História A vida de Fernanda (ou minha vida, seila) - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Drama, Novela, Romance
Visualizações 15
Palavras 1.227
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 8 - Capítulo 7 - O final [?] / fã intrometida


•Fernanda's P.O.V on (ainda)•

O porque do "foi..." no final da história?

Ah, é, ainda tenho que contar.

Bom, estávamos em meu carro, pois eu iria levar todos em casa, deixei todos e Artur foi com Estéfane e o namorado dela pra casa em outro carro. Eu estava voltando numa estrada, quando um carro ficou na mesma velocidade que a minha, com 2 garotos da minha idade.

-E aí gatinha, vamos conversar? -Falou o carona

-Tenho namorado. -Respondi

-Ele está com você? Acho que não, então ele não vai saber. -O motorista falou

-Minha mãe criou uma mulher, e uma mulher não trai seu homem. Agora, licença, tenho que ir. -Acelerei e fui direto para casa. Minha mãe já estava dormindo, então tomei um banho e fui para a cama.

"Ah não, insônia não. Vou botar o fone, talvez eu durma com uma música calma." Pensei. Botei o fone e depois já estava dormindo. Acordei no outro dia, tomei banho e recebi uma mensagem. Artur.

-Oi amor, tudo bem? Ontem eu estava na estrada e eu vi o seu carro. Quem era aqueles dois?

Respondi, assustada por não ter visto o carro dele.

-Me liga que eu te explico.

Passou uns segundos e ele me ligou. Expliquei tudo e ficou tudo bem. Saí para tomar um ar fresco e aproveitei para ir na casa de Artur, já que era três quadras dalí. Bati na porta e não tinha ninguém. Liguei para ele e ele atendeu:

-Oi amor, onde você está? -Perguntei

-Oi meu amor, estou na casa da minha avó, viemos visitá-la. Quer vir, eu te busco.

-Ah, sua vó é uma fofa. Pode ser, vou avisar para a minha mãe.

Voltei para casa e disse para a minha mãe que iria sair. Artur me buscou e fomos.

[...]

•Fernanda's P.O.V on (ainda)•

O porque do "foi..." no final da história?

Ah, é, ainda tenho que contar.

Bom, estávamos em meu carro, pois eu iria levar todos em casa, deixei todos e Artur foi com Estéfane e o namorado dela pra casa em outro carro. Eu estava voltando numa estrada, quando um carro ficou na mesma velocidade que a minha, com 2 garotos da minha idade.

-E aí gatinha, vamos conversar? -Falou o carona

-Tenho namorado. -Respondi

-Ele está com você? Acho que não, então ele não vai saber. -O motorista falou

-Minha mãe criou uma mulher, e uma mulher não trai seu homem. Agora, licença, tenho que ir. -Acelerei e fui direto para casa. Minha mãe já estava dormindo, então tomei um banho e fui para a cama.

"Ah não, insônia não. Vou botar o fone, talvez eu durma com uma música calma." Pensei. Botei o fone e depois já estava dormindo. Acordei no outro dia, tomei banho e recebi uma mensagem. Artur.

-Oi amor, tudo bem? Ontem eu estava na estrada e eu vi o seu carro. Quem era aqueles dois?

Respondi, assustada por não ter visto o carro dele.

-Me liga que eu te explico.

Passou uns segundos e ele me ligou. Expliquei tudo e ficou tudo bem. Saí para tomar um ar fresco e aproveitei para ir na casa de Artur, já que era três quadras dalí. Bati na porta e não tinha ninguém. Liguei para ele e ele atendeu:

-Oi amor, onde você está? -Perguntei

-Oi meu amor, estou na casa da minha avó, viemos visitá-la. Quer vir, eu te busco.

-Ah, sua vó é uma fofa. Pode ser, vou avisar para a minha mãe.

Voltei para casa e disse para a minha mãe que iria sair. Artur me buscou e fomos.

[...]

-Oi meu netinho! Oi Fernanda! Que bom que vocês vieram! Eu estava com saudades! -A avó dele disse

-Oi vó! Também estávamos com saudades!

🖤ALERTA DE VÍRUS 🖤

-Oi gente!! Sou uma fã da Fernanda, e vim ajudá-la a terminar a história.

-Mas o que é isso?

-Não fique assustada, eu só vim te avisar: ENCURTA ESSA HISTÓRIA, NINGUÉM GOSTA DE "blá-blá-blá"

-Tá! Eu vou encurtar. Por que vocês gostam de resumo? Que saco!

-Blá-blá-blá! Escreve menina!

-Nossa, tá bem. Continuando: passou-se alguns dias e a minha avô faleceu. Fui para Petrópolis no último segundo com minha mãe e com Artur. A pior coisa era perder a avó 3 dias antes da festa de aniversário da irmã do seu namorado.

-Amor, então vou poder ir, ficarei com meu pai, ele não está bem. Queria tanto ir!

-Meu amor, não tem problema, te amo de qualquer jeito. Boa sorte! -Ele disse, me dando um beijo e dando um abraço no meu pai, e...

-Fer, passa essa parte, vai logo pra festa!

-Meu Deus que menina chata!

-ÉOQ?!?!?!? Menina tu me respeita, viu-se?

-Tá, tá! Desculpa! Vou continuar. No dia da festa, meu pai já estava se sentindo melhor, e ficou com minha madrasta e com meu irmão, me deixou ir para a festa, minha mãe foi comigo.

-Cunhadinhaaa!! Estava com saudades!! Artur disse que você não iria vir! Estou tão feliz! Artur está no outro andar, conversando com uns amigos.

-Oi Teff!! Eu tive uns problemas, aqui seu presente, vou lá falar com seu irmão. Se precisar de alguma coisa, me chama. -Disse, dando um beijo em sua bochecha.

Subi, e Artur estava conversando com a menina mais rodada que a cabeça da Joelma dançando "Cavalo Manco": Gabriela.

-Oi, então, desculpa atrapalhar, mas por que você odeia ela?

-Motivos pessoais e motivos de que ela magoou minha "irmã"

-Aah tá.

-Voltando, já que você me atrapalhou: gritei o nome dele, nos beijamos e Gabriela virou o olho (tipo isso: 🙄)

-Oi fofa, você por aqui? -Eu disse, sendo "simpática" com Gabriela.

-Oi linda, não sabia que você namorava com o Tutu... -Ela falou, tentando me deixar com ciúmes.

-Estamos namorando faz uns 8 ou 9 meses, né amor? -Artur disse

-Acho que uns 8 meses, tenho que pensar depois. Querem beber alguma coisa? -Eu perguntei

-Deixa que eu pego, vou pedir uma batida de morango, vai querer Nanda? -Ele disse

-Claro, e você Gabriela?

-Vou querer um de blueberry.

Peguei as bebidas com Artur, ficamos conversando até que:

-Amor, vou no banheiro. -Eu disse

-Tá bom, quer que eu vá com você?

-Não precisa. Já volto.

Fui, e quando voltei, o previsto estava acontecendo: Gabriela agarrou Artur a força e o beijou. Eu vi que ele não queria, e tentou empurrar ela, então em vez de eu ficar triste com ele, dei um soco nela.

-Meu amor, você sabe que eu nunca faria isso, eu...

-Cala a boca e me ajuda com ela, a culpa nunca seria sua.

Pegamos ela caída no chão, botamos no sofá até que ela acordou.

-Você, sua desgraçada, por que me socou?

-Olha só, sua piranha, você agarrou meu namorado. Não se faça de vítima, ele não tem culpa, eu vi você agarrando ele.

-Ah, obrigada santinha, até parece que nunca pegou um menino antes de namorar o Artur.

-Pelo menos eu não sou talarica!

-MENINA OLHA SÓ...

-Para de escândalo Gabriela, vai ficar com outro menino, sua piranha. -Artur se pronunciou.

-Tchau, amore. -Ela disse, mandando um beijo para Artur.

-Volta pro rio, sua piranha. -Ele respondeu. -Quer ir pra casa?

-Não, vamos aproveitar sem ela.

1:15 AM

A festa acabou esse horário, dançamos muito, ficamos de vela para os amigos, adoramos tudo. Voltei com Artur e Estéfane pra casa

-Tchau gente, obrigada pela carona!

-Tchau! -Falaram todos

Entrei em casa, minha mãe estava dormindo, tomei um banho e fui dormir.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...