História A Profecia - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Saint Seiya, Yu-Gi-Oh!
Personagens Freya, Hades, Hyoga de Cisne, Ikki de Fênix, Joey Wheeler (Katsuya Jonouchi), Mokuba Kaiba, Mu de Áries, Radamanthys de Wyvern, Saga de Gêmeos, Saori Kido (Athena), Seiya de Pégaso, Seto Kaiba, Shiryu de Dragão (Shiryu de Libra), Shun de Andrômeda, Yugi Muto
Tags Hades X Shun, Prideshipping, Saint Seiya, Yu-gi-oh!
Exibições 45
Palavras 2.602
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Ecchi, Lemon, Luta, Magia, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shounen, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá pessoas bonitas! Finalmente estou de volta, conseguiram consertar o notebook. Hoje postarei dois capítulos para vocês, amanhã vou postar o outro para tentar tirar o atraso.
- Saint Seiya pertence a Masami Kurumada
- Yu-Gi-Oh pertence a Kazuki Takahashi.

Capítulo 7 - Capítulo 6


Camus e Shaka não poderiam estar mais agradecidos depois de avistarem o aeroporto de Japão, a viagem havia sido cansativa e teriam pouco tempo para descansar antes de irem atrás do atual dono do Enigma do Milênio. E com um pouco de sorte achariam ele rapidamente.

Assim que desembarcaram, encontraram um carro já os esperando para leva-los até um Hotel em Dominó onde suas despesas já haviam sidos pagos pela deusa da sabedoria e tinham como ordens de acharem o rapaz egípcio o mais depressa possível, pois precisavam derrotar seu atual adversário.

Não demoraram muito a chegar no Hotel que ficava no centro da cidade e que na opinião dos dois era muito bonito, perceberam bastante movimento naquela área, talvez fosse um bom lugar para começar a procurar... Entraram no prédio onde foram muito bem recebidos e acabaram atraindo vários olhares de admiração de muitas mulheres, - e de homens - mas não deram atenção, se dirigiram a atendente que parecia hipnotizada com os dois homens a sua frente.

- Olá, temos reservas aqui neste hotel, poderia verificar em qual quarto ficaremos? – Shaka se pronunciou formalmente.

- Claro, nome por favor – perguntou a moça

Deram seus nomes e observaram os dedos da mulher voarem pelo teclado.

- Bom, informação que temos aqui é que a escolha do quarto fica critério de vocês. Temos poucos quartos disponíveis, dois com camas de solteiro e três com cama de casal, qual vão querer? – perguntou.

- Um quarto com camas de solteiro. – respondeu Camus, ele não se importava em dividir o quarto com um irmão de armas.

Os dedos dela novamente deslizaram rapidamente pelo teclado.

- Muito bem, aqui está a chave, quarto 515, último andar. E não querem visitar o Mini Torneio de Duelos que haverá hoje à tarde? – perguntou sorridente.

- Torneio de Duelo? E onde será? – perguntou o indiano interessado, poderia conseguir alguma coisa.

- Sim... Será na Kaibaland, um grande parque de diversões. – respondeu.

- Pode nos explicar melhor? – Camus também parecia interessado.

- Será uma competição rápida entre duelistas novatos e experientes, com o prêmio de 150 mil ienes e o vencedor receberá a recompensa do próprio Rei dos Jogos. – falou entusiasmada.

- Rei dos Jogos? – perguntou Shaka

- Sim... Yami Mutou – respondeu.

Os dois trocaram olhares, estavam no caminho certo.

- Hm... parece muito interessante, você tem algum folheto informativo? – perguntou Camus já pegando sua bagagem para irem ao quarto.

- É claro, aqui está! – entregou dois folhetos para os cavaleiros.

- Obrigado – Camus agradeceu e foi para o quarto acompanhado pelo indiano.

- - - - - - - - - - - - - - - - - -

Escola de Dominó City

- Maldito Kaiba! – bravejou uma voz profunda repleta de raiva.

Era Yami... E o motivo de tanta ira? O maldito CEO, resolveu fazer um torneio do nada e tinha colocado ele como convidado de Honra sem seu consentimento, ainda mais quando não estava com paciência para aturar muitas pessoas em um só lugar.

Rá estava castigando-o! Só podia ser!

E ainda ouvia as palavras dele retumbando em sua mente.

Flash Back

Yami, Yugi e os demais estavam caminhando pelo pátio do colégio, conversando sobre banalidades e de vez em quando, separando Joey e Tristan das aparentes “brigas” que arrumavam entre eles dois e não perceberam certo castanho andando na direção deles.

- Kaiba-kun? – Yugi perguntou surpreendido.

- Hum... Olá Yugi, quero fazer um comunicado a vocês... – disse o castanho.

- Comunicado? – perguntou Joey curioso como sempre.

- Hai, é bem mais um convite para um torneio que estou organizando que vai acontecer hoje à tarde e como são conhecidos do Rei do Jogos... – disse com a mesma inexpressividade de sempre.

- Je! Parece bem legal, o que me diz Yugi? Faraó? – perguntou Wheller animado.

- Acho uma ótima ideia Joey, podemos tirar a poeira dos nossos baralhos! Não é mou hitore no boku? – o tricolor menor também estava muito entusiasmado.

- Bem legal, mas não irei participar aibou – disse para a surpresa de todos.

Até mesmo Kaiba estava surpreso, mas não demonstrou.

- Mas mou hitore... – Yugi parecia um tanto decepcionado.

Até lembrar do motivo de Yami não querer participar.

- Tudo bem Yami, eu enten... – foi interrompido pelo CEO.

- Hum... desculpe faraó, mas não pode recusar. Já coloquei você como “convidado de honra”, pois, pelo que percebi, você anda fugindo dos duelos ultimamente e não vai precisar enfrentar desafios – falou sarcasticamente.

- NANI?! Você me colocou no torneio sem minha permissão Kaiba? – isso acendeu a fúria do faraó e seus raros olhos rubis brilharam perigosamente.

Mas para Seto Kaiba, ver Yami perder os estribos como poucas vezes acontecia, era um espetáculo.

- Algum problema com isso Faraó? De que você anda realmente fugindo? – o castanho perguntou sério, Yami andava estranho demais e necessitava descobrir o que estava acontecendo.

- Não Kaiba, nenhum problema e não estou fugindo de nada – suspirou, o CEO era extremamente irritante quando queria.

- Humpf! Logo descobrirei o que anda acontecendo – e se virou para ir embora.

Fim de Flash Back

- Oh Rá! Me ajude! – pedia paciência aos deuses quando sentiu ser puxado com força para dentro de uma sala vazia.

E adivinhe por quem? Sim, Seto Kaiba. O empresário esperou Yami ficar sozinho para poder conversar seriamente com ele.

- Kaiba? O que significa isso? – perguntou cansado, queria ir pra casa o mais rápido possível.

- Quero conversar com você e te fazer uma proposta. – a curiosidade estava corroendo-o e queria respostas.

- Conversar? Sobre o quê? – perguntou o egípcio.

- Quero saber porque anda recusando desafios... o que realmente está escondendo Yami? Aconteceu algo grave? – sua voz deixou transparecer um pouco de preocupação.

Atem parecia um tanto surpreendido, o belo castanho parecia preocupado, mas não poderia compartilhar suas preocupações com ele, seu orgulho impedia.

- Sinto muito Kaiba, mas não posso lhe dizer e mesmo que eu contasse, você não entenderia – sua voz saiu suave e ainda deu um pequeno sorriso.

Seto ficou hipnotizado com o encantador sorriso que o egípcio lhe mostrou e uma dúvida apareceu em sua mente... Será que era só atração que sentia pelo antigo monarca ou era algo mais?

Desviou um pouco o olhar, o assunto não estava no caminho que ele queria.

- Hum... Não acha que está dando importância demais a esse assunto que tanto guarda? – perguntou sarcasticamente tendo em conta de que com isso poderia enfurecer novamente Yami.

Mas ao contrário do que pensou, o egípcio sorriu um pouco mais.

- Não quando sei que minha vida corre em perigo. – talvez se contasse, o CEO lhe deixaria em paz.

- O quê! Como assim? Alguém está te ameaçando? – aquilo pegou Seto de surpresa.

- Pode se dizer que sim. – disse levantando uma sobrancelha devido a pergunta um tanto alterada do castanho.

- E você sabe quem é? – quem sabe poderia se livrar do sujeito que estava ameaçando a vida do “seu” Yami.

- Por que tanto interesse em saber o que passa comigo? – Yami estava curioso.

- Tsc! Na verdade, só queria saber o motivo para alguém querer ir atrás de você. – respondeu dando de ombros.

Atemu lembrou dos pesadelos... Também gostaria de saber o motivo. As orbes cor sangue se opacaram um pouco o que não passou despercebido pelo castanho, mas o mesmo não resolveu fazer nenhum comentário.

- E que proposta você queria me fazer? – perguntou Yami, mudando bruscamente de assunto.

Seto quase sorriu pela mudança repentina de assunto, mas não deu importância.

- Queria convidar você para ser modelo da minha empresa, vou lançar um novo disco de duelos e gostaria que o Rei dos Jogos fosse a imagem principal no dia do lançamento. – esperava que o tricolor aceitasse sua proposta.

- Modelo... Não sei se é uma boa ideia – na verdade era uma má ideia, pensava em recusar...

- Ora! Vamos! Só serão algumas fotos e além disso, você é muito atraente. – deu um imperceptível sorriso.

Apesar da voz do castanho sair um tanto fria, um leve tom rosa adornou o rosto perfeito do egípcio... Era só o que faltava! Corou só porque Seto Kaiba lhe fez um elogio quando a maioria das meninas da escola já tinham lhe dito isso.

Mas porque sentia que esse era diferente?

- Então... vai aceitar? – perguntou o castanho tirando o menor de seus pensamentos.

“Talvez não seja tão ruim” pensou.

- Tudo bem, não vejo problemas. – disse já se preparando para ir embora.

- Muito bem, entrarei em contato com meu advogado e nós conversaremos depois do torneio. – o empresário também já se preparava para ir embora.

- Então vejo você mais tarde. – deu um aceno de despedida e foi embora.

Seto ficou processando a conversa que teve a poucos minutos com o antigo governante, estava com problemas e não quis dizer o que era e mesmo que dissesse, não iria querer ajuda.

Maldito orgulho de Yami!

Entretanto, não podia dizer nada, ele também era demasiado orgulhoso.

Diferentes e ao mesmo tempo tão iguais! Mas não podia ficar o dia inteiro ali pensando, tinha um evento para organizar.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Santuário de Atena – Grécia

Depois de toda aquela confusão por causa do ataque repentino do deus egípcio, Atena mandou todos ficarem em estado de alerta e suspendeu os treinos dos cavaleiros, pois precisava de todos eles bem descansados para a batalha e fez uma reunião particular com Hades e Shion.

- Então Atena, o queria falar conosco? – Hades se pronunciou.

- Não sei se puderam perceber, mas consigo sentir energias diferentes em outras partes do mundo, e essas energias estão desestabilizando o equilíbrio da natureza... Terremotos, furacões, chuvas, tempestades fora do normal estão ocorrendo em todas as parte da Terra. – Explicou Atena.

- Acha que isso pode ser trabalho de Seth? – perguntou Shion preocupado.

- Sim, mas não só dele, temo que possa ter mais gente envolvida nisso. Pessoas com poderes extremamente fortes e desconhecidos. Talvez seja outros deuses, mas isso é só uma hipótese. – porém, nem mesmo a deusa estava tão confiante, seria uma catástrofe se realmente fossem outros deuses.

- Mas se eles são tão poderosos assim, por que ainda não tentou realmente dominar a terra e destruir o Santuário? – perguntou Shion.

- Talvez eles ainda não possuem a força necessária, Seth disse que também estava atrás do “escolhido”, e talvez ainda não o tenha achado e nossa única chance é pegar o Enigma do Milênio. – respondeu Hades.

- Quer dizer então que tudo depende de Shaka e Camus. – concluiu Atena.

- Em parte sim, já que eles precisam convencer o rapaz a entregar o Item Milenar. – na opinião de Hades, talvez essa fosse a parte mais fácil.

- Espero que tenham sorte, o destino da Terra depende da resposta dele. – declarou Shion.

- Também espero Shion – concordou Atena.

Atena declarou que a reunião estava encerrada e cada um foi para o seu lado. Mas antes disso, o Senhor dos Mortos avisou que desceria até o Submundo para repartir ordens aos seus espectros e a deusa disse que não havia problema.

Hades resolveu passar pelas dozes casas, caminhar o ajudaria pensar melhor nas coisas que estavam acontecendo naquele momento... Foi saudado com respeito em todos os templos que passou, exceto em Aquário, já que Camus não estava presente, passou a andar com mais rapidez já que estava perto do templo de Virgem e sabia que ninguém estaria lá também. Ou assim pensava.

Quando já estava na entrada do sexto templo, sentiu um cosmo amistoso, mas uma certa melancolia se fazia presente. E esse cosmo pertencia a Shun, que não demorou muito a aparecer para receber o visitante.

- Hades! O que faz aqui? – perguntou o pequeno, mas algo não estava bem com ele...

Seus preciosos olhos verdes estavam inchados e vermelhos. Havia chorado!

- Shun, o que aconteceu? – o poderoso deus parecia realmente preocupado.

- Não é nada... estou bem. – respondeu virando o rosto.

- Você não parece bem. O que aconteceu? Foi o cisne maldito de novo? – a voz fria de Hades surpreendeu um pouco Shun.

- Sim, foi ele, mas tudo bem, o assunto entre nós já está resolvido. – se virou para o deus e deu um sorriso sincero.

Hades olhou fixamente aquele sorriso... Desejou saber que sabor tinha aquele lábios rosados.

- Então... o que faz por aqui? – perguntou novamente o menor.

- Apenas caminhado para clarear a mente. – respondeu, quando uma ideia surgiu em sua mente.

- Entendo... – disse Shun distraidamente.

- Shun, não quer ir até o Submundo comigo? Você poderia se distrair um pouco... podemos dar um passeio pelos Elíseos. – esperava com anseio a resposta do menor.

- Ir até o Submundo? É claro! Vai ser bom pra mim, mas tenho que falar com meu Nii-san primeiro, ele pode surtar se caso descobrir que eu saí sem avisar. – soltou uma risada cristalina, Ikki era tão protetor com ele.

- É claro, você sabe onde ele está agora? – algo em Hades ficou feliz por Shun ter aceitado seu convite.

- Ele está no templo de Leão, vou falar com ele agora mesmo. Onde encontro você? – o virginiano realmente estava animado com ideia de sair do Santuário por algumas horas.

- Vou esperar você aqui. – respondeu o maior.

- Tudo bem. Não vou demorar muito. – e saiu quase correndo.

O jovem de olhos verde adorou a ideia, iria rever aquele belo lugar novamente... um lugar cheio de paz e tranquilidade, o que o coração dele necessitava no momento. E não podia negar que gostava da presença do Deus do Submundo.

Chegou um pouco ofegante na entrada do quinto templo e elevou um pouco seu cosmo para anunciar a sua presença e para sua sorte, Ikki foi recebe-lo.

- Otouto, o que faz aqui? – perguntou enquanto dava um beijo carinhoso em sua testa.

- Eu vim avisar que vou sair do Santuário por algumas horas. – informou rapidamente.

- Sair? Com quem? – Ikki estranhou um pouco.

Shiryu estava com Seiya no centro da cidade, Hyoga estava sumido. Então quem o teria convidado para sair? Algum dourado?

- Hades me convidou para ir ao Submundo com ele. – Shun estava com um pouco de medo de que seu irmão se irritasse.

Ikki estreitou um pouco os olhos, não lhe agradou nem um pouco a ideia de seu pequeno otouto ficar sozinho com Hades. Não confiava nele.

- Por favor Nii-san, será apenas por algumas horas. Preciso me distrair. – e fez uma carinha de anjo, para que pudesse convence-lo mais depressa.

Ikki sabia que não resistia a aquela expressão. E nem teve a chance replicar e já foi derrotado pelo rostinho-de-anjo-caído!

- Ah! Tudo bem Shun, mas quero você aqui ao entardecer e nem um minuto a mais. Entendido? – disse duramente, precisava manter um pouco do seu orgulho leonino.

- Hai! Obrigado Nii-san! – deu um beijo no rosto do seu irmão e saiu correndo.

Shun correu o mais rápido possível, deixou Hades esperando tempo demais no templo de Virgem.

O Senhor dos Mortos sentiu o cosmo de Shun se aproximando rapidamente, saiu da sexta casa para espera-lo e saber logo sua resposta.

- Então, podemos ir? – perguntou o menor animado.

- É claro. – e ofereceu sua mão para que Shun a segurasse.

E assim que se tocaram, algo parecido a um choque percorreu o corpo dos dois. Aquilo deixou eles surpreso, mas ainda assim não soltaram as mão, se sentiam bem.

Hades abriu um portal e os dois desapareceram.

Ikki sentiu o cosmo do seu irmão deixar o Santuário, só esperava que ele ficasse bem.


Notas Finais


Espero que tenham gostado do capítulo, fiz ele um pouco apressada.
E quero pedir aos leitores fantasmas que comentem, não mordo não. ^-^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...