História A school from another world - EXO - Capítulo 34


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Sehun, Suho, Xiumin
Tags Baekhyun, Chanyeol, Chen, Exo, Kai, Kyungsoo, Lay, Luhan, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Exibições 368
Palavras 2.650
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Fantasia, Fluffy, Magia, Mistério, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura 💙

Capítulo 34 - Cola com tinta azul


Eu e Sehun voltamos para o colégio, eu trouxe minha roupa molhada em uma sacola, no clube dos pais dele tem uma lojinha, então ele pegou um vestido pra mim. Depois do nosso beijo, não falamos mais nada um com o outro, ele até tentava se comunicar, mas eu não o respondia.

Meu cabelo estava horroroso, a primeira coisa que eu vou fazer quando chegar no meu quarto é tentar controlar esse leão.

Eu desci da moto devagar, estava um pouco cansada, Sehun é muito elétrico pra mim.

— Gostou baby? — Perguntou tirando o capacete, fazendo aquela pose de bad boy.

— Não. — Me virei e sai andando, fingi que não ouvi a risadinha dele.

Fui até a lavanderia da escola e coloquei minhas roupas para lavar, depois que a maquina fez tudo estendi e coloquei um crachá com meu nome no pregador.

Quando terminei de fazer tudo, voltei ao meu quarto e fui direto para o banheiro tomar um banho.

Na hora de passar o shampoo senti a consistência do mesmo um tanto grossa, mas não me importei.

Depois que lavei o cabelo sai do banheiro e vesti uma roupa confortável.

Estava ocorrendo tudo bem, até o momento que eu fui me olhar no espelho.

Meu cabelo estava com uma coisa branca nos fios, e todo grudento, uns segundos depois percebi que era cola, o grito que eu dei.

Eu corri pro banheiro e liguei o chuveiro, esfreguei e esfreguei mas não saia, o desespero tomou conta de mim, não conseguia raciocinar direito.

— Ai meu cabelinho. — Choraminguei.

Coloquei um lenço na cabeça escondendo aquela porcaria, e sai a procura de Sehun, não o encontrei, mas encontrei Seohyun, ela estava toda felizinha.

— O que aconteceu? — Perguntou quando viu minha cara de desespero.

— Cola Seo, Cola. Eu passei cola no meu cabelo, me ajuda. — Sacudi ela.

— Calma, como assim você passou cola no cabelo?

— Aposto que foi aquela vaca da Irene, trocou o shampoo por cola.

— Gente do céu, vamos no estacionamento, conheço uma pessoa que vai resolver isso. — Ela me puxou pelo o braço.

Seohyun chamou um taxi que nos levou até um salão de beleza, ela falou com uma mulher por uns dois minutos. Depois me chamaram e eu expliquei tudo.

A moça começou a lavar meu cabelo

— Você saiu com o Taeyong? — Perguntei, ela estava do meu lado.

— Sim. — Respondeu sorrindo. — Foi maravilhoso, mas tive que ser um pouco grossa com ele, não quero que pense que sou fácil. — Fez bico.

— Isso ai. — Dei uma batidinha em seu ombro.

— E você? Te vi saindo com Sehun hoje de manhã.

— Ele me levou em um clube, mas não foi nada romântico.

— Sei...

— Sério, nunca mais saio com ele. — Franzi o cenho.

— Foi tão ruim assim?

— Sim. — Menti, foi legal, eu só não queria admitir, e teve o beijo...

Depois que a mulher terminou de lavar meu cabelo, fez escova e pronto, meu cabelo estava novinho em folha, agradeci e fui embora com Seohyun.

— Você vai se vingar? — Perguntou.

— Claro.

— O que você vai fazer? Eu tenho várias idéias, por exemplo encher a cama dela com pó de mico, jogar pimenta na maquiagem dela e...

— Eu vou é arrastar a cara daquela vagabunda no asfalto quente. — Falei.

— Céus. — Ela começou a rir.

Quando chegamos no colégio, cada um foi pra seu quarto, eu peguei um potinho de tinta azul e corri para o banheiro. Abri a lata do shampoo e despejei a tinta dentro.

Como elas só voltariam amanhã resolvi dar uma volta pelo o campus.

Já era noite, faltava horas para o toque de recolher, então me afastei do prédio do colégio e sentei em um banquinho detrás de arbustos, ninguém mexeria comigo ali.

O friozinho da noite estava tão gostoso.

Peguei o diário de Taehyun que eu tinha trazido, abri no meio, e comecei a ler.

"A tendência parece ser piorar, nós tentamos fazer uma trégua, mas eles são irredutíveis. Os ataques pararam por um tempo, mas agora voltaram com força total, ah, Kihyun continua firme como uma pedra, com Bora ao seu lado tudo parece ficar mais calmo, é lindo ver o amor dos dois, porém perigoso, uma pessoa a mais para se preocupar, mas nesse assunto preferi não interferir, kihyun sabe o que faz.

Pensando bem não seria tão mal, a familia real agora é apenas Kihyun. Seus tios e primos, os únicos vivos, acabaram de ser mortos, ele está sozinho agora, seu coração está em cacos, mas não gosta de demonstrar sentimentos negativos. Queria poder ajudá-lo, mas sou inútil nesse caso.

Ah, Jinyoung, seu filho acabou de nascer, ele não queria me dizer nem seu nome, mas acabei descobrindo de qualquer jeito, é Sungjong.

Estou louco para conhecê-lo, mas se depender do pai...

(...)

Resolvi fazer uma visita ao banco central, ver se as coisas estavam ocorrendo bem. Quando cheguei lá verifiquei tudo e aproveitei a vinda para ir no cofre do rei.

Entrei e a primeira coisa que olhei foi a pequena caixa preta com o colar de valor.

Abri a caixa cuidadosamente, o peguei e senti seu poder por alguns segundos, era um colar lindo, a correntinha era de prata, o pingente se dividia em dois, uma estrutura circular e uma pedrinha de cristal, isso em mãos inimigas nos causariam muitos problemas. Suspirei e coloquei a caixa de volta no lugar.

Depois de olhar mais alguns jóias sai e fui para o castelo..."

Droga, sempre alguem me atrapalha, quando vou poder ler isso em paz?

Ouvi alguns estrondos vindo do colégio, pensei que fosse outro ataque dos lupus, mas não. Fiquei de pé no banco para olhar por cima dos arbustos, acho que eram dois alunos brigando, a coisa parecia ser séria.

— Treta adoro. — Falei pulando do banco e correndo até onde estava acontecendo a briga.

Tinha várias pessoas em cima, os meninos não estavam brigando de punho, e sim com magia.

Foi bola de fogo e gelo pra todo lado, quebraram varias janelas de vidro da escola, esses ai tão ferrados... Olhei bem para a cara de um deles e o reconheci na hora, era o menino do diário, que eu esbarrei outro dia, na mesma hora escondi o diário no moletom.

Depois de alguns minutos os professores de poções e arquibiologia apareceram e separaram os dois. A diretora chegou no mesmo momento e os levou até a sala dela.

Perguntei a Kibum, menino da minha sala, por que eles estavam brigando, ele respondeu que um provocou o outro, e como não se bicam acabaram brigando.

Os alunos já tinham voltado a fazer o que estavam fazendo antes da confusão, eu fiquei ali pensativa, até sentir mãos frias deslizando por minha cintura, aquele perfume eu conhecia bem.

— Eu te procurei hoje a tarde, mas não te achei. — Chanyeol perguntou com a voz baixa, o vento forte bagunçava seus cabelos.

— Hum... eu estava resolvendo uns problemas. — Sorri de canto. — Mas por que você estava me procurando?

—... Queria conversar um pouco.

— Sobre o quê? — Perguntei.

— Sobre umas coisas, mas já não mais.

— Hum... qual o nome dos meninos que brigaram?

— Jeon Jaehyo e Kim Sungjong, por quê?

— Kim Sungjong? — Perguntei, é o mesmo nome do neto daquele moço do diário.

— Sim... você está bem?

— S-sim, bom, eu preciso ir, até mais.

Disse saindo dali rapidamente, ele não respondeu, mas não fiz questão de olhar pra trás, apenas corri para o meu quarto.

Não podia ser o mesmo garoto, certo? Bem que as datas batem, aquela pagina foi escrita à 19 anos atrás, ele deve ter uns 18.

Se eu entendi bem, Taehyun, o dono do diário, era próximo dos falecidos reis, o filho dele Jinyoung teve um filho, que se chamava Sungjong...

Faz até um pouco de sentindo, supostamente ele é o avô dele, então ele pegou o diário para ler?

Eu não estava entendendo mais nada, mas ao mesmo tempo tudo se encaixava, eu não iria lá falar com o menino e perguntar se minhas suspeitas eram reais... ou ia.

Preferi deixar isso pra manhã, tomei um banho, vesti meu pijama e fui dormir.

(...)

Acordei com o barulho das cobras rastejando, abri meus olhos devagar, elas sentaram em suas camas e ficaram conversando fingindo que eu não existia, me levantei e fui até o espelho pentear meus cabelo.

— Nanana — Comecei a cantarolar, as duas olharam pra mim, pelo o espelho consegui ver Irene arqueando uma das sobrancelhas.

Depois que terminei de pentear meu cabelo fui até o banheiro trocar de roupa.

Troquei e peguei o frasco de shampoo com cola e tinta azul escondendo-o atrás de mim. Desci em direção a cama da vadia.

— Como foi a viagem de vocês? — Perguntei.

— Ótima. — Lisa respondeu.

— Sabe, eu fui tomar banho ontem e... na hora que abri o vidro de shampoo, senti cheiro de cola, e era realmente cola, ainda bem que não passei, já imaginaram como meu cabelo ia ficar? — Menti, abri a tampa do shampoo pronta para jogar no cabelo dela.

— É mesmo? Quem poderia ter feito isso? — Irene perguntou.

— Não sei... você talvez?

— Eu? — Se fingiu de ofendida.

— Exato. — Me aproximei mais um pouco dela e puxei seu cabelos com toda força que eu tinha no momento, antes de Lisa tentar impedir joguei o shampoo nos cabelos oxigenados dela. Espalhei bem e me afastei.

— O que você fez sua maluca? — Ela perguntou ajoelhada no chão com as mãos na cabeça.

— Paguei na mesma moeda... talvez um pouquinho pior.

— Hum?

— Ow... seu cabelo está meio...azul e... cheio de cola. — Lisa falou apontando para seu cabelo, ela correu até meu espelho.

— Você me paga idiota. — Ela veio pra cima de mim, querendo me bater, mas dei um tapa tão forte na cara dela, que dessa vez quem ela beijou foi o chão, Lisa estava sentada na cama, foi melhor não vir mesmo, se não até ela ganhava um.

Sai dali correndo, pude ouvir os gritos de Irene de longe, dei uma risadinha e continuei correndo, o dia passou rápido, a diretora me chamou na sala dela e falou sobre meu comportamento, Irene foi reclamar com ela, contei minha versão da historia, a verdadeira, mas ela não acreditou muito e me deu mais 4 dias de suspensão, pagaria tudo depois das férias. Irene apenas ganhou uma semana de detenção, pelo menos não iria ser com Chanyeol.

Acabei fazendo uma trégua com a piranha, então acho que poderia dormir tranquila hoje, voltei para o meu quarto, vesti meu pijama e fui dormir.

(...)

Segunda-feira, que horror, a primeira aula como sempre era do Chanyeol, tentei não chegar atrasada, mas não foi dessa vez.

— Com licença. — Pedi.

— Quantas vezes vou ter que reclamar sobre seus atrasos? — Ele perguntou com o rosto virado em minha direção, estava escrevendo na lousa. — Da próxima vez, a senhorita não entra mais.

— Ok... — Sussurrei.

Entendo que ele tem que ser duro, mas não precisava falar comigo assim, pensei que nossa relação tinha melhorado...

A aula continuou normalmente, o nosso querido professor não tirava a expressão de raiva em nenhum momento, quando terminei de fazer a atividade que ele nos mandou fazer, o chamei.

— Terminei professor. — Gritei.

— Então venha até aqui.

Me levantei e fui até ele. entreguei a atividade para que corrigisse. Ele o fez rapidamente, depois mandou eu me sentar e ficar calada.

Na hora que o sinal tocou, os alunos se levantaram e com a permissão de Chanyeol saíram, eu fiquei ali sentada, esperando o último aluno sair de sala.

— Pode ir srta. Park. — Ele falou guardando suas coisas em sua bolsa.

— Hum... não. — No mesmo momento me lançou um olhar mortal. — Eu quero saber por que você está bravo.

Ele paralisou por alguns segundos, depois começou a vir em minha direção lentamente, a cada passo que ele dava, cada pelo meu se arrepiava.

Ele colocou suas mãos nas laterais da carteira, uma de cada lado, aproximou seu rosto do meu.

— O você acha Roseanne? — Perguntou semi cerrando os olhos, com sua voz rouca.

— N-não sei, algum problema pessoal?

Ele franziu o cenho, demonstrando raiva.

— Você é meu problema.

— E-eu?

— Eu estava checando as câmeras de segurança e vi você saindo com Sehun, esse é o problema que você tinha que resolver?

— O quê? Qual o problema? Você está com ciumes? — Soltei a bomba. Ele se afastou um pouco.

— Não. Claro que não, eu... só não gosto que mintam pra mim.

— Fale a verdade Chanyeol, onde você quer chegar com isso? Sabe que é errado, por que fica me beijando e dizendo coisas legais? Você chega a ser bipolar sabia?

— ... Eu estou tentando fugir disso, mas é tão... inevitável... Se ao menos você parasse de me incomodar.

— Incomodar? — Perguntei incrédula.

— Saia daqui, vá almoçar ou lanchar, qualquer coisa. — Ele diz indo até sua mesa e colocando os últimos papéis encima da mesma dentro de sua bolsa.

— Éeh... Argh. — Me irrito de vez e saio da sala batendo o pé no chão com força, mostrando nitidamente minha raiva.

Droga, quem ele pensa que é pra me tratar assim? Eu mereço...

Depois de me acalmar um pouco e comer, fui até o pátio e fiquei deitada em um dos bancos.

Esse ano tá sendo uma droga, e não tá nem na metade ainda, tomara que essas férias cheguem logo por que eu não aguento mais.

Chanyeol é tão... arrogante comigo, ainda não entendo por que ele insiste com isso, e tipo... aish não entendo. Ele me beija, fala pra eu esquecer, me abraça e fica com ciúmes, isso não é justificativa pra me tratar assim, ou qualquer outro aluno, afinal, ele é um professor, ele é o meu professor, não daria certo nunca, e isso passa dos limites do errado.

Sehun é superficial demais, mesmo que ele seja engraçado, e safado, ele ainda me trata mal, se pelo menos me explicasse com clareza as coisas que ele diz.

Baekhyun é todo complicado, tem os problemas dele e quer me meter nos mesmos, foi um dos primeiros a falar comigo, teve aquilo do jardim, quando nos ficamos presos, talvez eu gostasse daquele Baekhyun, que me deu confiança naquele dia, as vezes acho que ele sofre de dupla personalidade.

Ah... o diário, isso estava me intrigando muito, esse tal de Taehyun deve ter sido um cara muito importante, talvez nas páginas finais tenha a historia da morte dos reis, eu procurei livros que contassem, mas nenhunzinho, o atual rei proibiu qualquer obra, ou... tenha alguma coisa na sessão reservada da biblioteca... Me arrisquei muito indo outro dia, mas poderia chamar Sehun, de algum modo, ele sempre sabe de tudo, mas acho que não quer me contar.

A melhor opção seria ir falar com o menino do terceiro ano, mas parece que eu adoro me encrencar.

Quando foi que minha vida ficou tão complicada desse jeito? A vinda pra essa escola só trouxe confusão pra mim. Eu só queria voltar pra casa e descansar.

Ainda tem o baile da lua azul, já começaram a organizar tudo, só quero que essa festa chegue logo para eu poder ir embora. Pena que o descanso só vai durar um mês, mas pelo menos é alguma coisa.

Espero que esse ano os reis não venham, se vieram que não tragam o... idiota do filho deles. Aquele cretino.

Meu corpo ferveu só de pensar nesse garoto, como eu odeio ele.


Notas Finais


Gostaram?

Pergunta; com quem vocês shippam ela?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...