História A Proposta - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias MasterChef Brasil
Personagens Henrique Fogaça, Paola Carosella
Tags Farosella
Visualizações 178
Palavras 1.489
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Eu espero que Gostem do Capítulo.
Cometem o que acharam. Uma boa
leitura! 💕

Capítulo 4 - Capítulo 4


Eu vou se casar. - Repetiu.

- Raquel começou a gargalhar. - É piada né? - Perguntou ainda não acreditando. - Você tá bebado Henry, a bebida deixa as pessoas lezadas.

- Eu tô falando sério. Eu vou se casar.

- Você mal conheceu a moça na boate, e já pediu ela em casamento?

- Não é ela que eu estou falando.

- Então é quem? Não vai me dizer que engravidou qualquer uma na rua, e pediu em casamento antes que os pais da moça te matasse. - Ela brincou.

- Não é nada disso, me escuta.

- Então com quem você vai se casar, Henry?

- Com a minha chef! - Ele sussurrou baixo.

- Com quem? Ela perguntou novamente não entendendo.

- Eu vou me casar com a minha chef, é isso. - Ele escancarou desesperado.

Raquel começou a gargalhar novamente com que Henrique havia dito. - Você só pode estar de bricandeira, você precisa se internar Henry.

- Eu não estou brincando, é sério, eu vou me casar com ela. Acredita em mim.

- Henry, você odeia a sua chef, você não suporta, como você vai se casar com ela de uma hora pra outra? - Perguntou ela ainda não acreditando.

- Nem eu mesmo sei. Eu não odeio ela, só acho ela muito gostosa pra ser odiada. - Completou ele com um sorriso sacana.

- Dispenso a suas piadas.

- Por que você não acredita em mim?

- Por que você tá bêbado, por que ta falando coisa com coisa.

- Eu vou te contar tudo de uma vez, depois você tira a suas conclusões.

Henrique começou a contar tudo sobre o ocorrido, é Raquel ficou chocada, ao mesmo tempo ela ria da história que o mesmo contava.

- Me deus! Eu esperava mais de você, Irmãozinho. Você tá bem lascado. - Diz ela batendo no ombro dele, segurando o riso.

- Eu sei, eu só não sei o que eu faço.

- Por que você não aproveita essa situação que você está com a sua chef e dá uns pegas nela? Você não tem nada a perder. - Ela falou divertida.

- Tem como você deixar a suas brincadeirinha um pouco de lado, eu tô falando sério.

- Olha Henry, a vida é sua e você faz o que você qusier, eu não tenho nada haver com isso.

- Obrigado pela ajuda! - Diz ele com a feição chateado.

- Só digo uma coisa, a sua chef te pegou de jeito, hein. - Henrique joga uma almofada e ela sai de imediato. - Boa sorte com o casamento. - Ela deu a voz final.

***

Paola e Henrique já esperava no escritório de emigração para resolver a papelada do visto de noiva.

- Eu estou com um pressentimento ruim. - Disse o mesmo esfregando mas mãos uma na outra. Um homem bate na porta e entra em seguida.

- Olá eu sou o Sr. Carlos. Você deve ser a Srta. Paola é o Sr. Henrique, certo? - Disse ele cumprimentando com um aperto de mão.

- Sí, nos mesmos. - Respondeu com um sorriso.

Ele abriu a pasta e deu uma folheada.

- Tenho uma pergunta pra vocês… - Eles olhavam atentos. - Vocês estão cometendo uma flaude para evitar que a Srta. não seja deportada e continue sendo a sua chef para que ele não seja demitido? - Ele perguntou a Paola que congelou enquanto Henrique já olhava assustado.

- Ah... É claro que... É claro que no! - De onde o senhor ouviu isso? - Ela perguntou tentando colocar um sorriso no rosto.

- Recebemos uma ligação hoje de um homem...

- Jason Lowe?

- Jason Lowe!

- Pobre Jason… - Ele é um cafajeste sem coração, ele acabou com minha vida e tentou se vingar, agora ele tá se fazendo de cachorrinho sem dona, sinto muito. Olha, sabemos que está acupado então se você disser qual será o nosso primeiro passo, nós sairemos daqui o mais rápido possível.

- Deixe me explicar o processo. O primeiro passo será uma entrevista agendada. Cada um fica em uma sala e eu perguntarei coisas trivais, coisas de um casal de verdade devem saber sobre o outro. Segundo passo, eu irei mais profundo, analiso registro telefónicos, falo com seus colegas de trabalho, e familiares, se suas respostas não coincidirem em todos os pontos, você… - Apontou para Paola. - Será deportada. - E você meu caro. - Apontou para Henrique. - Terá cometido delito possível de multa de 250 mil reais e pena de cinco anos em prisão federal.

Henrique engoliu seco, o medo do mesmo já era nítido, ele tentou trasparecer o mais calmo possível.

- Então Henrique. - O doutor encarou. - Tem algo a me dizer? - O mesmo fez que não com a cabeça. - Não? - E novamente ele fez com sim com a cabeça. - Sim?

- A verdade é que... - Paola encarou o tatuado. Senhor Carlos, Paola e eu… Somos duas pessoas que não deviam se apaixonar. - Olhou para ela que sorriu. - Mas aconteceu. - Não contamos pra ninguém por causa da importante promoção que eu iria receber.

- Promoção? - Os dois perguntaram e ela olhou confusa.

- Nós achamos que ia ser inapropriado eu receber um aumento pelo meu trabalho.

- Aumento! - Ela olhou intrigada.

- Então já contaram ao seus pais sobre esse casamento?

- No meus pais estão mortos. - Ela disse. - No tengo irmãos nem irmãs, então…

- E o seus? Perguntam para o tatuado.

- Estão vivos.

- Íamos contar pra eles esse fim de semana. - Paola pegou na coxa de Henrique que se estremeceu com toque da Argentina. - É o aniversário de sua mãe, é a família vai estar toda reunida. Achariamos que poderia ser uma boa surpresa.

- E onde seria isso?

- Na casa dos pais de Henrique.

- Onde? - O doutor olhou.

- Florida! - Respondeu Henrique.

- Florida! - Ela repetiu.

- Miami.

- Mia…mi? - Ela olhou assustada.

- Vocês vão para Miami esse fim de semana? - Perguntou.

- Sim! - Disseram juntos!

- Vamos para Miami, é de onde mi amor veio. - Disse pegando em seu ombro.

- Ok! Vejo vocês em breve para a entrevista, e é bom que as resposta coincidem em todos os pontos.

- No vemos a hora. - Ela respondeu colocando um sorriso no rosto e saíram dali de imediato.

***

Eles sairam do departamento e caminharam a Avenida Paulista.

- Então, vamos até lá, fingimos que somos namorados, contaremos ao seus pais que vamos nos casar. Use as milhas nas passagens, te levo na primeira classe, resolvemos esse grande problema, teremos um final feliz, e nada vai dar errado. - Ei! Por que no está me ouvindo?

- Desculpa mas você não estava naquela sala? - Ele parou encarando ela sério.

- O que? - Ela pensou. - Ah aquela história do aumento? Ele caiu direitinho genial.

- Era sério! Estou correndo o risco de ser preso por cinco anos de prisão federal e precisará pagar uma multa de 250 mil reais.

- Dar um aumento pra você, sem chance. - Riu.

- Então eu me demito, e você estará ferrada, tchau! Foi muito bom trabalhar com você, Paola. - Ele sai andando e para depois de ouvir a voz da Argentina.

- Está bem, eu te dou o aumento que você deseja. - Ele voltou para perto dela. - Se formos para Miami e passarmos na entrevista e você terá seu aumento. - Satisfeito?

- Não, eu quero mais um coisa, eu não quero ser mais ser seu estagiário, nem seu assistente. Eu quero ser reconhecido pelo meu trabalho, é quero que você me ajuda a ser reconhecido pelos seus amigos chefs, e também que você me apresenta a eles. Eu quero que você me ajuda a crescer na gastronomia. - Completou ele.

- Daqui alguns meses! - Diz ele.

- Não Paola, agora.

- Ok! - Ela concordou.

Eu não terminei ainda. E diremos sobre o nosso noivado com minha família quando eu quiser, é quando eu bem entender. Agora, me peça com jeitinho?

- Pedir com jeitinho, o que?

- Me peça pra casar com você Paola, com jeitinho.

- O que você quer de mim?

- Você ouviu muito bem, de joelhos.

Antes que ela pudesse abrir a boca pra falar algo, ela desiste. Ela olha em volta para ver o movimentos das pessoas.

- Tudo bem! - Disse com um sorriso nos rosto. Ela deu a mão para o tatuado que o segurou, ela se ajoelhou.

- Está bom assim pra você? - Perguntou.

- Está ótimo!

- Te quieres casar conmigo? - Disse com seu espanhol acentuado.

- Não! E tira esse espanhol de merda. Agora me pessa com vontade, em português, direitinho. - Ela bufou de raiva.

- Henrique...

- Sim, Paola?

- Doce, Henrique.

- Estou ouvindo!

- Você queira por gentileza, com mil coraçãozinhos no ar, se casar comigo?

- Olha, só não gostei muito do sarcasmo, mas eu caso, sim. Vejo você no aeroporto amanhã.

Estendeu a mão a ele para se levantar, mas acabou deixando ela plantada na avenida de joelhos. Ela se levantou com dificuldades, e saiu dali deixando o local.

Se ela pensa que vai ser do jeito dela, ela está muito enganada. Você agora está presa a mim, Paola Carosella.


Notas Finais


PARECE QUE O JOGO VIROU NÃO É
MESMO??? 🙈😂😂😂 Tadinha da
Paola kkkkk. Parece que foi atingida
pelas fodidas do Henrique rs. O que
acharam?! Até o próximo capítulo. 💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...