História A Supernatural High School - Heathens - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Magcon, Supernatural, Taylor Momsen
Personagens Aaron Carpenter, Balthazar, Bobby Singer, Cameron Dallas, Carter Reynolds, Castiel, Crowley, Dean Winchester, Jack and Jack, Lúcifer, Matthew Espinosa, Nash Grier, Personagens Originais, Sam Winchester, Sammy Wilkinson, Shawn Mendes, Taylor Momsen
Tags Anneliesesinger, Oldmagcon, Spn
Exibições 88
Palavras 1.239
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Crossover, Escolar, Famí­lia, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Sci-Fi, Suspense, Terror e Horror
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Alôô, capítulo novo, sem atrasos (amém)
Espero que gostem.

Capítulo 7 - The Dark Side


Fanfic / Fanfiction A Supernatural High School - Heathens - Capítulo 7 - The Dark Side

Tudo passava na minha mente como um filme, nada acreditável ou sensato, tudo distorcido e barulhento. Um cheiro forte de sangue e um gosto metálico na boca. E então eu abri os olhos.

Eu levantei da cama e caí no chão, lembrando do meu sonho e então eu gritei o nome do anjo, que foi a primeira coisa que me veio na cabeça.

- Castiel. CASTIEL.

A única coisa que me veio, era Sam me segurando mais cedo.

- CASTIEL, ONDE VOCÊ ESTÁ? - Eu gritei mais uma vez, agora eu estava sentada no chão ao lado da minha cama. Eu estava fraca e com dor de cabeça, o que está se tornando normal, ultimamente.

A porta do quarto abriu e Dean entrou assustado olhando pra mim.

- O que foi? Por quê tá gritando? Porque tá no chão?

- Cass, cadê ele? Dean eu... Eu preciso ver ele. - Eu gelei ao pensar em Castiel morto por minha causa.

Dean me levantou e me apoiou no ombro, me sentou na cama de novo, fechou a porta, sentou na minha frente e fechou os olhos.

- Cass? Está aí? Precisamos de você aqui em baixo.

- O que tá fazendo? - Perguntei sacudindo Dean e fazendo ele abrir os olhos. Eu estava toda desesperada e ele totalmente calmo.

- Ele é um anjo, basta rezar e esperar ele te ouvir. Se ouvir. - Ouvi barulho de pássaros, vários pássaros voando. E a voz relaxante de Castiel.

- Dean? Marie? O que foi? - Ele estava com a feição confusa.

- Castiel! - Corri até ele e segurei seus ombros e lhe dei um beijo na bochecha. Ele ficou parado sem entender necas. Assim como o Dean.

- O que aconteceu, Anneliese? Por que o desespero? - Dean apareceu no meio e me afastou.

- Hoje, na aula do Sam eu caí no sono, e tive esse sonho. Minha mãe gritando e sangue e uma luz branca muito forte e Castiel morto do meu lado. Parecia muito real, eu sentia uma dor horrenda no sonho, uma dor na minha cabeça e acordei na sala com a mesma dor. Sentindo o gosto do meu sangue, ou o sangue do Castiel. Eu não sei.

- Foi apenas um sonho, deve ter sido influência sobre o que Sam estava dizendo. - Dean tentou me acalmar mas não dava.

Sacudi a cabeça e saí do quarto, brava com Dean por não acreditar em mim.

- Filho da puta, quem ele acha que é. "É só um sonho". - Acabei esbarrando em alguém e era Rebecca e Nora. Decidi ignorar, do jeito que Dean me deixou com raiva, era capaz de eu descontar nelas. Simplesmente continuei andando em direção ao gramado.

- Anne, espera. - Dean gritou no fim do corredor e vinha andando pro meu lado. Parei e esperei ele chegar até mim. Tossi algumas vezes, o gosto de sangue subiu na minha garganta, mas não havia sangue, minha boca estava seca de raiva.

- O que é? - Perguntei olhando para os meus sapatos.

- Eu só quero conversar.

Nós andamos até o gramado e eu fiquei parada esperando ele falar. Depois de alguns minutos sem falar nada, decidi sentar na grama e olhei ele fazer o mesmo.

- Como veio parar nessa bagunça toda ? - Perguntei olhando para os olhos de Dean, esquecendo totalmente que estava brava com ele.

- Longa história. - Ele me olhou.

- Eu tenho tempo, Dean. Já me cansei de ninguém me contar as coisas. - Revirei meus olhos de um modo que me fez ficar tonta.

- Quando Sam fez 6 meses de vida, na mesma noite minha mãe foi morta por um demônio. Esse demônio a prendeu no teto do quarto do Sam e a queimou viva. - Eu o encarei de boca aberta ele também me olhava. - O mesmo demônio sangrou na boca dele depois.

Meu queixo caiu mais ainda.

- Meu pai virou caçador por causa disso, nós passamos quase nossa vida toda tentando achar o tal demônio. Um dia, muito tempo depois, sofremos um acidente, eu fiquei em coma e quase morri, meu pai vendeu a alma pra me salvar.

- Essas coisas de encruzilhada são de verdade? - Dean balançou a cabeça e continuou. - Sinto muito, Dean. - Ele sacudiu a cabeça em concordância.

- O sangue que o demônio deixou em Sam começou a fazer efeito, e Sam tinha visões de pessoas a beira da morte, aliás existia um grupo de pessoas com um poder psíquico. - Ele continuou.

- O demônio também sangrou na boca deles? Com qual propósito? - É uma coisa bizarra de se pensar, por que um demônio sangraria na boca de vários bebes?

- Azazel queria um exercito de humanos com poderes pra dominarem a terra.

- Vocês mataram esse demônio? Como? - Era incrível como meu interesse era grande.

- Depois de muito esforço, nós tínhamos uma arma capaz de matar qualquer coisa. Mas antes disso Sam morreu nessa briga, eu acabei o trazendo de volta.

- O que? Como? - Ele olhou pra baixo. - Você também vendeu sua alma?

- Foi assim que conhecemos Cass. Ele me tirou do inferno, e nessa confusão toda Sam acabou libertando o apocalipse, e indo pro inferno junto com lúcifer e perdendo a alma lá em baixo.

- Por isso Sam é tão babaca? Ele não tem a alma e fica olhando as pernas de garotas de 15 anos? - Eu falei incrédula.

- Basicamente. Sam é um poço de santidade, sem a alma ele é tão... Eu.

- Isso é tão... Sei lá. - Ele sorriu me fazendo sorrir junto.

- Hey, por que o Cass te chamou de Marie?

- É meu nome do meio, eu falei que ele podia me chamar assim ou de Mulher Maravilha. Ele escolheu Marie. - Eu olhei pra baixo desapontada. - Eu queria que fosse Mulher Maravilha, mas ele não sabe quem é. - E nós rimos.

Logo meu sorrido desapareceu.

- Dean, por que não acredita em mim? Eu posso jurar que foi vivido, eu não sei explicar.

- Esquece isso, Anne. - Ele me empurrou com o ombro e eu empurrei de volta, mas ainda séria sobre o assunto.

- Não, Dean. Era como se eu estivesse fazendo aquilo, o sangue era meu e eu estava sentindo ele escorrendo de mim.
A luz branca queimando no meu peito e minha cabeça explodindo de dor por causa dos gritos. - Respirei fundo e o olhei - E ai, eu desmaiei.

- Isso tudo em um sonho? Estou surpreso que está viva. - Dean falou debochando.

- Era como se eu estivesse lá, como num filme.

- Tudo bem, converse com Cass, ele vai te dizer o mesmo. Isso não deve ser nada de mais, OK. - Dean levantou e me deixou sozinha pensando no sonho.

- OK. - Levantei e fui pro meu dormitório, onde Rebecca estava deitada lendo algo.

Ignorei ela, não quero um monte de perguntas. Voltei a me deitar e dormir, mesmo sendo 16:00 da tarde. Yoda pulou em mim, deitando sobre meu peito e adormecendo comigo.

Minha alma. Escura e clara ao mesmo tempo? Será que era a mesma coisa do sonho? A luz branca saindo de mim e a escuridão me puxando?

Tipo, os dois lados da força?

Eu tenho que parar de associar as coisas com Star Wars.


Notas Finais


E aí? O que acharam do capítulo? Comentem e favoritem a fic e até a próxima semana. ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...