História A Series Of Coincidences (That Brought Us Together) - Capítulo 23


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Amor Não Correspondido, Angst, Aparições Do Got7, Aparições Do Monsta X, Bts, Eu Sinto Muito, Fluff, One Sided Jikook, One Sided Namjin, Slow Build, Smut, Yoonmin
Exibições 70
Palavras 2.186
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 23 - Love me (I Know You Do)


 

-Yoongi-

 

Quando cheguei em casa eu fui direto para o chuveiro, a situação inteira tinha deixado um gosto agridoce na minha boca e um nó na minha garganta, eu não gostava de confrontos físicos, eu me sinto muito mais confortável quando a briga é apenas verbal.

Quando eu era criança eu me isolava bastante, eu era pequeno e desajeitado e o meu sotaque era muito forte, então as outras crianças tendiam a implicar bastante comigo e me usar como alvo das brincadeiras idiotas que crianças idiotas de sete anos fazem, no fundamental as coisas melhoraram, eu mudei de escola e controlei melhor o meu sotaque, as pessoas pararam de mexer comigo, mas eu continuei no meu canto.

Sabe, é engraçado como a sua infância te molda.

Depois do ensino fundamental eu mudei de escola de novo, para uma mais rígida e com um índice de aprovação melhor. Eu não me importei, no final não fazia diferença. Mas foi lá que eu conheci o Namjoon. Ele era desajeitado e muito alto, num dos meus primeiros dias ele veio falar comigo na hora do intervalo para perguntar se eu já tinha alguma dupla para o trabalho de química e os olhos dele viajaram para o meu caderno onde eu tinha distraidamente rabiscado algumas letras.

- Você gosta desse cara? – Namjoon perguntou sentando na cadeira ao meu lado.

- Eu gosto de hip hop no geral, as vezes tento escrever minhas próprias letras também, mas sim, ele é um dos meus rappers favoritos.

- Idem! Eu gosto da forma que ele estrutura o rap dele, ele flui de uma forma boa, e as letras são incríveis.

- Eu sinto que quanto mais o tempo passa mais rappers falam de festas e de “comer umas vadias” e não tem nenhuma mensagem pra passar. Não achei que você fosse o tipo de cara que curte rap. – Ele riu do meu comentário, quase derrubando o estojo da garota que sentava ao meu lado.

- Eu ficaria ofendido se eu já não tivesse ouvido isso antes, se ajuda a restaurar a imagem de nerd que você tem de mim eu de vez em quando escuto música clássica e leio poesia. – Eu ri da resposta dele e em seguida retruquei.

- Nah, pra restaurar a imagem que eu tinha de você, você teria que ter lido Marx e Dostoiévski.

- Oh, eu li Marx, - Revirei os olhos e ele continuou. – E pensei em ler Dostoiévski, mas pessoalmente não sou muito fã da literatura russa, a alemã faz mais o meu estilo.

Depois disso voltamos para o tópico de música e foi bom. Foi bom ter alguém para conversar depois de tanto tempo sem ter ninguém.

Jin e Hoseok vieram logo em seguidas e meu pequeno circulo de amigos foi aos poucos se formando, e depois veio o Jimin e os amigos dele, apesar de que Taehyung era irmão do Jin e já conhecia os outros. Mas durante muito tempo eu fiquei sozinho e durante muito tempo a minha língua afiada foi a única forma de barreira que eu tinha contra os outros.

Brigas verbais eram a minha área, as palavras eram a minha zona de conforto, então quando a adrenalina baixou e eu fiquei sozinho no meu apartamento de novo eu senti a dor no meu pulso e no meu ombro do soco, assim como nos nós dos meus dedos que estavam latejando, mas eu aposto que a minha dor não era nem um terço da dor que aquele filha da puta estava sentindo na cara e esse pensamento me fez sorrir.

Quando eu desliguei a água do chuveiro e voltei para o meu quarto, eu tentei dormir, mas eu ainda estava inquieto, o silêncio parecia alto nos meus ouvidos e eu queria muito ouvir a voz do Jimin, queria parar de pensar no que aquele idiota tinha dito. Estava um pouco tarde e o Jimin tinha provas nos próximos dias, mas ele provavelmente ainda estava estudando, então antes que eu pudesse pensar mais sobre o assunto desbloqueei o meu celular e pressionei na foto dele sorrindo e em seguida no número dele. Depois de alguns segundos a ligação dele foi atendida.

- Jimin? Te acordei?

- Não, mas eu tô ocupado. – Estranhei o tom de voz dele, não era normal ele ser tão curto e frio, mesmo quando ele estava cansado.

- Tá tudo bem Minnie? Aconteceu alguma coisa?

- Não. – Okay, definitivamente tinha algo errado.

- Minnie?

- Olha, Yoongi, depois a gente se fala, eu tô fazendo um curativo no rosto do Taekwon, o rosto dele tá todo roxo e inchado e o lábio dele tá cortado, o que inclusive é culpa sua, então se me dá licença eu tenho que terminar isso. Depois eu te ligo. – E depois disso a linha ficou muda.

Encarei a parede por alguns segundos, absorvendo tudo, até que uma risada sem emoção escapou pelos meus pulmões. Eu estava tão fodidamente incrédulo que em pouco tempo aquilo se transformou em uma risada histérica e eu arremessei o meu celular contra a parede com força, a capinha protegeu de danos maiores, mas a tela se estilhaçou na hora. Levantei-me da cama e fui até o celular, ainda rindo, e joguei ele de volta na cama, em algum momento a minha visão ficou embaçada e eu percebi as lágrimas que estavam escorrendo pelos meus olhos, gritei esfregando meu rosto com muito mais força que o necessário, a vontade que eu tinha era de arrancar a pele dele, com mais um grito girei meu torço, socando a parede.

Não sei por quanto tempo fiquei ali, socando a parede, mas em algum momento eu parei e deixei meu corpo escorregar até o chão, eu passei tanto tempo naquela posição, sentado no chão e pensando, que quando dei por mim já era de manhã e eu não aguentava mais encarar as paredes do meu quarto, então me levantei, peguei as minhas chaves, a carteira e saí sem nenhum destino em mente.

 

-Jimin-

 

Eu não aguentava mais olhar para o meu livro de anatomia, as palavras se misturando e uma dor de cabeça fraca começando bem na região das minhas têmporas. Uma batida na porta quebrou a minha linha de pensamento, já era tarde, a única pessoa que eu conseguia imaginar vindo ao dormitório agora era o Tae, mas aquele idiota tinha a chave, bom, teoricamente, então eu o ignorei, quem sabe uma noite preso para fora do quarto não ensinasse ele a ser mais cuidadoso com a droga da chave dele.

- Jimin, por favor, eu preciso de você. – Uma voz que não pertencia ao Tae chamou do lado de fora.

- Taekwon? – Perguntei assim que abri a porta, vendo o rosto dele machucado e a expressão dolorida. – O que aconteceu com você?

- O Yoongi e um outro cara, não sei o nome, - Ele puxou o ar por entre os dentes em dor quando o puxei para dentro do quarto e o pus sentado na cadeira da minha escrivaninha. – Eu tava no bar e eu fui falar com eles, mas aparentemente o seu namoradinho não gosta muito de mim porque logo em seguida ele começou a gritar comigo e quando eu tentei me defender ele começou a me bater.

- Como assim? Ele simplesmente começou a te bater do nada? – Questionei tentando examinar melhor os ferimentos no rosto dele, os mais feios eram um corte no lábio e um hematoma no maxilar, mas a bochecha dele também estava um pouco vermelha e inchada.

- Eu-eu não sei, foi tudo tão rápido e a minha cabeça tá doendo Jiminie. – O apelido antigo saindo pelos lábios dele fez um arrepio subir pela minha espinha, memórias inundando a minha mente.

- Okay, depois a gente fala sobre isso, deixa eu pegar o meu kit de primeiros socorros. – E com isso fui até o banheiro e puxei a caixa azul de debaixo da pia, logo depois me sentando na cama e o puxando para perto de mim.

Yoongi era uma pessoa que perdia a calma com facilidade, o temperamento dele podia ser bem volátil, mas ele não parecia ser agressivo ao ponto de bater em alguém, pelo menos ele nunca tinha batido em mim, mas o Taekwon também não tinha, não no início, porém depois do primeiro tapa virou algo comum, ele perder a calma e usar a força física dele para me controlar, outra coisa comum era ele perder a calma e brigar com as pessoas na rua, mas as mãos dele estavam intactas, um pouco arranhadas nas palmas, mas fora isso nenhuma indicação de que ele pudesse ter socado alguém, eu tinha posto bandagens o suficiente nos dedos dele para saber qual era a aparência deles após uma briga.

- Okay, eu preciso desinfetar o corte no seu lábio e vai doer um pouco, mas se eu não fizer isso pode infeccionar. – Ele assentiu e chiou quando eu comecei a limpar o corte. – Já vai melhorar. – Eu disse procurando por uma pomada antisséptica quando meu celular começou a tocar e eu atendi sem olhar o identificador, ainda procurando a pomada.

- Jimin? Te acordei?

- Não, mas eu tô ocupado. – Respondi entredentes, a raiva diminuindo as minhas palavras.

- Tá tudo bem Minnie? Aconteceu alguma coisa? – Você abriu o lábio do Taekwon na base do soco sem motivo aparentemente.

- Não.

- Minnie? – Não consegui controlar o vomito de palavras, que saíram pela minha boca.

- Olha, Yoongi, depois a gente se fala, eu tô fazendo um curativo no rosto do Taekwon, o rosto dele tá todo roxo e inchado e o lábio dele tá cortado, o que inclusive é culpa sua, então se me dá licença eu tenho que terminar isso. Depois eu te ligo. – E com isso terminei a ligação, jogando o celular na cama e bufando.

- Ouch, até eu senti esse tapa Jiminie. Quando você ficou com uma língua tão afiada? Gostei.

- Cala a boca, não dá pra terminar o curativo com você falando. – Retruquei e continuei o trabalho.

- Jimin.

- O que? – Perguntei olhando para cima e encontrando os olhos dele fixos no meu rosto.

- Eu senti tanto a sua falta... – Ele respondeu, a mão dele saindo da coxa dele e indo para a minha, eu engoli em seco. – Jimin, eu preciso de você, eu te amo.

- Taekwon-

- Hyung.

- Hyung, - Suspirei. – Eu também te amo, eu amava você tanto e isso não some do nada... Mas eu não posso, não posso fazer isso com o Yoongi e não posso fazer isso comigo mesmo. Você foi embora.

- Você ama ele?

- Eu... – Eu nunca tinha dito que amava ele, pelo menos não em um contexto sério, então eu consegui dizer agora, não para o Taekwon, não desse jeito. – Eu gosto dele, ele me faz sentir bem, eu me sinto feliz com ele.

- Não foi isso que eu perguntei.

- Mas essa é resposta que você vai ter. – Removi a mão dele da minha coxa suspirando. – Pronto, já fiz o que podia fazer, agora vai embora, eu tenho aula de manhã.

Ele se levantou e foi em direção à porta, ele estava quase saindo quando de repente virou e puxou o meu braço, fazendo o meu corpo se chocar contra o dele e pressionando os seus lábios contra os meus, o gosto metálico de sangue e creme antisséptico invadindo a minha boca, ele tentou forçar a passagem da língua dele pelos meus lábios, mas eu não permiti, minha mente gritando o quão errado aquilo era, porém quando eu tentei me afastar o outro braço dele serpenteou pela minha cintura me puxando para mais perto, eu tentei lutar por mais alguns segundos, mas quando uma das mãos dele foi para o meu cabelo, puxando os fios suavemente eu não consegui evitar o arrepio que subiu pela minha espinha e eu arfei, dando a ele a oportunidade perfeita de passar a língua por ente os meus lábios e aprofundar o beijo, eu parei de lutar, simplesmente me afundando na sensação familiar que era beijar o Taekwon, mas um som no corredor me fez voltar a realidade e eu usei toda a força que eu tinha para empurrar o corpo dele para longe.

- Eu ainda conheço todos os seus pontos sensíveis, Jiminie. – Ele falou com um sorriso torto e convencido. – Até mais, Park Jimin. – Ele terminou me dando um ultimo selinho enquanto eu ainda processava o que tinha acabado de acontecer, as sílabas do meu nome rolando suavemente para fora da boca dele, e em pouco tempo ele tinha ido embora e eu voltei para dentro do quarto, fechando a porta.

- Porra.

Eu não queria pensar naquilo, não queria analisar as possibilidades, não queria pensar no que aquilo poderia significar.

- Jimin, por que diabos eu acabei de ver o Taekwon no corredor vindo dessa direção? – Perguntou Tae entrando no quarto.

- Agora não Tae. – Eu disse me virando e me jogando de cara nos travesseiros. – Eu tô cansado demais pra lidar com isso. – E logo em seguida eu dormi um sono sem sonhos, a exaustão finalmente me alcançando.


Notas Finais


Olá amores da minha vida! Gente eu recebi tanto comentário e favorito no último capítulo <3 eu to realmente muito feliz <3
Muito obrigada pra todo mundo que me desejou boa sorte no vestibular <3 nos intervalos antes da prova começar e depois eu fiquei lendo os comentários de vocês <3 e me desculpa por ter demorado tanto pra responder! Eu gosto sempre de parar e responder todos os comentários sem pressa, então por isso eu demorei tanto.
Mas enfim, tretas, é, teremos várias nos próximos capítulos, porém eu agora vou ficar cheia de compromissos, hoje de noite e amanhã eu tenho festas de formatura, eu vou também começar a ter ensaios extras da minha aula de dança porque a nossa apresentação é daqui a duas semanas, vestibular da ufsc é daqui dez dias, e a minha formatura é também daqui a pouco, então mil desculpas se eu demorar pra postar capítulo novo ou pra responder os comentários </3
Comentem o que acharam do capítulo, favoritem e eu vejo vocês no próximo!
CATIÁU!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...