História A Senhora das Trevas Reina - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Arthur Weasley, Astoria Greengrass, Blásio Zabini, Carlinhos Weasley, Cho Chang, Daphne Greengrass, Draco Malfoy, Fenrir Greyback, Fred Weasley, Gina Weasley, Gregory Goyle, Gui Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Jorge Weasley, Lilá Brown, Lord Voldemort, Lucius Malfoy, Luna Lovegood, Marcus Flint, Minerva Mcgonagall, Molly Weasley, Narcissa Black Malfoy, Neville Longbottom, Nymphadora Tonks, Pansy Parkinson, Personagens Originais, Poppy Pomfrey (Madame Pomfrey), Rabastan Lestrange, Remo Lupin, Rita Skeeter, Rodolfo Lestrange, Ronald Weasley, Rúbeo Hagrid, Scorpius Malfoy, Severo Snape, Theodore Nott, Vincent Crabbe
Tags Draco Malfoy, Dramione, Estratégias, Hermione Granger, Romance, Traições, Violencia
Visualizações 177
Palavras 2.345
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção Científica, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 18 - O regresso a casa de Charlie


A atmosfera ruidosa n'A Toca estava se tornando demais para Ron. Era um dia de Domingo e quase toda a família se reunira, o que significa que o lugar estava lotado. Dizendo a Lilá que ele precisava de um ar, e não precisava de nenhuma companhia, Ron saiu da casa e se abaixou nos degraus da frente.

As coisas entre ele e Lilá tinham sido difíceis desde que começou a trabalhar para o inimigo. Ele tinha ido junto com o plano de Harry de compensá-la, mas até agora estava provando inútil. Lilá não lhe disse nada útil porque nunca mencionou o trabalho. Ela estava ciente de que Ron não aprovava quem estava trabalhando, então Lilá tentou facilitar as coisas ao não falar sobre seu trabalho. Em um sentido, Ron apreciou o gesto, pelo menos, deu-lhes alguma chance de fingir que tudo estava bem entre eles, mas também era frustrante considerando que Harry continuava engendrando-o para obter informações.

"Está tudo bem?" Uma voz por trás de Rony de repente perguntou, tirando-o de seus pensamentos.

"Sim." Ron respondeu, sem olhar em volta. Ele sabia que era Lilá, por isso não via o ponto de dar uma volta. "Eu só queria paz e tranquilidade".

"OK." Lilá disse calmamente. "Você quer que eu saia?"

Ron contemplou a oferta antes de balançar a cabeça. "Fique." Apesar de tudo o que estava acontecendo, ele ainda cuidava de Lilá, se fosse que ela deixasse seu trabalho, então tudo ficaria bem entre eles e eles poderiam ter um futuro real juntos.

"Eu sei do que se trata." Lilá disse enquanto se sentava ao lado de Ron. "Isso é sobre o meu trabalho. Você ainda não aceitou quem eu estou trabalhando, não é?"

"Você pode me culpar?" Ron resmungou. "Ela é má, Lilá. Ela guia os Comensais da Morte, e não se esqueça de quem era seu pai".

"Ela não é má". Inspirou Lilá, defendendo sua chefe. "Você concordou em dar-lhe uma chance e não julgá-la".

"Estou lhe dando uma chance. Estou vindo a esta idiota noite de caridade com você, não?" Ron respondeu. Ele concordou relutantemente em comparecer à festa de caridade da Senhora das Trevas na primeira semana de janeiro, mas ele não estava exatamente ansioso por isso.

"Sim, você concordou. E eu realmente aprecio isso". Lilá disse.

"Ainda acho que é tudo apenas um ato". Ron avisou sua namorada. "Eu acho que sua instituição de caridade, a escola e qualquer outra coisa que ela venha são apenas capas. Ela ainda é a filha de Voldemort e ela é uma má notícia. Marque minhas palavras, um dia toda a gente a verá pelo que ela realmente é, e não será bonito."

"Se você diz." Lilá suspirou, sabendo que não tinha sentido discutir com Ron. Ele e Harry ficaram tão pisqueados com a Senhora das Trevas, e eles não queriam ouvir nada que ela tivesse a dizer em defesa de sua chefe.

"Eu sei que você não acredita nisso, e você gosta dela". Ron contou a sua namorada. "Mas estou preocupado com você, Lilá. Eu não quero que você se machuque."

Lilá sorriu para Ron, antes de se inclinar e dar um beijo gentil. Embora fosse irritante ele não a escutar, ela agradeceu que ele estivesse preocupado com ela. Ela sabia que estava desperdiçando seu tempo e a Senhora das Trevas não era má, mas, tendo em conta a ela, ela podia entender sua cautela.

"Vamos, voltemos para dentro". Ron disse enquanto eles quebraram o beijo.

De pé, ele ofereceu a Lilá sua mão e puxou-a para ela ficar de pé. Ainda de mãos dadas, o casal virou-se e caminhou alguns passos para a porta da frente. A mão de Ron acabara de pousar no punho da porta quando havia uma forte aparição atrás deles. Puxando sua varinha para fora, Ron girou ao redor, preparado para qualquer perigo que ele possa enfrentar. Em vez de perigo, ele se encontrou cara a cara com o irmão Charlie.

"Charlie!" Ele exclamou com um sorriso. "O que você está fazendo aqui?"

"É uma maneira de cumprimentar seu irmão mais velho?" Charlie riu.

"Desculpa." Ron disse, correndo para a frente e dando um abraço a Charlie. "É ótimo te ver, Charlie".

"É bom ver você também, irmãozinho". Charlie sorriu. "E para responder a sua pergunta, cheguei em casa".

"Para o bem?" Perguntou Ron.

"Sim." Charlie assentiu. "Vamos entrar e eu posso explicar o que está acontecendo com todos de uma só vez. Isso me faz ter que me repetir".

"Claro." Disse Ron. Voltando para a casa, de repente viu Lilá e lembrou que seu irmão nunca conheceu sua namorada. "Charlie, esta é a minha namorada-"

"-Lilá." Charlie interrompeu. "É bom te ver de novo."

"É bom ver você também, Charlie." Lilá sorriu.

"Vocês dois se conhecem, como?" Ron olhou entre a namorada e o irmão confusos.

"Nos encontramos na Romênia no mês passado". Charlie explicou. Ele sabia que Lilá não teria mencionado seu regresso a casa, pois ele especificamente pediu que ela ficasse quieto para que ele pudesse surpreender sua família com seu retorno.

"Mês passado." Ron franziu a testa enquanto se lembrava da misteriosa viagem que Lilá tomara com a Senhora das Trevas no começo de novembro. Ela não diria para onde estava indo, só que ela estava acompanhando seu chefe em uma viagem de negócios. "Sua viagem foi para a Romênia". Ele disse a Lilá, antes de se virar para Charlie em pânico. "Por favor, diga que seu retorno não tem nada a ver com a Senhora das Trevas".

"E se isso tiver?" Charlie perguntou.

"Você não pode estar falando serio Charlie, ela é uma má pessoa". Ron explodiu. Ele não podia acreditar que outro membro de sua família estava sendo sugado por seu ato. Lilá estava fascinada por ela e seu pai e Percy haviam encontrado com ela várias vezes com o Ministério e insistiram que ela era uma pessoa adorável.

"Ela parecia perfeitamente legal comigo". Charlie encolheu os ombros. "Agora, acho que é hora de entrar. Estou ficando com frio e quero ver o resto da família".

Antes que Rony pudesse se queixar mais, Charlie passou por ele e abriu a porta da frente. Sultilmentente seguindo seu irmão e namorada dentro de Ron ficou de pé e observou a família cumprimentar Charlie. Todo mundo estava emocionado por tê-lo de volta e a emoção só cresceu quando ele anunciou que era um retorno permanente. Os cumprimentos continuaram por um longo período de tempo e levou quase meia hora antes que todos estivessem instalados e Charlie pudesse explicar por que ele estava de volta.

"Basicamente eu recebi uma oferta boa para deixar passar". Charlie explicou. "Eu tive a chance de criar e executar um santuário de criaturas mágicas neste país. Em troca de administrar o lugar e trazer meus conhecimentos, obtive vinte por cento do negócio".

"Esse é o grande Charlie". Molly sorriu com orgulho. "Tenho certeza que será excelente".

"E por que você não diz para quem veio a oferta". Ron provocou. "Diga a todos com quem você está indo para o negócio".

"Minha parceira comercial é a Srta. Riddle." Charlie anunciou calmamente. "Ela possui oitenta por cento do santuário, mas tenho o controle total de tudo o que acontece lá".

"Você está ciente de quem ela é, não é?" Harry perguntou a Charlie. "Você sabe que ela é a filha de Voldemort".

"Claro que eu sei." Charlie respondeu. "Eu sei exatamente quem é minha parceira".

"E você ainda está disposto a entrar em contato com ela?" Ron sacudiu a cabeça com desgosto.

"Eu estou." Charlie assentiu. "De quem é a filha e o que ela acredita pessoalmente, não tem nada a ver com o que ela é como parceiro de negócios. Ela tem uma visão incrível para o santuário e eu quero fazer parte disso".

"Ela não é uma pessoa má". Arthur acrescentou. "O que acabou com a nova escola é excelente. Ele abre no Ano Novo e, do que eu ouço, já tem muitos filhos se inscreveram".

"E não se esqueça da sua caridade". Percy arrumou. "Tudo o que ela quer fazer é tornar o mundo mágico um lugar melhor".

"Honestamente, não posso acreditar em você." Harry explodiu, pulando de seu assento. "Ela tem o lote de sua lavagem cerebral. Ela é má. Ela é a razão pela qual Lucius Malfoy é Ministro e ela é a razão pela qual Hermione partiu e não ouvimos falar dela. Nosso melhor amigo foi afugentado por aquela vaca malvada".

"Isso é o suficiente para Harry". Arthur disse severamente. "Nós não vamos arruinar o dia discutindo sobre a Senhora das Trevas. Vamos celebrar o retorno de Charlie para casa".

"É bom ter você de volta Charlie, mas tenho medo que você tenha que celebrar sem mim". Harry disse. "Eu preciso de um pouco de ar".

Harry atravessou a sala de estar e saiu pela porta da frente, batendo-a atrás dele. Gina saltou e seguiu o namorado dela, pedindo desculpas a sua família enquanto fazia isso. Enquanto Gina tentou conversar, Harry em torno do resto da família começou a celebrar o retorno de Charlie.

[] [] [] [] []

A iniciação de Daphne ocorreu alguns dias depois do Natal. A cerimônia foi a habitual, com Hermione marcando a bruxa com a marca na frente de todos. Uma reunião rápida foi realizada, onde Hermione passou por alguns detalhes para os Comensais da Morte se mudarem para o exterior. Alguns já tinham saído, mas a maioria daqueles que se ofereceram para ir estavam se movendo nos próximos meses. Depois de finalizar alguns detalhes, ela verificou o progresso de Draco com os trouxas.

"Eu me livrei de alguns no Natal e planejava descartar mais alguns mais do ano novo". Draco explicou. "Os feriados são a desculpa perfeita, é muito mais fácil convencer as pessoas que estão perdendo suas famílias no mundo dos trouxas durante os feriados".

Hermione não podia deixar de rir suavemente das palavras de Draco. Ela sabia, de fato, que a grande maioria de seus convincentes consistiu em forçá-los a escrever cartas ao ministério expressando seu desejo de deixar o mundo mágico antes de descartá-los. Ele havia conseguido alguns para realmente concordar em voltar para o mundo dos trouxas, mas em um todo ele preferiu fazer o problema desaparecer permanentemente.

"Blaise, eu também tenho um emprego para você". Hermione disse, voltando sua atenção para o melhor amigo de seu namorado. "Eu tive uma palavra de um dos nossos homens na Suíça, podemos ter um pequeno problema. O ministro acabou de nomear um novo deputado e ela não está totalmente a bordo da nossa maneira de pensar. Estou preocupado que ela possa influenciar o ministro E bloquear quaisquer planos para introduzir o registro de insinuação ".

"Você quer que eu lide com ela da mesma maneira que lidamos com Klein?" Blaise perguntou.

"Não." Hermione sacudiu a cabeça. "Ela é uma puro sangue, então não tenho vontade de me livrar dela, a menos que seja totalmente necessário. Eu só quero que você a convença de que nosso caminho é o caminho certo".

"Como eu deveria fazer isso?" Blaise questionou.

"Tente usar esse charme seu, Blaise". Hermione respondeu. "Ou você não é bom o suficiente para seduzir uma bruxa ao nosso modo de pensar?"

"Eu posso fazer isso." Blaise afirmou. "Não se preocupe com nada, minha senhora. Vou garantir que ela acabe do nosso lado".

"Boa." Hermione sorriu. "Você tem até o final de janeiro. Se você não pode cumprir até então, enviarei outra pessoa".

Afastando-se de Blaise, Hermione demitiu os Comensais da Morte, além de Daphne. Uma vez que todos se foram, incluindo Lucius que tinha algum negócio para atender, Hermione disse a Daphne que se sentasse. Quando Daphne estava sentada, ela começou a trabalhar.

"Estou lhe dando sua primeira tarefa". Hermione contou a outra bruxa. "Eu quero um arquivo abrangente sobre Rita Skeeter. Eu quero saber mais do que é facilmente descoberto sobre ela, eu quero sujidade. Quero conhecer todos os seus segredos, seus hábitos, seus hobbies, tudo. Você entende?"

"Sim." Daphne assentiu. "Existe um limite de tempo na minha tarefa?"

"Na verdade, eu não quero fazer um trabalho minucioso, mas não quero que dure toda a vida". Hermione respondeu. "Ela está começando a ficar nervosa, eu quero uma maneira de silenciá-la".

"Você quer dizer matar?" Daphne perguntou.

"Isso te incomoda?" Hermione questionou, perguntando-se se ela cometeu um erro ao iniciar Daphne. Ela não queria um Comensal da Morte que pálido com o pensamento de matar, seus seguidores precisavam ser implacáveis ​​e preparados para fazer qualquer coisa.

"Não." Daphne respondeu. "Eu entendo que às vezes é o único caminho".

"Na verdade, na verdade não tomei uma decisão sobre Rita". Hermione confessou. "Eu suponho que tudo depende do tipo de informação que você obtém para mim. Pode haver algo que eu possa usar contra ela e forçá-la a parar seus artigos, ou talvez eu tenha que recorrer a medidas drásticas. Suponho que apenas o tempo dirá".

"De qualquer maneira, você pode contar comigo". Daphne prometeu. "Eu vou te dar o que você precisa".

"Obrigado Daphne". Hermione sorriu. "Tenho certeza de que você vai ser uma grande ajuda para os Comensais da Morte".

"Obrigado minha senhora." Daphne inclinou a cabeça antes de se levantar para sair.

"Mais uma coisa." Hermione chamou, parando a bruxa em suas trilhas. "Agora você é uma Comensal da Morte, vou dizer-lhe quem eu realmente sou. Há um feitiço na sua marca para me avisar se você falou por virar minha identidade, mas estou esperando que eu possa confiar você."

"Você pode confiar em mim." Daphne respondeu.

Hermione assentiu, esperando que ela tomasse a decisão certa. Ela sabia que não tinha que contar a Daphne quem era, mas considerando que Daphne era amigável com Draco e seus amigos, fazia sentido que ela conhecesse sua verdadeira identidade. Agitando sua varinha, Hermione deixou cair o feitiço e observou-se com diversão quando Daphne a observou.

"Você é Hermione Granger". Daphne declarou.

"Na verdade, é Riddle". Hermione respondeu, antes de dar uma explicação breve sobre por que ela estava posando como um trouxa por tanto tempo.

Uma vez que Daphne tinha tomado a cabeça em torno do fato de Hermione era a Senhora das Trevas, as duas bruxas se levantaram. Enquanto Daphne saiu da Mansão para ir para casa, Hermione dirigiu-se em busca de Narcissa. A escola iria abrir em alguns dias e queria garantir que tudo estivesse no bom caminho. O próximo ano seria um grande para Hermione, e nada iria ficar em seu caminho como ela aumentou sua influência em todo o mundo.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...