História A Seleção - Capítulo 29


Escrita por: ~

Postado
Categorias A Seleção, Bangtan Boys (BTS), Got7, K.A.R.D, Seventeen
Personagens B.M, Jackson, JB, J-hope, Jimin, Jin, Jinyoung, Jiwoo, Jungkook, Rap Monster, Somin, Suga, V
Tags A Seleção, Adaptação, Bts, Gay, Jikook, Kookmin, Namjin, Yoonmin
Visualizações 318
Palavras 4.410
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Quase 200 favoritos é? De presente tomem esse gotinho yoonseok para ficarem na vontade

Capítulo 29 - Ataque Rebelde


Fanfic / Fanfiction A Seleção - Capítulo 29 - Ataque Rebelde

Na manhã seguinte, acordei me sentindo um pouco culpado. Assustado até. Ignorar Jungkook mexendo em seu nariz não lhe tirava o direito de entrar no meu quarto quando quisesse. Seria tão fácil flagrar Yoongi e eu. Se alguém desconfiasse do que eu tinha feito... Foi uma traição. E no palácio só havia um jeito de lidar com traidores. Mas uma parte de mim não se importava.

Ao despertar, ainda bêbado de sono, revivi cada olhar de Yoongi, cada toque, cada beijo. Tinha sentido tanta falta daquilo. Gostaria que tivéssemos conseguido conversar. Eu realmente precisava saber o que Yoongi pensava, embora ele tivesse deixado algumas pistas na noite anterior. Era inacreditável que — depois de me esforçar tanto para não o querer mais — ele ainda me quisesse.

Era sábado, e teoricamente eu deveria ir para o Salão dos Acompanhantes, mas não ia aguentar. Precisava pensar, e sabia que não conseguiria se estivesse rodeado por um falatório incessante. Quando os criados chegaram, disse a eles que estava com enxaqueca e que ia ficar na cama. Eles foram muito prestativos. Levaram meu almoço e limparam o quarto sem fazer barulho. Quase me senti mal por ter mentido. Mas eu precisava. Não podia encarar as rainhas e os Selecionados — e talvez Jungkook — com o pensamento preso a Yoongi.

Fechei os olhos, mas não dormi. Tentei clarear meus sentimentos. Não consegui fazer grandes progressos, contudo. Alguém bateu à porta. Rolei na cama e vi o rosto de Hoseok, que me perguntava sem palavras se podia atender. Sentei-me rapidamente, ajeitei o cabelo e fiz um sinal positivo com a cabeça. Rezei para que não fosse Jungkook; tinha medo de que descobrisse o crime estampado em meu rosto. Não estava, porém, preparado para ver a figura de Yoongi entrando pela porta. Sentei-me ainda mais ereto quase que automaticamente, esperando que os criados não tivessem notado minha agitação.

— Com licença, senhor — ele disse para Hobi. — Sou o soldado Min. Estou aqui para conversar com o senhor Jimin sobre algumas medidas de segurança.

— Claro — Hoseok disse, com um sorriso maior que o habitual.

Ele estendeu o braço para dentro do quarto, indicando que Yoongi podia entrar. No canto, Dawon deu um cutucão em Jigaemae, que soltou uma risada. Ao ouvir isso, Yoongi se voltou para eles e os cumprimentou. Jigaemae baixou a cabeça e as bochechas de Dawon ficaram mais vermelhas que meu cabelo, mas nenhum deles respondeu. Hoseok, embora também movido pela boa aparência de Yoongi, reuniu forças para falar:

— Devemos sair, senhor?

Pensei um pouco antes de responder. Não queria ser óbvio demais, mas gostaria de um pouco de privacidade.

— Só por uns minutos. Estou certo de que o soldado Min não precisa de muito tempo — decidi.

Os três deixaram o quarto de imediato, e assim que desapareceram porta afora.

— Receio que esteja errado. Preciso de muito tempo com você — e piscou para mim.

— Ainda não acredito que você está aqui — eu disse, meneando a cabeça.

Sem perder tempo, Yoongi tirou o quepe, sentou-se à cabeceira da cama e repousou as mãos de tal modo que seus dedos roçaram os meus.

— Nunca pensei que veria o recrutamento como uma bênção, mas, se me der a chance de pedir desculpas a você, serei infinitamente grato.

Permaneci em um silêncio atônito. Yoongi olhou no fundo dos meus olhos e prosseguiu:

— Por favor, me perdoe, Jimin. Eu fui um idiota. Comecei a me arrepender daquela noite na casa da árvore no instante em que desci as escadas. Fui teimoso demais para falar alguma coisa, e depois seu nome foi chamado... Não sabia o que fazer.

Ele parou por um instante. Parecia ter lágrimas nos olhos. Seria possível que Yoongi tivesse chorado por mim como eu por ele?

— Ainda sou muito apaixonado por você — ele concluiu. Mordi os lábios para segurar as lágrimas. Tinha que me certificar de uma coisa antes de pensar no assunto:

— E Jennie?

Seu queixo caiu.

— Quê?

Tentei respirar fundo e continuei:

— Vi vocês dois juntos na praça durante minha despedida. Vocês terminaram?

O rosto dele se fechou, concentrado, para depois se abrir em uma gargalhada. Yoongi cobriu a boca com a mão e se jogou de costas na cama para depois se levantar e perguntar:

— É isso que você acha? Ah, Jimin, ela caiu. Tropeçou e eu a segurei.

— Tropeçou?

— Sim, a praça estava cheia, as pessoas estavam umas em cima das outras. Ela caiu em cima de mim e fez uma piada sobre ser estabanada, e você sabe que ela é, mesmo em condições normais.

Lembrei-me da vez em que Jennie caiu na calçada sem nenhum motivo. Por que não tinha pensado nisso antes?

— Assim que me livrei dela, corri para o palco — completou Yoongi. A cena me veio à memória. Yoongi tentando desesperadamente chegar perto de mim. Não era fingimento.

— E o que você ia fazer quando chegasse lá? — perguntei. Ele deu de ombros.

— Não cheguei a pensar nisso. Pensei em implorar para você ficar. Estava pronto para fazer papel de idiota se com isso evitasse sua entrada naquele carro. Mas você parecia tão zangado... e entendo o motivo agora. Não acredito que você que eu realmente ia te trocar por uma magrela. – ele riu e em seguida respirou alto. — Eu não ia conseguir falar — continuou. — Além disso, talvez você fosse feliz aqui.

Ele correu os olhos pelo quarto, viu todas as coisas bonitas que eu podia considerar minhas temporariamente. Dava para entender porque achava isso.

— Depois — prosseguiu —, imaginei que poderia reconquistar você quando voltasse. — De repente, a voz dele assumiu um tom de preocupação. — Tinha certeza de que ia querer sair assim que pudesse. Mas... você não saía.

 Ele fez uma pausa e olhou para mim, mas felizmente não me perguntou quão próximos Jungkook e eu estávamos. Ele já tinha visto um pouco dessa proximidade, mas não sabia que tínhamos nos beijado e que tínhamos um sinal secreto. E eu não queria ter que explicar isso.

— Então veio o recrutamento, e eu julguei que seria injusto escrever para você. Poderia morrer por aí. Não queria fazer com que me amasse de novo e depois...

— Amar você de novo? — perguntei, incrédulo. — Yoongi, nunca deixei de amar você.

Com um movimento rápido e delicado, ele se inclinou e me beijou. Yoongi pôs a mão na minha bochecha, apertando-me contra seu peito. Cada minuto dos últimos dois anos preencheu meu corpo. Fiquei muito agradecido por não terem desaparecido.

— Sinto muito — ele murmurou entre os beijos. — Sinto mesmo, Jimin.

Ele se afastou e olhou em meus olhos, com um sorrisinho em seu rosto perfeito. Sua expressão perguntava exatamente o mesmo que eu. O que íamos fazer? Nesse exato instante, a porta se abriu e fui tomada pelo pânico quando meus criados flagraram Yoongi e eu tão próximos.

— Graças aos céus, vocês voltaram — ele disse, forçando a mão contra minha bochecha antes de passá-la para minha testa. — O senhor parece estar com a temperatura muito baixa.

— O que há de errado? — perguntou Hoseok. Seu rosto se encheu de preocupação e ele correu para o lado da cama. Yoongi se levantou e mentiu:

— Ele disse que se sentia mal. Algo com a cabeça.

— Sua dor de cabeça piorou, senhor? — perguntou Dawon. — Seu rosto está tão pálido!

Aposto que sim. Sem dúvida cada gota de sangue do meu rosto tinha sumido no instante em que eles nos viram juntos. Mas Yoongi, que conseguia manter a calma mesmo sob pressão, consertou tudo em uma fração de segundo.

— Vou pegar o remédio — avisou Jigaemae voando para o banheiro.

— Perdoe-me, senhor — disse Yoongi enquanto meus criados punham as mãos à obra. — Não quero incomodá-lo mais. Voltarei quando estiver melhor.

Seus olhos revelavam aquele rosto que beijei um milhão de vezes na casa da árvore. O mundo ao nosso redor era completamente novo, mas o elo entre nós dois era o mesmo de sempre.

— Obrigada, soldado — agradeci com a voz fraca.

Yoongi fez uma pequena reverência e saiu. Em pouco tempo, os criados já estavam em volta de mim, tentando curar uma doença que nem sequer existia. Minha cabeça não doía, mas meu coração, sim. O desejo pelos braços de Yoongi era tão familiar que parecia que nunca havia deixado de senti-lo. Acordei com Dawon me sacudindo violentamente no meio da noite.

— O quê?!

— Por favor, o senhor precisa se levantar!

Sua voz estava frenética, carregada de terror.

— O que há de errado? Você está machucada? — perguntei.

— Não, não. Temos de levá-lo ao porão. Estamos sendo atacados.

Eu estava confuso. Não tinha certeza de ter entendido Dawon direito. Mas notei que Hoseok já chorava atrás dela.

— Eles entraram? — perguntei sem acreditar. O lamento aterrorizado de Hobi foi a confirmação de que precisava. — O que fazemos? — perguntei.

Um pico súbito de adrenalina me despertou e eu pulei da cama. Meus pés mal tocaram o chão e Jigaemae já me calçava os sapatos enquanto Dawon me cobria com um roupão. Eu só me perguntava uma coisa. Norte ou sul? Norte ou sul?

— Há uma passagem no corredor. Ela conduz diretamente ao esconderijo no porão. Os guardas estarão à sua espera. A família real já deve estar lá, assim como a maioria dos Selecionados. Rápido, senhor.

Dawon me empurrou para fora e forçou um trecho da parede, que girou como uma passagem secreta dos livros de mistério. Certamente havia uma escadaria me esperando depois da passagem. Enquanto eu estava ali, Jihoon passou como um relâmpago vindo de seu quarto e disparou pelos degraus.

— Muito bem, vamos — eu disse. Dawon e Jigaemae arregalaram os olhos para mim. Hoseok tremia tanto que mal podia parar de pé. — Vamos — repeti.

— Não, senhor. Vamos para outro lugar. O senhor precisa se apressar antes que eles cheguem aqui. Por favor!

Sabia que na melhor das hipóteses eles seriam feridos se os rebeldes os encontrassem; na pior, eles seriam mortos. Não suportaria saber que alguém os machucaria. Talvez eu estivesse sendo um pouco convencido, mas se Jungkook já tinha chegado ao ponto de fazer tanta coisa por minha causa, quem sabe eles não eram importantes para ele por também serem para mim? Mesmo que tivéssemos brigado... Talvez fosse abusar de sua generosidade, mas eu não podia deixá-los lá.

O medo fez com que eu agisse rápido. Agarrei Dawon pelo braço e a empurrei para dentro. Ela perdeu o equilíbrio e não conseguiu evitar que eu empurrasse Jigaemae e Hoseok.

— Andem! — ordenei.

Eles começaram a andar, mas Dawon protestou ao longo de todo o caminho:

— Eles não nos deixarão entrar, senhor! É um lugar só para a família... Eles vão nos mandar sair!

Não me importei com essas palavras. Não importava qual fosse o esconderijo deles, não seria mais seguro do que o da família real. A escadaria tinha luzes a cada dois metros, mas mesmo assim quase caí duas vezes em minha pressa. Minha mente estava cega de tanta preocupação. Quão longe esses rebeldes já tinham chegado antes? Eles sabiam da existência dessas passagens secretas? Hoseok estava quase paralisado; eu tinha que puxá-lo para não dispersar o grupo. Não saberia dizer quanto tempo levamos para chegar ao fim das escadas, mas o caminho estreito finalmente desembocou em uma caverna artificial. Pude ver outras escadarias e outras pessoas; todas elas corriam para trás do que parecia ser uma porta de mais de meio metro de espessura.

Nós quatro corremos para o esconderijo.

— Obrigado por acompanharem o cavalheiro. Podem ir agora — ordenou um guarda para meus criados.

— Não! Eles estão comigo. Vão ficar — eu disse, com autoridade.

— Senhor, eles têm seu próprio esconderijo — ele replicou.

— Ótimo. Se não entrarem, eu não entro. Tenho certeza de que o príncipe Jungkook gostará de saber que minha ausência é culpa sua. Vamos voltar, gente.

Puxei Jigaemae e Hoseok pelas mãos. Dawon estava tão chocada que não disse nada.

— Espere! Espere! Muito bem, podem entrar. Mas se houver qualquer reclamação, a responsabilidade é sua.

— Sem problemas — eu disse.

Dei meia-volta com elas e entrei no abrigo de cabeça erguida. Havia um ruído de atividade lá dentro. Algumas garotas se abraçavam aos prantos, enquanto os meninos rezavam rezavam. Vi as rainhas sentadas sozinhas, cercadas por mais guardas. Ao lado delas, Jungkook segurava a mão de Jihyo. Ela parecia um pouco abalada, mas o toque dele claramente a acalmava.

Observei o lugar da família real no esconderijo... Tão perto da porta. Perguntei-me se a escolha tinha a ver com a dos capitães de navio, que afundavam com seu barco. Eles fariam tudo para manter o palácio de pé, mas, se ele afundasse, eram os primeiros a morrer.

O grupinho real viu minha entrada e notou que eu tinha companhia. Não desviei o olhar de suas expressões confusas. Fiz uma breve reverência com a cabeça e continuei a andar com ar altivo. Imaginava que, enquanto parecesse estar certo dos meus atos, ninguém me questionaria.

Estava errado. Dei mais três passos até Jaebum aparecer. Ele passava a impressão de estar incrivelmente calmo. Com certeza, aquela situação não era novidade para ele.

— Ótimo. Temos gente para ajudar. Vão imediatamente buscar água no armazém dos fundos e comecem a servir comida para a família real e os Selecionadas. Mexam-se — ele ordenou.

— Não. — voltei-me para Dawon e dei minha primeira ordem de verdade. — Dawon, por favor, sirva o rei, a rainha e o príncipe. Depois venha ficar ao meu lado. —  então, continuei encarando Jaebum: — O resto pode se virar. Eles escolheram abandonar seus criados. Podem pegar sua maldita água sozinhos. Os meus ficarão sentados ao meu lado. Venham.

Eu sabia que estávamos bem perto da família real e que eles podiam me ouvir. Na minha tentativa de mostrar autoridade, falei um pouco alto demais. Mas não me importava se eles me achassem grosso. Hoseok estava mais assustado que a maior parte das pessoas naquele lugar. Tremia dos pés à cabeça, e não havia a menor chance de eu deixá-lo servir gente que não tinha metade de sua bondade naquele estado. Talvez por causa de todos os meus anos como irmão mais velho, eu queria apenas manter aqueles três a salvo.

Encontramos um espacinho no fundo do abrigo. Quem quer que fosse o responsável pela manutenção do esconderijo não estava preparado para a chegada dos Selecionadas. Quase não havia cadeiras suficientes. Mas eu vi os estoques de água e comida e supus que poderíamos ficar ali por meses, se fosse necessário. Tratava-se de um grupo bem esquisito. Era óbvio que muitos funcionários tinham trabalhado a noite toda e, por isso, ainda estavam de uniforme. O próprio Jungkook estava nessa situação. Mas quase todas os jovens estavam de pijama, um traje que só servia para dormir nos quartos aquecidos do segundo andar. Nem todos puderam pegar um roupão na pressa de fugir. E mesmo eu sentia um pouco de frio com o meu. Várias meninas se juntaram na frente do abrigo. Era óbvio: seriam as primeiras a morrer se alguém invadisse o lugar. Mas, se não houvesse invasão, quanto tempo teriam passado bem diante de Jungkook! Algumas garotas estavam mais próximas de onde tínhamos parado, e a maioria delas padecia da mesma condição de Hoseok: tremiam, choravam e não se moviam de medo.

Enquanto Dawon servia a família real, eu mantinha Hoseok sobre meu braço e Jigaemae o consolava. Não havia nada de agradável a dizer do esconderijo ou da situação e, por isso, permanecemos um tempo em silêncio, ouvindo as vozes dos outros refugiados. Aquele ruído lembrou meu primeiro dia no palácio, quando nos maquiaram. Fechei os olhos e imaginei aquelas cenas com os sons do abrigo, com o intuito de ficar tão calmo quanto aparentava estar.

— Você está bem?

Ergui os olhos e dei com Yoongi, imponente em seu uniforme. Seu tom de voz era muito formal, e ele não parecia nem um pouco abalado com aquela situação. —

 Sim, obrigada — respondi, respirando fundo. Não dissemos nada por alguns instantes, observando as pessoas se instalarem no abrigo.

Jigaemae estava claramente exausto e dormia apoiado em Hoseok. Hoseok estava até mais calmo, no fim das contas. Tinha parado de chorar e permanecia sentado, olhando para Yoongi com um olhar de doce admiração.

— Foi bondade sua trazer os criados. Nem todo mundo é tão gentil com pessoas consideradas inferiores — ele disse.

— As castas nunca me importaram — afirmei calmamente.

Yoongi abriu o menor dos sorrisos. Hoseok tomou fôlego como se fosse perguntar algo para Yoongi, mas um grito retumbante ecoou pelo esconderijo. Um guarda na outra ponta do lugar rugia ordens para que todas nós nos calássemos. Yoongi saiu, o que foi bom. Temia que alguém pudesse ver alguma coisa.

— É o mesmo guarda de antes, não é? — Hoseok perguntou.

— Sim.

— Eu o vi de vigia na sua porta. Ele é muito simpático — comentou.

Tinha certeza de que Yoongi devia falar com meus criados com a mesma delicadeza que falava comigo. Eram todos Seis, afinal.

— E é muito bonito — acrescentou Hoseok.

Achei graça e pensei em dizer algo, mas aquele mesmo guarda nos pediu para fazer silêncio. Assim que alguns restos de conversa sumiram, uma quietude assustadora recaiu sobre o abrigo. Então pudemos ouvir. Pessoas lutavam sobre nossas cabeças. Fiquei atento ao som de tiros ou qualquer outra coisa que pudesse revelar a origem daquele grupo de rebeldes. Sem perceber, estava agarrado as pessoas próximas de mim, como se juntos pudéssemos nos defender do que viesse a acontecer.

O som continuou por horas a fio. O único movimento no abrigo eram as rondas de Jungkook, que cumpria seu dever e verificava a situação de cada um dos Selecionados. Quando ele chegou no canto onde estávamos, apenas Hoseok e eu permanecíamos acordados. Às vezes, trocávamos umas palavras rápidas aos sussurros, quase lendo os lábios um do outro.

Jungkook se aproximou e não notei nenhum vestígio de raiva por causa de nossa última discussão, embora eu ainda quisesse esclarecer aquilo. Em vez disso, vi um sorriso agradecido em seu rosto. Ele estava simplesmente feliz por eu estar bem. Uma onda de culpa percorreu meu corpo... No que eu havia me metido?

— Você está bem? — ele perguntou.

Fiz que sim com a cabeça. Ele se voltou para Hoseok e se inclinou sobre mim para falar com ele. Senti o cheiro dele. Jungkook não cheirava a nada que viesse em frascos. Não era como canela ou baunilha, nem mesmo — lembrei na hora — sabonete caseiro. Tinha seu próprio cheiro, uma mistura de essências que seu corpo exalava.

— E você? — ele perguntou a Hoseok. Ele também fez que sim com a cabeça. — Surpreso de estar aqui em baixo?

Ele deu um sorriso para Hoseok, deixando mais leve uma situação inimaginável.

— Não, Majestade. Não com ele. — respondeu Hoseok, voltando a cabeça para mim.

O príncipe virou-se para me encarar, e seu rosto estava incrivelmente próximo do meu. Senti-me desconfortável. Havia tanta gente deitada ao meu redor que eu não era capaz de me mover. E podíamos ser vistos por muitos; até por Yoongi. Mas o momento passou rapidamente e ele voltou a olhar para Hoseok.

— Sei o que você quer dizer.

Jungkook abriu outro sorriso. Ele parecia prestes a dizer algo mais, mas mudou de ideia e começou a se levantar. Agarrei seu braço com um só movimento e perguntei em voz baixa:

— Norte ou sul?

— Lembra-se do dia da foto? — ele sussurrou.

Em choque, respondi que sim. Aqueles rebeldes que avançavam por noroeste, queimando plantações e massacrando pessoas pelo caminho. “Veja se conseguimos interceptá-los”, Jungkook tinha dito. Aqueles rebeldes, aqueles assassinos, tinham vindo lentamente até nós, e não pudemos pará- los. Eram matadores. Eram sulistas.

— Não conte a ninguém.

Jungkook nos deixou e passou para Minhyuk , que soluçava encolhido. Tentei respirar devagar enquanto imaginava meios de escapar caso eles chegassem até nós, mas era tudo ilusão. Se os rebeldes conseguissem entrar, seria o fim. Não havia nada a fazer senão esperar. O tempo se arrastava. Não fazia ideia de que horas eram, mas as pessoas que tinham apagado começavam a acordar e aqueles que tinham se mantido ligados começavam a desfalecer.

Os barulhos sobre nós não pararam de uma vez, mas diminuíram com o passar das horas. Por fim, tudo ficou em silêncio e assim permaneceu. A porta se abriu e alguns guardas saíram para investigar. Mais tempo se passou enquanto faziam uma varredura no palácio. Então eles voltaram.

— Senhoras e senhores, os rebeldes foram subjugados — um dos guardas anunciou. — Pedimos a todos que retornem a seus quartos pela escada dos fundos. Há muita bagunça e vários guardas feridos. É melhor evitar os salões e corredores até que tudo esteja limpo. Os Selecionadas devem ir para seus quartos e permanecer lá até segunda ordem. Já falei com os cozinheiros e alguém lhes servirá algo dentro de uma hora. Preciso que todos os membros da equipe médica me acompanhem até a ala hospitalar.

Após essas palavras, as pessoas começaram a se levantar e a agir como se nada tivesse acontecido. Alguns aparentavam certo tédio. Com exceção de rostos como o de Hoseok, todos pareciam ter mantido a calma durante o ataque, como se fosse esperado. Meu quarto havia sido revirado. Colchão fora da cama, ternos jogados no chão, fotos da minha família rasgadas.

Procurei o jarro e o encontrei intacto, com sua moedinha, escondido debaixo da cama. Tentei não chorar, mas meus olhos continuavam a marejar. Não era medo, embora eu tivesse medo. Só não queria que um inimigo tocasse nas minhas coisas, não queria que as destruísse.

Levamos um tempo até ajeitar tudo, por conta do cansaço extremo. Mas conseguimos. Dawon conseguiu até encontrar fita adesiva para eu colar minhas fotos. Mandei meus criados para a cama assim que pus as mãos na fita. Dawon reclamou, mas eu não estava disposta a ouvir. Agora que tinha encontrado minha capacidade de dar ordens, não tinha medo de usá-la.

Assim que fiquei sozinho, deixei o choro correr. O medo, embora quase extinto, ainda dominava parte de mim. Peguei a bermuda que Jungkook me dera e a única camiseta trazida de casa e vesti. Senti-me um pouco mais normal assim. Meu cabelo estava uma bagunça por causa de tudo o que havia acontecido durante a noite e a maior parte da manhã. Dei um jeito nele com um gel, mas algumas mechas caíam sobre meu rosto.

Dispus os pedaços das fotos na cama, tentando descobrir a quais fotos pertenciam cada um. Era como ter quatro quebra-cabeças diferentes na mesma caixa. Tinha conseguido montar uma das fotos quando alguém bateu à porta. “Jungkook”, pensei. “Por favor, que seja Jungkook.” Abri a porta cheio de esperança.

— Olá, querido.

Era Jaebum. Ele fez um beicinho que, achei, devia ser sua maneira de oferecer conforto. Jaebum entrou rapidamente e só depois reparou em minhas roupas.

— Não me diga que também quer ir embora? — ele lamentou. — De verdade, não foi nada — Jaebum parecia querer apagar todo aquele episódio com um gesto de suas mãos. Eu não chamaria aquilo de nada. Será que ele não notou que eu tinha chorado?

— Não vou embora — disse, jogando uma mecha de cabelo para trás da orelha. — Alguém pediu para sair?

Ele deu um suspiro, decepcionado.

— Sim. Três até agora. E Jungkook, ótimo rapaz, disse-me para liberar quem quisesse voltar para casa. Providências estão sendo tomadas neste exato momento. É tão engraçado. Parece que ele sabia que quem alguém iria embora. Se estivesse no lugar deles, pensaria duas vezes antes de sair por causa de uma bobagem como essa.

Jaebum começou a circular pelo quarto, observando a decoração. Bobagem? O que tinha de errado com esse homem?

— Levaram alguma coisa? — ele perguntou com um tom informal.

— Não, senhor. Fizeram a maior bagunça, mas não dei por falta de nada.

— Muito bom.

Ele se aproximou de mim com um minúsculo telefone.

— É a linha mais segura do palácio — explicou. — Você precisa telefonar para sua família e dizer que está bem. Não demore muito. Ainda tenho outros para ver.

Fiquei maravilhado com aquele objeto diminuto. Nunca havia posto as mãos em um telefone portátil. Já os tinha visto com Dois e Três, mas nunca imaginei que um dia usaria um. Minhas mãos tremeram de emoção. Eu estava prestes a ouvir a voz deles! Disquei os números, ansioso. Depois de tudo o que tinha acontecido, aquela oportunidade me fez sorrir. Meu pai atendeu depois de dois toques.

— Alô?

— Pai?

— Jimin! É você? Você está bem? Estávamos morrendo de preocupação. Um guarda telefonou para avisar que não conseguiríamos entrar em contato com você por alguns dias, e eu sabia que os malditos rebeldes tinham conseguido entrar aí. Ficamos com tanto medo.

Meu pai começou a chorar.

— Ah, pai, não chore. Estou seguro.

Olhei para Jaebum. Ele parecia aborrecido.

— Um momento. Houve alguma agitação na minha casa.

— Jimin?

A voz de Jinyoung estava pesada por causa das lágrimas. Ele devia ter passado um dia péssimo.

— Jinyoung! Ah, Jinyoung! Sinto tanto a sua falta! — eu disse, sentindo minhas próprias lágrimas voltarem.

— Pensei que estivesse morto! Jimin, eu te amo. Promete que não vai morrer? — ele choramingou.

— Prometo — tive que achar graça nesse juramento.

— Você vai voltar para casa? Você pode? Não quero que fique aí.

Jinyoung estava praticamente implorando.

— Voltar para casa? — perguntei. Fui tomado pelas emoções.

Sentia saudades da minha família, e estava cansado de me esconder dos rebeldes. Estava cada vez mais confuso quanto a meus sentimentos por Yoongi e Jungkook, e não sabia como lidar com aquilo. O jeito mais fácil seria sair. Mas não.

— Não, Jinyoung. Não posso ir para casa. Tenho que ficar aqui.

— Por quê? — grunhiu Jinyoung.

— Porque sim — respondi simplesmente.

— Porque sim o quê?

— Só... porque sim. – Jinyoung ficou em silêncio por um segundo, pensando.

— Você está apaixonado por Jungkook?

Era a Jinyoung que só pensava em meninos de volta. Ele ficaria bem.

— Humm, não sei, mas...

— Jimin! Você está apaixonado por Jungkook! Minha nossa!

Ouvi minha mãe gritar “O quê?” ao fundo, enquanto meu pai repetia “Sim, sim, sim!”.

— Jinyoung, eu não disse que...

— Eu sabia!

Jinyoung ria sem parar. E, assim, seu medo de me perder desapareceu.

— Jinyoung, preciso desligar. Os outros vão usar o telefone. Mas eu só queria que você soubesse que estou bem. Escrevo logo, prometo.

— Está bem, está bem. Fale sobre Jungkook! E mande mais doces! Eu te amo! — ele gritou.

— Eu também te amo. Tchau.

Desliguei antes de ele pedir mais coisas. Assim que sua voz sumiu, porém, senti sua falta mais do que antes. Jaebum foi ligeiro. Tomou o telefone da minha mão em segundos e caminhou para a porta.

— Bom menino. — ela disse, e desapareceu pelo corredor.

Eu com certeza não me sentia bem. Mas sabia que logo que ajeitasse as coisas com Yoongi e Jungkook me sentiria.


Notas Finais


Vocês estão me deixando muito confusa. No minimo, os comentários do capitulo anterior me renderam muitas caretas, risadas e franzidos na testa.
Não odeiem yoonmin, e muito menos Yoongi. Yoongi é uma pessoa que passou por tanta coisa, por favor, vocês tem que entender o motivos dos acontecimentos anteriores.
E o Jungkook... Gente, ele não tem certeza de nada, o coitado. Ele gosta do Jimin? Gosta! Mas ele não sabe se o Jimin se sente da mesma forma que ele.
E o Jimin? Sinceramente, ele vai causar muita raiva em vocês ainda. Ele é um amor? É sim! Mas tambem não é essa flor que se cheire como todos pensam.

Enfim, só quero que independentemente de ser #TeamYoonmin ou #TeamJikook, amem os tres, porque odos passaram por muita coisa e precisam disso: amor.

Para quem está preocupada com todo esse yoonmin, só digo uma coisa: a fanfic é jikook sim, e isso não vai ser alterado.

Como disse no começo: Yoonseok. Prestem atenção, já disse que nessa fic vai ter Namjin e Yoonseok, e se eu disse, é porque vai ter.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...