História A Prince in Seoul - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Got7, Monsta X, Sistar
Personagens BamBam, Dasom, Hyung Won, I'M, Jackson, JB, Jinyoung, Joo Heon, Ki Hyun, Mark, Min Hyuk, Show Nu, Soyou, Won Ho, Youngjae, Yugyeom
Tags Bambam, Changkyun, Dasom, Got7, Hoseok, Hyungwon, Hyunwoo, Hyunwooxsoyouxjb, Jackson, Jaebum, Jinson, Jinyoung, Jinyoungxkihyun, Jooheon, Kihyun, Mark, Markjae, Minhyuk, Monsta X, Sistar, Soyou Changkyunxdasom, Wonhyuk, Youngjae, Yugyeom
Visualizações 24
Palavras 1.129
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Fluffy, Lemon, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shounen, Slash, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi, boa noite a todos que estão lendo isso aqui ^-^ Como estão?

Só vou deixar um adento aqui, Guāng significa luz em chinês (se o Google tradutor estiver correto). LEIAM AS NOTAS FINAIS SE VOCÊ LEU MINHA FIC SOMETHING GOOD E ESTA NO AGUARDO DA CONTINUAÇÃO.

Sem mais enrolação, espero que gostem ^-^

Capítulo 1 - Prologo


Tudo parecia correr em câmera lenta em volta do Príncipe. Seus olhos podiam acompanhar cada canto a sua volta no campo de batalha. Podia ver seus fiéis cavaleiros lutando bravamente contra a obscuridade do inimigo que tentava oblitera-los sem misericórdia.

O poder magico que no começo da batalha, dois dias atrás, estava ondulando em choques poderosos, em ambos os lados esse poder já havia há muito sido completamente drenado dos usuários.

Todos lutavam como humanos comuns, com a força de seus braços e pernas, com o espirito carregado em fé naquilo que acreditavam, em quem acreditavam, brandindo suas espadas, machados, qualquer arma que pudessem empunhar para acabar com o inimigo a sua frente.

Mas o Príncipe não se deu ao luxo de perder mais desse precioso momento. Ele tinha uma tarefa importante em suas mãos e o alvo dela estava a alguns metros a sua frente.

O Príncipe sorriu felinamente quando seus olhos fixaram naquele que queria se proclamar rei de um reino que não o pertencia – ele já era rei, rei de um reino que era de outro mundo – e rodeado de soldados massacrava qualquer aliado do reino do Príncipe que ousava chegar perto deles.

Calmamente o Príncipe proferiu um comendo aos seus quatro cavaleiros. Mesmo com o som da batalha, os quatro o ouviram e em um piscar de olhos, quando o Príncipe deu o primeiro passo para correr em direção ao que seria o desfecho da luta, os quatro estavam flanqueando o Príncipe, espadas e machados em punho abrindo caminho.

Os próximos minutos foram sangrentos, mas o Príncipe conseguiu chegar ao seu destino graças aos seus cavaleiros que impediam os ataques vindo por trás e dos lados. Sua espada cantou ao fazer um arco longo antes de descer com tudo contra a espada do rei do outro mundo, seu inimigo desde o dia que nascera.

– Pela forma precisa que me atacou, suponho que você seja o Anjo da Morte de Guāng. – um sorriso de escarnio tomou conta dos lábios do rei do outro mundo. – Que prazer...

O Príncipe não queria ouvir ladainhas do inimigo, conversar em um guerra era perda de tempo e vantagem para o inimigo e ele usou essa vantagem contra seu inimigo além do fato que era mais baixo, franzino – em comparação a parede de músculos que era o rei a sua frente – e mais rápido.

Além de que ele sentiu a aproximação de seu companheiro.

Com um movimento florido, o Príncipe girou e sentiu cada centímetro da lamina de sua espada entrar no corpo de seu maior inimigo, o maior inimigo de seu reino e de um mundo que nem sabia de sua existência.

O ataque que o rei do outro mundo tentara dar, ao ver o Príncipe abrir completamente a guarda para o golpe final, e que nem se quer passou pela sua cabeça porque alguém que tinha a alcunha de Anjo da Morte faria um ataque tão descuidado assim, foi aparado um centímetro antes de acertar o alvo que seria fatal para seu futuro algoz deixando-o abalado.

Sangue jorrava da ferida do rei do outro mundo, sujando as roupas, a espada e as mãos do Príncipe que tentava manter o aperto firme no cabo da espada que estava ficando escorregadio por causa do sangue.

A espada do rei caiu, sua tropa ficou silenciosa como se tivessem sentindo tudo que tinha acontecido com seu rei, tudo em volta dos dois ficou em um absoluto silencio.

As mãos do rei foram para os ombros do Príncipe, se apoiando nele enquanto a lamina entrava ainda mais em seu corpo, o atravessando. Sangue escorreu por sua boca, seus olhos estava arregalados em incredulidade ao encarar o Príncipe a sua frente.

– Não converse em um campo de batalha. – declarou o Príncipe torcendo a espada no peito do inimigo, empalando-o até o cabo de sua espada declarar o final da lamina. – E nunca pense em vencer uma guerra sozinho.

Os olhos do rei foram para o lado do Príncipe aonde um dos quatro cavaleiros estava postado. Os olhos do cavaleiro estavam cravados no rei, seus ombros estavam tensos mantendo todo os seus sentidos alertas para qualquer movimento em falso do rei do outro mundo.

O rei rosnou ao sentir a magia que vinha do cavaleiro “Um mestiço me bloqueou” pensou com amargor, seu orgulho ferido e sangue saiu em jorradas de sua boca ao tossir, sentindo seus pulmões se encherem com seu próprio sangue.

O tosse teve fim quando o Príncipe tirou a espada de dentro do rei, o choque da dor espaçando tudo, e se afastou dele. As mãos do rei foram imediatamente para o ferimento, fracas e tremulas tentando parar o sangramento, mesmo sabendo que era inútil pelo tamanho da ferida, seu fim estava muito próximo.

A dor percorreu o corpo do rei novamente ao cair de joelhos perante ao seu inimigo, perante ao Príncipe e ao cavaleiro mestiço. Suas mãos se empaparam de sangue, seu próprio sangue.

– Um verdadeiro Anjo da Morte. – murmurou o rei, seus olhos lentamente se direcionaram para o Príncipe, a visão completamente embaçada anunciando a vida que estava indo embora de seu corpo, mas podia ver a silhueta daquele que a primeira vez que viu ousou chamar de poeira sob seus pés. – Quando reencarnar, me lembrarei de você e de nunca subestima-lo outra vez.

Um grito de agonia saiu pelos lábios cobertos de sangue do rei e o grito reverberou pelo campo de batalha silencioso anunciando o fim daquela guerra que durou anos.

O rei do outo mundo caiu contra o chão. Seu corpo sem vida se transformou em luz, assim como o corpo de todos os soldados que eram seus aliados e como uma vela, essa luz foi soprada e apagada, não deixando nem um vestígio do rei ou de seu exército.

Gritos de vitória agora soavam pelo campo de batalha.

O Príncipe se permitiu dar um sorriso. Seus olhos transbordando alivio pelo fim, olhando para todos aqueles que lutaram ao seu lado, comemorando a vitória o melhor que podiam na condição que estavam, até pousar em seus quatro cavaleiros, seus guarda-costas e melhores amigos.

Nem uma palavra precisava ser dita entre eles, o sorrisos em seus rostos e as palavras cravadas em seus olhos era tudo que o Príncipe precisava naquele momento.

– Vamos! – murmurou o Príncipe, a voz limpa e clara soando como o melhor dos refrescos em um dia de calor infernal para seus cavaleiros.

– Vamos. – repetiu o cavaleiro mestiço dando um passo em direção ao seu Príncipe, seus braços abertos envolvendo aquele que jurou proteger não importasse o custo.

Os outros três cavaleiros o imitaram e nesse abraço coletivo os cinco desapareceram do campo de batalha sem deixar nem um resquício de suas presenças para trás além da memória daqueles que lutaram ao lado deles.


Notas Finais


E ai, gostaram? Devo investir nessa fic, ou finalizar ela em três capítulos?

Eu iria esperar para postar isso na semana que vem, dia 23, junto com Dilemma e mais algumas surpresinhas, mas infelizmente meu pulso não esta muito bem, ele havia melhorado só que eu acabei forçando sem querer e bom, vou ter que ficar mais alguns dias de molho, me desculpem por isso, tudo que eu havia planejado para o dia 23 vou mudar para o dia 29 e prometo que vou tomar mais cuidado.

Me desculpem por esse texto e muito obrigada a todos que leram. Nos vemos, quem sabe, eu um próximo capitulo ^-^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...