História A profecia entre mundos - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 37
Palavras 1.389
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Lemon, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Shonen-Ai, Sobrenatural, Super Power, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Só para vocês, amados leitores, terem uma ideia, eu já escrevi vários capítulos, por isso, estou mandando tantos em um curto período de tempo. Hahaha

Capítulo 5 - Capítulo 5


Capítulo 5

 Depois de três horas fazendo pesquisas sobre diversas teorias de fendas dimensionais, Anthony finalmente terminou e não deu em nada, a maioria eram apenas blefes. E durante o período que ele ficou no computador, Bastian estivera estranhamente quieto.

- Terminei.- disse Anthony.

 Anthony rodou com a cadeira e se virou para a cama e Bastian ainda estava imóvel como travesseiro na cabeça.

- Bastian.- chamou Anthony.

 Nada.

-Bastian!- chamou mais uma vez.

 Nada.

 Anthony decidiu descer e pegar algo para comer. Desceu e foi até a cozinha, pegou um pacote de biscoitos de chocolate e voltou para seu quarto. Bastian estava na mesma posição.

- Qual é o problema?- perguntou Anthony.

 Não obteve resposta.

 Anthony pegou o travesseiro de sua cara e começou a bater nele, mas nada aconteceu. " Vou tirar a máscara dele."- pensou. Anthony colocou suas mãos nas bordas da máscara e quando ia puxar, Bastian deu tapas nas mãos de  Anthony.

- Nem pense nisso.- disse Bastian.

- Por que não se mexia e nem me respondia?- disse Anthony sentando na beira da cama.

- Não sei, eu fechei meus olhos e meio que eu fui para um lugar muito maluco, mas eu gostei de lá.- disse Bastian se sentando na cama de frente para Anthony.

- Ata. Você estava dormindo, e provavelmente, sonhando.

- Foi satisfatório.- disse Bastian, batendo palmas curtas.- Até você me acordar. Eu quero dormir de novo.

- Não!- impediu Anthony.- Nós vamos conversar, à noite você dorme.

- Tá.- respondeu Bastian, irritado.

 Anthony sentou-se na cama e abriu o pacote de biscoitos, comendo um.

- O que é isso?- perguntou Bastian com curiosidade.

- Biscoito. Quer um?- ofereceu Anthony.- Ah é, eu esqueci que você não tem uma boca.

- Me dê um.

 Anthony deu.

 Bastian olhou para o biscoito atentamente.

- Como você vai comer?

 Bastian não respondeu, apenas empurrou o biscoito através da máscara e ele sumiu, como se tivesse passado por um portal.

- Você comeu?- perguntou Anthony, espantado.

- Sim. Quero mais.

 Bastian despejou um punhado de biscoitos em sua mão e enfiou-os pela máscara, onde eles sumiram automaticamente.

- Calma, cara.- reclamou Anthony.- Eu também quero.

 Bastian riu, o que fez Anthony rir também. Anthony achava estranho o fato de que quando Bastian ria ele continuava sem expressão, só identificava pelo som e os movimentos do resto do corpo.

- Você havia dito que teve uma vida longa.- disse Anthony, suavizando o riso.- Qual a sua idade?

- Parei de contar já faz uns milhões de anos.- respondeu Bastian.- Mas são só números, eu não possuo uma idade relativa.

- Interessante.- respondeu Anthony, comendo mais um biscoito.- Eu tenho 13 anos.

- Eu já sabia, não precisa me dizer o básico sobre você, eu já sei.

- Como você sabe?

- A partir do momento que nos conectamos eu soube.

- Estranho...- sussurrou Anthony.

- Eu ouvi.

- Me conte sobre seu mundo.- disse Anthony.

- É uma terra muito diferente daqui. Criaturas de todos os tipos habitam nela.- Lhe darei um livro sobre elas, para estudá-las.

- Sério?- perguntou Anthony.

- Aqui está.

 Luzes azuis, como vaga-lumes, se formaram nas mãos brancas de Bastian, e das luzes, surgiu um livro bem grosso. A capa do livro era preta com uma coruja de olhos azuis no centro.

- Nossa, que grande!- Anthony foi tomado pela alegria.- Muito obrigado!

- De nada.- disse Bastian, baixando um pouco sua cabeça.- Nesse livro tem  tudo sobre os seres vivos de minha terra, menos eu.

- Assim não vale!- respondeu Anthony, rindo.

- Eu estou aqui para responder suas perguntas, além de que minha categoria não está nesse livro, está em outro na minha terra, e poucos tem acesso à ele.

- Por que isso?

- Porque eu sou um governante, junto com outros nobres da mesma categoria que eu. Eu sou conhecido por todos lá, e como todos os governadores, tenho inimigos que gostariam de ter informações sobre mim.

- Estou diante de um Rei!- disse Anthony, admirado.

- Não me trate dessa forma aqui.- pediu Bastian.

- Como se chama sua terra?

- Mercenia.- respondeu Bastian, cruzando as pernas e descansando a cabeça em sua mão direita.

- Nome legal.- disse Anthony, folheando o novo livro que ganhara.

- Minha terra é maravilhosa para quem sabe aproveitar, você iria gostar. Seu histórico de curiosidade é bem vasto.- disse Bastian, como se conhecesse Anthony à tempos.

- Vou ficar fingindo que estou ouvindo.

- Por que?

- Por nada. Só estou com inveja por eu não viver nesse mundo maravilhoso.

- Só porque é maravilhoso para mim, não significa que seja para outras pessoas.

 Anthony comeu o último biscoito e jogou o pacote no pequeno lixo ao lado da mesa do computador.

- Onde está a coruja?- perguntou Anthony

- Chame-a.- disse Bastian.

- Como?

- Primeiro, abra a janela e depois a chame pelo nome.- orientou Bastian.

 Anthony se levantou e foi até a janela, abrindo-a. Então chamou:

- Venha Órion.

 Pela janela, pôde-se ver a coruja branca emergir dos pinheiros ao longe e vir, rapidamente, em direção à Anthony, quando ela já estava bem próxima, ele estendeu o braço direito, e Órion pousou.

 Anthony se virou para Bastian.

- Ela fala?

- Não.- respondeu Bastian.

- Então, como você sabe o que ela vê? Você tinha dito que ela me viu na floresta.

- Eu vejo tudo o que ela vê. E você pode fazer o mesmo.

- Jura?- perguntou Anthony com seus olhos castanhos brilhando.

- Sim.- respondeu Bastian.- Quer tentar?

 Anthony logo assentiu. Bastian se levantou da cama e foi até a janela, fazendo um breve carinho na coruja.

- Vamos lá. Talvez não consiga de primeira.- disse Bastian.- Olhe nos olhos dela. Perceba cada detalhe da íris dela. Nossas íris são completamente diferentes de todos os outros seres vivos, é como uma impressão digital.

 Anthony olhou atentamente para os olhos azuis meia-noite de Órion, e percebeu pequenas linhas douradas deslizando na íris, que formavam, um padrão de desenho.

 Bastian olhou para Anthony com curiosidade, apesar de que,para Anthony, não era possível enxergar sua reação, por conta da máscara.

- Você conseguiu na primeira tentativa.- disse Bastian.- Quem diria.

 Os olhos de Anthony se tornaram idênticos aos de Órion, cada detalhe perfeitamente incluso.

- Muito bem, Anthony. Você é o primeiro a fazer esse feito, com exceção de mim. Agora lance-a no ar e veja o que ela vê.

Anthony o fez e a coruja alçou voo.

- Isso é fantástico!- exclamou Anthony.

- Sabia que gostaria.

 Anthony via os grandes pinheiros como se estivesse os sobrevoando, possuíam um verde muito intenso e escuro e era possível ver pequenos animais se moverem pelas árvores, inclusive outras aves voando ao lado da coruja, queria ficar lá para sempre, aquilo lhe deu uma sensação muito boa, porém, notou o céu escurecendo e achou melhor voltar.

- Como eu volto?- perguntou Anthony.

- Basta pensar em seus próprios olhos.- disse Bastian.

 Anthony pensou em seus olhos castanhos claros, e aos poucos sua visão ficara inteiramente normal.

- Como são os seus olhos?-perguntou Anthony, se virando, ficando de frente para Bastian.

- Quê?- Bastian perguntou, entortando a cabeça para o lado direito.

- Seus olhos.- explicou Anthony.- Como você imagina eles?

- Na forma que eles surgem em minhas transformações.

- Como eles são?

- Parecidos com os de Órion, a única diferença é que entorno da pupila há um tom de cinza.

- Devem ser lindos.- disse Anthony. Bastian se surpreendeu com a afirmação, mas Anthony não percebeu.

 Anthony olhou para o relógio na parede.

- Faltam 5 minutos para meus pais chegarem! O tempo passou rápido.

- Se é assim, voltarei para a floresta.- disse Bastian, ficando de frente para a janela.

- Em que lugar da floresta você fica?

- Se lembra da gruta onde nos encontramos?- perguntou Bastian e Anthony assentiu.- Eu fico por lá.

- O que você faz lá?

- Eu observava as coisas desse mundo através do Órion, mas agora que descobri o quanto dormir é bom. Vou dormir.

- Tá legal.- Anthony riu.- Até mais, Bastian.

- Até depois, Lua.- disse Bastian, com luzes azuis cobrindo-o, desaparecendo logo após.

- Por que ele me chama de Lua?- Anthony foi retirado de seus pensamentos quando ouviu seus pais chegarem.


Notas Finais


Desculpa qualquer erro aí.
;)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...