História A Seleção - Dramione - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Visualizações 84
Palavras 3.790
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 10 - Ten


Mantive a cabeça baixa durante o jantar. No Salão das Mulheres, fui corajosa porque Ginny estava ao meu lado, e ela me achava legal. Mas ali, espremida entre duas pessoas que emitiam ondas de ódio na minha direção, não passava de uma covarde. E Lisa, com todo o seu jeito de dama, fazia bico e não falava comigo. Eu só queria fugir para o quarto.

Não entendia por que aquilo era tão importante. As pessoas gostavam de mim, e daí? Elas não tinham poder no palácio. Seus cartazes e incentivos não importavam. Depois de tudo o que foi dito e feito, eu não sabia se me sentia honrada ou incomodada.

Concentrei minhas forças no jantar. A última vez em que vira um bife tinha sido no Natal, alguns anos antes. Minha mãe tinha feito o melhor que podia, mas não tinha chegado nem perto daquele bife. Era suculento, tenro e saboroso. Queria perguntar a alguém se também era o melhor bife que tinha comido na vida. Se Ginny estivesse por perto, perguntaria a ela. Tentei ver minha amiga pelo canto dos olhos em algum lugar da sala. Ela conversava tranquilamente com as pessoas a seu redor.

Como fazia isso? Por acaso a mesma gravação não a tinha apontado como uma das favoritas? Por que as pessoas ainda falavam com ela?

A sobremesa consistia em frutas variadas e sorvete de baunilha. Nunca tinha comido coisa igual. Se isso era comida, o que era aquilo que eu tinha posto na boca até então? Pensei em Victoire e em como gostava de doces tanto quanto eu. Ela teria adorado a sobremesa. Podia apostar que se daria muito bem ali.

Ninguém tinha autorização para deixar a mesa até que todas tivessem terminado. Depois disso, recebemos ordens estritas para ir direto para a cama.

– Afinal, vocês vão conhecer o príncipe Draco pela manhã e vão querer estar bem dispostas e apresentáveis – explicou Minerva. – Ele é o futuro marido de alguém nesta sala, afinal.

Algumas garotas suspiraram diante dessa perspectiva.

O toc-toc dos sapatos subindo as escadarias era mais baixo dessa vez. Eu mal podia esperar para tirar os meus. E o vestido também. Tinha uma muda de roupas na mala e estava pensando se as usaria apenas para sentir que era eu mesma por uns instantes. O grupo se dispersou no alto da escada e cada menina foi para seu quarto. Ginny me puxou de lado.

– Você está bem? – ela perguntou.

– Estou. É que umas garotas ficaram me olhando torto durante o jantar – respondi, tentando não parecer reclamona.

– Elas só estão nervosas porque todo mundo gostou tanto de você – Ginny garantiu, não dando muita importância ao comportamento das outras.

– Mas as pessoas também gostaram de você. Eu vi os cartazes. Por que as meninas não foram umas chatas com você também?

– Você nunca passou muito tempo com um grupo de garotas, passou?  – ela tinha um sorriso malicioso nos lábios, como se soubesse o que estava acontecendo.

– Não. Quase sempre fico só com minhas irmãs – confessei.

– Você foi educada em casa?

– Sim.

– Bem, eu estudo com um monte de outras garotas da casta Quatro na minha província. Cada uma delas tem seu jeito de pisar no calo das outras. Elas querem conhecer a pessoa, descobrir o que mais a irrita. Várias meninas me fazem elogios falsos ou comentários atravessados, coisas assim. Eu sei que pareço eufórica, mas no fundo sou tímida, e elas acham que podem me atingir com palavras.

Cocei a cabeça. Então elas faziam de propósito?

– E ainda mais você, uma pessoa quieta e misteriosa...

– Não sou misteriosa – cortei.

– É um pouco. E às vezes as pessoas não sabem se interpretam o silêncio como confiança ou medo. Elas olham como se você fosse um inseto para que você talvez se sinta como se fosse.

– Hum...

Fazia sentido. Comecei a pensar se meus modos de certa forma não cutucavam a insegurança das outras.

– O que você faz? Quero dizer, como você tira o melhor delas? – perguntei a Ginny.

Ela sorriu.

– Ignoro. Conheço uma garota na minha cidade que fica muito irritada quando não consegue me incomodar e acaba de cara fechada. Então, não se preocupe – ela continuou. – Tudo o que você precisa fazer é não deixar que percebam que estão atingindo você.

– Elas não estão.

– Estou quase acreditando – disse Ginny dando uma risadinha, um som cálido que evaporou naquele corredor quieto. – E você acredita que vamos conhecer o príncipe amanhã? – ela perguntou, passando para o assunto que considerava mais importante.

– Na verdade, não.

Draco parecia um fantasma assombrando o palácio. Fazia parte dele, mas não estava lá de fato.

– Bem, boa sorte – ela desejou, e eu sabia que era de coração.

– Mais sorte ainda para você, Ginny. Tenho certeza de que o príncipe vai ficar mais do que encantado ao conhecer você.

Apertei as mãos dela. Ginny sorriu de um jeito emocionado e tímido ao mesmo tempo, depois foi para o quarto.

Quando me dirigia ao meu escutei Mádi resmungar alguma coisa com a dama de companhia. Ela me viu e bateu a porta na minha cara. Muito educada.

Minhas criadas estavam no quarto, claro, esperando para me despir e me lavar. Minha camisola, uma coisinha verde e frágil, já tinha sido estendida na cama. Elas tiveram a delicadeza de não tocar na minha mala.

As criadas eram eficientes e cuidadosas. Era óbvio que sabiam de cor essa rotina do fim do dia, mas não a faziam às pressas. Acho que a intenção delas era oferecer conforto, mas eu queria mesmo era despachá-las. Não podia apressá-las enquanto lavavam minhas mãos, desamarravam meu vestido e punham o broche prateado com meu nome na camisola. 

– E ia me ajudar muito a espairecer se pudesse passar um tempo sozinha – acrescentei ao final da última resposta, na esperança de que entendessem a deixa.

Na verdade, elas ficaram com um ar decepcionado. Tentei consertar.

– Vocês todas são muito prestativas. É que estou acostumada a ficar um pouco sozinha. E fiquei rodeada de gente o dia todo.

– Mas senhorita Granger, é nosso dever ajudá-la. É nosso trabalho – replicou Lís, que parecia ser a chefe delas. Ela estava à frente de tudo, Astoria era a mais sossegada e Luna parecia bem tímida.


– Gosto muito do trabalho de vocês, e com certeza vou precisar de ajuda para começar o dia amanhã. Mas esta noite só preciso relaxar. Se quiserem ajudar, um tempo sozinha seria bom para mim. E se vocês estiverem bem descansadas pela manhã, estou certa de que poderão fazer tudo da melhor maneira, não acham?

Elas trocaram olhares.

– Bem, imagino que sim – concordou Lís.

– Uma de nós deve ficar aqui enquanto a senhorita dorme. Caso precise de algo – disse Luna, aparentando nervosismo, como se temesse a decisão que eu tomaria. Ela parecia dar uma leve tremida de vez em quando. Acho que era a timidez vindo à tona.

– Se eu precisar de algo, toco a campainha. Vai ficar tudo bem. Além disso, eu não ia conseguir dormir sabendo que alguém está me vigiando.

Elas trocaram olhares de novo, ainda um pouco céticas. Eu sabia um jeito de pôr fim nisso, mas detestava ter que usá-lo.

– Vocês devem obedecer todas as minhas ordens, certo?

Elas concordaram com a cabeça, esperançosas.

– Então eu ordeno que vão para a cama e me ajudem amanhã de manhã. Por favor.

Lís sorriu. Acho que ela estava começando a me entender.

– Sim, senhorita Granger. Nós a veremos pela manhã.

As três fizeram uma reverência e saíram do quarto. Lís me lançou um último olhar. Acho que eu não era exatamente o que ela esperava, mas não parecia estar muito irritada com isso.

Assim que elas saíram, descalcei minhas luxuosas pantufas e estiquei os dedos dos pés no chão. Ficar descalça dava uma sensação boa, natural. Comecei a desfazer minha mala, o que foi rápido. Mantive minha muda de roupa enfiada na mala e a guardei no armário gigantesco. Dei uma olhada nos vestidos. Eram poucos, o suficiente para mais ou menos uma semana. Acho que as outras tinham o mesmo número de vestidos. Por que fazer dúzias para uma garota que talvez saísse no dia seguinte?

Peguei as poucas fotos que tinha da minha família e prendi na moldura do espelho. Era tão alto e largo que podia ver as fotos sem tapar a visão do meu corpo. Eu tinha uma caixinha com bijuterias e laços que eu adorava. Provavelmente seriam considerados simples demais ali, mas eram tão pessoais que eu tive que levá-los comigo. Os poucos livros que carregara encontraram um lugar na útil prateleira próxima da porta que levava para a sacada.

Enfiei a cabeça pela porta e vi o jardim. Havia um labirinto de alamedas com bancos e fontes. As flores brotavam de toda parte, e cada uma delas estava perfeitamente podada. Para além desse pedaço de terra claramente produzido ficava um campo aberto, e mais adiante havia uma floresta imensa. Estiquei-me ao máximo, mas não consegui ver se toda ela ficava dentro dos muros do palácio. Pensei por alguns minutos por que motivo ela existia, e então deparei com o último item de casa que segurava nas mãos.

Meu pequeno jarro com a moedinha dançante. Rolei-o nas mãos algumas vezes, escutando-a deslizar pelos cantos do vidro. Por que eu tinha levado aquilo? Para me lembrar de algo que não podia ter?

Esse simples pensamento de que o amor que tinha construído por anos em um lugar quieto e secreto estava fora de alcance fez meus olhos se encherem de lágrimas. Eu não conseguia aguentar mais essa depois de toda a emoção daquele dia. Não sabia onde o jarro ficaria, mas deixei-o no meu criado-mudo.

Baixei as luzes, arrastei-me sobre aqueles cobertores luxuosos e olhei para o jarro. Deixei-me levar pela tristeza. Deixei meu pensamento ir até ele.

Como eu podia ter perdido tanto em tão pouco tempo? Pensava que deixar minha família, viver em um lugar estranho e ser separada da pessoa amada eram acontecimentos que demoravam anos para ocorrer, não apenas um dia. Eu me perguntava o que exatamente ele queria me dizer antes de eu partir. A única coisa que pude deduzir era que não se sentia à vontade para falar em voz alta. Seria sobre ela?

Olhei fixamente o jarro.

Será que ele queria pedir desculpas? Eu tinha lhe dito poucas e boas na noite anterior. Talvez fosse isso. Será que ele queria dizer que tinha me superado? Bem, eu tinha visto claramente que sim, não havia por que dizer. Será que ele queria dizer que não tinha me superado? Que ainda me amava?

Afastei o pensamento. Não podia deixar aquela esperança crescer dentro de mim. Eu precisava odiá-lo. Esse ódio me faria avançar. Ficar o mais distante dele pelo maior tempo possível era grande parte do motivo de estar ali.

Mas a esperança doía. E com ela vieram as saudades de casa. A vontade de que Victoire fosse escondida até minha cama, como fazia às vezes. E o medo de que as outras meninas me quisessem fora e continuassem me diminuindo. Depois o nervosismo de aparecer na TV para o país inteiro. E o terror de que alguém tentasse me matar como forma de protesto político. Tudo veio rápido demais para que minha cabeça confusa desse conta de processar num dia tão longo.

Minha vista ficou embaçada. Nem reparei quando comecei a chorar. Não conseguia respirar. Estava tremendo. Pulei da cama e corri até a sacada. O pânico era tanto que demorei um pouco para abrir a trava, mas consegui. Pensei que o ar fresco me faria bem, mas não fez. Minha respiração continuava curta e fria.

Não existia liberdade ali. As barras da sacada me mantinham presa. E eu podia ver os muros ao redor do palácio: altos, com guardas em pontos estratégicos. Precisava sair do palácio e ninguém ia permitir que isso acontecesse. O desespero me deixou ainda mais fraca. Olhei para a floresta. Poderia apostar que nem de lá conseguiria ver nada além do verde.

Voltei para dentro e travei a porta da sacada. Estava um pouco insegura com aquelas lágrimas nos olhos, mas consegui sair do quarto. Corri pelo único corredor que conhecia sem ver a arte, a tapeçaria ou os batentes dourados. Quase não percebi os guardas. Eu não conhecia muito bem o castelo, mas sabia que se descesse as escadas e virasse à direita ia encontrar as enormes portas de vidro que davam para o jardim. Eu só queria chegar até essas portas.

Corri pela imponente escadaria. Meus pés descalços soavam como tapinhas no chão de mármore. Havia mais um punhado de guardas, mas nenhum deles me parou. Quer dizer, não até eu chegar ao lugar que buscava.

Como antes, dois homens montavam guarda ao lado das portas, e quando tentei correr até elas, um dos homens se pôs à minha frente, e o bastão em forma de lança impediu minha saída.

– Perdoe-me, mas a senhorita deve voltar para o quarto – ele ordenou, com autoridade. Ainda que não falasse alto, sua voz trovejava em meio ao silêncio do elegante corredor.

– Não... Não... Eu preciso... Sair – as palavras se misturavam; eu não conseguia respirar direito.

– Senhorita, vá para seu quarto agora.

O segundo guarda caminhava na minha direção.

– Por favor – comecei a arfar.

Pensei que ia desmaiar.

– Sinto muito... senhorita Hermione, certo? – ele achou meu broche. – A senhorita deve voltar para o quarto.

– Eu... Não consigo respirar – gaguejei e caí nos braços do guarda que se aproximava para me empurrar.

O bastão dele caiu no chão. Agarrei-me a ele já sem forças. O esforço me deixou tonta.

– Deixem-na sair!

Era uma voz jovem, mas cheia de autoridade. Minha cabeça se voltou em sua direção, um pouco de propósito e um pouco sem querer. Ali estava o príncipe Draco. Ele parecia um tanto estranho graças ao ângulo em que minha cabeça pendia, mas reconheci o cabelo e o jeito travado.

– Ela desmaiou, Alteza. Queria sair.

O primeiro guarda parecia nervoso ao tentar explicar. Ele se meteria em uma encrenca terrível se me machucasse. Eu era propriedade de Illéa.

– Abram as portas.

– Mas... Alteza...

– Abram as portas e deixem-na sair. Agora!

– Imediatamente, Alteza.

O primeiro guarda tratou de obedecer, sacando uma chave. Minha cabeça continuava numa posição estranha enquanto eu ouvia o tilintar das chaves e o ruído que uma delas produziu ao encaixar na fechadura. O príncipe me olhava com atenção enquanto eu tentava ficar em pé. Foi quando o cheiro doce do ar fresco tomou conta de mim e me deu toda a motivação de que precisava. Soltei-me dos braços do guarda e corri como uma bêbada para o jardim.

Eu ainda tropeçava um pouco, mas não me importava de parecer menos graciosa. Só precisava ficar lá fora. Deixei meu corpo sentir o ar morno na pele, a grama sob os pés. De algum modo, até a natureza parecia extravagante ali. Eu queria percorrer todo o caminho até as árvores, mas minhas pernas só podiam me carregar até aquele ponto. Cambaleei diante de um pequeno banco e ali fiquei: com a camisola verde e fina sobre a terra e a cabeça apoiada no braço sobre o assento.

Meu corpo não tinha forças para soluçar, então as lágrimas desceram em silêncio. Ainda assim, tiraram toda a minha concentração. Como tinha chegado até ali? Como eu tinha deixado isso acontecer? O que seria de mim? Algum dia eu conseguiria pelo menos um pedaço da vida que tinha antes disso de volta? Eu simplesmente não sabia. E não havia nada que pudesse fazer quanto a isso. Estava tão perdida em meus pensamentos que só percebi que tinha companhia quando o príncipe Draco começou a falar comigo.

– Está tudo bem, querida? – ele perguntou.

– Eu não sou sua querida.

Levantei a cabeça para encará-lo. Era impossível não notar o nojo no meu tom de voz e nos meus olhos.

– O que eu fiz para ofender a senhorita? Por acaso não lhe dei exatamente o que queria?

Ele ficou confuso com a minha resposta. Acho que esperava que o adorássemos e agradecêssemos aos astros por sua existência.

Encarei-o novamente, sem medo, embora não tivesse dúvida de que o efeito fora diluído pelas lágrimas nas minhas bochechas.

– Com licença, querida, mas você vai continuar chorando? – ele perguntou, parecendo muito incomodado com minhas lágrimas.

– Não me chame assim! Não sou mais querida para você do que as outras trinta e quatro estranhas que você mantém aqui nessa jaula.

Ele se aproximou, sem parecer minimamente ofendido por minhas palavras vis. Só parecia... pensativo. Havia uma expressão interessante em seu rosto.

O príncipe tinha um andar gracioso para um rapaz, e parecia incrivelmente confortável dando voltas ao meu redor. Minha coragem se desmanchou um pouco diante da estranheza da situação. Ele estava completamente vestido, com seu terno ajustado, e eu estava encolhida e seminua. Se sua posição na hierarquia já não me assustava muito, sua atitude ainda assustava. Ele devia ter vasta experiência em lidar com pessoas infelizes; suas respostas eram excepcionalmente calmas.

– Sua afirmação é falsa. Todas vocês são queridas por mim. Trata-se simplesmente de descobrir quem há de ser a mais querida.

– Você disse mesmo “há de ser”?

Ele segurou uma risada.

– Receio que sim. Perdoe-me. É fruto da minha educação.

– Educação – resmunguei. – Ridículo.

– Perdão?

– É ridículo! – gritei, recuperando um pouco de coragem.

– O que é ridículo?

– O concurso! Tudo! Você nunca amou ninguém na vida? É assim que quer escolher sua mulher? Você é baixo a esse ponto?

Ajeitei-me um pouco no chão. Para facilitar minha vida, ele se sentou no banco, de modo que eu não precisava mais me torcer. Eu estava muito brava para agradecer.

– Entendo que possa dar essa impressão, que tudo possa ser visto como entretenimento barato. Mas meu mundo é muito fechado. Não conheço tantas mulheres. As poucas que conheço são filhas de diplomatas, e geralmente temos pouquíssimos assuntos em comum. Isso quando falamos a mesma língua.

Draco achava aquilo engraçado e deu uma risadinha. Não fiquei impressionada. Ele limpou a garganta.

– Sendo essas as circunstâncias, nunca tive a oportunidade de me apaixonar. E você?

– Tive – respondi na lata.

Logo que as palavras saíram de minha boca, quis pegá-las de volta. Era um assunto particular, não era da conta dele.

– Então você teve muita sorte – havia um pouco de ciúme em sua voz.

Imagine só! A única coisa que eu podia atirar na cara do príncipe de Illéa era exatamente aquilo que eu queria esquecer.

– Minha mãe e meu pai se casaram assim e são muito felizes. Tenho esperança de alcançar a felicidade, de encontrar uma mulher que toda a Illéa possa amar, alguém que possa ser minha companheira e me ajude a receber os líderes de outras nações. Alguém que seja amiga dos meus amigos e minha confidente. Estou pronto para encontrar minha esposa.

Algo em sua voz me abalou. Não havia nenhum traço de sarcasmo. Aquilo que parecia pouco mais que um programa de TV para mim era a única chance que o príncipe tinha de ser feliz. Ele não podia pedir um segundo lote de mulheres. Bom, talvez pudesse, mas seria vergonhoso. Estava tão desesperado, tão esperançoso... Senti minha raiva por ele diminuir. Um pouco.

– Você realmente acha que aqui é uma jaula? – os olhos dele estavam cheios de compaixão.

– Sim, eu acho – minha voz saiu calma. Rapidamente acrescentei: – Majestade.

Ele riu.

– Eu mesmo já pensei nisso mais de uma vez. Mas você deve admitir que é uma jaula muito bonita.

– Para você. Encha sua jaula com mulheres brigando pela mesma coisa e veja que legal é.

Ele levantou as sobrancelhas.

– Mas já ocorreram discussões por minha causa? Será que vocês não percebem que sou eu que faço a escolha? – ele disse, rindo.

– Na verdade, não é bem assim. Elas brigam por duas coisas. Algumas por você, outras pela coroa. E todas pensam já saber o que falar e dizer para que sua escolha seja óbvia.

– Ah, sim. O homem ou a coroa. Receio que algumas não saibam ver a diferença – afirmou, balançando a cabeça.

– Boa sorte com isso – comentei, seca.

Tudo ficou calmo depois dessa demonstração de sarcasmo. Olhei para ele com o canto dos olhos, desejando que dissesse algo. O príncipe fitava a grama com o rosto cheio de preocupação. Parecia que essa ideia o estava infernizando já havia algum tempo. Ele respirou fundo e se voltou para mim.

– E você, pelo que luta?

– Na verdade, estou aqui por engano.

– Engano?

– É, mais ou menos. Bem, é uma longa história... Estou aqui. E não estou lutando. Meu plano é aproveitar a comida até você me chutar.

Ele riu tanto que se inclinou para trás e deu um tapa no joelho. Uma mistura bizarra de rigidez e calma.

– O que você é?

– Como?

– Dois? Três?

Será que ele não prestava atenção?

– Sou Cinco.

– Ah, sim. Então a comida deve ser um bom motivo para ficar.

Ele riu de novo e continuou:

– Sinto muito, não consigo ler seu broche no escuro.

– Meu nome é Hermione.

– Muito bem, perfeito.

Os olhos de Draco se perderam na noite e ele sorriu sem motivo aparente. Algo nisso tudo o impressionava.

– Hermione, minha querida, espero muito que encontre algo nesta jaula por que valha a pena lutar. Depois de tudo isso, não posso deixar de imaginar como seriam as coisas se você realmente se esforçasse.

Ele desceu do banco e se agachou ao meu lado. Estava perto demais. Eu não conseguia pensar direito. Talvez estivesse um pouco ofuscada pela fama dele. Ou ainda um pouco abalada pelo choro. Em todo caso, estava chocada demais para reclamar quando pegou minha mão.

– Se isso a deixar feliz, posso informar aos funcionários que você prefere ficar no jardim. Assim, você pode vir aqui à noite sem ser incomodada pelos guardas. No entanto, acho que seria bom se houvesse sempre um deles por perto.

Eu queria. Qualquer tipo de liberdade me parecia uma bênção, mas eu precisava ter certeza absoluta de meus sentimentos.

– Não... não sei se quero algo que venha de você – eu disse, puxando meus dedos daquela mão que me segurava de leve.

Ele ficou um pouco surpreso e magoado.

– Como quiser.

Senti mais arrependimento. Não gostar daquele cara não significava que eu podia magoá-lo.

– Você vai voltar para dentro daqui a pouco? – ele perguntou.

– Sim – respondi com um suspiro, olhando para o chão.

– Então vou deixá-la com seus pensamentos. Haverá um guarda perto da porta esperando.

– Obrigada, errr... Alteza.

Balancei a cabeça. Quantas vezes eu o tinha tratado indevidamente na conversa?

– Querida Hermione, você poderia me fazer um favor? – ele pegou minha mão novamente. Parecia muito persistente.

Olhei-o com o canto dos olhos, sem saber direito o que dizer.

– Talvez – repliquei.

Seu sorriso voltou.

– Não conte isso às outras. Tecnicamente, não devo conhecê-las até amanhã. Não quero irritar ninguém. Embora não possa dizer que seus gritos tenham qualquer semelhança com um encontro romântico, não acha?

Foi minha vez de sorrir:

– Nem de longe! – respirei fundo e acrescentei: – Não contarei.

– Obrigado.

Ele encostou os lábios na minha mão. Antes de se afastar, pousou-a delicadamente sobre minhas pernas.

– Boa noite – concluiu.

Olhei para o local do beijo na minha mão, atônita por uns segundos. Então voltei o rosto para ver Draco sair e me dar a privacidade que eu passara o dia querendo.


Notas Finais


Hey, sweetheart.

Eu não tinha visto necessidade de falar disso, mas recebi uns comentários e pra não explicar varias vezes, vou falar disso aqui mesmo.

Essa fanfic é uma releitura. Eu só substitui os personagens (Maxon virou Draco, Hermione é a America, Aspen é Harry entre outros), por isso eles não se parecem com os originais (da J.K.). Em momento nenhum quis mexer nas personalidades deles, porque a historia é bonita assim.

Entendo se algum de vocês não gostar disso, mas é isso que essa fanfic vai ser.

Também tem uma coisa que eu quero saber. O livro tem capítulos pequenos, mas tem uns que sao enormes. O que vocês preferem, eles grandes mesmo ou divido em dois? A opinião de vocês seria muito bom para minha pessoa, e agradeceria se vocês me falarem o que acham sobre isso.

Desculpa pela nota enorme (:

All The Love ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...