História A Pérola e o mar - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Mitologia Grega
Personagens Personagens Originais
Visualizações 2
Palavras 758
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Poesias, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir culturas, crenças, tradições ou costumes.

Notas do Autor


Bom,queria dizer que neste capítulo alguns personagens estão um pouco diferentes, mas são os mesmos, por ora é só.
Boa leitura!

Capítulo 2 - Das cinzas ao vinho...


Naquela manhã fria e nublado.

Ela acordará feliz, alegre...

Estranhamente...

Com um sorriso tão grande que não cabia no rosto.

Seu coração batia forte e descompassado fazendo seu peito doer...

Sua respiração estava acelerada, mas seus pulmões não conseguia dar conta,falhava, tamanho êxtase...

Seu corpo tremia, dos pés a cabeça.

Sua pele molhada de suor, estava brasa e ao menor toque aquelas sensações se multiplicava...

O sorriso voltava...

Normalmente aquele quarto vazio e frio a deixava deprimida, mas hoje...

Ao poucos ela se recordava dos sonho da noite, daquele homem cheio de cicatrizes pelo corpo, de seus profundos olhos verdes, do seu abraço quente e acolhedor...

Dessa vez seu olhos ardiam...

Algo ali nascia...

Do outro lado do mar...

Um dia,a muitas eras atrás, seus olhos verdes foram duros, profundos e intensos.

Hoje só ódio, dor e rancor.

Naquele momento só havia lágrimas e mais lágrimas...

E as lembranças vinham que nem uma faca, lhe retalhando o coração...

A traição do irmão...

Fez tudo que podia pra acabar com agonia dos que amava, abraçou a desonra, abriu mão da sua família, abriu mão de ser um rei, enfrentou os deuses, a fúria de seus irmãos,o escárnio, e o cuspe e os pontapés...

Tudo pelo que acreditava...

Tudo pelos que amava, doará seu espírito e corpo a eles, por eles...

Pra que no fim das contas eles o traírem também...

Exilado do lar, obrigado a viver...

As lágrimas vinham torrencialmente...

No frio Ártico, começou a nevar e lavar lhe o espírito...

E do outro lado do mar...

"Deuses que sonho fora aquele?

Aquele desejo...

Aquele homem?"

Não sabia...

Os olhos,o corpo marcado de sicatrizes,seu sorriso...

"Que lugar era aquele?"

O sonho vinha a cabeça, o corpo respondia...

Nem um banho frio ajudava...

Não importava hoje era um grande dia,o dia da viajem...

Percorreria os mares, veria as tempestades, as baleias, mergulharia nos mistérios aquáticos, e com sorte veria as sereias também...

As lagoas, rios,lagos onde pudesse navegar iria feliz...

Mesmo com o dia nublado e frio.

Admirava o mar, com seu café no cais...

O cais pra ela sempre teve algo de especial, gostava de ver o vai e vem das pessoas ali, dos navios...

Hoje não, tinha ao algo novo...

Deu um rolé pela cidade.

Deu adeus ao cinza...

E partiu com o Sol a pino...

Sem destino ela partiu, o dia fora curto...

A noite foi indescritível.

A Lua,grande, prateada,com o céu salpicado de estrelas...

O ar frio da noite...

O vai e vem do barco, suave e hipnótico...

E ficou ali em silêncio,sorrindo e admirando aquela vista, namorando o momento...

Aos poucos adormecia e...

De novo sonhava com ele...

E do outro lado do mar...

Todas aquelas lembranças ainda doem profundamente...

Mesmo se odiando deu voz ao peito...

Mesmo nevando seu corpo nu não tremia...

Pulou pra a única coisa que o lhe dava um pouco de conforto...

A água, e mesmo ela estando quase congelada, ele não se incomodou...

A água sempre foi pra ele um conforto...

Tão acolhedora quanto um abraço materno...

Ele era um pedaço do mar...

Ficou ali,afundando afundando...

Sentia a pressão da água como um abraço...

Sentia o frio, como um beijo doce e apaixonado...

Seu corpo respondia...

Cada vez mais relaxado, leve...

Foi afundando...

O sorriso apareceu...

Na fria madrugada, ele se foi...

Mar adentro ele foi, sem destino...

Lá do outro do universo...

Jove via furioso, como as coisas ia na Terra.

Ele via o que estava pra acontecer...

Netuno não podia...

Esperaria....

Não queria voltar a Terra...

Muito menos lidar com seu irmão...

Seus olhos era puro ódio e repugnância...

De volta a Terra...

Acordou com o fina chuva que caia...

O dia tava nascendo...

Deixou a chuva lhe esfriar pele.

Acariciar o rosto.

Beijar o corpo...

Acordou de novo alegre e feliz.

Mas agora aquilo lhe transbordava...

Agora não se lembrava, seu corpo sim...

Da fina chuva agora ia engrossando

Caia uma tempestade no fim de tarde...

O Almirante balançava violentamente...

E ela ria,sem medo,pulando e ajeitando as velas...

Apesar da ferocidade da tempestade...

Com maestria,ela guiava o barco.

Até aquele raio cair...

Até o Almirante explodir em lascas de madeira...

...

Não via se era noite, ou dia...

Lá no fundo do oceano o tempo parava...

Não existia ruídos

As correntes marítimas levavam um paz...

Não precisava de olhos lá, sua pele já lhe dizia...

Nas fundos abissais só escuridão...

Com a ajuda dos seres de lá do fundo do mar, viajava agora...

Mas agora algo estranho ocorria...

Uma sensação ruim lhe bateu o peito...

Não sabia por quê...

E ele sentiu algo poderoso...

Sentiu medo...

E lá na superfície um clarão...

Fogos e lascas de madeira pra todo lado...

Mesmo lá do fundo se fez ouvir.

Indo até lá ele viu...

Em cores florescentes se lia Almirante num pedaço de madeira...

E mais lá na frente viu um corpo boiando em uma vela...

Era uma mulher...

Tão linda, quanto Afrodite...

Mesmo com as roupas rasgadas e suja de sangue...

Mesmo com os cortes devido aos destroços...

Se deu por ver seu peito vacilante...

"Quando tempo fiquei aqui?"

Não sabia dizer...

Foi ajudar...

"Seus olhos...."

"Seu corpo...é você?"

"Shiii, eu vou ajudar, durma um pouco"

Ela apagou, cansada...

E por um momento ela o desarmou e pela primeiras vez em eras... Netuno sorriu...


Notas Finais


Bom,e ai gostaram?Se quiserem comentar,ou tiverem alguma dúvida sobre a história,responderei com todo prazer!
Ah, queria dizer que toda semana eu irei atualizar a história, e queria agradecer a todos pelos comentários e por lerem a minha história, até.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...