História À prova de som - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Camila Cabello, Lauren Jauregui
Tags Camila, Camren, Lauren
Exibições 209
Palavras 3.938
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 3 - Momentos compartilhados



Idade, 8.

Camila bateu na porta da casa branca, abraçando sua mais nova aquisição firmemente contra o peito, como se o objeto pudesse criar vida e fugir se ela não o segurasse com força o bastante.

- Olha só quem está aqui... - Michael sorriu. - Olá, Camila, como estão indo as férias?

A morena sorriu brilhantemente para ele. - Muito boas, tio Mike... A Lauren está ai? - Ela perguntou, tentando enxergar por trás dele.

- Sim, ela está na sala pintando... Você pode entrar. - Ele deu um passo para o lado e Camila passou voando por ele, correndo em direção a sala e encontrando sua melhor amiga sentada no chão, pintando em um caderno com giz de cera.

- Lauren! - Chamou ela, tentando conter sua excitação. - Olha o que eu ganhei! - Obviamente não houve resposta e ela revirou os olhos consigo mesma. Depois de dois anos ela ainda conseguia esquecer que a outra não podia ouvir. - LAUREN! - Ela gritou ainda mais alto, batendo seu pé com força contra o chão de madeira, fazendo-o vibrar e sorrindo quando a cabeça de sua amiga virou em sua direção.

Os olhos esverdeados estavam arregalados e olharam em volta, como que tentando encontrar algum motivo além da pequena morena para o mini terremoto que acabara de sentir. Camila saltitou em sua direção e sentou ao seu lado em cima do tapete novo e caríssimo que havia sido batizado com suco de uva há alguns dias atrás - para o horror da senhora Jauregui.

- Olha o que eu ganhei! - A morena sinalizou precariamente, usando apenas uma mão enquanto a outra segurava seu mais novo DVD de Funny Girl.

Lauren olhou para a caixinha sem parecer nem um pouco impressionada. Ela não conhecia muitos filmes, não tinha muita graça assistir TV no mudo.

- Podemos assistir? - A morena a encarou com um olhar esperançoso. - Por favooooooor? - Ela falou em voz alta, sinalizando de forma exagerada. Camila sabia que Lauren não gostava de ver filmes porque era difícil de entender sem ouvir, mas aquele era seu filme favorito de todos os tempos e ela queria compartilhar aquilo com sua melhor amiga de todos os tempos. Sem contar que a TV dos Jaureguis era maior do que a que ela tinha em casa e ela não queria perder a chance de ver Barbara em uma tela gigante - 32 polegadas parecia gigante naquela época.

A garota de olhos verdes olhou para o teto, tentando fingir irritação, mas sorrindo mesmo assim. Era engraçado ver Camila implorar pelas coisas. Ela não respondeu de primeira, querendo pensar no que poderia conseguir caso concordasse com a pequena morena.

- A gente vai poder comer pipoca junto com o filme?

Camila concordou vigorosamente, soltando uma risada e abraçando o pescoço de sua melhor amiga.

Ela se levantou e colocou o filme no aparelho antes de correr até a cozinha. - Tia Clara! - Ela gritou, fazendo a mais velha se virar com uma mão no peito e uma colher de pau na outra, um pouco sobressaltada. - A Lauren quer pipoca, você pode fazer pra gente?

Clara fez que não com a cabeça. - Está quase na hora do jantar e...

- Por favooor, só um pouquinho! Se não a Lauren não vai querer ver o filme comigo! - Ela apoiou uma mão na bancada, pulando um pouco sem exatamente sair do chão. - É importante pra mim... - Ela falou suavemente, usando o tom de voz que sempre funcionava para convencer seus pais de qualquer coisa.

Clara suspirou. - Está bem... Mas só um pouquinho e só dessa vez.

- Yaay! - Camila exclamou. - Você é a melhor, tia Clara... - Ela a abraçou rapidamente antes de voltar para a sala.

- Cadê a pipoca?

- Tua mãe já vai trazer. - Ela se acomodou no chão, escorando as costas no sofá e dando play no filme. - Vou pôr legenda, ai você vai entender também...

Lauren fez que sim com a cabeça, sentando ao seu lado e sorrindo um pouquinho ao sentir a mão - ainda minúscula - da pequena morena envolver a sua. Ela tentou com todas as suas forças prestar atenção no filme, mas as legendas passavam rápido demais e por mais que já soubesse ler - mais ou menos - ela não conseguia acompanhar o que elas diziam. E sinceramente, ela não conhecia uma boa parte daquelas palavras.

Então a pipoca chegou e ela desistiu de tentar entender a história, se contentando em contemplar o rosto de sua amiga e o modo como ele parecia expressar uma gama enorme de emoções ao mesmo tempo. Ela espichou as pernas e as dobrou novamente antes de deitar de barriga para baixo, apoiando o queixo nas mãos e tentando voltar a prestar atenção, mas a história já não fazia mais sentido.

Ela encarou a mulher de nariz grande na tela e era óbvio que ela estava cantando, ou talvez estivesse tentando sugar o ar das pessoas, porque ninguém fala abrindo a boca daquele jeito. Ela engatinhou até a TV e encostou uma mão na saída de som, sentindo as vibrações da música e fechando os olhos por um segundo, fingindo que podia de fato ouvir.

- O que você está fazendo? - Camila perguntou quando ela voltou a abrir os olhos.

- Ouvindo música.

A latina franziu a testa,

- Traduz a mulher nariguda pra mim. - Demandou Lauren, ficando em pé e escorando as costas na saída de som, sentindo os pequenos buraquinhos vibrar contra sua coluna.

- Ela não é nariguda, o nariz dela é perfeitamente normal.

- Que nem o seu.

A latina fechou a cara.

- Eu não vou mais brincar com você. E não vou traduzir nada também.

Lauren mordeu o lábio. Ela era péssima em saber quando falar as coisas e às vezes ofendia as pessoas. - Desculpa. Eu gosto do teu nariz. Agora traduz pra mim.

Camila mordeu a parte interna da própria bochecha, ela não conseguia ficar brava com Lauren por muito tempo. Ela pausou o filme e tirou os sapatos, subindo no sofá e fingindo estar em cima de um palco. Ela limpou a garganta e começou a cantar uma versão mais lenta (para poder traduzir ao mesmo tempo) de 'Don't Rain on My Parade'.

Sua voz era impecável e ela desejou que sua amiga pudesse ouvi-la naquele momento. Ela sinalizava com naturalidade, soletrando as palavras que não conseguia traduzir e Lauren sorria, apesar de achar a letra totalmente confusa e sem sentido, por que ela sabia que o sol não era uma bola de manteiga, e pessoas não podiam voar e quem será que tinha uma maçã no lugar do olho?

...

Idade, 10.

- Deixa eu levar a Lolo lá embaixo? Eu sei que não ta pronto e que tem fios no chão e poeira e tudo o mais, mas o cara disse que o som ta pronto e eu queria testar e eu queria mostrar pra Lauren porque o chão do palco é de madeira e ela pode sentir a música e você sabe o quanto ela gosta disso... Por favor papai! Eu prometo que eu lavo a louça todos os dias dessa semana! - Ela segurava sua mão e a balançava de um lado para o outro. Lauren só olhava a cena, tentando imaginar o que sua amiga poderia estar dizendo e tentando ler os lábios dela, mas Camila sempre falava tão rápido que isso era quase impossível. - É importante pra mim...

Sinu fechou a cara. Sua filha realmente sabia como conseguir o que queria. Ela culpava Alejandro por isso - simplesmente porque precisava culpar alguém. Ela olhou para a menina de olhos claros que a encarava com uma expressão tranquila. Ela sempre achara interessante o modo como as duas meninas pareciam se completar.

- Está bem... Mas tomem cuidado.

- Vamos tomar, eu prometo! - Camila concordou, já começando a arrastar sua amiga até a porta do porão.

- E você vai lavar a louça até o final do mês! - Ela exclamou antes de ouvir a porta bater.

...

- Nosso antigo porão agora é uma sala de música! - Camila exclamou, acendendo a luz e fazendo Lauren rodopiar consigo antes de traduzir o que havia acabado de falar. O lugar ainda não estava totalmente pronto, ainda faltavam alguns acabamentos no palco e havia fios de luz espalhados por todo o chão, bem como uma poeira cinza que ainda tinha que ser limpa.

Mas o sistema de som havia sido instalado naquela manhã e Camila estava excepcionalmente animada com aquilo. Ela mal podia esperar que seu microfone cor de rosa chegasse para poder cantar que nem uma estrela de verdade.

- Senta aqui... - Sinalizou a morena, traçando com o pé um círculo no meio do palco - o círculo era realmente visível graças a poeira.

Lauren fez uma careta. - Tá sujo.

- É só poeira, depois sai!

Lauren olhou para seu vestido azul de bolinhas. - Se minha mãe brigar eu vou dizer que é culpa sua.

Camila colocou uma mão na cintura. - Senta logo! Eu quero te mostrar uma coisa!

Lauren fechou os olhos ao sentar, tentando não pensar no que sua mãe diria quando ela chegasse em casa com um vestido todo manchado. A pequena morena cutucou sua bochecha e Lauren piscou, encontrando sua amiga ajoelhada a sua frente com um controle remoto preto nas mãos.

Camila sorriu e apertou o botão de ligar, fazendo música ecoar pelo aposento a todo o volume. Lauren arregalou olhos. O palco era de madeira e as caixas de som estava posicionadas nas laterais, o som que saía delas fazia toda a estrutura vibrar - E poeira voar para todos os lados, o que, graças a luz do sol que se infiltrava pelas pequenas janelas, era contraditoriamente bonito.

- Musica... - Disse Camila, vendo o rosto de sua amiga se transformar em um sorriso e as mãos dela tocaram o chão sujo hesitantemente. Ela não conseguia escutar por causa da música, mas a morena tinha certeza que Lauren estava murmurando "mmmmhmm", como sempre fazia quando estava feliz, ou animada com alguma coisa. Ela tinha certeza que a outra nem ao menos percebia que emitia aquele som.

A pequena latina se afastou, ficando em pé na frente de Lauren e começando a dançar e traduzir a música que tocava no rádio, 'Complicated', da Avril Lavigne - Estava na moda em 2003. Lauren não estava prestando atenção em sua amiga, absorta demais nas vibrações e querendo poder sentir mais.

Todas as pessoas falavam tanto sobre o quanto gostavam de música e ela queria poder entender o mistério por trás daquilo e porque sua mãe sempre chorava quando ouvia uma mulher chamada Celine Dion cantar. Ela sentiu o ritmo mudar junto com a música, que agora era 'Get This Party Started', da Pink. As vibrações eram mais definidas e intensas e ela deitou no chão, esquecendo completamente sobre a sujeira.

Alguns segundos se passaram e Camila pulou em seu colo, sentando sobre suas pernas com um joelho de cada lado de seu quadril, parecendo um pouco irritada.

- Eu estava traduzindo pra você! -Ela reclamou, cruzando os braços, mas logo sorrindo ao ver o brilho nos olhos de sua amiga. Ela se inclinou para baixo e começou a fazer cócegas nas laterais da garota e em seu pescoço.

Lauren fechou os olhos em uma overdose de sensações, a música e as cócegas e o peso leve que era Camila sobre suas pernas. Ela sentiu algo quente inundar seu peito e partiu os lábios, permitindo que uma risada escapasse de sua garganta.

A pequena latina parou o que estava fazendo e encarou sua amiga, surpresa com o som que havia acabado de ouvir. Ela percebeu que em 4 anos nunca havia escutado Lauren rir. Lauren sorria bastante, e murmurava ou gritava quando estava feliz, mas aquele som era algo totalmente novo e incrivelmente musical. Seu coração saltitou, como havia feito quando vira Lauren pela primeira vez e ela se viu rindo também.

Inconscientemente, aquela risada se tornou sua música favorita.

...

Idade, 13 – inverno.

- Eu vou com vocês!

- Não vai não! Hospital não é lugar para criança!

- Eu já tenho 13 anos! Eu quero ver a Tay!

Michael olhava a discussão entre sua filha e esposa já fazia alguns minutos quando decidiu intervir.

- Você vai ficar na Camila e não tem discussão! - Ele exclamou, sinalizando ao mesmo tempo. - Não é hora de brigar! Sua irmã está no hospital e eu estou indo para lá agora! - Ele colocou uma mão no ombro da garota mais nova. - Eu prometo que ligo avisando como ela está assim que tivermos notícias.

Os olhos dela estavam cheios de água, ela sabia que não adiantava argumentar com seu pai. Ela o abraçou e concordou com a cabeça.

- Tenho medo... - Ela sinalizou ao se afastar.

- Vai ficar tudo bem... O médico disse que não foi tão grave e que ela estava acordada quando chegou no hospital. - Fazia alguns minutos que o telefone havia tocado na casa dos Jauregui, trazendo notícias não tão boas. Aparentemente, Taylor tinha se envolvido em um acidente de moto e fora levada as pressas para o hospital.

Clara e Michael estavam indo para lá, mas não queriam levar Lauren. Já era tarde e ela tinha aula no dia seguinte. Sem contar que ela estava nervosa demais e o hospital não iria adiantar em nada para acalmá-la. Eles explicaram a situação para os Cabello e deixaram a filha com eles antes de partir.

...

Camila saiu do banho para encontrar uma Lauren cabisbaixa sentada em sua cama. Ela se aproximou e percebeu que pequenas lágrimas escorriam de seus olhos e pingavam da ponta de seu nariz. Ela parou na sua frente e secou algumas gotinhas com a manga de seu pijama antes de perguntar o que havia acontecido.

Lauren explicou, chorando mais um pouco enquanto sinalizava. Ela estava nervosa e assustada, porque o pai do Joe, seu colega de aula, tinha morrido em um acidente de carro mais cedo naquele ano. Ela não queria que Tay morresse.

- Ela não vai morrer, vai ficar tudo bem. - Camila respondeu, a abraçando brevemente antes de ir até o quarto de seus pais e pedir que eles ligassem para Michael para saber como estavam as coisas.

Tay estava em cirurgia.

Ela disse aquilo para Lauren enquanto pensava em algo que elas pudessem fazer que ajudasse a distraí-la. Ela mordeu o lábio, olhando e volta por seu quarto e percebendo que Wall-E estava no topo de sua pilha de filmes. Camila pegou a caixinha e a segurou na frente do rosto, espiando pelo lado para ver um sorriso tremulo nos lábios de sua amiga.

Wall-E era o filme favorito de Lauren, por que quase não tinha falas e ela conseguia entender a história sem precisar ficar lendo legendas que passavam rápido demais. As duas meninas se acomodaram embaixo das cobertas e Lauren ficou mexendo nos cabelos casranhos dema enquanto assistia o filme. Ela sempre se sentia melhor quando mexiam nos seus cabelos e esperava que o gesto fizesse sua amiga se sentir melhor também.

Os cabelos de Lauren tinham um cheiro bom, doce, mas não muito, e suave e familiar. E o peito de Camila era tão quente. Lauren podia sentir o calor contra sua bochecha, junto com o pulsar de seu coração e uma leve vibração causada pela respiração dela.

Às vezes Lauren imaginava o quanto seria maravilhoso ouvir, mas então ela pensava no quanto também gostava de sentir... Ela sabia que por não ouvir, podia sentir melhor do que outras pessoas. Perceber sons mesmo sem escutá-los e notar mudanças sutis que a maioria dos ouvintes não perceberia, como por exemplo, o modo como o coração de Camila mudava de ritmo a cada movimento e suspiro seu.

...

Uma hora depois, Sinu entrou no quarto de sua filha para ver como Lauren estava e oferecer um chocolate quente. Ela sorriu quando encontrou as duas meninas dormindo abraçadas. Laura  descansava a cabeça no peito de sua filha e tinha uma expressão tensa no rosto, que contrastava com o leve sorriso que agraciava os lábios da pequena latina.

Ela desligou a TV e puxou o cobertor de florzinhas para cima das duas, beijando seus cabelos antes de se retirar.

...

Eram duas da manhã quando ela voltou a entrar no quarto, segurando o telefone sem fio contra o peito. Ela acendeu a luz e Lauren se moveu, enterrando o rosto no pescoço de sua amiga para fugir da luminosidade.

Sinu se aproximou e chamou por Camila suavemente. A morena piscou seus olhos abertos e tirou uma mão de baixo das cobertas para esfrega-los.

- Estrelinha, o pai da Lauren ligou. - Sinu passou uma mão por seus cabelos, vendo-a despertar totalmente antes de continuar. - Ele disse que a Tay já saiu da cirurgia e que está bem, ela tinha rompido o baço, mas os médicos controlaram a hemorragia. - A pequena morena fez que sim com a cabeça, mordendo o lábio, aliviada. Ela gostava de Tay e estava preocupada. Sem contar que não queria mais ver sua melhor amiga triste. - Ela também fraturou uma costela e teve que fazer pontos no queixo, mas está fora de perigo.-  Ela sorriu. - Você pode avisar a Lauren?

Camila fez que sim e percebeu que Lauren estava com o rosto pressionado contra o seu pescoço. A respiração dela fazia cócegas e por algum motivo, a pequena morena enrubesceu. Ela se afastou um pouquinho e balançou o ombro de Lauren gentilmente. Seu coração bateu na garganta quando os olhos dela se abriram. Aqueles olhos que antes eram apenas verdes, mas com o tempo foram colecionando pequenos pontinhos dourados - como as estrelas que Camila tanto amava - e naquele momento conseguiam conter as duas cores em um mar de verde que faiscava.

Uma de suas mãos estava presa embaixo de Lauren, então a latina apontou para a própria boca, falando devagar para que Lauren pudesse entender.

- Tay vai ficar bem. - Ela levou a mão livre para a têmpora, fazendo o sinal de 'entendeu?' depois de falar.

Lauren respirou pelo nariz, sua mandíbula relaxou em alívio. - Sim.- Ela oralizou baixinho. O som de sua voz fez a morena sorrir. Era sempre uma surpresa quando a garota de olhos verdes falava e Camila adorava ser surpreendida dessa forma, mesmo que as palavras fossem sempre curtas e simples. - Obrigada. - Ela murmurou, engolindo o 'r' e voltando a enterrar o rosto no pescoço da morena.

Camila sentiu algumas lágrimas quentes contra sua pele e passou seus dedos pelos cabelos de sua amiga antes de chamar seu pai para apagar a luz e voltar a dormir.

...

Idade, 15.

Era uma quarta feira entre o início das aulas no dia primeiro e o aniversário de 16 anos de Lauren. As duas meninas atravessavam o shopping em direção a praça de alimentação enquanto conversavam animadamente. Ou melhor, Camila conversava e Lauren tentava caminhar e olhar para as mãos dela sem tropeçar.

A pequena morena estava animada, era seu segundo ano do ensino médio e aparentemente um professor do coral havia sido demitido e ela finalmente conseguira entrar para o Clube do Coral. Ela falava sobre seus colegas e sobre como eles não eram tão bons quanto ela, mas que ainda assim soavam muito bem e sobre esse menino, Shawn, que estava, mas ao mesmo tempo não estava no clube.

- E se conseguirmos membros o suficiente, vamos poder competir nas seletivas e se ganharmos as seletivas vamos para as regionais e então para as nacionais e o troféu é enorme e tão bonito e eu quero ele!

Lauren soltou uma risadinha. Nem sinalizando Camila conseguia utilizar vírgulas.

- Vocês vão ganhar. A sua voz é linda...

Camila sorriu abertamente, enganchando um braço ao da garota e aceitando o elogio - mesmo sabendo que Lauren não tinha como afirmar aquilo.

Chegando a sorveteria, Lauren foi pegar uma mesa enquanto Camila pedia dois sorvetes de cereja com chocolate - chocolate era o seu favorito e cereja era o de Lauren e as duas concordavam que juntos eram a combinação perfeita. Lauren aceitou seu potinho e comeu uma grande colherada, umedecendo os lábios antes de pressionar um beijo gelado na bochecha de sua melhor amiga, que havia acabado de sentar ao seu lado.

Camila riu, passando uma mão pela própria face e sentindo-a grudar com sorvete. Lauren sempre fazia aquilo, desde que elas eram pequeninhas...

Elas comeram e conversaram sobre a escola de Lauren e seus novos colegas e seu professor de sinais, que apesar de surdo conseguia saber menos sinais que Alejandro - o que era algo a se dizer, porque ele possuia uma dificuldade absurda em aprender a língua.

- Não seja má... - Disse Camila, com a colher de plástico azul dentro da boca. - Você não sabe a história dele. Talvez ele tenha sido proibido de usar sinais quando era criança, como a sua professora de artes.

- Se ela conseguiu aprender depois dos 30, ele também deveria. - Pontuou Lauren. - Você aprendeu muito rápido...

- Eu tive a melhor professora. - Piscou a morena com um sorriso, fazendo as bochechas de Lauren se tingirem de cor de rosa e seu coração bateu um pouquinho mais rápido.

Lauren desviou o olhar para o lado, sentindo suas mãos se tornarem úmidas de repente - já fazia algum tempo que isso acontecia quando ela estava perto de Camila e era muito desconcertante -. Ela avistou cabelos familiares no balcão e acenou para Brad, o menino novo que havia entrado em sua turma naquele ano.

Ele sorriu e acenou de volta vindo em direção a elas com seu pote de sorvete de baunilha.

- Oi. - Ele sinalizou para Camila antes de sentar na cadeira desocupada a frente delas sem pedir permissão.

Lauren os apresentou rapidamente e a morena se sentiu vagamente irritada com a presença do garoto, afinal, aquela tarde era para ser delas duas apenas - as aulas estavam se tornando cada vez mais puxadas e elas já não tinham mais tanto tempo juntas como antigamente. Ela também não gostava do modo como ele olhava para sua amiga, nem do sorriso que ela oferecia para ele.

Ela sentiu seu estomago cair quando percebeu que estava sentindo ciúmes.

Desde quando ela sentia ciúmes de Lauren?

Camila era possessiva e tinha plena consciência disso, mas ela nunca havia sentido ciúmes como aquele antes. Ela se sentia um pouco deslocada quando via sua amiga conversando com outras pessoas, mas normalmente não demorava muito até que se enturmasse e entrasse na conversa também.

Dessa vez era diferente. Ela não sentia a menor vontade de conversar com Brad. Na verdade, ela tinha vontade de pegar as mãos de sua amiga para que ela não pudesse mais falar com ele.

Ela percebeu que Brad se atrapalhava em alguns sinais e bufou e sorriu. Ele claramente não era inteligente o suficiente para sua Lauren. Então o sorriso desapareceu e ela cobriu o rosto com as mãos, perdida em sentimentos que não conseguia interpretar.

Uma mão morna apertou sua coxa suavemente e ela levantou os olhos, encontrando um redemoinho de preocupação verde e dourado.

-Tudo bem? - Perguntou Lauren, apertando sua perna mais uma vez.

Camila fez que sim com a cabeça, super consciente da mão de Lauren contra sua pele. Ela suspirou, pensando que seu amigo Harry talvez tivesse razão, ela precisava mesmo arrumar um namorado.

...
   



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...