História .a última carta - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Got7
Personagens BamBam, Jackson, JB, Jinyoung, Mark, Youngjae, Yugyeom
Tags 2jae, Bambam, Choi Youngjae, Drama, Got7, Im Jaebum, Jackjin, Jacknior, Jackson, Jackson Wang, Jaebum, Jark, Jinson, Jinyoung, Kim Yugyeom, Kunpimook, Mark, Mark Tuan, Markjinson, Markson, Morte, Park Jinyoung, Tragedia, Wang Kayee, Youngjae, Yugbam, Yugyeom
Visualizações 67
Palavras 1.039
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi gente! Demorei mas postei a continuação de “A 20ª Carta” (se você ainda não leu, tem no meu perfil e o link vai estar nas notas finais)
Eu espero que vocês gostem, boa leitura!

Capítulo 1 - I


Fanfic / Fanfiction .a última carta - Capítulo 1 - I

A brisa marítima batia contra o rosto pálido do moreno, os fios negros e desarrumados voavam conforme a mesma vinha em sua direção, aquilo seria uma sensação gostosa se ele não estivesse na situação em que se encontrava.

Jackson sentia a brisa contra si, os olhos fechados tentando conter as lágrimas que mesmo assim saíam, os pés descalços e machucados andavam pelo Píer sem se importar com a dor. Jackson já não se importava mais com a dor.

Desde que Mark fora tirado de si ele já não era mais o mesmo. Todos pensaram que sua mudança iria ser positiva, já que ele tinha perdido aquele quem dizia amar, mesmo não demonstrando. Talvez Jackson tomasse jeito e passasse a ser alguém melhor. Errado. Depois que o Tuan morreu ele só saía de sua cama para visitar o túmulo do mesmo, deixando as tão sofridas cartas que escrevia de mês em mês, desejando que em algum lugar Mark estivesse às lendo.

No momento em que seus pés alçaram o final do Píer, uma cena veio a mente de Jackson. Um sorriso. Aquele sorriso que ele gostaria de ter visto mais vezes, o sorriso que Jackson matava toda vez que conseguia ser idiota, sorriso que sempre era direcionado a ele. O sorriso de Mark. O Wang raramente fazia algo que fosse deixar alguém feliz, então por que Mark sempre estava sorrindo para si? Por que ele sempre estava sorrindo mesmo quando o namorado dele era um completo babaca? E Jackson encontrou sua resposta segundos antes de pular no mar.

Mark o amava.



Jackson abriu os olhos lentamente, piscando para se acostumar com a luz forte que fazia seus olhos doerem. Virou a cabeça para o lado, lembrando-se que estava em um hospital e que o médico havia o falado para descansar antes de ter alta quando acordasse.

As memórias do dia do afogamento estavam confusas na mente de Jackson. Ele se lembrava de se jogar do Píer na intenção de acabar com todo seu sofrimento, se lembrava de ter sido salvo, mas não do rosto de quem o impediu de morrer. Os médicos lhe disseram que era um rapaz - aparentemente recém adulto - e que o mesmo teria ficado no hospital até obter notícias de que o moreno estava bem. De certa forma Jackson agradecia por não ter visto o rosto do mesmo, pois ele não queria ser salvo e talvez se tivesse o visto teria ficado irritado.

Sentiu as lágrimas escorrendo pelo seu rosto, logo ouviu a porta do seu quarto ser aberta e se prontificou a limpar o mesmo, tentando parecer apresentável para sair logo daquele lugar.

— Vejo que está acordado, Jackson. – a enfermeira sorriu gentil, começando a checar o estado do Wang. — Sua mãe esteve aqui mais cedo. Ela parecia com pressa, e como você estava dormindo ela não quis te acordar. – se sentiu cabisbaixo ao ouvir o que a enfermeira lhe dizia, começando a desejar com todas as forças ter morrido afogado.

Sua mãe não era alguém ruim, mas nunca lhe deu a atenção que gostaria de receber de sua progenitora e isso fez Jackson ser uma criança triste, logo  se tornando um adulto amargo.

Seu pai não foi um pai presente. Na visão de Jackson, Wang Ruiji era só mais um bêbado inútil e babaca. Não dava a mínima para o pai desde que havia pegado o mesmo traindo sua mãe com uma vadia qualquer.

Jackson tinha apenas 10 anos quando aconteceu. A partir desse momento, a sua família nunca mais foi a mesma, nem ele.


O pequeno Wang havia acabado de chegar da escola, estava todo contente com o 10 que havia tirado em matemática, aquela matéria que tanto se dava mal.

O menino, com o sorriso no rosto, largou sua mochila no sofá da sala e subiu as escadas com a prova em suas mãos. Parou na frente do quarto de seus pais e escutou alguns sons estranhos, até então desconhecidos por si.

Jackson como o menino curioso que era, abriu a porta do quarto tentando não fazer barulho e viu uma mulher em cima de seu pai. Os dois nus, fazendo algo que o menininho - agora com os olhos arregalados e o chorando baixinho - não fazia ideia do que era, mas sabia que era errado.

— Pa-apai! – chamou Ruiji, que se assustou e olhou em direção a porta, gritando para Jackson sair dali. Era perceptível que o mais velho presente estava totalmente bêbado, mas Jackson não sabia. Ele nunca havia visto o pai daquele jeito em que se encontrava.

O menino saiu correndo, descendo as escadas e saindo de casa gritando pela mãe enquanto chorava.



Jackson chegou em seu apartamento, totalmente exausto de ficar naquele hospital, ouvindo que iria ficar bem e todas as coisas que sempre diziam por lá. Odiava a aura que lugares como aquele passavam. Era um ambiente impregnado pela tristeza, mas mesmo assim as pessoas sorriam e falavam que iria ficar tudo bem. Não iria ficar tudo bem, ele se lembrava bem de como chegou naquele hospital a dois anos atrás.

Estava aflito naquela sala de espera, esperando notícias de Mark e toda hora chegava alguém para lhe dizer que iria ficar tudo bem. Isso de certa forma acalmava o Wang, mas ele quis que todas essas pessoas fossem para o inferno quando o médico chegou com a notícia de que o mais velho não havia resistido ao impacto do caminhão.

Sentiu as lágrimas já querendo sair e permitiu as mesmas escorrendo por seu rosto. Deitou-se no sofá e se viu tomado pela dor em seu peito, lembrando dos poucos momentos felizes que tivera com o seu amado.

— Eu queria ter feito tudo diferente, Markie. – disse, após longos minutos chorando. Já sentia sua cabeça latejar e seus olhos pesarem. — Você não merecia isso. – fungou, fechando os olhos com força e puxando a almofada para seu rosto.

Gritou o máximo que conseguiu, gritou até sentir sua garganta arder. Ele sabia que merecia tudo que estava passando, que estava pagando o preço por ser o imbecil que era, mas também sabia que Mark não merecia ter a sua vida tirada. O garoto tinha tantos sonhos e Jackson arruinou eles. E mais uma vez o Wang gritou, como se aquilo fosse tirar todos os sentimentos ruins de dentro de si, ele gritou.


Notas Finais


Quem vocês acham que é o salvador do Jackson? Deixem nos comentários!!
Me mandem críticas construtivas <3
Espero que tenham gostado do capítulo. Até o próximo!!

A 20ª Carta: https://spiritfanfics.com/historia/a-20a-carta-6076390


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...