História A Pura - Capítulo 35


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Emma Watson, Jennifer Lawrence, Personagens Originais, Rupert Grint
Tags Brasil, Brasileiro, Classe, Comunidade, Conflito, Ficção, Futurista, Geral, Governo, Luta, Original, Político, Prostituição, Romance, Social, Sociedade
Visualizações 8
Palavras 2.080
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Científica, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 35 - Fraternidade




 

“Uma oportunidade falhada pode reencontrar-se, ao passo que jamais recuperamos uma tentativa precipitada.”


- Pierre Laclos



-----------o-------------




Sentia que todos os olhares estavam voltados - e sobressaltados - sobre nós.  

- Lulu… Lulu… está viva…  

Marcos soluçava contra mim, apertando-me em seus braços, como se temesse que eu me esvaísse caso deixasse qualquer brecha.  

- Estou aqui… maninho… estou aqui.. - ofeguei, também retribuindo avidamente aquele abraço inesperado.  

Ele ficou alguns segundos ali, prostrado contra mim, até finalmente me soltar. Vi-o lançar um olhar assombrado ao redor, fitando Aline com uma latente e maravilhada incredulidade.  

- Quando disse que sua amiga se chamava Lua… - minha amiga enrijeceu, igualmente pasma – eu não… pude acreditar que realmente podia ser ela…  

Branda sacudiu a cabeça,  

- Será que alguém pode me explicar o que infernos está havendo?  

Ainda segurando as mãos de Marcos, virei-me na direção de Brenda.  

- Ele é… o meu irmão - anunciei a todos, sentindo meu coração martelando dolorosamente dentro do peito, tamanha minha felicidade e choque.  

Aline recuou, como se tivesse acabado de levar uma coronhada invisível na cabeça.  

- Seu irmão? - piscou, perplexa – mas sua família…  

Miguel não estava menos aturdido, vincando a testa na direção de Marcos.  

- Sim… minha família… - fitei meu irmão novamente – Marcos… como…?  

- Eu sei… - seus olhos ficaram marejados – eu… estava atrás de você… e tudo escureceu… - baixou a cabeça de modo desolado – e quando acordei… v-você já não estava mais lá… e tinha sido levada pelo Açougueiro..!  

Me contraí, sentindo a lembrança me golpear com a crueldade de uma faca.  

- Achei que você tivesse… - choraminguei, aflita.  

Ele assentiu, pesaroso.  

- Eu estava desacordado… nãos e preocuparam em saber… se eu estava vivo – apertou suas mãos contra as minhas – eu sinto muito, Lua… eu devia… ter protegido você.  

Meneei a cabeça em negativa.  

- A culpa não foi sua.  

Seu olhar tornou-se repentinamente gélido.  

- Podia ter salvado… todos vocês.  

Um calafrio percorreu minha espinha, resvalando-se sobre meu corpo como um balde de água gelada.  

O medo. A angústia. O pavor. A aflição.  

As memórias me invadiram, apunhalando-me ferozmente, fazendo com que eu me dobrasse de agonia.  

Senti os braços de Miguel circundando-me, tentando dar um mínimo apoio àquele corpo cambaleante - o que me acalmou o suficiente para que eu conseguisse fitar Marcos outra vez.  

- M-Marcos… - sufoquei um soluço – o que aconteceu… com eles?  

As mãos dele se fecharam em punhos.  

Marcos resfolegou, cabisbaixo.  

- Papai e Pedro… - guinchou – tentaram lutar contra o comparsa do Açougueiro, e impedir que você fosse levada… enquanto eu estava ferido… - seus olhos brilharam de profunda tristeza – receberam dois tiros - acrescentou, atormentado – no peito… eles não resistiram, Lua.  

Meus joelhos cederam, e teria caído se Miguel não tivesse me segurado.  

Papai. Pedro.  

Estavam mortos.  

O Açougueiro e seu comparsa os haviam matado.  

Depois de tantos anos, havia me conformado com a perspectiva de toda minha família ter sido assassinada. E então, tolamente, agora que tinha reencontrado Marcos, havia tido uma mínima e infantil esperança.  

Ouvir a confirmação daquilo doía bem mais do que eu havia esperado.  

Túlio… meu pai, o homem batalhador e extraordinário, que havia criado cinco filhos sozinho. E Pedro, gentil e afável, que havia sido como um segundo pai para seus irmãos.  

Nunca mais iria vê-los outra vez.  

Meneei a cabeça em concordância, reprimindo um uivo de desolamento.  

- Você disse que tinha quatro irmãos… - observou Aline, penalizada, quase que aparentando se arrepender de me lembrar.  

- Juliano…. E Heitor – confirmei com um aceno, ainda aflita – eles…?  

Um sorriso triste surgiu no rosto de Marcos.  

- Saíram… pouco depois… mas você já tinha sido levada. Não se feriram.  

Juntamente do pesar, um alívio imenso borbulhou dentro de meu coração.  

Heitor e Juliano estavam vivos.  

- Estão…?  

Marcos finalmente permitiu-se dar uma risada fraca.  

- Sim… nós ficamos juntos… depois de tudo que havia acontecido. Demos… um fim digno para papai, Pedro… e Bango.. que também tinha sido atingido – era perceptível que ele não queria se demorar nos detalhes, a fim de me poupar mais sofrimento – saímos de casa… procurando por você. Ficamos semanas tentando te encontrar…  

“Nossa busca de prolongou. Porém, já estávamos ficando sem qualquer esperança. Heitor mal conseguia encontrar comida e abrigo para nós dois durante a viagem. Quase formos interceptados por outros caçadores de carne. E mais de uma vez tive recaídas de febre, devido á infecção do ferimento que recebi na cabeça.  

Depois de um mês sem qualquer pista, nossa esperança finalmente desapareceu. E achamos… que tivessem te matado.”  

Ele engoliu em seco.  

- Bango… - Aline se pronunciou, visivelmente perturbada – se tivesse me contado sobre isso… eu realmente…  

- Tudo bem, Prisma – Marcos a olhou – não… foi culpa de ninguém.  

- E como vocês vieram parar na Força Rebelde? - indaguei.  

- Talvez – Brenda deu de ombros, enfim se manifestando - da mesma forma que eu? A organização os acolheu…. Certo, Comandante?  

- Sim – meu irmão concordou – quando desistimos de tudo… a Força Rebelde ofereceu-nos esta oportunidade… uma oportunidade que jamais teríamos recusado. Era a nossa segunda chance… nossa nova oportunidade de fazer a coisa certa… e tentar salvar outras vidas… já que havíamos falhado na primeira vez.  

Um silêncio incômodo invadiu o quarto.  

Percebi que Marcos observava Miguel – que, até então, não havia dito quase nada.  

- Ah… - decidi quebrar aquela pequena tensão – Marcos… este é Miguel… - sorri – foi ele que salvou a mim e minha amiga da margem…. há quase dois anos.  

Miguel adiantou-se, apertando a mão de meu irmão.  

- E um prazer, Marcos. 

Marcos lhe devolveu um sorriso cauteloso. 

- Então... foi você que cuidou da minha irmã todo esse tempo? 

Penalizada, vi a empatia no rosto de Miguel esmaecer. 

- Na verdade... não - ele baixou o olhar. 

Aline retraiu-se em seu canto, lançando um olhar exasperado e significativo para Marcos. Ele aparentou compreender o gesto, meneando a cabeça lentamente. 

- Lua... - sua voz ressoou com um quase imperceptível tom de súplica - por que você não vai... encontrar seus irmãos no grupo da divisão de Távora? Enquanto isso, eu e Miguel podemos colocar Bango à par de tudo o que aconteceu.... nestes últimos anos. 

Quis contestar, mas Miguel me lançou o mesmo olhar implorante, como numa exortação que eu atendesse o pedido de Aline. 

Temi deixá-los á sós. Tinha medo do que Miguel contaria - e de como Marcos reagiria. 

- Tudo bem, Lua – ele me tranquilizou, enquanto Marcos nos observava - só vamos conversar... vou atrás de você daqui a pouco. 

Ele beijou minha testa carinhosamente, apertando de leve meu ombro para enfatizar. 

Contra minha vontade, ainda temerosa, virei-me na direção da porta, retirando-me de dentro do quarto.  

A última coisa que vi foi o olhar irrequieto de Aline, antes de finalmente tomar o corredor, e perder seus olhos assustadiços de vista. 

 




 

 

- Espera, Lua! 

Um pouco de meu estresse pareceu esvair-se, assim que ouvi a voz de Brenda atrás de mim. Refreei a vontade de revirar o olhar, segurando o riso. 

- Oi. 

- Deus do céu - sua euforia era tanta que eu temia levar uma coronhada do rifle que ainda carregava – seus irmãos estão vivos... - ofegou, arregalando seu olhar em minha direção - deve estar completamente... chocada. 

- Sim – concordei distraidamente, ainda tentando absorver mais aquela descoberta assombrosa – eu... ainda não acredito. Depois de tanto tempo... 

Não andamos muito depois disso. Por que, logo à frente, entre os pequenos grupos que conversavam e bebiam no saguão do quartel, dois jovens entretinham os demais, virando copos e mais copos de cerveja na boca, num típico desafio de bebida Tenebri.  

As pessoas riam e batiam palmas, parecendo se aproveitar da distração para perderem um pouco de toda a sua formalidade militar. 

Para meu absoluto espanto, Brenda engatilhou uma das armas mais leves que trazia junto ao corpo, apontando o revólver para o alto e dando um tiro ensurdecedor contra o teto. 

A barulheira cessou no mesmo momento. Alguns – provavelmente toda a comissão de Távora - olharam escandalizados para Brenda, e outros tinham uma expressão de total tédio - como se uma garota de quinze anos interromper uma bebedeira atirando para cima fosse a coisa mais banal do mundo. 

Eu estava seriamente dividida entre rir e esconder o rosto nas mãos de vergonha, agora que todos haviam voltado seus olhares para mim. 

- Muito bem, cambada – como se não bastasse bancar a pistoleira alucinada, ela ainda assoprou o cano do revólver, fazendo alguns rirem – o negócio é o seguinte... nossa convidada Lua quer saber se os irmãos dela se encontram presentes aqui neste exato momento. Então ajudem a moça, por favor. 

Um dos Tenebris que bebiam – o mais velho, provavelmente perto dos trinta anos - deixou cair seu copo, fazendo com que se estilhaçasse violentamente contra o chão. 

O outro, pouco mais velho que Marcos, interrompeu sua cerveja no meio do caminho, derramando o líquido ao redor da barba que começava a despontar em seu rosto. 

Ambos se viraram, levantando imediatamente, com os olhares arregalados em nossa direção. Pisquei, lacrimejante, reconhecendo aqueles rostos sobressaltados. 

- Heitor... - ofeguei, sorrindo em meio as lágrimas - Juliano...? 

Vi Heitor recuar, quase tropeçando no caixote que, até então, haviam usado como mesa. 

- Impossível. 

Juliano, por outro lado, não pareceu ter qualquer dúvida. 

- L-Lua... é você...! 

Ambos se aproximaram ao mesmo tempo, arquejantes, engolfando-me num abraço absolutamente apertado a emocionado. 

Por trás do ombro de Heitor, vi Brenda cobrir a boca com as mãos, como quem se esforçava para reprimir o choro.  

Os demais militantes não estavam menos comovidos – o que só me fazia imaginar que cada um ali também já havia perdido algum membro da família. 

Assim que os soltei, eles sorriram largamente para mim, trêmulos de tanta alegria. 

- Mas como..? - Heitor estava perplexo, afagando meu rosto com extremo carinho e delicadeza, como se tivesse reencontrado uma relíquia há muito perdida. 

- Bem... pelo que pude ver, é uma longa história - comentou Brenda em voz alta, para que todos ouvissem – o Comandante Bango dará mais detalhes em breve. 

- Quem se importa, Heitor? - Juliano gargalhou, voltando a me içar nos braços, e me rodopiando no ar – nossa irmãzinha está viva! É um milagre! - ele me devolveu ao chão, entusiasmado – ah, Lua... achamos que nunca mais... veríamos você...! 

- Eu também... - admiti, com um nó na garganta – eu... pensei que o Açougueiro tivesse... 

Vi-os se entreolharem. 

- Chegamos tarde demais naquele dia – todo o contentamento no rosto de Juliano havia desaparecido - não... conseguimos evitar que você fosse... 

- Não. Por favor - não ia suportar relembrar mais nada naquele dia – outra hora... eu só... - forcei uma risada - só estou feliz... por estarem aqui – pigarreei, tentando mudar de assunto. Precisava desviar minha mente de todas as surpresas que haviam me atacado até então - então... soldados da divisão de Távora? 

- Sim – Heitor estufou o peito orgulhosamente, ao que Juliano revirou o olhar. A banalidade do assunto bastou para que os demais desviassem sua atenção de nós, retornando rapidamente ao falatório anterior – Sou o vice-comandante, Cobra. 

- Apelido meio presunçoso - observou Juliano, num tom brincalhão - aqui na Força Rebelde, substituímos nossos nomes por títulos... sabe... para nos tornarmos mais anônimos... principalmente quando estamos em combate  - eu preferi algo mais modesto... - acotovelou Heitor, risonho – sou Argos.  

- Por que ele vê tudo, ouve tudo... e come tudo – ouvi uma voz nova se aproximar. Uma jovem mulher, de tez parda e longos cabelos negros, que me cumprimentou com o gesto formal dos demais combatentes da Força Rebelde – prazer, Lua. Sou Jessica... braço-direito de Prisma – ergueu uma sobrancelha humorada na direção de Heitor – mas, já que estamos falando de códigos... me chame de Pandora. 

- O prazer é meu - sorri, meio sem graça. 

- Bem... - Heitor interferiu - já que nossa maninha finalmente se juntou à família... acho que ela precisa de um código também, não é? 

- Ah, parem. Depois vemos isso – Brenda apanhou alguns copos, distribuindo-os entre nós, erguendo uma garrafa de cerveja em nossa direção - um brinde á Lua! 

Todos ergueram seus copos ainda vazios, enquanto Brenda os enchia. Jessica assentiu, encarando-me com um curioso esgar de satisfação. 

- À uma nova esperança. 

Também levantei meu copo, sem conseguir conter uma contração de alegria, dando um longo, profundo e maravilhoso suspiro. 

Pela primeira vez em quase dez anos, finalmente me sentia em casa. 

 

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...