pra tomar café da manhã sozinho, eu teria que voltar à faculdade.

-Ahhh... – bufei enquanto bocejava. 

Era parte da minha missão, claro. Coloquei o óculos no rosto, peguei a mochila que já estava arrumada e ajustei uma das alças no ombro. “Isso é ridículo”, soltei uma lufada de ar indo em direção ao meu carro um Audi preto; dei partida para a faculdade.

 As aulas se arrastavam como eu me lembrava e para completar Temari não havia ido à faculdade, o que significava mais um dia perdido. Eu teria que dar um jeito de encontrá-la rápido se não quisesse permanecer ainda mais tempo ali, bufei.

 Segundo dia da missão e eu não tinha tido progresso algum desde o dia anterior. Já estava com o carro parado no estacionamento da faculdade, respirei fundo buscando algum fiasco de disposição, me desencostei do carro e caminhei em direção a entrada. 

Retirei uma das mãos do bolso e cocei a cabeça decidindo por passar no banheiro e lavar o rosto antes de ir para a sala. Quando estava saindo senti o impacto de algo ou alguém se chocando contra mim, eu teria ficado irritado ou até soltado alguns palavrões, mas não. Fitei a garota ali abaixada a minha frente recolhendo seus materiais que haviam caído e percebi que era meu dia de sorte.

-Me desculpe... – falei abaixando para ajuda-la a pegar o restante dos materiais.

-Eu que me deveria me desculpar, não estava olhando para frente!  -  ela retrucou com um meio sorriso mostrando o celular em mãos.

-Prazer, Shikamaru Nara .

-Temari no Sabaku. -ela sorriu docemente.

- Você faz qual curso?  - tentei demonstrar um pouco mais de interesse.

-Administração e você? - ela respondeu andando, e eu a segui.

-Administração. -sorri discreto - Qual período? – perguntei iniciando uma avaliação mais profunda.

Ela era baixinha devia ter em volta de 1,65cm, seus cabelos estavam amarrados em uma espécie de “maria chiquinhas” mais altas e modernas, seu rosto era fino e transmitiam uma certa elegância através de seus olhos azuis escuros, lábios vermelhos e rudes mas que eram banhados por um sorriso definitivamente encantador. Talvez essa missão não fosse tão ruim assim.

-No primeiro. - ela disse suspirando - comecei há pouco tempo, e você? – suas perguntas agora pareciam ser apenas para cumprir regras de etiquetas e não deixar-me falando sozinho.

-Estou começando hoje. - falei ajeitando os óculos em meu rosto, chegamos a sala ela se sentou em seu lugar e decidi me sentar atrás dela.

Sequer prestava atenção nas aulas que passaram vagarosamente e tediosas, apenas no segundo dia já estava de saco cheio e o fato de tudo ser muito fácil, pelo menos pra mim, tornava o dia ainda mais exaustivo.

As aulas acabaram sem trocarmos mais uma palavra, ela se levantou e saiu, sem muitas preocupações. “Temparamento difícil?” fui logo atrás sem deixar que ela fugisse, ou que pelo menos me notasse.

-Ei, Shikamaru?  -Temari chamou minha atenção virando-se de repente, era como se soubesse que eu a seguiria.

-Hn? -Arqueei as sobrancelhas.

-Hm... deixa! -ela corou, parecia ter perdido a coragem de falar e então voltou a andar - Quer saber? Dane-se! -ela murmurrou e se virou novamente pra mim – Sabe... é que eu percebi que você é muito bom e acho que tenho dificuldades que não posso resolver sozinha, queria que me ajudasse.

-Claro! -respondi rapidamente. Era exatamanete o que eu precisava, já havia dado um grande passo, poderia soltar fogos de artifícios aqui se os tivesse.

-Pode ser na sua casa? - ela perguntou sem jeito, provavelmente estaria com vergonha, ou coisa do tipo por morar aonde eu já sabia que morava, mas eu precisava estar lá, entrar

-Na minha casa não dá... -falei coçando a nuca- Desculpe, mas pode ser na sua?  -indaguei sério, não poderia perder essa chance. 

-Eu preferia que não. É que... se não se importar, tudo bem. -ela sorriu sem graça.

-Que horas?  - perguntei disfarçando a animação na minha voz.

-Qual horário fica melhor pra você? 

-Pode ser lá pras três? É que ainda tenho que resolver algumas coisas depois de sair daqui e avisar meus pais.  -menti, mas precisava daquele tempo para ajeitar a escuta em minhas roupas e pegar quaisquer equipamentos que pudessem ser necessários. 

-Pode ser. - ela disse enquanto anotava algo em uma folha avulsa, e depois me entregou, era seu endereço.

-Ah, hoje não dá, pode ser amanhã?  - questionei e soltei uma lufada de ar forte entre os dentes não deixando que ela percebesse. 

Assenti em concordância, ela deu de ombros e virou um pouco a cabeça de lado com um sorriso largo de despedida. Logo a perdi de vista em meio todos aqueles alunos saindo de suas salas.

 Já era noite e Sai me importunava.

-Vamos cara! Você só fica em casa, só sabe dormir. Recebemos a missão de nossas vidas, se tudo der certo será um passo pra subir, pra ser um grande agente tipo o seu pai, Shikamaru! Você devia estar pelo menos um pouco mais animado, porque logo de cara receber uma missão de tal importância sendo apenas um mero novato sem experiência alguma... Sabe o quanto esperamos por isso. – o garoto de pele pálida disse sentando no meu sofá enquanto zapeava de canal em canal.

-Tá.. Tá... – aceitei dando-me por vencido. Eu já sabia que ele me incomodaria até que eu concordasse em sair pra beber com os caras.

Desci do carro indo em direção à entrada de um barzinho em uma região nobre do Rio. 

-Cara, você é muito lento pra se arrumar, pior que uma mulher -Sai reclamou- Neji já estava ligando perguntando quando íamos chegar – tagarelava entrando no bar, era um ambiente agradável, logo avistamos a mesa que estava a galera.

-Porra, por que demoraram tanto?  -Neji falou enquanto os outros estavam distraídos demais rindo de piadas provavelmente sem graça que Suigetsu contava.

-Você tá tenso, isso tudo e por causa da nova missão? – os olhos perolados direcionados para mim tinham toda a feição de sarcasmo - Me lembro da minha primeira missão, eu vivia, respirava por ela... que eu me lembre nunca havia me dedicado tanto a alguma coisa. - tomou um gole de sua cerveja- Mas é claro que eu não tive a sua sorte, a minha missão era coisa pequena. - Neji soltou uma risada abafada.

-Como se isso fosse considerado sorte – zombei junto à ele- Isso só quer dizer mais trabalho.

-Todos lá no departamento estão falando que o novato pegou a missão que todos queriam. - Suigetsu disse voltando sua  atenção à nossa conversa.

-Cortesia do grande Dhikaku. - Sai disse fazendo todos rirem -Então, Neji... -Sai pigarreou-  Que dia você vai arrumar sua prima pra mim? -ele disse malicioso mudando por completo o assunto ao perceber que eu começava a me arrepender de ter saído.

-No dia que você morrer, quem sabe? - Neji voraciferou, e todos riram, Hinata Hyuuga era como uma irmã para Neji embora fossem primos de ramos de família um pouco distintos, ele morria de ciúmes dela e todos gostavam de zombar da situação.

-Não sabia que sua preciosas prima frequentava lugares como esse, Neji. -Chouji disse de forma despreocupada enquanto comia alguns tira-gostos.

-E não frequenta .- Neji respondeu domado de convicção.

-Não é o que parece... -falei observando a mesma adentrando no bar junto a mais três amigas.

-Caralho, Neji tua prima é muito gostosa. -Suigetsu falou e todos concordamos deixando-o ainda mais vermelho de raiva.

Sasuke Uchiha-

 

Meu celular tocou despertando-me de meus devaneios. Soltei uma lufada de ar, desligando o chuveiro, enrolando uma toalha em minha cintura e saindo do banheiro. O número era desconhecido, fechei os olhos massageando as têmporas antes de atender.

-Olá, irmãozinho! - uma voz grave falou do outro lado da linha. Senti meu corpo travar, cerrei os punhos, fiquei ali durante vários minutos apenas em silêncio. – Como você está?

-Itachi? - minha voz vacilou.

-Bingo!  - ele disse zombeteiro.

-O que você quer?  

-Saudades, irmão! Papai andou perguntando sobre você... - Itachi falou como quem não quer nada.

-Mande aquele velho pra puta que pariu e aproveite a carona para ir com ele. – respondi friamente a sua provocação.

-Olha a língua irmãozinho! – sua risada era cínica do outro lado da linha - Você deve ter reparado recentemente que uma carga desapareceu, não é?

-Como não pensei em você antes? Se sua intenção é me derrubar saiba que está muito, mas MUITO longe disso. – respondi no mesmo tom gélido, não havia nenhum sentimento além de raiva em minha voz - Mas não fique triste irmão, seus esforços têm sido louváveis, esta até ganhando fama, mas não se sinta tão bem assim, isso não chega nem perto do que você precisa pra me derrubar. 

-Você não sabe aonde está se metendo, Sasuke...Se continuar querendo se meter no que não é da sua conta, você irá se arrepender. - sua voz soou ameaçadora, então ele finalizou a chamada.

“Filho da puta” arremessei o celular na parede e o vi cair aos destroços no chão. Iriam pagar... Itachi, papai, todos que a tiraram de mim pagarão, era uma promessa, nem que pra isso eu tivesse que me tornar o traficante mais conhecido, perigoso e influente do Rio de Janeiro. 

Respirei fundo passei a mão entre meus cabelos molhados, vesti uma blusa cavada branca, uma calça em um tom escuro, calcei um coturno e coloquei minha pistola P220 na cintura caminho em direção à cozinha.

-Eu já disse que não quero você com aquele tipo de gente! -Gaara falava ríspido.

-Foda-se você e sua opinião! Eu vou andar com quem eu quiser, quando eu quiser, você não é o papai, então não aja como se fosse!  -Temari gritou nervosa passando a mão sobre os olhos como se a necessidade de evitar que lágrimas caíssem fosse extrema. Adentrei na cozinha, e os dois pararam de brigar, Gaara saiu bufando.

-Gaara... –chamei e ele parou a caminhada- Depois quero falar com você -falei e ele sequer se virou para me olhar, retomando a andar.

-Ele acordou com o cão hoje. -Temari disse bufando enquanto se sentava na cadeira.

-Hn.

-Qual é, Sasuke? - a loira arqueou as sobrancelhas - Agora q pouco você estava de bom humor.

-Tsc – ela revirou os olhos.

-Qual a de vocês hoje, hein? Porra, tá todo mundo de mal humor! Quer saber? Eu vou sair senão quem vai ficar mal humorada também sou eu!  - ela disse se levantando.

-Espera! –chamei e ela se virou com o cenho franzido - Coloquei uma nova pessoa na contabilidade,  eu sei que isso não é o que você quer pra sua vida Temari, nunca foi, não se sinta obrigada, não entre nessa vida porque seu irmão quer, dê valor a sua liberdade, poder sair do morro sem ninguém querer sua cabeça em uma bandeja! – seu rosto mudou-se para uma expressão pensativa e se sentou a minha frente. 

-É tão difícil... Gaara é tudo o que tenho, não quero me afastar dele, mas tudo que eu quero pra minha vida me levará a uma direção diferente. - ela confessou- Sabe, eu olho minhas amigas... Eu queria fazer uma faculdade legal, sonhar com um futuro honesto, talvez ser como elas um dia, mas se isso significar ficar longe do meu irmão, então não quero. E sei que ele jamais sairia dessa vida por mim, quando foi justamente por mim que ele entrou nela...  - seu olhar estava perdido do outro lado da janela – Eu me sinto culpada, mas a vida é injusta, cruel, principalmente pra nós. Eu sei, só não sei se devo ter esperanças de uma vida diferente -ela suspirou cansada- E você Sasuke, não queria ter uma vida diferente? 

-Talvez... Se tudo fosse diferente, mas não é, e nunca vai ser, é bobagem ficar fantasiando uma vida que nunca vou ter. – Levantei-me e sai pegando a chave da minha Ducati sobre o balcão. Parti em direção ao topo do morro, desci da moto, busquei um cigarro no meu bolso e o acendi.

 - Sasuke -a voz do Naruto soou logo depois do bipe do radinho.

-O que é Naruto? -Perguntei irritado.

-Os policiais, Sasuke, eles tão subindo, porra tu tem que descer agora! Sasuke nós estamos ferrados, eles chegaram com tudo, nos pegaram desprevenidos em plena luz do sol! – Naruto tagarelava por trás de minha cabeça.

-Tô descendo, manda os parceiros pegar os armamentos pesados e descer. Não podemos deixar eles subirem demais, nem se espalhar senão estaremos ferrados. -falei dando outro trago no cigarro, jogando-o no chão e pisando para apaga-lo. 

Soltei a fumaça vendo-a se dissipar no ar, subi na moto e acelerei. Em poucos minutos cheguei à boca, os tiros já eram audíveis, os foguetes foram escutados de longe. Os policias já tinham passado da primeira linha de defesa. Peguei logo uma Ak47 e coloquei mais uma glock na cintura, depositei uma faca no coturno, ao meu lado Naruto me olhava apreensivo.

--Hoje é dia de matar. - Gaara disse chegando atrás com um sorriso sádico no rosto. -

-Bora, bora, bora! - falei e todos se dispersaram pelas vielas da comunidade.

Caminhei em passos rápidos nos cantos das paredes, abaixei mirando em dois policiais que estavam correndo. Eu teria que ser rápido ou quando acertasse um, o outro logo revidaria, respirei fundo, e apertei o dedo no gatilho. Rapidamente mirando no outro e sem hesitar o vi cair no chão, um fogo se acendeu dentro de mim, a brincadeira só estava começando, Naruto logo veio atrás de mim.

-Eu já matei quatro, tá devagar hein, Teme? - Naruto disse zombeteiro com um mínimo sorriso nos lábios.

-Não tranquiliza não, hein? Estamos só começando. - rapidamente virei à esquina pegando outro de surpresa e acertando enquanto Naruto cobria minha retaguarda- Agora são três. - falei e fomos andando entre as ruas e becos. Descendo o morro, os tiros eram constantes sem cessar nenhum minuto, as ruas estavam desertas, com certeza os moradores estavam todos em casa escondidos.

*

Já havia se passado uma hora e meia e os tiros continuavam. Eu já havia perdido as contas de quantos já havia matado, com certeza foram muitos. Desci por uma viela, logo escutei o barulho de um camburão.

- Droga! - sussurrei, peguei uma granada, respirei fundo. Naruto me olhava apreensivo, se eu não acertasse essa, nossa morte estava certa.O loiro assentiu e eu puxei o pino, a joguei para longe, acertando em cheio o carro vendo-o explodir. 

Corremos logo depois, já estávamos andando sob as lajes, o tiroteio foi diminuindo, senti meu braço arder logo depois de um disparo, rapidamente preguei o dedo na metralhadora, fazendo de peneira o cara que me acertou, Gaara me olhou e riu.

-Mas uma pra coleção. -ele disse, se referindo ao tiro de raspão que era evidente no meu braço. Minha cara se contorceu em uma careta de dor, enquanto os tiros quase não existiam mais. Logo já se podia ver os foguetes de longe, a vitória era nossa.

-Mais uma vitória, chefe. - Kakuzo falou no radio.

-Porra! -Hidan comemorou.

Naruto comemorava junto à eles, todos eufóricos.

-É nós!  -falei logo depois do bipe - Agora chega de festa e vamos limpar a comunidade. Vocês já sabem o que fazer, pode crer? Agora quero todo mundo rodando, ainda não acabou. – falei sério.

-Não estraga a comemoração, Sasuke...  -Hidan reclamou do outro lado da linha.

-Dessa vez eu sai intacto -Naruto se gabou. 

-Graças a mim que te salvei daquele lá que tu não tinha visto né, seu baka? -Gaara disse zombeteiro.                        

Me dirigi à biqueira subindo o morro, estava suado. Minha blusa que era branca agora era um misto de marrom com vermelho, tirei-a jogando sobre o ombro. Minha respiração estava descompassada, havia muito tempo que não tinha uma invasão no morro, mas eles nunca desistiam de querer tirar a paz da minha comunidade.

Olhei ao redor, alguns feridos, outros intactos, era nostálgico, era como se fosse minha primeira invasão vencida. “Isso nunca perde a graça”, não que eu desvalorizasse tanto a vida humana, mas eu tinha uma meta e se pra isso era preciso matar quem se enfiava no meu caminho, eu mataria sem remorso. Me sentei na cadeira, logo a frente  em cima da mesa havia vários papéis. 

A porta se abriu, era Temari passando como um furacão.

-Porra, que merda foi essa? Dessa vez eles foram ousados, invadir pela manhã. Como vocês estão?  - perguntou, então seu olhar desceu até meu braço ferido- Como sempre nunca toma cuidado, né!

-Não encha, Temari! Acabamos de vencer, de longe essa foi a melhor que já tivemos.- Naruto a respondeu fechando a porta atrás de si e levando as mãos atrás da cabeça.

-Sasuke...  - um ser de cabelos vermelhos apareceu do outro lado da porta. Arqueei uma sobrancelha e todos saíram da sala.

-O que você quer? - perguntei sem olha-la enquanto acendia um cigarro.

-Seu puto, quer me matar de preocupação! Eu vi sobre a invasão na televisão, então fiquei lá roendo as unhas esperando por mais notícias.- ela disse com as mãos na cintura.

-Hn... -murmurei subindo o olhar até ela.

 Karin era uma grande amiga além eu já ter pego algumas vezes. Fechei os olhos massageando as têmporas e aqueles grandes olhos verdes como esmeraldas, me vieram a mente. “Cereja, eu realmente odeio cerejas”, mas seu cheiro não saira da minha mente e depois de uma quase guerra tudo o que eu consigo pensar é em um ridículo cabelo rosa? Realmente minha mente gosta de me pregar peças às vezes.


Notas Finais


Eai gostaram ? A aproximação do shika e da tema pode ter parecido fácil demais mais ainda vai rolar muita treta entre os dois a tema não e esse doce de pessoa como pareceu nesse primeiro encontro, e quem diria em o senhor uchiha coração de pedra pensando na rosada kkkk isso ainda vai da merda shuashuashua será que a nossa rosada pensa no nosso sr. Monosibaloco também? Kkkk então até a próxima amores beijos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...