História A Submissa Do Marco Reus - Capítulo 15


Escrita por: ~

Exibições 445
Palavras 1.665
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Fantasia, Hentai, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Sorry qualquer erro, estou exausta :\

Boa leitura!!

Capítulo 15 - Sentimentos não revelados


Fanfic / Fanfiction A Submissa Do Marco Reus - Capítulo 15 - Sentimentos não revelados

 

''Como assim vc só vai casar no civil?''

Luzia estava de boca aberta, e eu olhando para a vendedora com dois modelos de vestidos simples nas mãos.

''Decidimos que vai ser melhor assim...''

Provei alguns modelos e gostei especialmente de um por ser rendado e com toque de sofisticação.

''O pai dele concorda com isso?''

Realmente eu precisava esclarecer algumas coisas com minha prima, pedi que ela esperasse e logo iria entender tudo. Fiz mais uma prova para os ajustes e saímos. Pedro nos levou até um restaurante para almoçar, era o momento de confiar em alguém, minha prima era a pessoa mais próxima a mim e eu não podia ficar escondendo algo tão sério.

''Vamos comer e eu te explico tudo.''

''Do que vc ta falando, Ana Letícia?''

''Preciso que confie em mim, no que estou fazendo.''

 

Pov Marco

''Como estou?'' ajeitei a gravata borboleta.

''Uau, lindo.''

Sorri em resposta a Eddie que parecia mais ansioso que eu para esse casamento.

''Obrigado.''

''Modesto...''

Liguei para Pedro, queria almoçar junto com Ana e sua prima, seria legal uma aproximação dela já que é a unica pessoa mais próxima da minha submissa. Em quinze minutos estávamos no restaurante. Pedi uma mesa e apos Eddie sentar-se fui cumprimentar minha morena.

Ana ficou surpresa, senti que atrapalhei alguma conversa.

''Vamos almoçar ali, fiquem a vontade.'' dei um selinho nela e voltei para a mesa de Eddie.

''A prima é gatinha.''

''Não reparei.''

Eddie ri me olhando indignado.

''Só tem olhos para a sua noiva?''

Ignorei e peguei o cardápio escolhendo um prato leve que me me sustente pelo resto do dia.

''Posso falar uma coisa?''

Encarei os olhos negros do meu amigo.

''Fala.''

Ele se aproxima apoiando o cotovelo na mesa.

'' Tem certeza que não esta apaixonado por ela?''

Tomo um gole de água, tentando não me precipitar com a resposta. Eu estava certo de que tudo entre nós era negócios, e em dois anos eu já estarei enjoado dela... tudo muda em dois anos...

''O que mudaria?''

''Meu amigo.'' ele sorri voltando a se encostar na cadeira ''Muda tudo.''

''Por exemplo?'' eu não queria admitir o que sinto por Ana, e tinha medo de que isso me sufocasse por dentro. Talvez falar com alguém possa me ajudar.

''Tipo, se vcs sentem o mesmo um pelo outro, tudo pode ser diferente.''

''Não quero complicar as coisas, vou deixar que o tempo me mostre quem ela realmente é.''

Eu não sabia muito sobre essa mulher, nem ao menos o que ela pretende ser da vida, seus sonhos e planos, muito menos sei o motivo pelo qual ela aceitou se submeter a mim por esse dinheiro.

''Na minha opinião, o tempo no caso de vcs, pode estragar tudo.''

O garçom pede licença perguntando em seguida se já tínhamos escolhido.

(...)

Ana estava de costas para mim, mas eu podia imaginar o tipo de conversa tensa que elas estavam tendo pelo semblante de sua prima, ela me olhava as vezes com um semblante preocupado, tentei ignorar o que se passava ali, se Ana estiver contando a verdade sobre nós dois não irei perdoa-la.

 

Pov Ana

''Então vc esta trabalhando para ele?''

''Sim Luzia, como assistente pessoal, mas eu me apaixonei antes...''

Não tive coragem de dizer a verdade, isso também poderia por em risco a confiança de Marco em mim.

''Ele me disse que vcs se conheceram quando vc estava trabalhando para uma familia que era amigos do pai dele, verdade isso?''

''Sim, mas isso é o de menos, eu to feliz.''

''Tenho medo dele estar brincando com vc.''

‘’Eu sei me cuidar, não se preocupe.’’

‘’Sei disso Ana Le, só quero que seja feliz, vc merece.’’

Não sei se Marco era a minha felicidade, mas no final disso tudo veremos.

Pedi que ela me contasse exatamente o que ele lhe perguntou durante o dia que passaram juntos. Eu não tinha muito a esconder, mas sei que se ele for a fundo no meu passado pode descobrir coisas que o deixe muito irritado.

***

Deixamos Luzia em casa e Pedro me levou direto para o hotel.

‘’Por que o Marco não quer que eu vá para casa?’’

‘’Senhorita, estão preparando alguma coisa... mas se eu falar o patrão pode brigar comigo.’’

‘’Que coisa?’’

‘’Não posso falar, me perdoe linda.’’

Sorri em nervoso. O que Marco está tramando que eu não posso saber?

Tomei um banho tentando relaxar meu corpo.

‘’Serviço de quarto.’’ sorri com a voz do meu dono quase uma hora depois da que eu cheguei.

‘’Como foi seu dia?’’

‘’Bem, e o seu?’’ Ele coloca as sacolas no sofá e se aproxima sentando ao meu lado na cama, a Tv estava ligada na Warner.

‘’Melhor agora’’ Marco segura em minha mão sobre meu colo acariciando-as junto a sua enquanto mexia no meu anel.

Olhei em seus olhos verdes me sentindo confusa com esse afeto.

‘’Já escolhi minha roupa, espero que goste.’’

‘’Posso ver?”

‘’Não. Vai que dá azar também.’’

‘’Isso faz diferença?”

Marco me olha serio.

''Vou tomar um banho, vista um biquíni quero ir para a piscina com vc.''

''Do hotel?''

''Sim, é aquecida.''

Queria perguntar sobre o por que estamos aqui e não em sua casa, mas preferi me calar.

 

O corpo de Marco era quase uma obra de arte. Lindo. O tempo que não estávamos juntos eu sabia que ele dedicava a malhação. O loiro me comeu com os olhos o caminho todo até a piscina mantendo apenas sua mão na minha de forma firme.

Ele me soltou e pulou na água nadando ate o outro lado; o sol estava se pondo calmamente atrás de nós. Pulei e tentei não me afogar, fazia muito tempo que eu não nadava. Marco voltou depois de pegar ar e me segurou pela cintura dando apoio ao meu corpo desequilibrado. Seu rosto molhado e lábios ofegantes me encheram de vontade de beija-lo.

''Me diz, o que sonha para o seu futuro?''

Me encosto na borda da piscina presa entre seus braços.

'' Não pensei em nada ainda.''

''Nada?''

Seus olhos verdes me fitam e eu tremo de desejo por senti-lo me tocando, me beijando como ele faz quando esta de bom humor.

''Eu...ainda tenho tempo para pensar.''

Sinto sua mão em meu cabelo juntando os fios molhados para trás, sua boca toca meu pescoço me estremecendo inteira, seus lábios quentes tocando minha pele sensível estava me deixando loca. Agarrei seus cabelos da nuca tentando beija-lo, mas Marco afundou a cabeça na água apertando meu seio com sua mão e o outro com sua boca. Gemi fechando meus olhos.

''Melhor irmos para o quarto.''

''Quero te comer aqui.''

''Marco.'' resmungo preocupada quando sinto sua mão em minha calcinha.

''Vc esta linda nesse biquíni''

Eu poderia dizer o mesmo dele naquela sunga preta...

Mordi meu lábio contendo um gemido mais alto quando ele me penetrou um dedo movendo para dentro de mim em movimentos calmos, provocadores.

''Me beija.'' pedi com a voz falha

Marco sorriu safado.

''Só se vc apertar seu corpo gostoso no meu e me deixar transar com vc aqui.''

Engoli em seco olhando ao redor.

''Não se preocupe, essa área esta interditada para nós dois.''

''Vc é um safado.''

Marco morde meu lábio e passa sua língua deliciosamente em minha boca ofegante. Pulei em seu colo e ele me prensou ainda mais contra a borda.

''Vc não pode me julgar, já ta toda molhadinha pra mim...''

Meu coração acelerou quando ele abaixou a sunga e procurou minha entrada afastando minha calcinha para o lado e me preenchendo em uma estocada lenta e cuidadosa. Mordi seu ombro sentindo meu corpo esquentar em tesão, a sensação de tê-lo dentro de mim, quando assim carinhoso, eu era a mulher mais realizada no sexo do mundo.

Ele geme me olhando nos olhos, o verde deles ganhou um tom mais profundo. Sua boca tomou a minha em um beijo profundo, agarrei ainda mais seus ombros deixando-o me ter, me fazer dele. Em movimentos ritmados do seu corpo contra o meu gozei. Marco apertou minha bunda com as duas mãos me fazendo gemer mais alto e quase chegar ao orgasmo de novo.

''Me olhe nos olhos Ana.''

Obedeci sentindo seu corpo me possuir mais forte e rápido.

''Quero que goze comigo.''

Meu corpo parecia mil vezes mais quente, mesmo com toda a água ao nosso redor. Insistente com suas mãos em minha bunda e em movimentos contínuos, fechei meus olhos me rendendo mais uma vez ao orgasmo que tomou meu corpo deliciosamente. Senti Marco gozar dentro de mim me marcando, me fazendo sua. Agarrei seu rosto juntando mais uma vez nossos lábios sentindo sua respiração tão acelerada quanto a minha.

''Chega...'' ele me afasta ''Preciso fazer umas ligações.''

Me sinto triste por ele agir assim tão frio comigo depois do que fizemos, mas eu já estava me acostumando e aprendendo a lidar com o humor dele. Marco ajeita a sunga e sai me pegando pela mão, minhas pernas ainda estavam tremulas. Ele sorri e me pega em seu colo.

''Marco, me solta!'' ele não me atende, só me deixa de novo no chão quando entramos no elevador.

''Estou treinando para a nossa lua de mel.''

Marco me abraçou de frente para ele, eu ainda podia sentir seu coração acelerado sob o peito molhado e ainda ofegante.

''O que esta fazendo na casa? por que estamos nesse hotel?''

Marco arqueia a sobrancelha.

''Vou dar uma festa de noivado.''

Meu corpo gelou.

''Vai me apresentar para todos como sua noiva?''

''Sim. Eu preciso disso, meu pai tem muitos amigos.''

Tentei entender o que significava isso tudo, mas isso jamais eu conseguirei.

''Se incomoda?''

''Na verdade não. Mas, e depois dos dois anos?''

Marco aperta minha cintura colando meu corpo ao seu, senti seu penes ainda ereto me mostrando o quanto esse loiro esta disposto hoje.

''Pessoas se separam não?''

Assenti. Marco estava indo longe demais com isso, acho que esta na hora de procurar a outra submissa dele e descobrir o que aconteceu quando tudo acabou.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...