História A última com sangue de cura - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias As Crônicas de Nárnia
Tags Aventura
Exibições 9
Palavras 1.223
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, Magia, Mistério, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Mutilação, Tortura
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 3 - Recomeço pertubante


Fanfic / Fanfiction A última com sangue de cura - Capítulo 3 - Recomeço pertubante

 Alta, magra e ruiva. Essas são as características de Rose. Apesar de ela ser arrogante o resto está bom.

- Senhorita Luna, tudo está errado vamos começar novamente. Dois passos para a esquerda e três para direita e não ao contrário. Você vai ser a dama mais sublime depois da princesa. Faça as lições corretamente, por favor.

E a única coisa que eu respondia era ‘’sim tutora’’.

- Qual cor de vestido você deve usar para recepcionar visitas?

- Cores neutras? Como rosa ou azul?

- Finalmente uma resposta certa.

Não sei como Lilian aguentava aquilo.  Ela começou suas aulas desde os sete anos então eu estou um pouco atrasada. Mas eu soube que na música ela é péssima.

- Chegou a hora da música. Estou com dó dos meus ouvidos

Eu não contei para gerar certa expectativa em Rose. Quando eu e minha mãe visitamos o país Mizu eu tive aula de piano. Foi apenas um mês, mas deu para aprender uma música bem fácil que eu achava bonita.

- Vamos começar pelo piano.

- Está bem. Eu me sentei e abri o piano com delicadeza. Fazia tempo que eu não tocava então devo ter tocado algumas notas erradas. Eu tocava um pouco ruim com a mão esquerda, mas com a mão direita eu era ótima. Depois de dois minutos tocando, terminei a música.

- Nossa. Eu pensei que seria pior.

- Foi tão ruim assim?

- Não. Na verdade desse jeito você toca melhor que a princesa. Mas é claro que você precisa estudar mais. Duas horas por dia. Eu te ensinarei na parte da tarde. E a dança será antes dessa aula. As outras matérias você está razoável, será na parte da manhã. Está bem?

- Sim.

E esses foram meus dias normais por meses. Isso era a única coisa que me distraia. Toda semana ela enviava um relatório ao rei para ele acompanhar meu desempenho.

Mas enfim chegou o fim do ano. Não demorou muito afinal. Depois de tudo que passei eu não sei mais o que significa o termo ‘’tempo’’. Ás vezes me pergunta se eu já me esqueci de minha mãe e ‘’nossas aventuras pelo mundo’’. Eu já decorei todos os lugares do palácio, já conheço quase todos os funcionários. Mas eu juro que nunca, nunca mesmo, irei me esquecer do rosto de minha mãe. Lindo, era isso que pensava e vou continuar pensando até o último dia de minha vida. Ainda acho injusto o fato de ela ter morrido, assim pensarei quando criança e na minha vida adulta. E eu juro que ninguém poderá mudar isso. Ás vezes fico lendo aos sábados já que é o único dia que não tenho aulas. Estava lendo ‘’o curso da vida’’. Como as pessoas podem aceitar a morte? Será que a saudade não bate em seus corações? Eu realmente não entendo esse sentimento. ‘’Amor’’. Sentimento que meche com as emoções do ser humano e pode fazê-lo cometer atos inacreditáveis. Será que um dia eu sentirei isso? Mas por enquanto eu prefiro terminar o livro.

Festa de ano novo. Que alegria. ‘’Alegria’’, isso eu sentia há alguns meses, mas eu acho que eu me esqueci de como é. Quando vocês sente ‘’alegria’’ você sorri? Por que faz tempo que eu não me alegro com algo. Mas todas as pessoas ao meu redor estão sentindo isso, então eu também deveria sentir? São sorrisos para tudo que é lado. Minhas camareiras disseram que eu cresci então farão outro vestido branco. Meu guarda roupa é apenas com cores ‘’tristes’’. Verde com preto, Preto e vermelho, Verde. E todos são simples. Só pelo fato de eu ser considerada a ‘’dama de companhia’’ da princesa e a ‘’ futura médica mais importante do reino’’ não significa que eu devo extravagar nas roupas que uso.

- Um brinde a todos!- disse o rei James com uma taça de champanhe nas mãos.

Nessa festa só havia reis, rainhas e damas muito importantes. Eu fiquei no canto da sala e nem sequer comi nada. Lilian parecia se familiarizar com todos. Eu estava cansada e resolvi voltar para meu quarto. Eu sabia que a princesa iria me apresentar suas amigas.

- Luna vem aqui!- Ela veio trazendo uma menina de cabelos negros. - Esta é a princesa Mariana.

- É um prazer te conhe...

- Então essa é sua dama?

- Eu não a chamo assim! Ela é minha irmã.

-Me desculpe princesa Mariana, princesa Lilian. Eu vou me retirar para meus aposentos.

Eu nem sequer quis ver a cara delas. Eu gosto da solidão e não quero ser amiga dela. Eu acho que vou para meu quarto.

Quando estava subindo as escadas escutei passos atrás de mim acompanhado de gritos:

- Luna!

Era óbvio que só podia ser a princesa Lilian. Nossa às vezes reparo em minhas frases e percebo o quanto eu pareço com a dama pessoal da futura rainha ao trono. Está explicado por que Mariana me tratou daquela forma.

Quando eu cheguei aqui todos me tratavam mal. Dizendo o que eu deveria fazer ou não. Mas agora eu era livre para fazer e dizer o que penso. E como eu sou livre, naquele momento eu não queria falar com Lilian. Estava de noite, entrei na primeira porta que vi. Fiquei quieta por alguns instantes até o som das batidas do sapato de Lilian parassem.

-Ufaa. - suspirei. - Em que sala estou?

Acendi a luz rápido. Era a sala do rei. Legal, de todas as salas eu tinha que entrar justo nesta? Se alguns dos guardas me virem aqui dentro logo pensarão que estou mexendo nas cartas oficias, vendo as rotas, vendo as novas leis e isso seria um problemão.

Andei por toda sala, mas com o cuidado de não quebrar nada. Aproximei-me lentamente da mesa e olhei alguns papéis. Não me interessei de ler. Abri algumas gavetas, sei que isso é errado, mas o que custa? Não vou pegar nada mesmo. Depois de revirar várias gavetas achei algo que me interessei. ‘’Mapa do castelo’’ depois de folhear para ver se achava algo bom sobre o castelo cheguei à ‘’Mapa do labirinto’’. Dei um pulo de felicidade quando vi. Havia um desenho informando como chegar ao centro. Pego ou não pego? A curiosidade é maior que eu, acho que o rei James nem irá notar. Sai de fininho até chegar no meu quarto. Adivinha quem estava lá. Minha camareiras. Julian e Kaori eram minhas melhores amigas. Sempre ouviam minhas dificuldades.

- O que é isso em sua mão Luna?- disse Kaori levantando- se da cadeira de minha escrivaninha

-Nada- respondi escondendo os papéis. - Só são alguns desenhos que fiz.

- Então me deixa ver- Julian tentou pegar de minha mão

- Sabe eu estou com tanto sono! Amanhã eu mostro para vocês.

- Só espero que não esteja aprontando nada.

- Imagina.- disse disfarçando.

Tentei dar meu melhor sorriso por mais que pareça forçado. Elas foram embora. Tomei banho e fui dormir, mas antes tratei de esconder muito bem.

E assim foi meu resto de noite. Uma festa bonita de fim de ano deu para ver os fogos de artifícios. Brindes e diversão. Eu sendo tratada como uma dama que não podia dar opinião. Passando meu primeiro ano sem minha mãe. Feliz ano novo mãe. Amanhã eu irei nesse labirinto para desvendar seus mistérios.


Notas Finais


espero que gostem


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...