História A Última Filha do Dragão - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Eldarya
Personagens Ezarel, Jamon, Keroshane, Leiftan, Mery, Miiko, Nevra, Personagens Originais, Valkyon
Tags Dragões, Eldarya, Ezarel, Guarda De Eel, Leiftan, Lua, Magia, Mascarado, Miiko, Nevra, Poder, Raças, Revelaçoes, Romance, Sol, Teorias, Valkyon, Vida
Visualizações 40
Palavras 1.081
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Magia, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


EU VOLTEI AAAAAAAA
ALELUIA, SIIIIMM ❤❤❤

Capítulo 4 - T r ê s


Meu corpo tremeu quando meus olhos fixaram-se nos dele. Eu balancei a cabeça, disposta a ignorá-lo enquanto o mesmo continuasse com aquela idiotice de me procurar a essa altura do campeonato. Sentei-me na grama novamente, virando a cabeça para o lado enquanto abraçava seus joelhos. O pôr-do-sol era lindo demais para que aquele estúpido vampiro o atrapalhasse.

ㅡ Vá embora, Nevra. ㅡ resmunguei baixo, evitando encará-lo. Pelo silêncio que se estabeleceu pelos próximos minutos, eu podia jurar que minhas palavras o haviam afetado com mais intensidade do que eu esperava.

ㅡ Precisamos conversar. ㅡ insistiu e eu sabia que era teimoso demais para que me deixasse em paz.

ㅡ Eu queria que aquela poção idiota tivesse me feito esquecer você. ㅡ murmurei, baixo o suficiente para que só eu ouvisse. Mas ele era um vampiro e, por mais que eu quisesse guardar aquelas palavras só para mim, ele pôde ouvi-las.

Seu corpo estremeceu, como se estivesse com frio ㅡ por mais que eu soubesse que não estava. Ele me olhou, alterado.

ㅡ Por quê? ㅡ quis saber, só então fazendo-me virar-me para ele. Por quê o quê? ㅡ Por que você me odeia? Você os perdoou, à todos eles! Mesmo a Miiko! Eu não tive culpa, Erika!

Eu apertei os lábios, em silêncio. Ele não iria me tirar do sério. Não de novo.

ㅡ Vamos, me diga! ㅡ insistiu ㅡ O que te fez desgostar tanto assim de mim? Aposto que não foi meu grande charme, pois até alguns dias antes da poção você era louca por ele, não era?!

Eu me levantei com um pulo, cada membro meu se contorcia com a raiva que fervilhava em minhas veias. Com o indicador, bati no peito dele, xingando-o das mais diversas maneiras.

ㅡ Talvez tenha sido isso! ㅡ gritou ㅡ O seu ego! Valoriza-se tanto, parece que és um deus! Mas não é! NÃO É!

Eu fechei minhas mãos em punhos. Queria socá-lo ou fazer qualquer coisa que retirasse aquela massa de sentimentos que me sufocava ao passo em que apertava meu peito. Queria sumir dali. Fazê-lo sumir.

ㅡ Vá embora, Nevra. ㅡ rosnei ㅡ Por mais que eu goste de mitologia grega, não quero um Narciso perto de mim.

Ele suspirou enquanto eu voltava a me sentar naquela grama macia. O sol já havia se escondido por detrás das colinas e a lua, antes tão apagada, brilhava suavemente no céu noturno. O vampiro sentou-se ao meu lado, encarando o horizonte enquanto tentava enxergar o mesmo que eu.

ㅡ Temos uma missão para fazer, Myekho. ㅡ corrigiu-se pelo Erika anterior. Eu gostava de ser chamada somente pelo apelido, e todos sabiam disso ㅡ E não vai dar certo se continuarmos nesse clima de guerra.

Eu respirei fundo. Por mais que odiasse concordar com Nevra, ele estava certo. Virei-me para ele, meus olhos, que antes encontravam-se transtornados de raiva, tornaram-se serenos como o cair daquela noite.

ㅡ Eu conheço minhas prioridades, Nevra. ㅡ respondi, encarando-o ㅡ Não vou deixar essa briga interferir na missão. Não vou te deixar interferir na minha vida. Mas isso não significa que, de algum modo, as coisas vão voltar a ser como eram antes.

Ele concordou com a cabeça, mesmo que parecesse desgostoso. Permaneceu ali nos instantes seguintes, pensando tal como eu. Minutos mais tarde, ele se levantou ㅡ após o que eu acreditava ter sido um momento para se certificar que eu não voltaria atrás em minha decisão ㅡ, tirou a grama seca presa às suas vestes e virou-se para ir embora.

ㅡ Nevra. ㅡ chamei. Ele me olhou, confuso ㅡ Se você quer saber o porquê de a sua traição ter me magoado mais do que todas as outras, saiba que era porque eu... Bem, eu acho que estava me apaixonando por você. Já sabia disso quando descobri que você havia me salvado do afogamento quando era uma sereia e tive certeza quando pulei em seus braços quando você retornou daquela missão. Tinha sido uma reação natural, que não pude controlar, e o motivo estava óbvio, por mais que eu me recusasse à admitir para mim mesma.

"Talvez seja até por isso que tenha doído mais. Você uma das pessoas nas quais eu mais confiava dentro da guarda, e nunca, nunca imaginei que farias uma coisa dessas. Acho que foi como morder a língua; quando o fazemos de propósito, não dói, mas quando mordemos em momentos inesperados... É horrível, e é exatamente assim que funciona a decepção. Nunca esperamos que ela venha de alguém do qual gostamos, e por isso torna-se tão doloroso. Espero que você entenda agora o que fez e porque me magoou tanto. Eu gostava de você, muito, mais do que deveria, e você transformou esse sentimento em pó, como se ele nunca sequer tivesse, realmente, existido."

Ele abriu os lábios quando terminei, choque brilhava em seus olhos. Tive vontade de dizer-lhe algo como "não é como se você não soubesse disso desde aquela época", mas permaneci em silêncio. Virei-me mais uma vez para a lua, sem esperar que ele respondesse qualquer coisa. Instantes mais tarde, eu ouvi as passadas sobre as plantas secas enquanto um Nevra atônito afastava-se para longe.

***

Estranhamente, naquela manhã eu tive a oportunidade de acordar cedo o suficiente para saudar o maravilhoso nascer do sol de Eldarya. Depois de reorganizar minhas coisas pela sexta vez, despedi-me de Alajéa e Mery, soquei Ez no ombro como um típico ㅡ e super normal ㅡ "adeus". Sorri para as pessoas que não tive tempo suficiente para conhecer e segui para a praia, onde encontrei o barco já ancorado e um Chrome razinza acompanhado de Kero ㅡ que parecia uma bola de boliche quando enrolado à vários cobertores. Seu nariz estava vermelho e, hora ou outra, ele espirrava tão violentamente que fazia-me ter dó de seu resfriado. Nada que fosse suficiente para impedir que eu risse à cada espasmo.

ㅡ Onde está o Don Juan? ㅡ questinoei, Kero e Chrome me olharam.

ㅡ Don Juan? ㅡ perguntaram em uníssono, fazendo-me rir ao mesmo tempo em que revirava os olhos.

Preparei-me para explicar o que era "Don Juan" quando Miiko, seguida por Nevra e Jamon, apareceram de repente, fazendo-me calar em um estalo. Nevra evitava me olhar, enquanto Miiko, por outro lado, tinha seus olhos presos em mim.

ㅡ Todos estão aqui? Ótimo. ㅡ disse a kitsune, com um suspiro ㅡ Vão rápido. As notícias que chegaram ontem à noite não foram das melhores, e sinto que vocês vão ter uma missão difícil pela frente.

Eu assenti, virando-me para alcançar o barco.

ㅡ E, ah, Myekho... ㅡ por um instante eu achei-a parecida demais com Leiftan ㅡ Volte, viva.


Notas Finais


AEEEEEEEEEEE
FINALMENTE! TAVA COM UMA SAUDADE TÃO GRANDE DE ESCREVER *u*
VOU FAZER O POSSÍVEL PARA ATUALIZAR MAIS RÁPIDO AGORA, AAAAAAA ❤

espero que me desculpem pela demora ;_;


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...