História A princesa e o plebeu (um conto NaruHina) - Capítulo 26


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hinata Hyuuga, Kakashi Hatake, Naruto Uzumaki, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Byakugan, Hinata, Hyuuga, Naruhina, Naruto
Exibições 391
Palavras 3.393
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Voltei e tem casamentos pra vcs!
Espero que gostem

Capítulo 26 - Nunca me solte


Fanfic / Fanfiction A princesa e o plebeu (um conto NaruHina) - Capítulo 26 - Nunca me solte

Todos se juntavam para ver, comentavam sobre ser o Kazekage da akdeia da areia que queria matar um jounnin da folha. De repente a areia do Gaara parou e o ruivo permaneceu no lugar, Shikamaru conseguira o pegar com o jutsu possessão das sombras.

 - Gaara, vamos conversar. – já era possível notar que Shikamaru se esforçava para segurar Gaara e seu gigantesco chakra em seu jutsu.

 Ouviu o barulho de dentes de madeira se batendo e lembrou-se: Esqueceu um!

 O corpo de madeira de Kankuro avançou contra Shikamaru que não tinha saída, a navalha afiada e envenenada o acertaria. Temari tentava se soltar dos braços de Tenten e Ino que a segurava para que ela não se machucasse, afinal estava grávida.

 - Shikamaru! – gritou a loira da areia.

 - Rasengan!

 Naruto destruiu o boneco de Kankuro em pedaços, todos aplaudiram a intromissão do herói de Konoha, mas a luz do rasengan acabou cortando o jutsu de Shikamaru, a areia de Gaara se juntou e investiu toda contra os ninjas, mas ao chegar perto se chocou contra os ossos purpura do susano’o de Sasuke.

 - Narutoooo! – gritou Kankuro já invocando outra marionete – Vai pagar por isso.

 - Calma gente, o que tá acontecendo aqui? – perguntou o loiro ainda dentro do Susano’o de Sasuke.

 - Esse bakayaro engravidou a minha irmãzinha! – gritou Kankuro – Saia dai e morra com honra, Shikamaru!

 Naruto e Sasuke se viraram para olhar Shikamaru e coçou a cabeça e riu sem jeito.

 - Saiam da frente, ou terei que lutar com vocês! – disse Gaara com frieza – Entregue esse idiota e sairemos da folha.

 - Gaara, por favor, vamos conversar. – disse Naruto – Quer destruir Konoha?

 - Estou tomando cuidado com os prédios, eu só tenho um alvo em mente. – disse o ruivo – Como ousa...

 - Sasuke, leve o Shikamaru daqui. – disse Naruto saindo do Susano’o – Vocês, Gaara e Kankuro, vem comigo pra sala do Hokage agora!

...

 - Não tinha o direito de se meter e quebrar minha marionete! – acusou Kankuro.

 - Você pode construir outra, Kankuro! – bufou Temari.

 - Oe, oe. – Kakashi juntou as mãos – Alguém pode me explicar o motivo dessa gritaria inteira.

 - Estou grávida, Hokage-sama. – disse Temari – É uma coisa normal, mas meus irmãos não conseguem entender.

 - Você não é casada, Temari. – disse Gaara com os braços cruzados – Até hoje pela manhã não sabíamos de seu envolvimento com Nara Shikamaru.

 - Bom, agora sabem, aceitem. – a loira cruzou os braços.

 Uma sombra bloqueou a janela, Sasuke pulou para dentro como um corvo. Kankuro pegou o braço do Uchiha.

 - Onde ele está? – perguntou com raiva.

 - Não. Toque. Em. Mim. – disse o Uchiha livrando-se do toque do Sabaku.

 - Kakashi, eu exijo que Shikamaru seja preso e deportado para o país do vento. – disse o ruivo impaciente.

 - Por qual crime, Gaara? – perguntou o Hokage.

 - Abuso de vulnerável. – disse o ruivo.

 Temari explodiu em uma gargalhada falsa.

 - Não seja ridículo, nii-san. – disse ela – Eu o mataria se ele tentasse, fiz sexo com ele porque quis e foi muito bom. Acha que eu queria estar grávida agora? Não, não queria, mas aconteceu e nem eu nem você pode fazer alguma coisa a respeito.

 - Eu posso. – disse Gaara a irmã – Posso matá-lo!

 - E deixará seu sobrinho crescer sem pai, Gaara? – Naruto se adiantou – Pense Gaara, já aconteceu, não há como voltar, temos que aceitar.

 - Naruto, você é um amigo querido e eu odiaria ter que passar por você pra matar aquele Dobe. – disse Gaara.

 - Pense em Temari. – disse o loiro – O quanto ela sofreria com a morte do namorado. Esse tipo de coisa acontece, Sasuke e eu também seremos pais.

 - Sakura e Hinata-sama não são minhas irmãs, Temari é. – disse Gaara possesso – Eu não posso com você ou com Sasuke, posso com o Shikamaru e eu vou matá-lo.

 - Se eu não posso apelar para o seu bom senso como irmão, apelarei para o seu bom senso como Kage. – Naruto pareceu sério – Matar um jounnin da folha seria uma declaração de guerra, folha e Arei travariam uma batalha desnecessária por um motivo tão fútil. Sabemos que Konha venceria.

 - A Areia é forte. – rugiu Kankuro, irritado.

 - A folha é mais. – disse Sasuke de forma fria – Afinal, Naruto e eu somos daqui.

 - Pense, Gaara. – continuou Naruto – As outras aldeias se intrometeriam, a nuvem ficaria do nosso lado, pedra e névoa do seu, seria uma batalha sangrenta. Não faça isso, sei que é difícil, mas pense como Kazekage, pense em seu povo e não em si mesmo.

 O ruivo encarou o loiro amigo e suspirou, Kankuro ainda fervia em raiva e por ele a guerra já estava declarada, por isso ele não era o Kazekage, Gaara era.

 - Está bem, me convenceu, Naruto. – disse ele derrotado.

 - Não pode estar falando sério, Gaara! – esbravejou o mestre de bonecos.

 - Chaga, Kankuro! Vamos embora. – disse o ruivo virando as costas – Eles terão de se casar, é minha condição.

 - Está bem, nii-san. – disse Temari suspirando.

 - Mais uma vez você me mudando, Uzumaki Naruto. – disse Gaara – Eu odiaria encontrar você em um campo de batalha de lados opostos.

 - Faça uma boa viagem, Gaara. – disse o loiro.

 Os irmãos Sabaku deixaram a sala do Hokage e o clima amenizou, Naruto suspirou aliviado e Kakashi voltou a se sentar. Hatake encarou Naruto surpreso pela firmeza que o garoto demonstrou em palavras, sentiu-se orgulhoso.

 - Foi bom nisso, Naruto. – disse o antigo jounnin do time sete.

 - Pela primeira vez não foi um dobe completo. – disse Sasuke relaxando.

 - Eu vou indo. – disse Naruto.

 - Sasuke, fique, quero falar com você. – disse Kakashi.

 - Me espere na casa da Sakura, Dobe. – disse o Uchiha.

 Naruto acenou e saiu, bateu a porta antes do Uchiha se virar para o antigo sensei. O Hokage juntou as mãos e suspirou.

 - Sasuke, me diga, o que acha de se tornar o novo chefe da unidade ANBU? – perguntou de uma vez.

 - Nany? – perguntou Sasuke.

 - É um bom trabalho, o chefe da ANBU precisa ser forte e frio o suficiente para realizar missões desde espionagem até assassinato. – disse Kakashi – É o segundo maior cargo de Konoha, trabalhando em total harmonia com o Hokage, seria uma boa aposta.

 - Eu não mereço tal prestigio. – disse Sasuke – Dê ao Naruto.

 - Naruto será Hokage, Sasuke. – disse Kakashi – Eu o vejo amadurecer e sei que o tempo está próximo, logo vou abdicar do posto de Hokage e entrega-lo ao Naruto. Quero que meus três discípulos estejam encaminhados quando eu aposentar minha bandana. Sakura estará dirigindo o hospital da folha em breve, ela está já está no nível de Tsunade. Naruto superou Jiraiya e será Hokage em pouco tempo. Você superou Orochimaru há séculos e precisa de um cargo também.

 - Então que seja, Kakashi. – disse Sasuke – Eu aceito.

...

 Um mês depois, Hinata saiu de casa em direção a casa que Naruto mobiliava, encontrou Sakura na rua, ela carregava um cesta de palha parecida com a de Hinata.

 - Sakura-chan, já se sente melhor? – perguntou Hinata sorrindo.

 - Sim, muito. – disse a rosada – Tsunade-sama disse que não posso abusar, mas que sempre é bom andar um pouco.

 - E o que vai fazer? – perguntou Hinata começando a andar do lado da amiga.

 - Estava procurando o Sasuke-kun, sei que ele não almoçou. – disse Sakura – Sabe onde ele está?

 - Sim, ele está ajudando o Naruto-kun com a mobília. – disse a morena – Vem, levo você lá e aproveito pra te mostrar a casa.

 - Hai. – disse Sakura.

 As duas kunoichis andavam pelas ruas sentindo os olhares das pessoas sobre elas, a maioria das pessoas já sabiam sobre a gravidez de Hinata e comentavam sobre isso. Chegaram a casa e Sakura se encantou com o tamanho e arquitetura da casa de telhado vermelho.

 - Hinata! É linda! – disse a rosada – Chego a ter inveja!

 - Vai ter uma também. – disse Hinata abrindo o pequeno portão e avançando pelo jardim.

 Abriram a porta principal e retiraram seus calçados, avançaram pelas escadas e encontraram seus namorados, ambos estavam sem camisa e descalços, estavam dobrados sobre um monte de madeira com uma cartilha nas mãos.

 - Oe. – disse Hinata baixando o olhar envergonhada.

 - Hina, amor. – Naruto se levantou do chão e andou até a namora, tomou-a nos braços e a beijou.

 O toque quente da pele exposta de Naruto arrepiou Hinata, ele era como uma fonte de calor natural, algo acendeu dentro dela. Ela o queria e eles não se relacionavam desde que souberam que ela estava gravida, Hinata estava na seca.

 - Sakura, não devia carregar coisas. – Sasuke soou frio como sempre e peou a cesta da mão da namorada.

 Sakura não se cansava de admirar o corpo do Uchiha, ele era o homem mais belo do mundo para ela e ela o desejava a qualquer momento, porem ele não a tocava desde que soube do bebê, tinha medo de machuca-la.

 - Eu trouxe o seu almoço, sabia que não tinha comido. – sussurrou Sakura.

 - Trouxe o seu também, Naruto-kun. – disse Hinata estendendo a cesta.

 - Estamos tentando montar um berço. – disse Sasuke – Mas estamos apanhando.

 - É mais fácil lutar contra o Madara. – ironizou Naruto.

 Os quatro riram. Os futuros pais foram para o lado de fora para aproveitar os últimos dias de sol daquela época do ano, Sakura e Hinata se sentaram lado a lado e assistiram enquanto os namorados comiam.

 - Vamos ter nossos bebês quase na mesma época. – disse Sakura afagando a barriga – Vão estudar juntos.

 - E se forem duas meninas? – disse Hinata encantada – Elas seriam amigas!

 - Oe, meninas? – perguntou Naruto quase engasgando com o bolinho de arroz.

 - Não, serão dois meninos. – disse Sasuke convicto.

 - Podem não ser, Sasuke-kun. – disse Sakura sorrindo – Imagine: Uma menininha de cabelos negros e olhos verdes...

 - Uma menininha loira com os meus olhos... – começou Hinata.

 Sasuke e Naruto trocaram um olhar furtivo.

 ...

 As cinco amigas caminhavam pelas ruas de Konoha, tinha acabado de anoitecer e elas ainda estavam na maior loja de tecidos de Konoha, afinal tinham quatro kimonos cerimonias ára fazer.

 - Vai ser uma sequencia rápida de casamentos. – disse Temari olhando um tecido cor-de-rosa.

 - Primeiro eu. – disse Sakura – Depois você, Tema-chan e enfim Ino.

 - Eu não queria me casar agora, mas era isso ou deixar o Gaara matar o Shikamaru. – disse a loira da Areia.

 - Minha mãe está empolgadíssima com a ideia do meu casamento. – disse Ino olhando um tecido estampado – Vai ser um dia memorável.

 - Meus pais convidaram todos os conhecidos, até gente que nunca me viu. – disse Sakura – Sasuke não tem nenhum convidado além do padrinho que é o Naruto.

 - Ah, eu acho que ficaria taão nervosa. – disse Tenten – Você ficou, Hina? Tipo, se casou duas vezes e tals...

 - E-Era diferente, Tenten-san. – disse Hinata explicando – Toneri e Akon foram impostos a mim, eu não os amava. Acho que ficarei quando me casar com o Naruto-kun.

 Hinata teve um estalo, olhou para o relógio na loja.

 - Kami-sama, combinei de encontrar o Naruto-kun no Ichiraku há meia-hora. – disse Hinata – Tchau, garotas, preciso ir.

 A morena Hyuuga deixou a loja de tecidos e correu pelas ruas de Konoha, encontrou Kurenai-sensei e a pequena Mirai na rua, curvou-se rapidamente e voltou a correr. Naruto parecia impaciente quando ela chegou.

 - Naruto-kun, me desculpe. – disse ela se sentando.

 - De vagar, não corra. – disse ele sorrindo – Eu também acabei de chegar.

 - Eu estava com as meninas na loja de tecidos, elas estão ansiosas para os casamentos. – disse Hinata sorrindo.

 - Os caras estão bem pilhados também. – disse Naruto sorrindo – Principalmente o Teme! Ele está muito nervoso.

 - Serão lindas cerimonias.  – disse Hinata.

 O pedido que Naruto fizera chegara, duas porções de lámen com porco e bolinhos de peixe, Hinata se sentia faminta, mas tudo mudou quando sentiu o cheiro da sopa. Seu estomago embrulhou e ela se sentiu enjoada, empurrou a tijela.

 - Amor, está tudo bem? – perguntou Naruto ainda mastigando.

 - Eu acho que... – Hinata engoliu – Não posso comer isso.

 - Ah não! Por favor diga que não enjoou de Lámen! – pediu o loiro.

 Hinata assentiu. Naruto suspirou tristonho e pegou a carteira, deixou o dinheiro e deixando em cima do balcão saiu levando Hinata pela mão.

 - Me desculpa, amor. – sussurrou Hinata.

 - Tudo bem, Hina, você não pode controlar isso. – disse ele passando o braço pela cintura da namorada – Eu já disse o quanto está linda hoje?

 - Mas eu estou vestida como sempre. – disse a morena sorrindo.

 - É porque está sempre linda. – disse ele beijando a bochecha da morena.

 Neji apareceu ao lado do casal sorrindo minimamente. Naruto tocou o punho dele para cumprimenta-lo.

 - Estava te procurando, Hinata-sama. – disse Neji.

 - No que posso ajudar, nii-san? – perguntou Hinata ainda abraçada em Naruto.

 Neji tirou do bolso uma pequena caixinha, abriu e mostrou aos amantes de Konoha um belo anel de brilhantes. Hinata cobriu a boca com as mãos e se emocionou.

 - Ah, nii-san! – exclamou.

 - Ai sim, hein Neji! – disse Naruto sorrindo.

 - Hinata-sama, como amiga dela, acha que Tenten vai gostar? – o Hyuuga parecia apreensivo – Acha que ela vai aceitar.

 - Com certeza, Neji nii-san! – disse Hinata – Ah, Tenten-san vai ficar tão feliz!

 - Obrigada, Hinata-sama. – disse Neji mais tranquilo – Naruto.

 - Neji. – disse o loiro.

...

 Mais um mês e o grande dia de Sakura chegara. Hinata dormira na casa dela para um breve despedida de solteira, pela manhã levantaram e foram para a casa de banho onde ficaram por horas.

 O kimono de Sakura era cor de marfim e tinha flores de cerejeira estampados por todo ele, a faixa de linho em sua cintura era rosa-bebe. Ino prendeu os cabelos de Sakura em um coque alto e os enfeitou com um pente de brilhantes, nós a maquiamos e enfeitamos. Ela estava linda.

 Todos começaram a se reunir no salão principal da família Hyuuga, fora um dos presentes de Hinata para Sakura, afinal o salão dos Hyuuga era o maior de toda Konoha.

 Sasuke Uchiha estava perfeito em seu traje cerimonial preto com um cravo na lapela, parecia desconfortável naquela roupa, olhava para Naruto questionando silenciosamente o motivo de tamanha demora.

 Enfim a musica começou, todos se levantaram e Kakashi tomou seu lugar. Sasuke se aprumou e respirou fundo, as amiga de Hinata se esgueiraram pelos cantos tomando seus lugares do lado dos namorados, Hinata foi a única que subiu na estrutura de madeira, era a madrinha de Sakura.

 De braço dado com Kizashi, Sakura Haruno adentrou arrancando suspiros dos convidados, era uma visão de ternura e um contentamento para os olhos de todos. Sasuke se sentiu sortudo por possui-la.

 Kakashi começou suas palavras ensaiadas enquanto Sakura e Sasuke trocavam olhares apaixonados diante um do outro.

 Alguns minutos depois, Sakura já chorava sentindo o olhar do amado sobre ela.

 Hinata e Naruto se olhavam sussurrando “eu te amo” silenciosamente enquanto as palavras eram proferidas.

 - Uchiha Sasuke, aceita essa mulher por esposa por livre e espontânea vontade? – perguntou Kakashi.

 - Aceito. – disse o Uchiha ainda de forma fria.

 - Haruno Sakura, aceita esse homem por esposo por livre e espontânea vontade? – o Hokage se dirigiu a rosada

 - A-Aceito. – disse Sakura emocionada.

 - Para selar a união, Uchiha-san, beije sua noiva. – disse Kakashi.

 Sasuke deu um passo para frente colocando a mão na nuca da esposa, puxou-a para um beijo suave. Todos começaram a aplaudir.

 Sakura estava feliz depois de tanto tempo.

...

 Alguns dias depois, Naruto pediu para que Hinata o encontrasse na casa dos dois, ela tomou um banho e quando a noite caiu foi.

 - Naruto-kun? – perguntou empurrando a porta.

 A casa estava pronta. Totalmente mobilhada e acesa, o hall de entrada tinha mesinhas de madeira com casos com flores silvestres exalando o mais delicioso perfume, depois de retirar os calçados, Hinata avançou virando um corredor, Naruto estava na sala que tinha dois sofás cor de Marfim com almofadas vermelhas, uma mesa de madeira pura fundida no chão com diversas guloseimas sobre ela, a casa estava sob um meia luz preguiçosa com velas espalhadas.

 - E então, o que achou? – perguntou Naruto sorrindo.

 - Eu nunca vi algo tão lindo. – disse a morena descendo os pequenos degraus e madeira – Está lindo, amor.

 Naruto envolveu a cintura da morena e a trouxe para um beijo quente e molhado, ela sentira tanta falta daquilo que doía.

 - Eu tenho mais duas coisas pra te mostrar. – disse ele afagando seu rosto – Vem comigo.

 O Uzumaki levou a morena Hyuuga pela mão escada a cima, dobraram alguns corredores e chegaram a uma porta dupla, Naruto a abriu e Hinata sentiu uma onda de choque a invadir.

 Era um lindo quarto de bebê. As paredes e os cômodos eram branco e verde, uma cor neutra para qualquer bebê, o berço branco estava devidamente montado e tinha cavalinhos pendurados.

 - É lindo, Naruto-kun. – as lágrimas já escorriam pelo rosto de Hinata.

 - Como não sabemos o sexo ainda... – disse o loiro – Embora eu saiba que é um menino.

 Hinata sorriu.

 - Vem, ainda não acabou. – disse o ninja.

 Avançaram um pouco mais e encontraram outra porta.

 - Hyuuga Hinata, esse será nosso quarto. – disse ele abrindo a porta.

 Era um grande quarto, mobilhado com sofisticação e graça, Hinata adentrou passando as mãos pelas cortinas e pelas cômodas, era simplesmente lindo.

 - Ah! – exclamou Hinata.

 - É uma suíte. – disse Naruto – Eu gostei do resultado final...

 Hinata o interrompeu com um beijo quente e desejoso, ficou nas pontas dos pés para alcançar os deliciosos lábios do amado, ela não se conhecia, ultimamente sentia tanto tesão sem entender o motivo.

 Por diversas vezes sonhava que estava fazendo sexo com o seu amado e acordava no meio da madrugada suada e molhada, sentia falta da intimidade entre eles, sentia falta de sentir o corpo e Naruto contra o seu. Ela precisava dele.

 Os dedos de Hinata abaixaram o zíper de Naruto e ela retirou seu moletom laranja. O loiro afastou a namorada com suavidade, já se sentia esquentar, mas não sabia se aquilo era certo.

 - Hina, amor. – disse num sussurro - Deviamos? E-Eu posso... acabar machucando o bebê.

 Hinata sorriu lindamente e afagou o rosto do namorado.

 - Você não vai, Naruto-kun. – sussurrou com doçura – Por favor, faz tanto tempo... E-Eu preciso...

 - Acha que eu não sei? – Naruto suspirou – Tenho me segurado tanto tempo...

 - Não se segure mais, Naruto-kun. – pediu Hinata.

 Naruto a obedeceu, afinal desejava Hinata com ardor. Beijou-a com firmeza e trouxe sua cintura para a dele, pressionando sua excitação contra ela, Hinata suspirou alto enchendo Naruto de desejo.

 A morena puxou os cordões da calça de Naruto abaixando-a, a visão daquele belo homem em roupas intimas instigou ainda mais a morena que suspirou. Naruto subiu o vestido da namorada deixando-a apenas de lingerie. Era tao linda que fazia o coração dele derreter.

Pegou-a no colo e a deitou na cama, só sabia pensar no quão sexy ela lhe parecia, deslizava as mãos por seu corpo sentindo cada centímetro de sua pele, tocou o pequeno inchaço em sua barriga e ela suspirou. Seu filho saberia o quanto os pais se amavam.

 Retirou a calcinha cor-de-rosa de Hinata e colocou um dedo dentro dela, ela estava molhada e pronta para ele, ele estava louco por ela.

 Penetrou-a lentamente fazendo-a gemer deliciosamente, o garoto suspirou ao sentir o sexo de Hinata pulsar no dele. Kami-sama, como ela era deliciosa.

  - Naruto! – gemia Hinata a cada estocada do loiro.

 A essa altura, Naruto já estava delirando de prazer, apalpava o seio da namorada com força fazendo-a gemer ainda mais alto. Aumentou o ritmo fazendo a princesa Hyuuga gritar.

 - Isso, Naruto-kun, continue! – pedia ela.

 Ele continuaria.

 Por ele, ele nunca pararia. Estava chegando próximo de gozar, mas não o faria até que Hinata o fizesse. Alguns minutos depois ela gozou com força em seu membro e Naruto pôde se derramar dentro dela afinal não tinha mais com o que se preocupar.

 Ambos estavam cansados quando Naruto saiu de dentro dela. O loiro se deitou e a trouxe para o seu peito, abraçou-a.

 - Eu te amo tanto, Hinata. – disse o loiro – Sinto vontade de te abraçar e nunca mais soltar.

 - Faça um favor para mim e para você, meu amor. – disse Hinata sorrindo – Nunca me solte.


Notas Finais


E ai, o que acharam?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...