História Profecia entre Mundos I - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Fofo, Romance, Yaoi
Visualizações 87
Palavras 1.157
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Lemon, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Shonen-Ai, Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


SINTO QUE VÃO ME MATAR.

Capítulo 15 - Capítulo 15


Fanfic / Fanfiction Profecia entre Mundos I - Capítulo 15 - Capítulo 15

Capítulo 15

 

 Bastian acordou Anthony bem cedo, o Sol ainda não havia se erguido, e nem a vontade de Anthony. Bastian disse que eles precisavam chegar até o seu destino na noite daquele dia, então partiram na escura e fria madrugada da floresta de pinheiros.

 Seus trajetos até um ponto da floresta eram certamente demarcados, como se os pinheiros tivessem sido plantados em linhas paralelas perfeitas, e ainda deixavam um espaço acima de suas copas onde se podia ver o céu. Mas, a partir do meio dia, eles começaram a entrar em uma parte da floresta onde os pinheiros estavam desordenados. Não estavam mais em linhas paralelas. Estavam colocados aleatoriamente, de forma de que não fosse mais possível ver a luz do Sol, o que deixava a floresta mais escura. A forma como os pinheiros estavam, parecia como se quisessem que alguém se perdesse por lá, eles faziam voltas, tanto que Anthony e Bastian tiveram de ziguezaguear por entre seus troncos para não se perderem do caminho. Era estranho... Parecia que eles estavam querendo... esconder alguma coisa.

- Essa parte da floresta é meio macabra.-disse Anthony.

 Bastian não respondeu. Continuou o percurso, olhando vez ou outra para os lados, já haviam caminhado boa parte do dia, e desde que acordaram pareciam meio distantes.

- Bastian?

- Sim?

- Você ouviu isso?- Anthony olhou para os lados.

- Não.

- Juro que ouvi alguma coisa.

- Deve ter sido só um estalo das galhas. Não se preocupe.- Continuou andando.

 Anthony olhou para cima, tentou ver o Sol para ter alguma noção de tempo, mas realmente não era possível.

- Sabe que horas são?- perguntou.

- A última vez que vimos o Sol foi ao meio dia, portanto, pelo tempo que estamos caminhando, deve ser final de tarde. Mas o que importa é que estamos chegando ao nosso destino.- dito isso, virou a esquerda em um pinheiro e depois a direita.

Anthony o seguiu.

- Ainda bem, mal posso esperar para descansar.

- Creio que quando chegarmos lá isso não seja possível...-sussurrou Bastian para si mesmo.

- Disse algo?- perguntou Anthony.

- Não, só estava relembrado o caminho...Falta muito pouco para chegarmos.

 Andaram mais um pouco, o ambiente escurecia ainda mais. Foi quando chegaram a uma "barreira" de pinheiros.

- Okay... O que fazemos agora?-perguntou Thony.

 Bastian ergueu seu braço e fez uma fileira de pinheiros descer, como uma porta medieval, e então passou por ela, sinalizando para Anthony fazer o mesmo.

 Anthony o fez, e quando entrou, a fileira subiu novamente, e se transformou em um pinheiro normal, como antes.

 O ambiente em que entraram era estranho. Era um paradoxo. Escuro, e ainda assim claro. Frio, e ainda assim quente. Cercado pela barreira de pinheiros, era um espaço grande e tinha cinco pedras altas e polidas em forma de chifres formando um circulo perfeito na grama verde-escura. No centro, havia uma marca. Um triângulo isósceles, com um círculo em seu interior, e dentro desse círculo, um olho. Mas a pupila desse olho era algo parecido com um eclipse lunar, a Lua de Vermelha, ou, a Lua de Sangue.

- Bastian, o que é isso?

  Bastian foi para dentro do círculo de pedras, e de repente, Órion surgiu e pousou em seu braço direito.

- Isso, meu caro. É a fenda por onde eu vim.-disse Bastian, fazendo um movimento com as mãos, aparecendo logo em seguida, um pergaminho.- Vem cá Anthony.

  Anthony entrou no círculo e ficou de frente para Bastian, um pouco distante da marca.

- O que significa essa marca?- perguntou Anthony.

- O olho sou eu, mas a lua e o eclipse, não sei.

 Bastian virou-se de costas para Anthony e deu dois passos de distância.

- Anthony, e se eu lhe disser... Que não foi coincidência?- disse de costas.

- Como assim?- ficou confuso.

- Você ter me encontrado na floresta desde o começo.

 Anthony começou a ficar cético, não disse nada.

- Você ter esse laço comigo, você ter me atingido com a flecha e...- parou um pouco.- O acidente de seus pais.

 Anthony se paralisou.

- Onde você quer chegar com isso? O que você quer dizer?

 Bastian se virou para Anthony, e Órion fez o mesmo.

- Eu fiz isso tudo.- disse.

- O que?- perguntou confuso, mas criando várias ideias em sua mente.

- Fiz você ir à floresta aquele dia, te fazendo lembrar do seu antigo amigo, fiz Órion ir até você pois sabia que estava lá, fiz a brisa que fez você atingir a flecha em mim e também... provoquei o acidente de seus pais.

- Que?...- Anthony não estava acreditando.

- Foi tudo proposital...- Bastian olhou para o chão e em seguida novamente para Anthony.- Seus pais... eles estão mortos... e eu os matei.

 Anthony foi tomado pela raiva.

- O que?! Como você pôde?!- Anthony correu até Bastian tentando desferir um golpe, mas o mesmo desviou facilmente.

 Anthony se virou para ele.

- Você disse que éramos amigos!- gritou, cerrando os dentes.

- Nunca fomos.- Bastian estava lutando internamente, mas Anthony não sabia.- A verdade é que eu estava usando você.

 Foi como um tiro. Não... Um tiro doeria menos. Anthony deixou as lágrimas caírem e sem perceber, caiu, ajoelhando-se em cima da marca.

- Você... Não deveria ter acreditado... Sempre me deixam...- Olhou para Bastian.- Qual foi seu propósito?!

 Bastian pegou o pergaminho e jogou aberto no chão para Anthony, e agora, ele parecia ser capaz de lê-lo. Estava escrito:

Falta pouco para que tudo esteja completo,

logo poderei ativar a fenda e enfim voltar para Mercenia.

O ritual do sangue eu farei, fui banido pelo sangue daquele que nada sentia

e voltarei pelo sangue daquele

que era capaz de sentir tudo.

 

- Fui exilado por alguém que não sentisse nada. Voltarei por alguém que sentisse tudo.- disse Bastian.

 E então as pedras em formato de chifres ganharam um brilho azul, fazendo a marca se acender também.

- O que?!- Anthony tentava entender ainda com lágrimas nos olhos.

 Bastian fez surgir uma de suas pedras e a transformou em uma adaga. Com uma rapidez absurda, lançou Órion no ar e foi para trás de Anthony segurando seu queixo e pressionando a adaga contra sua garganta.

- Bastian... Eu confiei em você...- Anthony sentia as lágrimas descerem de seu rosto e apertou os olhos ao sentir o metal gélido em sua garganta.

  "Me perdoe."- Bastian arrastou a adaga na garganta de Anthony e sangue caiu na marca, acendendo ainda mais o azul na mesma.

 Antes de Anthony cair no chão, Bastian o segurou e Órion pousou em seu ombro não ferido, quando luzes azuis começaram a circular rapidamente o ambiente, o deixando iluminado e quando menos se esperou, não estavam mais no mundo humano.

                      ════════ஜadg ஜ════════

 

 O portal se abriu novamente em Mercenia, os celestes despertaram, e o Rei havia voltado.

 Mas eles não sabiam que, mas um portal havia sido aberto, e outro também havia vindo.


Notas Finais


...
Matei vocês,não matei?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...