História A traição - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Luan Santana
Personagens Luan Santana, Personagens Originais
Tags Adultério, Comedia, Drama, Romance
Exibições 27
Palavras 2.482
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Meninas o último foi excluído (por mim mesma) pois eu não gostei kkkkkk fiz algumas mudanças e repostei com um final diferente kkkkkkkkkkkk A CRYSTAL NÃO MORREU KKKK achei que era muito cedo kkkk

Capítulo 3 - Tudo errado


Fanfic / Fanfiction A traição - Capítulo 3 - Tudo errado

Luan

Minha cabeça girava, minha vontade era de matar Caroline. Como ela se atreveu a vir na empresa. 

— Rosa me trás um whisky — ouvi ela reclamar algo sobre beber durante o trabalho — faz o que eu estou mandando Rosa. 

Desliguei o telefone e respirei fundo. Eu estava literalmente ferrado.

— Luan — Rober disse entrando sem bater na porta — temos uma reunião em 5 minutos. Está pronto?

— Cancela essa droga. Não irei em reunião alguma e... — fui interrompido por Rosa entrando com uma garrafa de whisky e dois copos — deixa isso em algum lugar.

Fiz menção de pegar o copo, mas Rober tirou ele da minha mão.

— O que tá acontecendo com você, Luan? Ficou louco, bebendo no trabalho.

— Louco eu vou ficar se a Caroline não sair da minha vida. Desde que essa piranha voltou de Madrid, minha vida se tornou um verdadeiro inferno.

— Sua vida se tornou um inferno, porque você deixou Luan. Você aceitou que a Caroline entrasse na sua vida e reze pra que ela não abra a boca no dia do seu casamento. 

Caroline

— Quem ele pensa que é Luís? — joguei a bolsa em algum canto qualquer  — eu jamais vou aceitar isso — joguei a primeira coisa que vi na parede — se ele pensa que vai me deixar e eu irei ficar quieta, ele está muito enganado. Eu vou acabar com ele.

— Para de gritar Caroline, não se esqueça que você está na sua casa e alguém pode ouvir — Luís disse quase gritando — desde quando você precisa do Luan para alguma coisa Caroline? — me abraçou pela cintura e depositou um beijo no meu pescoço — é só aceitar ser a minha princesa.

— Princesa? — soltei uma gargalhada — olha pra esse lugar Luís! Esse apartamento de quinta, você nem se quer tem um carro.

— Claro que tenho Caroline, não me ofenda.

— Aquela lata velha que você chama de carro, aquilo para mim não passa de um lixo ambulante. Jamais deixaria o Luan para ficar com um pé rapado como você. Você sabe querido — dei um beijo no canto da sua boca — nossa relação não passa de algo sexual, e alguns favores.

— Ele não te ama garota. Coloca isso na sua cabeça.

— Eu amo ele e é isso que importa — minha cabeça girava — a Crystal não vai ser feliz com ele, não vai Luís. Isso eu prometo.

— Você está ficando louca Caroline. Ele já deixou claro que não te quer mais, para que insistir?

— E quem disse que eu quero ele por amor? Eu quero o dinheiro dele e...

A porta do meu quarto foi aberta com força e a figura loira parada me olhava com um olhar mortal.

— Interrompo a conversa? — Ivy perguntou sorrindo.

— Claro que não sua ignorante. E desde quando você abre a porta do quarto das pessoas dessa maneira, sem bater? O que é sua pobre coitada? Deu pra ouvir conversa dos patrões agora? 

— A pobre coitada veio perguntar a madame, se a senhorita quer almoçar agora ou vai esperar os seus pais? 

— Isso não é dá sua conta. Some daqui, sai agora — peguei um vaso e joguei na direção dela, mas acabou pegando na porta — eu já mandei você sair daqui — ia jogar alguma coisa mas Luís me segurou.

— Você podia ter me machucado com a porcaria de desse vaso.

— Pois eu gostaria que você morresse, que você fosse pro inferno sua empregadinha de quinta. Agora some daqui. 

Respirei fundo quando ela saiu da minha visão e a porta foi fechada. 

— Caroline, ficou louca? O que foi isso?

— Louca? Estou completamente doida. Eu preciso beber, vem.

Crystal

— Ivy fiquei sabendo que a Caroline te tratou mal hoje. Porque não me disse antes?

— Crystal você já tem problemas demais, para eu ficar te enchendo. 

— Ivy olha pra mim agora — coloquei uma mecha do seu cabelo de lado — você sabe que pra mim você não é uma empregada. Pra mim você é a minha melhor amiga e sempre vai ser. Eu vou ir embora daqui alguns meses e....

— Não repete mais isso Crys...

— Você sabe que é verdade e temos que aceitar. Você vai morar no meu coração pra sempre e onde eu estiver eu vou estar cuidando de você e por favor cuida do Luan quando eu for embora. Promete?

— Prometo minha amiga — fomos interrompidas com Luan entrando no meu quarto, ele estava acompanhado de Rober.

— Interrompo as duas mulheres da minha vida? — disse me dando um selinho e um beijo no rosto de Ivy — dona Ivy esse é Rober, meu parceiro. 

Ivy cumprimentou Rober com um beijo no rosto e pude ver ela ficar vermelha, ela havia gostado dele. 

Caroline

— Você é demais — Luís quase não tinha voz após mais um rodada de sexo.

— Vai fazer o que te pedi?— acendi um cigarro que encontrei na mesinha.

— Destruir o casamento da sua irmã? Eu não sei, preciso pensar Caroline.

— Dona Caroline.

— Eu não sei se quero participar dessa confusão.

— E você acha que eu não mereço — me sentei em cima do seu membro quase ereto e rebolei.

— Você merece tudo. Inclusive que eu fique aos seus pés, ajoelhado, todos os dias. Mas o seu amante é um homem muito poderoso. 

— E logo vai deixar de ser muito poderoso. Vai virar uma mosquinha, um nada. Só basta você me ajudar. É pegar ou largar.

— Eu pego — gemi alto quando senti que iria gozar.

— Muito bom, Luís. Você não vai se arrepender.

— E como pretende destruir esse casamento? 

— Quando chegar a hora eu te falo.

Luan

O jantar havia sido ótimo, um clima gostoso. Estavámos na sala de estar conversando animadamente sobre a última viagem dos meus pais e sobre os micos que eles haviam pagado em Las Vegas. 

— Eu não acredito que você fez isso pai e... — a conversa foi interrompida com um barulho de vidro se quebrando e várias risadas vindo da porta de entrada. 

Vi a boca de uma das convidadas se abrir em um perfeito "ó" de espanto, ao ver Caroline ser preensada contra a parede e o homem que à acompanhava erguer seu minúsculo vestido vermelho deixando a mostra sua calcinha. Os dois riam, o cheiro de bebida inundou o comôdo.

— O que é essa baixaria Caroline? — o pai de Crystal se levantou indo em direção a Caroline e praticamente arrancou ela dos braços do rapaz — ficou louca garota? Está achando que essa casa é um bordel? 

— A sua filhinha vive transando com o noivinho dela e ninguém nunca reclamou — riu debochada — a sua tão querida filhinha.

Crystal

— Nunca mais fale assim de mim — acertei um tapa no rosto de Caroline — eu sou bem diferente de você. 

Senti Luan me puxando pela cintura e me levando pra cima. 

— Se acalma meu amor — limpou algumas lágrimas do meu rosto — ela tá bêbada, não ligue pra ela.

— Ela tem razão Luan. 

— Não. Ela não tem Crystal.

O abracei, ele me confortava e essa era uma sensação ótima. 

Luan

Esperei algum tempo para Crystal cair no sono e fui para o quarto de Caroline. A maldita não estava. Ela só poderia estar no meu apartamento. Encontrei Ivy conversando com Rober na sala.

— Se a Crystal acordar diga que fui resolver um assunto rápido e logo estou de volta.

Sai em disparada até o meu prédio, meu sangue fervia. Cada segundo dentro daquele elevador me deixava mais louco de raiva.  Respirei fundo quando a porta se abriu e pude ver a sala da minha casa. 

Encontrei Jéssica tomando uma taça de vinho e ela ria de algo que Caroline gritava do meu quarto. 

— Que absurdo Luan — me olhou com um olhar indignado — como você deixa tratarem a Caroline daquele jeito? Ela é sua mulher.

— Cala a boca! — seu olhar mudou para espanto — saia agora do meu apartamento — retirei a taça de vinho da sua mão e a joguei na parede.

Fui em direção ao meu quarto, e senti o perfume enjoativo de Caroline. Ela estava sentada na minha cama e usava uma das camisolas que havia deixado no meu ármario. 

— Quem te deu o direito de falar com a Crystal daquele jeito? — aumentei o tom de voz o que à fez se assustar.

— Luan me desculpa. Eu não queria chegar naquele situação em casa, passei dos limites. 

— As suas safadezas não me interessam Caroline. Quero saber como tem coragem de falar daquela maneira da sua irmã?

— Mas eu não disse nada que ela não saiba meu amor — me abraçou e eu senti um nojo — ela vai morrer mesmo e isso sera nossa libertação.

— De onde vem tanta frieza Caroline? — a empurrei, não queria ela por perto.

— Qual é, Luan? Deu pra defender a morta viva agora? Todo mundo sabe que ela tá a ponto de partir dessa pra melhor. Voltou a amar ela? Eu sou muito melhor que ela, ela é um lixo. 

Caroline

Senti meu rosto arder com o tapa. 

— Você me bateu? 

— Você quer acabar com a sua irmã garota. Mas se depender de mim ela viver por muito tempo. 

— Quero sim. 

— Tira essa roupa, porque ela não é sua. E sai do meu apartamento. 

— Eu não vou sair — sorri com o deboche de sempre — pode gritar, pode me ameaçar. Mas eu não saio daqui.

— Saia dessa casa Caroline — senti um segundo tapa, ainda mais forte. 

— Não saio — gritei ainda mais alto. 

— Saia — um terceiro tapa e um gosto de sangue invadiu minha boca.

— Luan não faça isso — Rober segurou Luan que estava vermelho, Ivy e Jéssica me olhavam espantadas.

— Agora você vai sair Caroline. Você e essa sua amiga ridícula. Eu quero as duas fora daqui.

— Não saio — me sentei na cama e o encarei — você pode me bater, pode me espancar se quiser, mas eu não saio daqui. Você é meu e não daquela doente.

— Sai dessa casa ou eu acabo com você. 

— Já disse que não saio — dei o meu melhor sorriso ajeitando meu batom.

— Você vai sair — se soltou de Rober e veio na minha direção — você vai sair — sua mãos seguraram meu pescoço com força e eu comecei a gritar.

— Ele vai matar ela Rober — ouvi uma voz no fundo que parecia ser de Ivy. 

Luan

Minha vontade era de matar ela, eu não queria soltá-la.

— Solta ela Luan — Rober tentou me puxar mas não conseguiu e pude ver que Caroline estava pálida — não faz isso Luan, solte ela.

— Ela quer matar a mulher da minha vida e eu não vou deixar — apertei ainda mais seu pescoço.

— Solta ela agora — Rober me puxou para longe dela — se acalma agora, Luan. 

— Você não vai se casar com ela Luan.

— Você tem dois minutos para sair dessa casa, e devolve essa camisola que não é sua. E fique sabendo que eu vou até o fim, eu vou me casar com a Crystal. Porque é ela que eu amo. E se acontecer alguma coisa, eu acabo com você.

Me soltei de Rober e fui para a sala, eu tremia de raiva. Minha vontade era de voar em cima dela, quando ela passou por mim, indo embora. 

— Alguém me explica que história é essa? — só agora percebi que Ivy estava aqui — você e Caroline tem um caso, Luan?

— Isso Ivy. Tivemos um caso durante muitos anos, estou tentando me livrar dela tem semanas, mas ela não abre mão — virei o copo de vodka e senti minha garganta arder — ela quer infernizar a minha vida.  Eu não aguento mais.

— Como você conseguiu enganar a Crystal? Ela sempre foi uma ótima namorada? Porque fez uma coisa tão baixa, Luan?

— Eu errei, eu sei. Mas estou tentando me redimir — uma vontade de chorar me invadiu e não aguentei — eu não consigo me ver sem a Crystal, eu não quero ficar sem ela. 

— Vai ficar com ela Luan. Ela já deve ter acordado. 

Crystal

Acordei com a voz alterada de Caroline e Jéssica no corredor, ela reclamava de algo que não prestei atenção. O relógio de cabeceira ainda marcava 22:40, criei coragem e me levantei para tomar um banho. 

Perdi a noção do tempo no banho, adorava a sensação da água quente no corpo, me sentia calma. Desliguei a ducha e sai do banheiro enrolada  no roupão, dei de cara com Luan lendo algo na minha agenda. 

— Uma hora e quarenta minutos, isso que é banho meu amor! — me abraçou forte e cheirou meu pescoço — esta melhor? 

— Estou muito melhor amor. Achei que tinha ido embora. 

— Fui resolver um problema da empresa, mas já estou de volta. Seus pais deixaram um bilhete na porta do seu quarto, avisando que não irão dormir aqui hoje — Luan me pegou no colo e me preensou na parede — podemos aproveitar. 

Agarrei minhas pernas na cintura dele e senti sua língua invadir minha boca, um beijo quente, delicioso. Luan caminhou até a cama, se sentando comigo em seu colo. Me arrepiei quando senti sua mão puxar meu cabelo. Tirei sua camiseta e o fiz deitar na cama. Beijei seu pescoço e fui descendo até chegar na sua barriga. Sorri safada ao abrir o zíper da sua calça. 

— Você me deixa louco Crystal.

Ele me ajudou a tirar sua calça e a cueca. Pirei quando ele gemeu ao sentir minha boca no seu pênis.

— Caralho Crystal. Sua gostosa.

Caroline

Acordei de madrugada, meu rosto doía. Decidi ir tomar um pouco de água, sai em silêncio do quarto para não acorda Jéssica. Passei pelo quarto de Crystal e escutei alguns gemidos. Uma vontade de chorar me invadiu e eu não aguentei.

Me sentei no chão ao lado da porta e tudo piorou quando eu ouvi "eu te amo", aquilo doía tanto, tantos anos vivendo um amor às escondidas e além de se casar com ela, ainda tenho que aguentar toda humilhação. 

Luan

Acordei com Crystal dormindo em meus braços, sai da cama sem fazer barulho. Ela era tão linda dormindo, uma mulher perfeita e eu nunca à valorizei. O que eu estava fazendo? Isso é tão errado e é tarde demais para se arrepender. 

"Parece que foi ontem

Que vi o seu rosto

Você me disse o quão orgulhoso estava

Mas eu dei as costas

Se eu apenas soubesse

O que eu sei hoje"

Me sentei em um puff e chorei, chorei de arrependimento. Crystal não merecia o que eu fiz. 

"Alguns dias eu me sinto destruída por dentro

Mas eu não admitiria isso

Às vezes eu apenas quero me esconder

Porque é de você que eu sinto falta

E é tão difícil dizer adeus

Quando se trata disso

 

Você me diria que eu estava errada?

Você me ajudaria a entender?

Você está decepcionado comigo?

Está orgulhoso de quem eu sou?

Não há nada que eu não faria

Para ter mais uma chance

De olhar em seus olhos

E ver você me olhando de volta

 

Me desculpe

Por te culpar

Por tudo

Que eu não pude fazer

E eu machuquei a mim mesma"

Eu deveria ser um homem de verdade e contar toda a verdade. Mas eu não consigo, eu me sinto um covarde, eu sou um covarde. 


Notas Finais


Música Christina Aguilera- Hurt
Espero que tenham gostado rsrs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...