História A Vida Além dos Jogos - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias Jogos Vorazes (The Hunger Games)
Exibições 15
Palavras 1.794
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Spoilers, Tortura
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 24 - Gale


Observo o lago do D12, calmo, jogo uma pedra e vejo pequenas ondas se formando. Talvez seja ousadia minha entrar na floresta depois da surra que levei, mas os pacificadores não estão ligando muito para o que fazemos depois que os jogos começaram, o foco deles era a Katniss e ela não está aqui. Saí da casa dela tem menos de uma hora, não consegui continuar assistindo a transmissão dos jogos, para ser mais sincero, não consegui continuar assistindo ela e o Peeta juntos, ela o ama, mas não quer admitir, eu sei, todos sabem. É simplesmente estranho, eu deveria estar bravo comigo mesmo por gostar dela, mas a única coisa que eu consigo sentir é ódio da Capital, do Snow e dos malditos pacificadores, hoje matei pelo menos cinco animais; no momento não preciso caçar, eu os matei por puro ódio, desmontei minha raiva neles, eu praticamente espanquei um esquilo.

            Pelo menos a aliança está dando certo, eles têm um plano, vão usar os tordos mecânicos (que Beetee descobriu um jeito de manusear) para descobrir a localização dos outros tributos sobreviventes, quando tiverem o número exato de quantos estão na praia, vão usar o fio de cobre que Beetee pegou na Cornucópia e vão amarrar na árvore em que o raio cai; vão eletrocutar todos que estiverem na praia, graças a onda e alguns outros detalhes. Se isso não der certo não sei o que eles pretendem fazer, principalmente a Katniss e o Peeta, ele me prometeu que faria de tudo para protegê-la e até agora não fez muita coisa, Finnick Odair parece estar mais disposto a fazer isso.

            Começa a anoitecer, então decido que é hora de voltar, ando até a cidade com o objetivo de passar na padaria e comprar alguns doces para meus irmãos e Prim, mas quando chego na cidade encontro pessoas nas ruas atirando coisas nos pacificadores, estão revidando. Eles juntaram um entulho com várias coisas como cadeiras de madeira e atearam fogo, a praça está irreconhecível, vejo um pacificador bater em uma das mulheres que trabalham no prego e ele a deixa no chão e corro até ela. Seu rosto está totalmente desfigurado e ensanguentado, o pacificador que fez isso foi o mesmo que bateu em Peeta quando ele tentou me ajudar. Vejo um pedaço de ferro bem ao meu lado, eu o pego e me levanto, ando em direção ao pacificador e levanto o ferro na direção da nunca do homem, ele vai desmaiar no mínimo e se for forte o suficiente pode matá-lo, mas, antes de o ferro atingir a cabeça dele alguém segura meu braço.

            Deixo o ferro cair no chão e me viro para pessoa, é Madge, a filha do prefeito, tento me livrar da mão dela e quando consigo grito com ela.

― QUAL É O SEU PROBLEMA? – Falo – Esse não é um ambiente adequando para a princesa do Distrito!

― Eu é que pergunto, QUAL É O SEU PROBLEMA?! – Ela proferiu e em seguida começa a me puxar pela mão sem dizer nada, me puxa até um beco, afastado da praça, me encosta na parede e repete. – Qual é o seu problema Gale? Você é idiota por acaso? Não, idiota você sempre foi! Mas agora ficou burro? Você ia bater em um pacificador!?

― Qual é o problema Madge! Você por acaso viu o que ele fez com aquela mulher? Agora você vai defender os pacificadores?! É por causa da Capital que a Katniss está naquela maldita arena, tudo é culpa da Capital e do Snow!

― Sim eu vi o que ele fez! Mas o que adiantaria? Você ia bater nele e entrar na confusão em compensação pelo menos cinco deles iam vim e fazer você em mil pedacinhos! Poderiam até matar você em praça pública! Daquela vez você só escapou por causa da Katniss! Ela não está aqui, e se ela chegar a voltar, como vamos dizer a ela que você morreu?

― Diga que morri defendo uma pessoa indefesa, que morri por algo que acredito! – Rebato cuspindo as palavras.

―Seu grande imbecil! Se a Katniss voltar, ela vai precisar de você mais do que qualquer pessoa, você sabe que se ela voltar não vai ser nenhum pouco fácil, eu sei disso, o Peeta também, por isso ele pediu aquele favor. E para isso você tem que continuar vivo. Como a sua mãe e os seus irmãos ficariam? As pessoas precisam de você Gale, muito mais do que você imagina.

― Como você sabe o que o Peeta me pediu?

― Não importa, eu só sei, esses são alguns motivos do porque você não pode tentar matar um pacificador! Não se meter em confusão, pela Katniss, ela só queria manter você e a família dela vivos.

― Isso tudo é culpa da Capital! – Digo com ódio transparente na voz e nos olhos – A culpa disso tudo é do Snow, não acredito que vou dizer isso, mas você tem… Razão. – Ela abre um sorriso, como se tivesse vencido uma guerra, é difícil admitir que uma riquinha, que nunca passou um dia de necessidade, tem razão, mas ela é amiga da Katniss. – Grave as minhas palavras, um dia, não importa quanto tempo demore, um dia eu vou ajudar a destruir a Capital, vou ajudar a construir uma sociedade mais justa com todos, sem Jogos Vorazes e sem esses malditos pacificadores! Não importa os sacrifícios.

Observo o lago do D12, calmo, jogo uma pedra e vejo pequenas ondas se formando. Talvez seja ousadia minha entrar na floresta depois da surra que levei, mas os pacificadores não estão ligando muito para o que fazemos depois que os jogos começaram, o foco deles era a Katniss e ela não está aqui. Saí da casa dela tem menos de uma hora, não consegui continuar assistindo a transmissão dos jogos, para ser mais sincero, não consegui continuar assistindo ela e o Peeta juntos, ela o ama, mas não quer admitir, eu sei, todos sabem. É simplesmente estranho, eu deveria estar bravo comigo mesmo por gostar dela, mas a única coisa que eu consigo sentir é ódio da Capital, do Snow e dos malditos pacificadores, hoje matei pelo menos cinco animais; no momento não preciso caçar, eu os matei por puro ódio, desmontei minha raiva neles, eu praticamente espanquei um esquilo.

            Pelo menos a aliança está dando certo, eles têm um plano, vão usar os tordos mecânicos (que Beetee descobriu um jeito de manusear) para descobrir a localização dos outros tributos sobreviventes, quando tiverem o número exato de quantos estão na praia, vão usar o fio de cobre que Beetee pegou na Cornucópia e vão amarrar na árvore em que o raio cai; vão eletrocutar todos que estiverem na praia, graças a onda e alguns outros detalhes. Se isso não der certo não sei o que eles pretendem fazer, principalmente a Katniss e o Peeta, ele me prometeu que faria de tudo para protegê-la e até agora não fez muita coisa, Finnick Odair parece estar mais disposto a fazer isso.

            Começa a anoitecer, então decido que é hora de voltar, ando até a cidade com o objetivo de passar na padaria e comprar alguns doces para meus irmãos e Prim, mas quando chego na cidade encontro pessoas nas ruas atirando coisas nos pacificadores, estão revidando. Eles juntaram um entulho com várias coisas como cadeiras de madeira e atearam fogo, a praça está irreconhecível, vejo um pacificador bater em uma das mulheres que trabalham no prego e ele a deixa no chão e corro até ela. Seu rosto está totalmente desfigurado e ensanguentado, o pacificador que fez isso foi o mesmo que bateu em Peeta quando ele tentou me ajudar. Vejo um pedaço de ferro bem ao meu lado, eu o pego e me levanto, ando em direção ao pacificador e levanto o ferro na direção da nunca do homem, ele vai desmaiar no mínimo e se for forte o suficiente pode matá-lo, mas, antes de o ferro atingir a cabeça dele alguém segura meu braço.

            Deixo o ferro cair no chão e me viro para pessoa, é Madge, a filha do prefeito, tento me livrar da mão dela e quando consigo grito com ela.

― QUAL É O SEU PROBLEMA? – Falo – Esse não é um ambiente adequando para a princesa do Distrito!

― Eu é que pergunto, QUAL É O SEU PROBLEMA?! – Ela proferiu e em seguida começa a me puxar pela mão sem dizer nada, me puxa até um beco, afastado da praça, me encosta na parede e repete. – Qual é o seu problema Gale? Você é idiota por acaso? Não, idiota você sempre foi! Mas agora ficou burro? Você ia bater em um pacificador!?

― Qual é o problema Madge! Você por acaso viu o que ele fez com aquela mulher? Agora você vai defender os pacificadores?! É por causa da Capital que a Katniss está naquela maldita arena, tudo é culpa da Capital e do Snow!

― Sim eu vi o que ele fez! Mas o que adiantaria? Você ia bater nele e entrar na confusão em compensação pelo menos cinco deles iam vim e fazer você em mil pedacinhos! Poderiam até matar você em praça pública! Daquela vez você só escapou por causa da Katniss! Ela não está aqui, e se ela chegar a voltar, como vamos dizer a ela que você morreu?

― Diga que morri defendo uma pessoa indefesa, que morri por algo que acredito! – Rebato cuspindo as palavras.

―Seu grande imbecil! Se a Katniss voltar, ela vai precisar de você mais do que qualquer pessoa, você sabe que se ela voltar não vai ser nenhum pouco fácil, eu sei disso, o Peeta também, por isso ele pediu aquele favor. E para isso você tem que continuar vivo. Como a sua mãe e os seus irmãos ficariam? As pessoas precisam de você Gale, muito mais do que você imagina.

― Como você sabe o que o Peeta me pediu?

― Não importa, eu só sei, esses são alguns motivos do porque você não pode tentar matar um pacificador! Não se meter em confusão, pela Katniss, ela só queria manter você e a família dela vivos.

― Isso tudo é culpa da Capital! – Digo com ódio transparente na voz e nos olhos – A culpa disso tudo é do Snow, não acredito que vou dizer isso, mas você tem… Razão. – Ela abre um sorriso, como se tivesse vencido uma guerra, é difícil admitir que uma riquinha, que nunca passou um dia de necessidade, tem razão, mas ela é amiga da Katniss. – Grave as minhas palavras, um dia, não importa quanto tempo demore, um dia eu vou ajudar a destruir a Capital, vou ajudar a construir uma sociedade mais justa com todos, sem Jogos Vorazes e sem esses malditos pacificadores! Não importa os sacrifícios.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...