História A vida de um Potter sonserino - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alice Longbottom, Alvo Potter, Angelina Johnson, Arthur Weasley, Dominique Weasley, Fleur Delacour, Gina Weasley, Gui Weasley, Harry Potter, Hugo Weasley, Jorge Weasley, Lílian L. Potter, Louis Weasley, Lucy Weasley, Molly Weasley, Molly Weasley II, Neville Longbottom, Personagens Originais, Scorpius Malfoy, Tiago S. Potter
Tags Nova Geração, Sonserina
Exibições 42
Palavras 1.469
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Escolar, Ficção, Ficção Científica, Lemon, Romance e Novela, Saga, Slash, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 4 - Pré-baile


Os dias foram passando e tudo ia normal na escola. Ou quase. O castelo sempre teve os mais bagunceiros. E quase sempre tinha um Potter no meio. No entanto este ano tinha dois Potter. E esses dois Potter não eram amigos. Eram rivais. Eles eram o oposto um do outro. Um tinha cabelos negros naturalmente rebeldes. O outro tinha cabelos castanho-avermelhados artificialmente bagunçados. Um deles era quieto e observador. O outro agitado e tagarela. Um tinha profundos olhos verde escuros, que possuíam um brilho quase sobrenatural (até mesmo para os bruxos). O outro possuía olhos avelã, que eram relativamente comuns e brilhavam brincalhões. Mas a principal diferença era suas casas e seus amigos. Um era um sonserino, amigo dos filhos dos inimigos dos pais. O outro era um grifinório, amigo dos filhos dos amigos dos pais.

Isso já deve te dar uma ideia da guerra que era. Todo dia alguém de alguma casa sofria as consequências da guerra. Nenhum dos sonserinos era pego, mas todos sabiam que eles eram os culpados. Os grifinórios eram pegos com frequência, mas alguns professores fingiam não ver.

A diretora só queria um dia de pais no castelo. Ela se sentava na sua sala, sozinha, e pensava em como iria ter uma mísera noite de paz. Alvo Dumbledore, um dos maiores bruxos de todos os tempos, se compadeceu com a amiga e sugeriu que ela fizesse um baile no dia das bruxas. A diretora, cansada, olhou nos olhos do ex-diretor e perguntou:

-E como isso vai ajudar?

-Ah a juventude- disse o quadro em tom saudoso, e a diretora se perguntou se ele lembrava da época- eu lembro- a diretora deu um olhar incrédulo, que o ex-diretor ignorou- que nessa época durante as festas e os bailes as pessoas só querem se divertir, elas ignoravam tudo ao seu redor só para dançar e curtir com as pessoas que gostam.

-Talvez dê certo- ponderou a diretora- tem certeza Alvo?

-Absoluta- respondeu.

Uma semana depois

POV Alvo

Faltam apenas quatro dias para baile de dia das bruxas e eu estou ficando meio desesperado. Nenhuma garota me parecia interessante o suficiente e como se não bastasse todas as minhas amigas já tinham par. Anna iria com Giovanni, Gwen com Louis e a Domi com o Scorpius (eu preciso estar por perto quando meus primos descobrirem).

Falando nos meus primos, desde que o baile foi anunciado eles têm estado estranhamente quietos. Isso é no mínimo suspeito. Mas eu e meus amigos não ligamos muito. Nós estamos preparados e atentos pra qualquer coisa que eles tentem. Mas mesmo assim nós estamos torcendo pra nada acontecer no baile. Ali vão ter muitas pessoas que não tem nada a ver com essa briga, que só vão estar querendo se divertir.

-Então Alvo, já decidiu com quem vai- me perguntou Theo, que estava sentado na minha frente. Nós estávamos tomando o café-da-manhã e daqui a pouco temos hora da soneca (história da magia).

-Não e você- eu respondi, torcendo internamente para que ele não tivesse ninguém pra ir. Eu sei que parece maldade mas eu não quero ficar sozinho durante o baile, que nem um idiota.

-Eu vou com a Gabi- ele me respondeu e eu suspirei internamente. Gabrielle Flint é uma aluna do segundo ano da sonserina que as vezes senta com a gente. Ela é loira de olhos verdes-azulado e está sempre pensando em ajudas as pessoas em irritar os gifinórios. Ela era a minha última opção.

-Então foda-se, eu não vou- eu decidi. Theo abriu a boca, provavelmente pra tentar me convencer a não desistir, quando a diretora pediu nossa atenção.

-Atenção alunos, esse ano ouve um imprevisto e uma aluna ficou doente no dia de vir para Hogwarts e melhorou recentemente e por isso ela será selecionada agora, por favor senhorita Alice Longbottom- assim que ouvi isso me animei. Eu conheço Alice desde pequeno e ela pode se fazer de grifinória perfeita, mas eu sempre percebi que seus olhos brilhavam com muita astúcia para uma grifinória. Eu lembro que Domi era neutra em relação a isso e que Louis tinha certeza que eu era louco.

-Aposto 10 galeões que ela vai para a Sonserina- estendi a mão para Louis, que estava do meu lado.

-Eu aposto que ela vai pra Grifinória- ele apertou minha mão.

O chapéu estava demorando um pouco para decidir e eu percebi que Neville parecia um pouco pálido e estava começando a suar. Ele devia estar preocupado com a demora do chapéu em colocar a filha na Grifinória (embora eu ache que ela vai pra Sonserina).

-SONSERINA- anunciou o chapéu e eu sorri, estendendo a mão para Louis depositar os dez galeões. Ele olhava incrédulo para o chapéu, como se esperasse que o chapéu risse e falasse que era brincadeira. Aliás, o salão todo olhava pro chapéu assim. Do nada se ouviu um estrondo alto vindo da mesa dos professores. Aparentemente o professor Longbottom tinha desmaiado. Alice simplesmente olhou para o pai deu de ombros, sorriu e se encaminhou para a nossa mesa. Quando seus olhos pousaram em mim seu sorriso aumentou e ela veio se sentar do meu lado.

Acho que devo dizer algo sobre ela. Ela parece ter 13 anos não 11. Seu corpo já está se desenvolvendo (muito bem diga-se de passagem). Ela tem longos cabelos vermelho-escuros e olhos azuis quase violetas. Seu rosto é muito delicado e ela, diferente da maioria dos ruivos, não tem sardas.

-Devo supor que você não se surpreendeu com a minha classificação- ela me disse com um sorriso e eu assenti- acho que devo praticar mais minha atuação- ela suspirou de um jeito dramático e eu suspirei, revirando os olhos.

-Você já é muito boa atriz- eu sorri pra ela- quer dizer, olha a cara dos meus primos.

Eles olhavam para nós com horror e traição gravados no rosto. Eu tive muita vontade de perguntar para eles se estava tudo bem, mas me contive. Era muito desnecessário no momento e eu não queria perder pontos. Meus pensamentos se voltaram para a diretora quando esta pigarreou, pedindo a atenção dos alunos.

-Só querendo lembrar que o baile de dia das bruxas vai ser em 4 dias, quem não tem par ainda, sugiro que arrume- e com isso ela voltou a se sentar, parecendo abalada.

O baile! A lembrança do baile surgiu na minha cabeça como um choque. Eu tinha que arrumar um par ou James ia me irritar pela eternidade. Mas aí me lembrei da Alice. Ela não tinha par, era bonita, legal e inteligente. E o melhor: James tinha uma queda colossal por ela desde que nós éramos crianças.

-Alice, como você deve ter ouvido, vai ter o baile na sexta e eu estava pensando se você não quer ir ao baile comigo... – eu perguntei em um tom suplicantes e com olhos de cachorrinho perdido.

-Deixa eu adivinhar. Você não conseguiu nenhum par e está me perguntando porque eu sou linda, divertida, inteligente, sexy... –ela começou a listar nos dedos.

-Sim e também é muito humilde- eu completei sarcástico.

-Sim, especialmente humilde- ela riu- mas voltando. E principalmente, você quer que eu vá com você por causa do James, que tem uma queda por mim.

-Exato- eu respondi honesto, sabendo que ela não se importaria, e provavelmente ia achar alguma vantagem em ir comigo.

-Tudo bem- ela sorriu feliz e começou a comer a cereal como uma criança.

-É sério isso? – Perguntou Anna confusa e indignada- você vai se deixar ser usada como um trofeu fácil assim?

Alice voltou os olhos azuis para ela olhando de forma marota para a garota.

-Eu não estou me deixando usar, pois eu também vou ter vantagens. Eu vou estar com um garoto bonito, engraçado, inteligente e muito sexy. Eu o principal: eu vou poder esfregar na cara da Rose que eu peguei o crush dela- ela diz, os olhos brilhando com a expectativa de irritar a Rose.

Rose, quando éramos pequenos, sempre achou eu, ela, Alice, Louis e Domi iriamos ser todos grifinórios e que nós iriamos mandar no nosso ano. Ela tinha a suposição de que eu e ela, como dois herdeiros do trio de ouro, estávamos destinados a ficar juntos no final. Então ela sempre me perseguia, tirava fotos minhas enquanto eu estava distraído e etc. Domi e Louis sempre riam e me zoava por causa disso e eu acho que Alice me zoava mentalmente, pois ela sempre tinha um brilho divertido nesses momentos.

No dia do baile

POV Alice

Hoje é o dia do baile, e eu tenho que admitir que eu estou nervosa. Eu consegui convencer a quase todos que eu vou com o Alvo só pra irritar a Rose, mas Domi e Louis ainda me olham maliciosos quando eu falo com o Alvo. Deve ser o maldito sangue veela. Eles ainda me pagam.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...