História A sobrevivente - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Akagami No Shirayuki-hime, Akame Ga Kill, Amnésia, Angel Beats!, Ano Natsu De Matteru, Ao Haru Ride, Ao No Exorcist, Artes Marciais, Aventura, Bakemonogatari, Bakuman, Bishoujo, Bishounen, Black Bird, Black Bullet, Black Rock Shooter, Bleach, Blood Lad, Blood+, Blood-c, Boku Kara Kimi Ga Kienai, Boku Ni Natta Watashi, Brothers Conflict, Btooom!, Bungou Stray Dogs, Charlotte (anime 2015), Clannad, Colegial, Comedia, Cosplay Complex, Crossover, Dakara Boku Wa, Dance In The Vampire Bund, Dance With Devils, Danganronpa: The Animation, Deadman Wonderland, Death Note, Dengeki Daisy, Dgray-man, Diabolik Lovers, Dn Angel, Drama (tragédia), Durarara, Ecchi, Ecchi Ga Dekinai, Escolar, Esporte, Fairy Tail, Família, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Cientifica, Free, Fullmetal Alchemist, Gakuen Alice, Gintama, Haikyuu, Hakushaku To Yousei, Harem, Hataraku Maou-sama, Hentai, Hiyokoi, Horimiya, Horror, Hunter X Hunter, Hyouka, Inazuma Eleven Super Onze, Inu X Boku Ss, Inuyasha, Inuyasha Kanketsu-hen, Itazura Na Kiss, Junjou Romantica, Kaichou Wa Maid-sama, Kamigami No Asobi, Kami-sama Hajimemashita, Kaze No Stigma, Kill La Kill, Kissxsis, K-on!, Kotoura-san, Koutetsu Tenshi Kurumi, Kuroko No Basuke, Kurookami, Kuroshitsuji, Kyoukai No Kanata, Last Game?, Lovely Complex, Luta, Mad Father, Magia, Mirai Nikki, Mistério, Namaikizakari, Nana, Naruto, Nijiiro Days (rainbow Days), No Game No Life, Noragami, Novela, One Piece, Pandora Hearts, Poesias, Pokémon, Policial, Romance, Romeo X Juliet, Rosario Vampire, Saga, Sankarea, School Days, Seikon No Qwaser, Seito Kaichou Ni Chuukoku, Shigatsu Wa Kimi No Uso, Shonen-ai, Shoujo Romântico, Shoujo-ai, Shounen, Sobrenatural, Soul Eater, Suki-tte Ii Na Yo, Suspense, Sword Art Online, Terror, The Walking Dead, Tokyo Ghoul, Toradora, True Love, Universo Alternativo, Vampire Knight, Violencia, Visual Novel, Vocaloid, Watashi Ni Xx Shinasai!, Yamada Tarou Monogatari, Yaoi, Yu-gi-oh!, Yuri
Exibições 14
Palavras 1.505
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Luta, Romance e Novela, Sobrenatural, Super Sentai, Survival, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yuri
Avisos: Álcool, Canibalismo, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 4 - Capítulo 4 (Como pode?!)


Fanfic / Fanfiction A sobrevivente - Capítulo 4 - Capítulo 4 (Como pode?!)

Depois de umas boas duas horas nessa porcaria, decidi pegar os fones e escutar música. Depois de mais duas longas horas, chegamos no sítio. Como eu tinha dito, não havia nenhum sinal de "morte em vida" lá. Quero dizer, há vizinhos perto do sítio que também tem outro sítio, mas não sei se viraram zumbis.

-Ok, e agora?

-O bom é que aqui tem comida. Bastante comida.- Digo.- Meus pais guardam muitas coisas aqui, foices, machados e várias outras coisas.

-Se o que você disse fosse mentira, poderíamos ficar aqui por muito tempo.- Minha mãe diz vendo todos os suprimentos que temos.

-Vamos as regras: Não comer se não estiver com fome e sem solicitar antes. Porque pode faltar então temos que contar. Não usar armas de fogo e barulhentas nesse local. Não sair muito da casa sem acompanhamento, ois nunca se sabe se terá um zumbi por aí. Se avistarem algum urubu, corram pra contar pra gente.- Dito as regras.- Entenderam?

-Ok.- Eles concordam.

-Principalmente você dois Raissa e Lucas. Teremos somente 3 refeições por dia. Não podemos arriscar acabar com toda comida.- Continuo.- Nós poderíamos fazer plantações aqui, mas não iria adiantar já que teria os zumbis aqui em 4 semanas.

-E se..- Meu pai fica pensativo.- Temos cerca-elétricas. Poderíamos coloca-las em volta do sítio e do café. Quem passar, será eletrocutado com mais de 100.000 volts.

-É uma boa ideia, mas a energia pode acabar a qualquer momento.- Digo.

-Podemos acumular energia do sol, e deixá-la agindo conectada com a cerca.- Juliana diz.

-É mesmo! Temos painéis solares! Se conseguirmos conectarcom as cercas, teremos energia infinita!- Exclamo.

-Ou seja...- Mariana começa.

-Podemos ficar aqui!- Eu, Juliana exclamamos.

-Mas se não tiver sol, iremos receber menos energia do que receberíamos.- Fico pensativa.- É bem capaz da cerca não funcionar nesse dia.

-Nós nos viramos- Mariana diz.

-É, nos conseguimos.- Juliana tenta me animar.

-Certo.- Digo com receio.- Mas tomem cuidado. Não temos certeza de nada.

Cara eu fico pensando.... Quando foi que eu virei a líder do "grupo"? Quer dizer, eu sei mais do que qualquer um, sem me achar nem nada, mas é verdade. Então eu tenho que planejar tudo, organizar tudo e deixar todos seguros. Cansa....

-Bom, agora vamos organizar quem faz o quê.- Começo espantando meus pensamentos.- Como vocês não sabem usar armas direito, eu, Juliana e Mariana vamos cuidar da guarda. Dependendo do tempo. Cada um terá esses rádios que ganhei de presente.- Digo entregando para todos.- A Ju e a Mari já tem porque já dei a elas. Qualquer coisa, avisem rapidamente pelo rádio.

-Certo.

-Pai, mãe. Vocês irão organizar a comida, ver o que temos e quanto tempo irá durar.- Digo.- Os pais da Juliana vão ajudar com a parte da cerca. Raissa e Lucas vão ficar brincando no balanço, com vigilância minha e das meninas. Todos entenderam?

-Sim.

Todos entraram na enorme casa, enquanto eu, meus irmãos e as meninas fomos em direção ao "parquinho" que meu pai havia construído. Raissa e Lucas ficaram brincando de um lado pro outro, enquanto eu e as outras ficamos sentadas nos balanços.

-A cada vez está mais difícil.- Juliana murmura.- Quer dizer, eu vi muitos desistirem, outros se suicidarem. O que acham que vai acontecer com agente?

-Não importa o que faremos.- Mariana diz.- Acabaremos como eles. A menos que todos sejam realmente mortos, faremos parte do purgatório.

-Infelizmente, eu concordo.- Digo.- Temos que agir. Não podemos seguir em frente sendo que muitas pessoas estão morrendo, muitas se matando e outras sendo devoradas, logo depois revivendo e fazendo o mesmo com outra pessoa. Logo eles irão se multiplicar, serão mais rápidos e mais prudentes. Mesmo que pensemos em seguir e frente e continuar aqui, logo teremos que procurar comida.- Digo.- A menos que.... Minecraft!- exclamo me levantando rapidamente.

-Você está dizendo que a solução de tudo isso é o jogo de Minecraft?!- juliana pergunta incrédula.

-É claro! Minecraft é um jogo de sobrevivência, e o que temos que fazer agora é sobreviver. Nada melhor do que começar com madeira!- Digo.

-Você é louca.- Elas dizem com uma gota.

-Bom, foi essa loucura que salvou todo mundo!- Dou língua.

-Tá, mas temos algum machado?- Elas desistem.

-Tenho dentro do galpão. Mas tenho que pedir para o velho que toma conta do sítio. Preciso da chave e só ele e meu pai tem, só que meu pai esqueceu.

-Certo. Te esperamos aqui.

Saio debaixo da cerejeira que estávamos, e fui caminhando para a pequena e simples casa do seu Epamilondas. Nome esquisito? Com certeza, mas fazer o quê? 

-Seu Epamilondas?- Bato gentilmente na porta esperando uma resposta.- Tudo bem? Tivemos que vir de última hora.- Digo abrindo a porta calmamente.- Aonde estão todos os seus cachorros? Eles sumiram.- O seu Epamilondas ama tanto os seus cachorros, são vira-latas mas pra ele não tem problema. Ele morava no sítio antes de comprarmos o mesmo, e meu pai permitiu ele continuar aqui, desde que nos ajude na fazenda. Ele tem tipo uns 20 cachorros e uns 15 gatos, mas não vi nenhum.- Seu Epamilondas?- Pergunto novamente.- Aconteceu alguma coisa? Não sei se você já sabe, mas aconteceu um apocalipse zumbi, iremos ficar aqui tá?- Vou andando pela casa com o arco na mão e a flecha normal já posta.- Aconteceu alguma coisa?- Pergunto um pouco mais preocupada.

Vejo um uma pessoa. Estava no canto e não dava para ver sua face, mas dava pra notar que era o seu Epamilondas. Ele não respondia aos meus chamados, até ele se virar e eu ver bem o que ele estava fazendo. Comendo um cachorro. Sim, dava para ver as entranhas pra fora do cachorro, e sua expressão de dor. Seu Epamilondas virou um deles. 

-Não....- Murmuro triste para ele. Ele se levanta esquecendo do corpo estraçalhado do cão e vem em minha direção, mancando sem parar. Ele não tinha sinais de mordida ou qualquer arranhão. Infarto? Talvez, mas como ele virou um deles?- Uou!- Sou interrompida de meus devaneios quando sou derrubada pelo corpo magro do velho, ele só grunhia e tentava me morder, na verdade, tentava também me acertar com suas garras incrivelmente grandes, eu só desviava quase que desesperada, até pegar uma flecha e fincar em sua cabeça, e o fazendo cair em cima de mim.- Merda....- Murmuro toda suja e o tiro de cima de mim. A flecha voltou para a minha mão, a peguei por reflexo e guardei na bolsa de flechas (Não sei o nome desse troço não).

Peguei as chaves  de cima da mesa e novamente passei pelo corpo do cachorro. Agora que percebi uma coisa.... TEM VÁRIOS ANIMAIS MORTOS NESSA PORRA! Ambos sofreram demais, tanto o seu Epamilondas que teve que devorar seus próprios amigos, e os cachorros  e gatos, que foram devorados vivos. Acertei a flecha em cada cachorro pra ter certeza né, vai saber.

Mano.... Isso é cruel. Saí daquela casa irritada com tudo isso, pra quê os idiotas dos humanos tinham que tentar inventar isso?! Pra que a vida eterna se a pessoa tem uma fome eterna? E pela própria espécie?! Que droga!

-O quê aconteceu com você?!- Todos perguntam vendo meu estado. Eu não recebi nenhuma mordida ou arranhão, mas tô muito cansada. Lutar contra um zumbi, corpo a corpo é meio difícil, ainda mais quando ele está em cima de você e tenta te acertar tanto com a boca, como com as garras.

-O Seu Epamilondas virou um deles.- Digo com falta de ar.

-Mas como? Não tem nenhum deles aqui.- Meu pai diz.

-Esse é o problema. Ele não tinha mordidas ou arranhões. Ele parece ter tido um infarto.- Digo.

-É verdade que ele estava bem velho já, mas e os cachorros?- Minha mãe pergunta.

-Mortos, e devorados pelo mesmo.- Digo séria.- Só não sei se os cães viram zumbis também, mas atirei uma flecha na cabeça de cada um, pra ter certeza.

-Nossa.- Juliana faz uma cara de choro.- Tadinhos.

-É melhor entrarmos. Vai saber quantos creepers podem aparecer.- Digo andando.

-Ela está levando essa "vida e minecraft" muito a sério.- Mariana diz com uma gota.

-To só zoando gente. Vamos descansar.- Rio.

 

 

 

Depois de muito tempo tentando dormir e sem ter resultado, decidi pensar e levantar hipóteses, me apoiei numa poltrona vermelha e comecei a pensar. Por quê o seu Epamilondas virou um zumbi se ele morreu de infarto? Por quê e como isso é possível? Não faz sentido. Como ele pode estar infectado sem nenhuma mordida? Essa pergunta fica rodeando pela minha cabeça, e eu não ter a resposta para ela me deixa aflita. Eu preciso de todas as respostas, preciso saber de tudo. Não posso errar um passo sequer. A vida de todos está nas minhas mãos, se eu fizer algo errado.... Todos morremos.

Então como é possível? Será que todos já estamos infectados e nem sabíamos? Será que é uma questão de tempo até todos os humanos da face da terra se transformarem também? Ou o único problema é se você morrer e já era? Como pode?!



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...