História A Seleção - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Malhação
Exibições 55
Palavras 986
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS
Gêneros: Romance e Novela

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oitavo capítulo, boa leitura!

Capítulo 8 - Príncipe Rafael


Após essa deixa, Rafael caminhou pelo palco acarpetado até duas cadeiras preparadas para ele e Gavril. O príncipe esticou a gravata e ajeitou o terno, como se precisasse ficar ainda mais arrumado. Ele apertou a mão de Gavril, sentou-se na frente dele e pegou um microfone. A cadeira era alta o suficiente para Rafael poder apoiar os pés na barra entre suas pernas. Ele parecia muito mais informal assim.

É um prazer revê-lo, Alteza.

Obrigado, Gavril. O prazer é todo meu.

A voz de Rafael era tão empolada como o resto. Ele emitia ondas de formalismo. Eu torcia o nariz só de pensar em ficar na mesma sala que ele.

Em menos de um mês, trinta e cinco mulheres vão se mudar para a sua casa. Como você se sente?

Rafael riu:

Para ser honesto, é um pouco estressante. Imagino que haja muito mais barulho em casa com tantas convidadas. Mas, mesmo assim, estou ansioso para que esse dia chegue.

O senhor perguntou a seu querido pai como ele conseguiu laçar uma esposa tão linda em sua época?

Tanto Rafael como Gavril olharam para o rei e a rainha. A câmera focalizou o casal de mãos dadas, trocando olhares e sorrisos. Parecia verdadeiro, mas não dava para ter certeza disso.

Na verdade, não. Como você sabe, a situação na Nova Ásia é cada vez mais preocupante. Nosso trabalho juntos é mais militar. Não sobra tempo para falar de mulheres.

Minha mãe e Nina deram uma gargalhada. Talvez a situação fosse um tanto cômica.

Nosso tempo está acabando. Gostaria de lhe fazer uma última pergunta. Como seria a mulher perfeita para você?

Rafael recuou um pouco na cadeira. Tive a impressão de que seu rosto ficou vermelho.

Para ser franco, não sei. Acho que essa é a melhor parte da Seleção. Não haverá duas mulheres iguais no concurso, nem em beleza, nem em personalidade. Ao longo do processo, conhecendo todas e conversando com elas, espero descobrir o que quero. — disse o príncipe, sorrindo.

Obrigado, Alteza. Ótima resposta. Julgo falar por todos em Illéa ao lhe desejar a melhor das sortes.

Gavril estendeu a mão para outro cumprimento.

Obrigado! — agradeceu Rafael.

A câmera demorou um pouco para cortar a imagem. Vimos o príncipe olhar para seus pais como que perguntando se tinha dito a coisa certa. A tomada seguinte era um close no rosto de Gavril, de modo que não pude saber a resposta do casal real.

Receio que tenhamos chegado ao fim da transmissão de hoje. Obrigado por assistir ao Jornal Oficial de Illéa. Até a semana que vem.

Era isso. Uma música começou a tocar e os créditos da equipe apareceram na tela.

— Isabella e Rafael estão namoraaaaaando... — cantou Nina.

Joguei uma almofada nela, mas não pude conter o riso. O príncipe era todo duro e caladão. Era difícil imaginar alguém feliz ao lado de um cara tão sem graça.

Passei o resto da noite tentando ignorar as provocações de Nina, até finalmente poder ficar a sós no quarto. Ficava inquieta só de pensar em estar perto de Rafael Schreave. As cutucadas da minha irmã ficaram em minha cabeça a noite inteira. Custei a pegar no sono.

Foi difícil identificar de onde vinha o barulho que me acordou, mas logo que abri os olhos inspecionei o quarto no mais absoluto silêncio, para o caso de alguém estar lá.

Toc, toc, toc.

Voltei lentamente a cabeça para a janela. Lá estava Thom, sorrindo para mim. Saí da cama e fui até a porta na ponta dos pés para fechá-la e passar a chave. Voltei para a cama, destravei a janela e a abri com cuidado.

Um calor que nada tinha a ver com o verão subiu por meu corpo assim que vi Thomas pular a janela e cair na minha cama.

— O que você veio fazer aqui? — sussurrei, sorrindo na escuridão.

— Eu precisava ver você... — ele disse com os lábios próximos do meu rosto, enquanto me envolvia em seus braços e me fazia deitar ao seu lado na cama.

— Tenho tanta coisa para dizer, Thom.

— Shhhhhhh, não diga nada. Se alguém ouvir, estamos perdidos. Quero só olhar para você.

Obedeci. Fiquei lá, quieta, imóvel, enquanto Thom me olhava nos olhos. Uma vez satisfeito, ele começou a roçar o nariz no meu pescoço e nos meus cabelos. Suas mãos subiam e desciam pelas curvas da minha cintura. Senti sua respiração cada vez mais ofegante, e algo nisso me atraía.

Seus lábios, próximos do meu pescoço, começaram a me beijar. Minha respiração acelerou. Não pude evitar. Subiram pelo meu queixo até a minha boca, o único jeito de silenciar meus suspiros. Enrosquei-me no corpo dele, e a umidade da noite e nossos abraços apressados nos cobriram de suor.

Um momento roubado.

Por fim, os lábios de Thom diminuíram o ritmo, embora eu não tivesse a mínima vontade de parar. Mas tínhamos de ser espertos. Se aquilo fosse mais longe – e deixasse para trás qualquer prova – acabaríamos na cadeia.

Era outra razão porque todos se casavam jovens: era uma tortura esperar.

— Tenho que ir... — ele sussurrou.

— Mas eu quero que você fique.

Meus lábios estavam na orelha de Thom, e eu pude mais uma vez sentir o cheiro de seu sabonete.

— Isabella Singer, um dia você vai dormir nos meus braços todas as noites. E acordar todas as manhãs com meus beijos. E algo mais.

Mordi os lábios só de pensar.

— Mas agora preciso ir. Estamos abusando da sorte.

Suspirei e afrouxei os braços. Ele tinha razão.

— Eu te amo, Isabella.

— Eu te amo, Thomas.

Esses momentos secretos bastavam para me dar forças para enfrentar tudo o que estava por vir: a decepção da minha mãe por eu não ter sido escolhida, o esforço para ajudar Thom a juntar dinheiro, a confusão que explodiria quando ele pedisse minha mão ao meu pai, e todas as outras batalhas que enfrentaríamos depois de casados. Nada disso importava, desde que eu tivesse Thom.


Notas Finais


eai?? alguém ja é team Thobella? o capítulo ta curtinho mas prometo recompensar no próximo haha comentem, favoritem, até o próximo <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...