História A última promessa - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Amizade, Infância, Romance
Exibições 8
Palavras 2.806
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Ficção, Romance e Novela

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Finaaal

Capítulo 16 - 16-16


-Dormir ué - Respondeu simplista e continuou me guiando até pararmos em frente à porta de seu quarto. Ele solta minha mão assim que adentramos o cômodo, se senta em sua cama e da tapinhas ao seu lado para que eu me sentasse, e assim o fiz, caminhei até o mesmo e me sentei enquanto ele me lançava um olhar como se estivesse confuso e querendo me dizer algo, senti a necessidade de perguntar se estava tudo bem mas não o fiz, e ele como se tivesse lido meus pensamentos começa a falar 

-Tem algo que eu quero te dizer –Eu não conseguia decifrar sua expressão, era um misto de muitos sentimentos, coloquei minha mão sobre a sua num ato de conforto mas não disse nada, esperei que ele se pronunciasse  

-Mas quero falar disso outro dia –Eu apenas confirmei com a cabeça, não poderia forçá-lo a nada. 

Ele vai se aproximando de mim e deita sua cabeça em meu ombro, logo vieram soluços inusitados do maior, no mesmo instante eu o abracei forte e o mesmo afunda sua cabeça na curva de meu pescoço, o apertei como se quisesse proteger ele do mundo. 

-Desculpa Haru, me desculpa –Seus pedidos de desculpas continuaram e eu não pude evitar que lágrimas rolassem, tentei controlar minha voz trêmula para que passasse segurança a Ren  

-Vai ficar tudo bem –Foram as únicas palavras que saíram da minha boca. Enquanto seus soluços iam cessando nossos corpos iam se deitando lentamente até estarmos completamente deitados, ficamos um de frente pro outro nos entreolhando, o maior estica seu braço para que eu apoiasse minha cabeça, logo depois ele passa o outro braço por cima de mim me levando para perto de si, então eu faço o mesmo. Uma canção baixa começou a soar de seus lábios, e lentamente senti meus olhos até se fecharem por completo. 

 

Acordei por causa do peso do braço de Ren sobre mim, nós estávamos na mesma posição em que dormimos, olhei para o lado e vi que o mesmo ainda não estava acordado então aproveitei para olhar cada detalhe seu. Ele não possuía mais cabelos na altura dos ombros, agora eles estavam com um corte que favorecia seu rosto, alguns fios caiam sobre seus olhos, uma fina linha que se curvava no final era como eu poderia descreve-los, mas mesmo que fossem pequenos, eram os mais marcantes que eu já havia visto. Seu nariz era de um tamanho médio, sua boca tinha um formato bonito e era ligeiramente carnuda, meu olhar se manteve por minutos em seus lábios e por impulso foi depositado um selar sobre eles, me afastei rapidamente e rezei mentalmente para que ele não acordasse, "o que eu estou fazendo?" Me perguntava mentalmente, até ser tirada de meus devaneios pelo toque de meu celular que se encontrava no bolso de meu uniforme, vejo Ren se movimentar ao meu lado e me levanto, era o despertador indicando que era hora de me despedir. 

-Já vai? -Perguntou se sentando enquanto coçava os olhos  

-Uhum –Respondi com medo de que ele soubesse que eu o beijei  

-Eu te levo –Me levantei e fui saindo de seu quarto com pressa antes de olhar por segundos o mesmo, ele me olha com uma expressão confusa mas eu finjo que não vi e continuo andando, apanho minhas coisas e coloco meus sapatos, ele logo se aproxima de mim e me espera enquanto eu termino meu "serviço". Ia me levantar e abrir a porta apressadamente mas sou impedida por uma das mãos de Ren que é colocada sobre a porta, me viro ficando de costas para a mesma então ele apoia sua outra mão fazendo com que eu ficasse sem escapatória  

-Eu queria muito fazer o que estou pensando agora, mas vou deixar pra próxima... -Houve uma pausa em sua fala 

-Se você se comportar é claro –Olhou fundo em meus olhos e mordeu o lábio inferior, eu teria perdido a consciência ali mesmo se Ren não estivesse me olhando tão sério. Ele foi aproximando seu rosto mas desviou para meu pescoço depositando um selar quente ali me fazendo arrepiar, eu fiquei imóvel, ele se afasta e segura minha mão entrelaçando nossos dedos fazendo com que eu me afastasse da porta, ele abre a mesma e saímos logo em seguida, batia um vento frio, ele me puxa para mais perto e passa o braço por cima de meu ombro, olhei para seu rosto e entendi o que ele queria dizer com um simples olhar, passei meu braço em volta de sua cintura e começamos a caminhar. 

-Não importa se eu te fizer minha mesmo se minhas lembranças não voltarem, não é? -Olhei para seu rosto espantada, mas ele não me olhou de volta, aquilo era uma confissão? 

-Não precisa me responder agora, não é o momento ainda –Voltei minha atenção para a rua e continuamos caminhando, em silêncio dessa vez. Não demorou para que chegássemos em casa, ele tira seu braço de meu ombro e eu largo sua cintura, o maior fica em frente a mim me olhando enquanto estávamos de mãos dadas, ele levanta sua outra mão e acaricia meu cabelo  

-Entra, eu fico te olhando  

-Eu posso ir com você até o lugar do exame? 

-Como assim? Quer dizer que você ia me deixar sozinho? -Abaixei a cabeça e ele ri fraco  

-Eu só estou brincando –Levanto minha cabeça novamente e sou surpreendida com um selar, foi rápido, mas pude sentir o gosto doce e a temperatura quente de sua boca. Abro um sorriso de orelha a orelha e entro correndo, fecho a porta e apoio as costas nela 

-Parece que tem alguém mais feliz do que o normal aqui –Olho na direção em que ouvi e voz e me deparo com Kim e Kenji novamente sentados em frente da televisão com seus controles preparados para iniciarem mais uma vez sua pequena guerra no vídeo -game, ignorei totalmente o fato deles terem me visto com cara de quem havia acabado de ganhar na loteria e me aproximei até sentar no sofá. 

-Kim está apanhando de novo? -Perguntei me referindo ao jogo  

-Ei, eu melhorei muito tá -Kim tentou se defender  

-Kenji, me passa o controle –Eu não esperava que ele JOGASSE o controle pra mim, e por questão de segundos nós não ficamos sem, o encaro pasma  

-Tá doido? -Ele da de ombros e eu volto minha atenção para a tela 

-Vai querer jogar o que? 

-UOU, gostei da atitude, vamos ir pelo qual você joga mais –Ele sorri de lado como se soubesse o que estava fazendo, nós jogamos corrida e bem... confesso que eu o subestimei, não demorou nem dois minutos para que ele me derrotasse  

-E então? -Ele olha pra mim como se esperasse um elogio  

-Eu perdi alguma coisa? -Me referi as suas novas habilidades  

-Nada de mais –Respondeu vitorioso  

-Eu não consigo derrotar ele por mais que eu tente –Kenji se pronunciou desinteressado 

-Interessante –Foi como se eu finalmente tivesse encontrado um novo oponente, iniciamos várias e várias outras batalhas, não apenas corrida, mas outros gêneros também, e assim se passou o resto da noite, com jogos e conversas animadas entre três amigos que com o tempo se tornarão inseparáveis.  

Acordei com o sol batendo em meus olhos, me sento sonolenta e observo ao redor, havíamos dormido na sala, Kim no chão encostado com as costas no sofá, Kenji no sofá em que Kim estava encostado e eu no outro, me levanto e vou até a cozinha de onde vinha barulho de louça, encontrei meus avós preparando o café e logo atrás de mim pararam Kim e Kenji  

-Bom dia avós -Kim se pronunciou e eu sorri percebendo o quão próximo ele havia ficado de minha família. Nos sentamos e comemos enquanto conversávamos sobre assuntos variados, logo após o café ajudei minha avó com a louça enquanto os três homens conversavam ainda na mesa, logo após terminar minha tarefa olhei que horas eram e vi que tinha uma hora até me encontrar com Ren, subi as escadas, me aprontei e fiquei deitada até dar o horário, estava pronta para sair de casa quando sou parada por Kim  

-Tem uma coisa que eu quero te contar, me encontra mais tarde no lugar de sempre? -De repente todo mundo tinha alguma coisa pra me contar, sorri com meu pensamento e respondi amigável  

-Tudo bem –Dito isso me afastei e fui ao encontro de Ren pensando de vez em quando em como eu deveria me comportar depois de ontem, deveria agir como se nada tivesse acontecido?... 

E lá estava ele, me esperando em frente ao seu portão, também avistei Raquel e Akira acenando pra mim antes de entrarem no carro e seguir caminho para seus trabalhos.  

-Vamos? -disse Ren já segurando minha mão, tentei soltar mas ele colocou elas dentro de seu bolso  

-Nós nos beijamos ontem Haru, não é como se você pudesse fingir que não aconteceu –Corei e ele riu, começamos a andar e minutos depois eu já não estava mais nervosa, nós já estávamos brincando um com o outro naturalmente e nem percebemos que chegamos ao local do exame. 

-Volte aqui em exatas três horas –Assenti e soltei sua mão, fiquei o observando entrar enquanto o mesmo acenava até desaparecer completamente da minha vista, suspirei e comecei a caminhar para encontrar Kim. 

Mesmo caminhando vagarosamente eu não demorei para chegar, estava esperando ele na entrada do parquinho até ver o mesmo se aproximando, mal deu tempo de se sentar e ele já abre a boca parecendo desesperado  

-Haru, você não vai sair do meu lado por nada não é? -Ri do seu desespero  

-Sim –Fui simples 

-Mesmo se eu for... Gay? -Abri a boca surpresa 

-QUE? 

-É por isso que eu não te contei antes, sabia que ia me desprezar  

-COMO ASSIM! Eu só estou surpresa sua criança idiota –Fiquei em silêncio e ele também não disse mais nada, essa breve pausa serviu para que eu raciocinasse melhor  

-ENTÃO QUER DIZER QUE ESSA APROXIMAÇÃO TODA DE KENJI...-Fui impedida de terminar a frase quando Kim pôs suas mãos sobre minha boca  

-Quer espalhar pra todo mundo é? -Fiz que não com a cabeça com suas mãos ainda sobre minha boca, ele tira elas de cima da mesma e suspira  

-Bem, na verdade a gente ainda não sabe o que está acontecendo... 

-Fico feliz pelo casal –Sorrio e ele da um tapa na minha cabeça 

-Não somos um casal  

-Uhum –Disse não acreditando  

-Mas e você e Ren? Aconteceu alguma coisa não é? Você precisava ver sua cara de paisagem assim que entrou em casa –Riu lembrando da cena  

-EI! Eu não estava... e bem, ele me beijou –Corei  

-SEM MINHA PERMISSÃO? -Kim levantou a voz  

-Quem aquele asiático pensa que é? -Não pude deixar de rir da sua reação 

-Você fala como se não fosse  

-Eu sou especial –Convencido... 

-Quer dar uma volta? Faz tempo que nós não saímos -Confirmei e entramos no parque, naquelas horas em que se passaram eu aproveitei com Kim como se fosse a última vez em que iríamos nos ver. 

-Agora eu tenho que voltar –Me abraça e se despede de mim, olhei no relógio e vi que ainda tinha um tempo até encontrar Ren, fui caminhando vagarosamente até receber uma ligação  

-Mãe! 

-Haru, que saudades filha! 

-Eu também mãe... muito 

-Eu vou passar a semana de natal com você! 

-Sério? Então quer dizer que você e o papai vem pro Japão? 

-Sim! E tem mais uma surpresa 

-Você não vai me falar o que é, né?  

-Aprendeu bem! Tenho que desligar agora, te ligo de novo. 

Fiquei feliz com a notícia e continuei a caminhar empolgada, já estava escurecendo e logo as ruas se iluminariam com as luzes de natal... 

Cheguei no local marcado e me sentei em um banco ali perto, logo recebo outra ligação, mas desta vez era de Ren 

-Atravessa a rua –Fiquei confusa na hora me perguntando se ele estava me vendo mas obedeci 

-Dez passos para frente –Ri com suas ordens mas obedeci  

-Entra na esquerda –Olhei para esquerda e vi um "portal" de árvores cobertas com um pisca pisca reluzente, adentrei o local e me deparei com um parque infantil todo enfeitado e aceso, aquele local me trazia uma sensação de nostalgia, mas por quê?  

-Haruka –MEU NOME, era meu nome, ninguém me chamava assim além de...  

-Ren? -Me virei em direção da voz, e Ren estava ali, sorrindo, ele abre os braços e eu sem pensar duas vezes vou ao seu encontro  

-Eu me lembrei Haruka, eu me lembrei de tudo –Comecei a chorar, mas não eram lágrimas de tristeza, eram lágrimas de felicidade. Ele levanta o meu rosto com uma das mãos e se aproxima, nossos lábios se tocaram e eu fecho os olhos deixando me levar, seu beijo me aquecia, e só nos afastamos pela falta de ar, colamos nossas testas e ficamos naquela posição, só podia se ouvir o som de nossas respirações no local  

-Estava com saudades –Disse antes de escutar um "eu também". 

 

 

Uma semana havia se passado desde o ocorrido, nossos familiares já sabiam de nosso relacionamento, e quando demos a notícia tudo que escutamos foi "já estava na cara" "vocês não se desgrudam desde de pequenos, era óbvio que isso ia acontecer". Kim e Kenji? Bem, eles não haviam se assumido, mas uma hora ou outra fariam, estávamos agora a caminho do aeroporto buscar meus pais, estava ansiosa pelo reencontro  

-Você vai ter um treco se não se acalmar –Kenji bufou e eu apenas ignorei.  

Minutos depois já estava fora do carro, só estavam eu, meu avô e Kenji, Kim e Ren estavam em casa ajudando minha avó com os preparativos para o natal, não era comum comemorar o natal no Japão, mas meus familiares gostavam da data. Vejo minha mãe vindo e corro para abraçá-la, logo depois meu pai e ajudo com as malas, mas sou interrompida por uma vez muito conhecida por mim  

-Nós viemos do outro lado do mundo e você não vai ao menos cumprimentar? -Olho para trás e quem estava lá com os braços abertos? Bruno, com aquele sorriso enorme estampado, corro para o abraçar mas dou um tapa em sua cabeça 

-Se eu tivesse te visto é claro que falaria com você 

-Com vocês -Sou interrompida novamente e olho para o lado  

-ISA -abraço minha amiga de quem estava sentindo tanta falta  

-Eu vou ficar sem AR –Disse com dificuldade e eu a solto, não paramos de tagarelar o caminho todo de casa, Bruno parecia estar se dando bem com meu irmão e meus pais não paravam de fazer perguntas ao meu avô. 

Depois de chegar e ajudar com as malas fui procurar por Ren, ele estava na varanda pendurando alguns enfeites então eu o agarro por trás fazendo com que ele se virasse pra mim com cara de "ué" 

-Eu quero atenção! -Disse imitando as vezes em que ele me falara isso e o mesmo sorri 

-Daqui a pouco –Dito isso se vira e volta seu trabalho  

-Insensível -Falo baixo e me afasto voltando para perto dos outros, percebo que estavam bem agitados e dou risada com a cena de Bruno tentando se comunicar com Kim 

-Seu inglês é horrível -Me intrometi 

-Ele está entendendo tudo, TÁ  

-O que ele tá tentando dizer pelo amor de Deus Haru? -Kim se pronuncia e eu dou de ombros 

-Com certeza ele está entendendo tudo. 

 

Logo soou meia noite, nos abraçamos enquanto desejávamos animadamente feliz natal entre nós, tempo depois todos já estavam conversando novamente distraídos, vejo Ren encostado na porta de saída que se encontrava aberta, o mesmo fez sinal com a cabeça para que eu o seguisse, e sem que ninguém percebesse nós saímos. 

Caminhamos até o portão e demos as mãos, atravessamos a rua e sentamos em um banco em baixo de algumas árvores que estavam iluminadas  

-O que foi?  

-Você disse que queria atenção, ou não precisa mais? 

-Preciso –Fiz bico como uma criança, ele sorri e aperta nossas mãos, mas logo depois pega algo dentro de seu bolso, ele me entrega uma caixinha e eu o olho confusa mas logo abro, me surpreendi ao ver uma delicada corrente com um pingente no formato de coração  

-É lindo –Ele pega o item de minhas mãos e eu entendendo me virei de costas, me arrepio com sua mão fria tocando minha pele, logo me viro e o abraço 

-Lembra da nossa última promessa? -Assenti  

-E se nós fizermos mais uma?  

-Qual seria? 

-De que não vamos mais nos separar por nada –Sorrio para ele e concordo com a cabeça, sinto o ar ficando mais frio e olho para o céu, a primeira neve estava caindo. 

Pus meu mindinho na altura de meu ombro como se quisesse selar uma promessa  

-Yakusoku? -Ele laça meu dedo com o seu  

-Yakusoku. 

 


Notas Finais


Então, acho que chegou a hora de dar tchau :c
alguém ainda lê isso? heheh
muito obrigada pelo amor que vocês me deram ao longo da fic, nos vemos na próxima!
não se esqueçam que vou voltar com um imagine de bts c: byee


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...