História A profecia entre mundos - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 37
Palavras 972
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Lemon, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Shonen-Ai, Sobrenatural, Super Power, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Está bem, não aguentei esperar.
Achei o último um pouco curto demais.
Espero que gostem!

Capítulo 4 - Capítulo 4


 

Capítulo 4

- Já disse. É minha coruja de treinamento no parque de falcoaria que meu pai me leva.- explicou Anthony mais uma vez. Ele não estava acreditando que conseguiu fazer essa mentira tão rápido.

 Anthony ficou sendo questionado sobre a coruja do início ao fim das aulas, faltava pouco para não arrancar seus próprios ouvidos. Agora ele estava tentando voltar para casa, mas não o deixavam passar.

- Mas por que ela estava aqui?- perguntou Martin.

- Talvez ela tenha me seguido.- respondeu Anthony.

- Por que ela brilha?- perguntou uma garota desconhecida.

- É a coloração dela.- mentiu Anthony.- Gente, preciso ir. Tchau!

 Anthony saiu em disparada e foi buscar sua bicicleta, indo rapidamente em direção à sua casa, queria fugir daquele mar de pessoas. Pedalando pelo acostamento da pista, ele começou a esquematizar as perguntas que faria à Bastian.

 Chegando em sua casa, guardou sua bicicleta na garagem, já lotada de tralhas e caixas. Quando passou pela porta da garagem e entrou na sala de estar, tomou um susto.

- Como você entrou?- perguntou Anthony.

- Pela porta.- disse Bastian.

 Bastian estava sentado na poltrona que ficava ao lado da janela, lendo um livro.

- Eu tranquei as portas.

- Sempre há outras portas.

- Não quero saber. Você não pode entrar assim na casa dos outros.- disse Anthony, cruzando os braços, irritado.

- Claro que posso. Se não pudesse não estaria aqui.- respondeu Bastian.

- Tudo bem...- disse Anthony, tentando se acalmar.

 Bastian riu. Anthony se sentou no sofá ao lado da poltrona em que Bastian estava, e ficou o analisando. Bastian fechou o livro e o fitou.

- O que?- perguntou Bastian.

- Que ideia foi aquela de mandar sua coruja para minha escola? Quer chamar a atenção de todo mundo? Tem ideia de quantas desculpas eu tive que inventar?

- Queria testar nossa conexão. Nós podemos conversar através dos pingentes, e Órion te obedece.

- Órion?

- É o nome da coruja.

- Então, ela me obedece?

- Sim.

- Tá, legal.- disse Anthony.- E como o pessoal da escola a viram?

- Talvez porque ela é semelhante com um animal desse mundo. Então, deve ser mais fácil dos humanos a verem.

- Entendi, mas não tente aparecer na frente de outras pessoas, elas surtariam se o vissem.

Bastian assentiu.

- Vou tomar banho.- disse Anthony, levantando.

 Anthony foi até as escadas e parou quando percebeu que Bastian o seguia.

- O que você está fazendo?- perguntou Anthony, virando-se para Bastian.

- Indo com você.

- Você não pode ir comigo.

- Por que não?

- Porque eu vou tomar banho!- reclamou.

- E daí?

- Você é estranho... Você disse que veio pra cá em busca de conhecimento, então saiba que, quando tomamos banho, usamos uma coisa chamada privacidade.- disse Anthony.- Fique no meu quarto até eu voltar.

 Anthony subiu as escadas e levou Bastian até o seu quarto, que era a terceira porta à direita, a primeira e a segunda eram os quartos de visitas e o de seus pais, a única porta à esquerda era o banheiro.

 Ao entrar no quarto, Anthony pegou algumas roupas para se vestir no banheiro, e então saiu, deixando Bastian sozinho em seu quarto.

 Entrou no chuveiro e molhou a cabeça, resfriando as ideias, e pensando nos prós e contras de ter ido para o esconderijo no dia anterior.

 Após ter tomado banho e ter se vestido, Anthony voltou ao seu quarto, encontrando Bastian largado em sua cama.

- Então... Por que você está na minha cama?- perguntou Anthony, secando o cabelo com uma toalha.

- É tão macia e confortável.- respondeu Bastian.

Bastian se aconchegou mais na cama, ele parecia uma criança. Tirando o fato que ele tinha quase dois metros de altura.

- Não se acostuma não, eu que durmo aí.- disse Anthony.

 O quarto de Anthony era razoavelmente grande. A cama de casal, que seus pais insistiram em comprar, ficava no centro com duas estantes de livros ao seu redor, a mesa do computador, como sempre, estava com livros e é próxima à janela que dá de vista a floresta que dá nos fundos de sua casa.

 Anthony deixou Bastian ficar em sua cama e sentou-se na cadeira da mesa do computador.

- Posso lhe fazer uma pergunta?- perguntou Anthony.

- Você já está fazendo.- disse Bastian, virando sua cabeça para Anthony.

- Por que a máscara?

- Nessa forma em que estou, que é a verdadeira, eu não tenho um rosto. E a coruja é o que me representa.

- Você gosta de corujas?

- Sim, elas tem grandes significados.

 Anthony estava fazendo perguntas aleatórias, ele pensou tanto nas perguntas que ele iria fazer que acabou esquecendo-as, então, está perguntando a primeira coisa que vem em sua mente,

- Hum.- disse Anthony.- Então, você pode mudar de forma?

- Posso.

- Por que não virou humano? Assim, as pessoas poderiam te ver.

- Por algum motivo, eu não posso mudar de forma nesse mundo.

- Queria ver você como um humano, seria estranho, mas não deixo de imaginar como seria.

- Quem sabe um dia veja.- disse Bastian.- Eu estou respondendo suas perguntas, ainda quero minha parte.

- Vou logo dizendo que não faço ideia de como te ajudar a voltar para a sua dimensão.

- Não se preocupe, estou ciente. Você me ajudará aos poucos.

- Muito bem.- disse Anthony.- Eu vou fazer umas pesquisas aqui no computador. Por que não tenta dormir um pouco?

- Não preciso dormir. Nunca dormi na minha vida, e minha vida é bem longa... Nem sei como se faz isso.

- Você deita, fecha os olhos e relaxa.

- Que olhos?- perguntou Bastian, rindo.

- Você me entendeu! Apenas tenta, não vai demorar muito.

- Tá bom.- disse Bastian, deitando e colocando um travesseiro sobre sua cabeça.

 


Notas Finais


Está bem, se quiserem mais hoje, me digam por favor.
Até mais!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...