História A Praia


Escrita por: ~


Sinopse:
Ana e André tinham tentado arranjar ideias para estarem um fim de semana a sós e decidiram ir acampar numa praia escondida onde não passava praticamente ninguém. Assim começaram a montar a tenda e a tirar as coisas que tinham trazido das suas casas para levarem para a praia, tais como mantimentos e sacos-cama. Depois de tudo pronto e já quase de noite, decidiram ir nadar no mar, começaram com beijos e caricias. De repente ouviram uns sons vindo de não muito longe do local onde estavam. Assim, decidiram ir ver o que se passava. Andavam descalços, sobre a areia molhada, começaram a ouvir cânticos estranhos, pareciam satânicos. Pessoas indígenas cantavam. Esconderam-se atrás de uma rocha, mas conseguiam ver o que se passava.
-Não se passa nada, bebé. Vamos embora – disse André
-Sim bebé vamos, isto parece estranho – disse Ana
Levantaram-se de trás da rocha e andavam pé ante pé, tentando que os indigenas nao os vissem. Ana pisou um pedaço de madeira que estava na areia, aleijando-se, mas nao gritou. A madeira a estalar fez barulho, os indigenas ouviram. Começaram a falar na sua lingua indigena, Ana e André começaram a correr, os indigenas corriam atras deles. Ana e André passaram a sua tenda e continuaram a correr, já se via apenas uma pequena luz de Sol, dando assim lugar à Lua. Quarto Minguante. Ana e André continuavam a ser seguidos pelos indigenas, eles corriam mais rápido do que Ana e André.
André viu uma gruta.
- Vamos para aqui, pode ser que nao nos vejam- disse André a Ana
Ana e André agarram-se um ao outro, tentando se proteger. Os indigenas passaram a gruta de onde eles estavam escondidos.
- Acho que nao nos viram – disse André
- Vou ver o que se passa – disse Ana
- Não, não vás bebé – disse André
Enquanto André falava, Ana ja estava a espreitar por fora da gruta, olhou para o lado esquerdo… nada… olhou para o lado direito… nada.
- Bebé vamos, eles nao estao aqui – disse Ana
Enquanto Ana falava, um indigena saltava de cima da rocha para a areia, ficando de pé à espera que Ana o visse.
- Bebé foge!! – disse André
Ana olhou para fora da gruta e viu o indigena a olhar para ela. Ana tentou fugir para perto de André, mas o indigena tinha a agarrado pelos pés. André agarrou-a pelos ombros tentando puxá-la até si. De nada servia, o indigena parecia ter a força de 2 homens. Enquanto um arrastava Ana pela a areia, outro arrastava André. Enquanto Ana e André eram arrastados conseguiram agarrar a mão um do outro e olharam-se intensamente.
- Amo-te muito Ana – disse André
- Eu sei, eu também te amo muito André, independentemente do que nos aconteça ficaremos juntos – disse Ana
- Para sempre bebé – disse André
- Para toda a eternidade, seja nesta vida ou na próxima bebé – disse Ana
Enquanto dissiam promessas um ao outro, choravam, eram almas gémeas. Os indigenas ouviram Ana e André a chorar e bateram em cada um. Chegaram ao acampamento dos indigenas. André e Ana ficaram chocados com o que viram. Enquanto estes indigenas andavam à procura deles, outros tinham ficado no acamapamento, preparando uma cerimonia de empalamento. Houve um indigena que se dirigiu a Ana e André e disse:
- Vocês viram demais, nao os podemos deixar ir.
Tinham preparado 2 paus postos na vertical, cada um com 1,70m de altura, com um bico de ferro no cimo de cada pau. Os indigenas pegaram em Ana e puseram-lhe um pau na horizontal atrás nas costas com cordas agarrando cada um dos pulsos. O mesmo fizeram a André. A seguir pegaram neles e puseram-nos em cima dos bicos dos paus. Em Ana puseram o bico na sua vagina, enquanto em André puseram-lhe no ânus. O empalamento é uma morte lenta e dolorosa. Enquanto Ana e André deslizavam pelos paus abaixo e sangravam, os indigenas tinham ido buscar uma especie de taças feitas com metades de côco. Os indigenas puseram as taças por baixo de Ana e André, enquanto o sangue escorria pelas pernas abaixo deles. Sentia-se o cheiro a sangue no ar, e parecia ver-se pedaços de sangue coagulado. O pau de em que Ana estava empalada, já tinha atingido o seu estomago e cada vez ia subindo mais. O pau onde André estava empalado, passou-lhe a coluna saindo assim o bico por cima das suas omoplatas. Enquanto o de Ana tinha-lhe saido pela boca, ficando ela assim de boca aberta e o pau com o bico à vista a sair-lhe da boca. Ficaram pendurados nos paus e parecia que eram Cristo crucificado, pois enquanto desciam nos paus, os seus braços que estavam agarrados em outros paus con cordas, tinham passado os paus de empalamento por trás, dando uma imagem de crucifixo.
Os indigenas aproveitaram o sangue que lhe tinham escorrido e beberam-no lentamente, até lhes escorria o sangue pelos cantos da boca, e mostravam as suas bocas uns aos outros, mostrando também os dentes com o sangue de Ana e André.
Os indigenas acabaram o seu ritual e foram-se embora, deixando à vista de todos por os que ali passassem, Ana e André empalados. Ninguem passava naquela praia, a nao ser os corvos que voavam por volta dos corpos empalados, comendo-lhes os olhos e toda a carne surpeficial e interior e os orgaos que ainda restavam, deixando depois o esqueleto de cada um.
As familias de Ana e André contactaram a policia, mas esta nunca chegou a encontrar os corpos deles. Há quem diga que os espiritos de Ana e André vagueiam juntos de mao dada naquela praia, como que o juramento deles tivesse sido ouvido.
“Para toda a eternidade, seja nesta vida ou na próxima, bebé”.
Iniciado
Atualizada
Idioma Português
Categorias A Passagem
Personagens Personagens Originais
Tags Ação, Horror, Mistério, Terror
Exibições 4
Comentários 1
Palavras 16
Terminada Sim

Fanfic / Fanfiction A Praia
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Mistério, Policial, Sobrenatural, Terror e Horror
Avisos: Incesto, Spoilers, Suicídio, Tortura
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Lista de Capítulos

Capítulo
Palavras
1.
A praia da morte
1
4
16

Gostou da História? Compartilhe!

Comentários em Destaque

O autor dessa História ainda não destacou nenhum comentário.