História A Única Coisa Que Quero, É Você Do Meu Lado - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Ariana Grande, Camila Cabello, Demi Lovato, Elizabeth Gillies, Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Ariana Grande, Camila Cabello, Demi Lovato, Dinah Jane Hansen, Elizabeth Gillies, Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Personagens Originais, Shawn Mendes
Tags Ariana Grande, Camila Cabello, Camren, Dariana, Demi Lovato, Elizabeth Gillies, Fifth Harmony, Norminah
Visualizações 37
Palavras 2.058
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Escolar, Festa, Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Mah oi, hehe! Quem aí quer aviãozinho?? Desculpa eu só tenho capítulo mesmo...
Hey, não se esqueçam de me seguir no TT e no Insta para mais news sobre a fic!!!

Capítulo 13 - You Make Me See Stars


Fanfic / Fanfiction A Única Coisa Que Quero, É Você Do Meu Lado - Capítulo 13 - You Make Me See Stars

Camila e Lauren haviam saído a cerca de meia hora, Ariana estava deitada no meu peito. Tinha certeza de que a qualquer momento ela iria dormir, pois as olheiras estavam enormes e ela bocejava a todo momento.

Assim que ela dormiu, eu passei a observá-la. Como, um ser tão lindo e doce como ela já pode ter passado por tudo isso, claro, muitas pessoas já sofreram mais do que isso. Mas é que ela faz tudo parecer mil maravilhas. Ela protege a todos e esquece de proteger a si mesma.

Olhei a hora, quase nove horas. Me levantei com cuidado, colocando a cabeça de Ariana com todo o carinho do mundo sobre seu travesseiro.

Fui buscar meus sapatos para calçar quando ouvi sua voz.

—Demi.—Chamou baixo, rouco e com resquícios de choro.

—Sim, amor.

—Já vai?

—Tenho que ir, Dinah pode estar preocupada.

—Por favor, fica aqui comigo.—Pediu se sentando na cama.

—Mas eu fiquei o dia inteiro aqui com você.

—Um dia não é suficiente.—Falou toda fofa.

É claro que ela sabia que eu estava me derretendo, pois um quase sorriso surgiu em seus lábios. Suspirei e voltei a deitar com ela, agora ela me abraçou como se eu fosse uma Demi de pelúcia.

Estava um silêncio, até eu escutar o choro de Ariana.

—Hey.—Chamei sua atenção a fazendo olhar pra mim.—Não precisa chorar. O que foi?

—Eu tô com medo, Demi. Com medo.

—Medo de que?

—D-do futuro.

—Não precisa de ter medo do futuro. Você molda o seu próprio futuro, é algo que temos de encarar.

—É que...—Ela se interrompe.

—O que?

—Eu tenho medo de ter perder, Demi. Eu te amo, e tenho medo de que um dia eu não tenha mais seu abraço, seu beijo, seu sorriso. Tenho medo de um dia ficar sem você. Medo de que eu perca tudo o que eu mais amo.—Ela fala molhando minha camiseta com suas lágrimas.

—Você não vai me perder. Eu vou ficar até o resto dos meus dias com você.—Falei fazendo cafuné em seus cabelos castanhos—Eu prometo.

(...)

—Elas são tão fofas juntas.—Comentei brincando com meu cabelo enquanto Lauren dirigia pra de volta de sua casa. Eu dormiria lá hoje.

—Sabe o que eu acho mais fofo que elas duas?

—O quê?

—Você. Sem sobra de dúvidas, você é o ser mais fofo e desastrado do mundo.—Comentou sem tirar os olhos da estrada, ri com ela.

Logo chegamos em sua casa.

—Pai? Mãe?—Lauren grita, chamando por seus pais.—Tay?—Ela entrelaça seus dedos aos meus e me puxa para a cozinha.—Ok ninguém aqui.

—Estamos aqui Laur!—Grita Tay, suponho que ela estava na área externa da casa.

Confirmando o que havia pensado, Lauren me puxa pra onde todos estavam.

—Oi Laur, oi Camila.—Fala Mike.

—Oi Mike, oi Clara.

—Fala cunhada.—Chris diz dentro da piscina.

—Oi Chris. Oi Tay.—Falei, e eu e Lauren caminhamos para mais perto deles.

—Eu terminei de ler o livro que você me emprestou!—Exclama Taylor animada.—Vou pegar e...

—Nada disso mocinha.—Fala Clara antes que Taylor fizesse qualquer coisa.—Você tá molhada e não vai entrar lá.

—Ok, depois eu pego então.—Fala Tay com o rabo entre as pernas.

—Nós já vamos subindo.—Fala Lauren puxando a minha mão.—Um beijo pra vocês!

Nós subimos as escadas e entramos em seu quarto. Ela me mandou sentar em sua cama enquanto ela buscava alguma coisa em seu armário.

—O que está fazendo?—Perguntei me mordendo de curiosidade.

—Surpresa.

—Sabe que eu odeio quando faz isso.—Falei me deitando.—Eu sou muito curiosa e você sabe disso.

—Calminha aí, curiosa.—Ela logo aparece e deita por cima de mim.—Não vai querer estragar a surpresa.

Ela começa um beijo apaixonado, claro todos são, mas sabe daqueles beijos lentos que duram dois séculos e meio? Pra você dura esse tempo, mas pra mim aquele beijo durou dois segundos, pois minha vontade é de beijá-la toda hora.

Ela finalizou o beijo, mas logo iniciou outro só que mais quente. Levei minhas mãos até sua nuca, agarrando alguns fios de cabelo, nossas línguas brigavam por espaço, em uma bela e excitante guerra.

Sabe quando a novela tá na parte mais interessante e entra nas propagandas comerciais ou acaba a edição do dia? Não dá uma raiva? Então, a minha vontade era de estrangular Lauren. Após acabar aquele beijo, ela levantando e voltou para seu closet ainda procurando alguma coisa.

—Eu não acredito que você fez isso.—Resmunguei.

—Fiz o quê?—Ela perguntou, não achei sarcasmo em sua voz, mas acho que que ela sabia do que se tratava.

—Me deixou excitada e parou. Sem nem um motivo!

—Claro que eu tenho um motivo. Esse.—Ela saiu de seu closet com um telescópio em mãos.—Vem aqui.—Ela estendeu sua mão fazendo sinal para que eu a seguisse.

Acho todos da casa ainda estavam na área externa ou em seus quartos, pois não vi uma alma viva naquele corredor. Lauren olhou para ou lados para confirmar se estávamos sozinhas, logo, ela puxou as pequena escada que levava para o sótão.

Assim que entrei, notei que o local estava todo escuro, tirando a luz do luar que entrava por uma pequena janela. Lauren seguiu até em direção a janela e a abriu. Lauren se encolheu para passar por ela e estendendo a mão para me ajudar.

—Descobri esse lugar enquanto eu queria ficar sozinha. Sabe... Longe do tumulto da família Jauregui.—Ela diz humorada.

—O que viemos fazer aqui?—Perguntei quase desmaiando de tanta ansiedade e curiosidade.

—Vem comigo.—Nós andamos mais um pouco pelo telhado, até chegar em um lugar mais plano, e nesse lugar tinha uma barraca armada, com uma lanterna em um tripé para câmera.

Lauren acendeu a mesma, iluminando o local, logo posicionando o telescópio, e eu? A fiquei a observando boba.

—Pegue algumas almofadas pra não ficar tão duro.—Ela diz ajustando o telescópio.

—Você pensou em tudo mesmo.—Comentei arrumando algumas almofadas para sentarmos.

—Primeiro: tenho tempo. Segundo: tenho ideias. Terceiro: tenho uma namorada que merece tudo de bom.—Falou, deixando um selinho em meus lábios.—Tá vendo aquela constelação?—Ela perguntou e eu assenti.—É a de Virgo, ou Virgem. É uma das maiores que tem, é linda não é?

—Maravilhosa.—Falei encantada.

—Sabe, algumas pessoas dizem ser a deusa Ártemis, um dos símbolos de castidade para a mitologia grega. Outras dizem que é só uma mulher, mas eu acredito que seja outra coisa.

—O que você acredita?

—Que seja o que você quiser, não é porque uma pessoa viu a muitos anos atrás uma mulher que tem de necessariamente de ser uma mulher. Pode ser o que você bem entender. Me diz, o quê você vê?

—Eu vejo uma pipa.—Falo sincera e ela ri.—O que foi?

—Nada Camz, é que eu nunca tinha parado pra pensar em uma coisa tão simples assim.

—E você?

—Eu vejo um monte de estrelas.

—Sem graça.

—Sem graça é quem disse que todas elas têm de formar alguma coisa. É lindo, não posso negar, mas que eu queria que fosse mais livre. Acharia bom, se por todo a eternidade você fosse obrigada a fazer sempre a mesma coisa? Eu pelo menos não.

—Se eu fosse o obrigada a sempre ficar do seu lado eu aceitaria.

Começamos um beijo, um beijo sem adjetivos, parecia quente, lento, maravilhoso... Enfim, era o beijo da Lauren. Sempre me sentiria assim, feliz, satisfeita, completa... Estava ao lado dela é era isso que importa.

Logo o beijo foi ficando mais pro lado do quente e quando me dei por mim, estava no colo de Lauren. É estranho como eu nem percebi, fiquei divagando assim como ela. Mais todos os meus pensamentos sumiram assim que ela sugou meu ponto de pulso. Gemi com o ato.

Eu joguei a cabeça para trás enquanto ela deixava beijos molhados e chupões pelo meu pescoço e clavícula. Levei uma de minha mãos em seu cabelo, puxando alguns fios.

Não acredito que Lauren fez tanta pouca coisa e eu estou nesse nível de excitação, confesso que fiquei triste em ter que jogar minha calcinha predileta fora.

—Você é tão linda, Camila.—Falou com uma voz rouca e arrastada enquanto tirava minha blusa deixando os meus seios, ainda cobertos pelo sutiã, a mostra.

Enquanto ela massageia os meus seios, eu tratei logo de tirar a sua blusa, mostrando aqueles monumentos a minha frente. Minhas mãos formigavam em busca de contato.

Voltei a beija-la, cheia de mãos bobas por parte de Lauren, ela estava procurando o fecho do meu sutiã.

—Na frente.—Falei entre o beijo.

Ela suspirou e logo o abriu o sutiã, o deixando de lado. Mordi o seu lábio inferior, o puxando. Nós afastamos, olhei em seus olhos e as pupilas estavam tão dilatadas que foi difícil encontrar os resquícios de verde. Seus lábios vermelhos e molhados por causa do beijo, estavam em meu mamilo esquerdo, enquanto o direito era massageado.

Torci para que ninguém pudesse nos ouvir dali, pois eu realmente gemia como uma puta de bar. Fazer o que? Era a Lauren me dando aquele prazer todo.

Tratei de soltar seu sutiã também, massageado aqueles seios com os bicos durinhos.

—Para a barraca.—Lauren ordenou de um jeito tão sexy que quase tive um orgasmo.

Entrei na barraca e ela fechou a mesma, vinda para minha direção beijando meus lábios com um beijo maravilhoso.

Suas mãos foram para a barra da minha calça, logo se livrou dela e de sua. Agora estávamos só de calcinha nos beijando loucamente.

Sem interromper o beijo, ela levou uma de suas mãos para meu sexo, que está a em um estado lamentável. Você não tem noção do quão molhada eu estava, aposto que se apertasse, iria fazer aquele som de esponja.

Ela começou a massagear meu sexo ainda por cima do fino tecido da calcinha. Minhas mãos estavam em suas costas, a arranhando.

Ela logo sumiu com a minha calcinha e com a sua. Foi descendo os beijos pela extensão do meu corpo. Pescoço, seios, barriga e finalmente. Vagina.

Ela abriu minhas pernas e se posicionou entre elas, abocanhando meu sexo me fazendo gemer alto.

Ela lambia toda a extensão do meu sexo, estupidamente molhado, com maestria. Aquele som de sucção parecia música para meus ouvidos.

—Hmmm, vai Lolo.—Gemi. Imagino que meus gemidos tenha um grande efeito nela, pois ela gemeu contra meu sexo causando uma sensação incrível.

Minha pele começou arrepiar, o corpo a dar espasmos. Ia ter um orgasmo.

Quis matar Lauren nesse momento, pois ela parou de fazer aquele oral delicioso em mim. Rosnei pra ela como um pitbul.

—Vamos gozar juntas.—Ela falou se posicionando entre minhas perna.—Agora rebola Camz, rebola como você nunca rebolou antes.

Comecei a rebolar. Gememos juntas. Aquilo tinha uma harmonia e tanto. Nossos sexos, ambos extremamente molhados, deslizavam com facilidade.

—Hmm, Laur...—Gemia.—Aaahh, LAUREN.—Meu último gemido antes de gozar loucamente, sendo seguida por Lauren.

Ela se deitou ao meu lado e eu coloquei a cabeça sobre seu peito nu.

—Uau.—Foi tudo o que ela disse.

—Uau digo eu. Deixei Lauren Jauregui sem palavras.

—Quem disse que eu fiquei sem palavras. Tenho três palavras que estão prontas pra serem ditas.

—Quais?

—Eu te amo.

—Eu também te amo.

(...)

Eu e Lauren estávamos passando a tarde no parque, isso havia se tornado nosso passatempo. Estávamos perto do parquinho onde muitas crianças brincando. Sorri automaticamente.

—Nathan volta aqui!—Escutamos uma mulher gritando, e quando percebi vi um garotinho abraçado em mim.

—Camila! Lauren!—Ele gritou animado.

—Oi Nathan.—Falei retribui do o abraço e o colocando em meu colo.

—Hey garotão!—Lauren falou bagunçando o seu cabelo.

—Nathan! Não... Corra desse... Jeito.—Falou uma garota se aproximando.

—Vero?—Lauren pergunta. Espera, elas se conhecem?!

—Laur? Laur!—Elas se abraçam. Se abraçam?! Que intimidade toda é essa.

—Lauren? Não vai me apresentá-la?—Perguntei.

—Essa é a Vero. Ela morou um ano em Londres pra intercâmbio, fazia um ano depois da gente. E essa é a Camila.

—Prazer.

— A Demi e a DJ vão ficar loucas quando te encontrar.

—To com uma saudade daquelas lerdas. Ah, Nathan, não corre assim!—Vero o repreende.

—O que ele é seu?—Perguntei.

—Ele é o peste, quero dizer, o irmão da minha vizinha e então resolvi trazê-lo para brincar no parque.

—Mentira! Ela gosta da Lu então ela me trouxe pra passear achando que a Lu ia gostar dela também.—Fala Nathan animado.

—Nathan!—Exclama Vero.

—Precisamos nos encontrar depois. Colocar os assuntos em dia.—Fala Lauren.

—Ok, agora vamos Nathan. Lucy pode ficar brava comigo.

—Tchau Camila! Tchau Lauren!—Grita Nathan indo com Vero.

—Adoro esse moleque.—Comenta Lauren.

—Eu também.


Notas Finais


Desculpem os erros!!!

TT: https://twitter.com/LaraSadAGB?s=09
Insta: larasantospl
Gente eu amei fazer o hot!!! N sei pq, são os dois primeiros hots q eu faço e eu tô adorando!!! Espero que vcs também.
Kisses, Lah ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...