História A Vítima (EMISON G!P) - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Lei & Ordem: Unidade de Vítimas Especiais, Pretty Little Liars
Personagens Alison DiLaurentis, Aria Montgomery, Byron Montgomery, Caleb Rivers, Cece Drake, Dr. Rollins, Ella Montgomery, Emily Fields, Ezra Fitzgerald, Hanna Marin, Jessica DiLaurentis, Mona Vardewaal, Noel Kahn, Paige McCullers, Pam Fields, Peter Hastings, Spencer Hastings, Toby Cavanaugh, Tom Marin, Veronica Hastings, Wayne Fields
Tags Alison, Amor, Aria, Dinheiro, Drama, Emily, Emisong!p, Haleb, Hanna, Medo, Spencer
Visualizações 466
Palavras 1.835
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Intersexualidade (G!P), Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 9 - Cap. 9


Emily narrando...

Já se passava três horas e nada de acharem meu filho, os policiais estam espalhados pela cidade parando cada carro, cada ônibus, moto enfim tudo. Toby, Ezra e Paige estam comigo no DP, Alison se recusar a ir pra casa então tive que deixar a Grace com a Hanna.

-As câmeras do orfanato não mostram nada, nenhuma entrada ou saida estranha! -Ezra diz frustrado

-Toby achou alguma coisa? -Alison pergunta se levantando do sofá

-Nada ainda...

-Qualquer coisa me avisem!

Digo e ele sai, Ali se deita no sofá com os pés pra cima e fica encarando o teto. Não trocamos muitas palavras desde que chegamos, eu nao consigo olhar pra ela sem sentir culpa. Culpa por nao ter lembrado, culpa por ela ter sido expulsa de casa, culpa por ela ter que morar na rua e agora culpa por nao ter chegado a tempo. Apoio meus cotovelos na mesa e passo a mão em minhas têmporas, com uma dor de cabeça infernal e o barulho de chuva nao me ajudava. Nem parecia que era somente 12:16, o céu escuro, as nuvens carregadas, barulho de trovões, raios cortavam o céu. Sempre que acontece algo ruim o tempo fica chuvoso ou falta energia.

Observei Alison e ela nao demonstrava nenhuma reação, ja sentada direito no sofa encarava o chão com um olhar que eu posso jurar calmo. Ela parecia nao se importar, não estar preocupada com a situação, que tudo estava as mil maravilhas e que nada tava acontencendo.

-Você ja comeu? -ela apoia as mãos na minha frente

-Não estou com fome. -minha porta se abre e um policial me traz umas papeladas pral ler, e sai rapidamente deixando a porta aberta- Você está bem? -volto minha atenção pra ela

-Sim! -e então eu fiz a pior merda da minha vida

-Como consegue nao demostrar nada? -ela me fita confuda- Sera que nao se importa, você ta calma! O seu filho ta sumido e você nao mostra tristeza, dor..

-Como é que é?! -ela aumenta o tom de voz e cruza os braços- Repeti Emily!

-Você não demonstra absolutamente nada Alison e...

-So porque eu nao to chorando pelos cantos ou correndo de um lado pro outro nao quer dizer que eu nao esteja preocupada! Porque eu estou sim! -tento falar algo mas ela me impedi- Eu aprendir a não demonstrar meus sentimentos, quando eu percebi que as pessoas que estavam ao meu redor nao ligavam! Sim Emily eu estou desesperada pra achar o meu filho, mas não tenho forças pra fazer isso! Foi eu que segurei ele por nove mêses, foi eu que quase morri numa cama de hospital pois eu nao tinha estrutura pra ter um filho aos 15 anos! Foi eu que foi chamada de puta, vadia e prostituta porque engravidou e nao sabia quem era o pai! Foi eu que foi expulsa de casa, foi eu que deixou de comer pra da pra ele! Fui eu que passou noites em claro pra nada de ruim acontecer com ele de madrugada! Ele foi tomado de mim mais uma vez ou você acha que eu dei ele de bandeja pra um orfanato? Sim Emily eu me importo sim! So que se eu começar a chorar sei que nao vou parar tão cedo, e você não tem o direito...-ela falava tudo alto sem se importar com quem tava ouvindo e o pior ela tava certa

-Algum problema?! -Paige entra na sala cortando a Alison e antes deu responder Ali toma a voz

-Sim, não é com você! Mas você vai ter se não sair daqui! -ela aponta pra porta e Paige a olha com raiva- Você vai sair e deixar eu falar com a mãe do meu filho em paz ou ta dificil?

-Sabia que eu posso prender você? -Paige cruza os braços

-Pelo que? Porque você é a intrometida aqui, eu estou discutindo com a minha mulher! -ela aponta pra mim e meu coração acelera- E nao com você! Se ela nao ta achando ruim quem você pensa que é pra achar? -tenho certeza que o Departamento inteiro ta ouvindo elas

Eu nao prestava atenção em mais nada. Minha mulher! Essas duas palavrinhas fizeram meu coração acelerar como nunca, sentir minhas pernas tremerem por dentro, uma alegria que eu nunca sentir antes tomou conta de mim. Elas continuam discutindo só que eu nao entendia completamente nada! So via as bocas delas se mexendo, mas não ouvia as palavras. Meus olhos estavam cravados em Alison nesses dias que ela tava comigo nunca vi ela tão exaltada, nervosa e com raiva dessa forma.  Agora eu entendo a famosa frase..

"Pessoas quietas são as que mais sofrem, porque quando elas explodem, o estrago é trágico."


Ezra aparece na porta com uma cara de assustado, lógico que ele ouviu a discussão. Ele fazia sinal pra mim fazer elas pararem, mas eu nao conseguia. A Alison me deixou paralisada so com duas palavras, eu nao conseguia me mexer. Ate que a Paige fala algo.


-Olha so sua vadia eu acho...


-Basta! -bato na mesa me levantando e Paige me olha assustada- Nao chama ela assim, porfavor saia da minha sala e volte ao seu trabalho! So volte aqui quando achar alguma coisa a respeito do meu filho... -ela nem deixa eu terminar e sai, Ali me olha com raiva mas no fundo do seu olhar vejo tristeza- Me perdoa, eu falei o que nao deveria! Eu.. -ela levanta a mão pedindo pra mim parar de falar


-To com raiva da sua cara! Você disse que eu nao me importava, disse que eu nao ligava Emily! Ele é meu filho.. -ela olha pra baixo e vejo lágrimas caíram em sua roupa- Meu filho tá com qualquer capanga do meu irmão, um homem que vende crianças, que vende órgãos de crianças... Você acha que eu to bem? Eu posso nunca mais ver o meu filho. Sei que ta doendo em você também, mas você só tem dois dias que sabe que é mãe e eu tenho dois anos! Dois anos e... Meu Deus!


Ela senta no sofá chorando e eu vou ate ela, coloco ela em meu colo e fico passando a mão em suas costas. Ela abraça minha cintura e coloca a cabeça em meu peito, sinto minha blusa ficar molhada mas nao ligo; aperto ela contra o meu corpo bem forte. Quando mais aperto ela seu choro fica mais forte, parecia que todo o choro que ela guardou por 18 anos decidiu cair agora. Levanto meu rosto e vejo Toby e Ezra nos olhando, olho pra Toby com um pouco de esperança mas ele balança a cabeça dizendo não. Sinto Ali folgar o abraço e ela levanta a cabeça encarando meus olhos; seu par de olhos azuis com tons diferentes por conta do choro faz eu me perder, a ponta do nariz vermelha e seus lábios trémulos.


-Sua mulher? -falo num sussurro e ela fica vermelha


-Desculpa foi por impulso e..


Não deixei ela terminar de falar e colei nossos lábios, sei muito bem que nao é o momento certo, mas eu precisava disso. Um beijo calmo e lento sem malícia se inicia, ela demorou um pouco pra retribuir por conta do susto mas retribuiu. Uma corrente eléctrica percorreu por todo o meu corpo, sinto cada pelo meu se arrepiar. Ela leva suas mãos até o meu pescoço, depois leva uma pra ficar acariciando o meu rosto e com a outra arranhando minha nuca. Ela vai diminuindo o ritmo do beijo e termina com um selinho, deixo nossas testas coladas e fico passando meu nariz no seu, abro meus olhos lentamente e vejo ela sorrindo. Ela abre os olhos e ficamos nos encarando por um tempo, nunca pensei em encarar esses olhos novamente, nunca pensei em beijar esses lábios novamente.


-Eu também não...


Alison parece ler meus pensamentos e eu lhe dou mais um selinho, tento aprofundar o beijo mas o barulho do telefone de minha sala corta o clima. Ela sai de meu colo e eu percebo que Ezra e Toby ainda estavam lá, nos olhando sorrindo; me sentei na minha cadeira e eles ficaram em pé de frente pra mim. Atendo o telefone, e como sempre no viva-voz.


-Tenente Fields... -digo assim que atendo, mas ninguém responde- Tenente Fields! -repito e um choro de criança surge no fundo


-Oi tenente... -olho pra Alison e ela ja tava chorando no ombro do Toby- Tudo bem?


-Quem é você? -digo calma e faço sinal pro Ezra rastrear a ligação


-Não interessa... O que te interessa é o moleque e..


-Onde ele ta?! -corto e ele rir


-Vamos fazer um acordo? -olho pro Ezra e ele ainda nao tinha conseguido rastrear


-Que tipo de acordo? O que você quer? -Alison me olhava com medo


-Imunidade, ficha limpa.. Que tal?


-Nao entendi. -Ezra faz sinal pra mim enrolar o cara


-Libere meu chefe com toda a ficha dele limpa, sem nada contra ele. Nada de acusações, denúncias... Quero que ele tenha imunidade! -olho assustada pro Toby e ele me olha do mesmo jeito


-Não posso fazer esse tipo de coisa! Ele é responsável por...


-E você sera responsável pela morte de seu filho! O amor faz as pessoas fazerem coisas que normalmente nao fariam.


-Mas isso é impossível! Nenhum juíz me daria um acordo desse tipo e você sabe disso! -Ali me olha chorando e eu sinto meu coração se partir


-Você tem vinte e quatro horas pra liberar meu chefe... Ou vou mandar o coração do seu filho pra você! -ele desliga o telefone e eu fico desesperada


Olho pro Ezra com esperança dele ter conseguido rastrear mas ele nega. Alison me olha esperando eu falar alguma coisa, mas nada sai. Eu nao posso fazer isso, nenhum juíz em sã consciência me daria esse acordo, nem se fosse o própio filho dele. Me levantei da mesa e fiquei de costas pra eles olhando a cidade pelo vidro da minha sala, tinha uma bela visão da cidade de Nova Iorque. Motoristas com pressa pra chegar em casa, pais indo levar seus filhos na escola, um cara vendendo algodão doce na esquina perto do parque, uma menina passeando com uns sete cachorros. Valia a pena eu perder tudo isso? Lutei tanto pra ter essas vista, lutei tanto pra ter respeito, lutei tanto pra nao ser vista como qualquer mulher, mas sempre me faltou algo. Conquistei todas essas coisas mas sempre tive um vazio, um vazio que foi preenchido por Alison Dilaurents e Nicolas. Então sim! Pela primeira vez me sentia completa, e eu nao precisava de um distintivo pra isso!


-Transfira Jason de cela, Toby!


-O que vai fazer?! -ele e Ezra pergunta ao mesmo tempo


Olhei pra Ali e sorrir.


-Vou pegar o meu filho de volta! Nem pra que isso eu perca meu distintivo, como o cara que telefonou disse. O amor faz as pessoas fazerem coisas que normalmente nao fariam! Eu vou pegar o meu filho custe o que custar. Vocês vão me ajudar?


-Desde quando você tem que perguntar? Qual é o plano Tenente?


Contínua?...




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...