História Abandoned Love - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Bts, Jikook, Namjin, Singkook, Vhope
Exibições 1.830
Palavras 11.894
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Festa, Lemon, Romance e Novela, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


PARABÉNS PARA MIM!!! SIMMMMMMMM meu aniversário ainda é hoje na minha cidade, então, sem mais
cheguei atrasada porque estava na rua com meus pais, me perdoem
não tenho muito a dizer aqui, mas quero que leiam as notas finas porque tem muita, mas muita informação lá

o aniversário é meu, mas o presente é de vocês, amores

ESPERO MESMO QUE GOSTEM DESSE CAPÍTULO PORQEU SIM É UM LEMON E É JIKOOK CARALEOOOOOO

LEIAM COM GOSTO, BOA LEITURA!

Capítulo 18 - Expondo sentimentos.


 

Mais tarde estamos de frente para uma moça, pagando por uma noite e uma parte da manhã em um quarto desse hotel barato. Jungkook questionou-me no caminho se eu queria mesmo ir a um hotel, e fiquei confuso com a sua pergunta, mas a expressão maliciosa e o sorrisinho sacana mostrou-me que ele estava mostrando o seu lado pervertido, e confesso que gostei muito daquilo.

Jungkook cutucou-me com o cotovelo algumas vezes quando percebia que a moça desviava o olhar da tela do computador para nós dois que trocávamos farpadas e flertadas sem nos preocupar com a presença da moça que se mostrava muito desconfortável com a situação. Eu queria rir de sua cara e na cara dela, porém, ela foi muito rápida em fazer um cadastro em qualquer canto que nem prestei atenção, só fui respondendo suas perguntas junto de Jungkook, e entregou a chave do quarto com um sorriso e um olhar sem graça, desviando rapidamente o olhar e indicando com a mão onde era o elevador.

Eu e Jungkook conversávamos dentro do elevador enquanto esperávamos chegar até o terceiro andar, comentando sobre o que havia acabado de acontecer e rindo da situação para descontrair um pouco.

Ansioso demais eu saio primeiro daquele cubículo quando o mesmo para no andar desejado, partindo para o quarto que pedi com pressa e ouvindo a risada do meu garoto por trás de mim. Abri a porta totalmente animado, passando a observar o ambiente com atenção. É como um quarto normal; tem uma cama próxima a uma porta que dá acesso a varanda, tem alguns móveis, um frigobar próximo a cama também. Achei realmente muito confortável, e entrei no ambiente com um sorriso imenso, adorando a sensação agradável que me invadiu rapidamente.

Tirei meus sapatos, livrando-me do peso da mochila e deixei meu corpo cansado cair sobre a cama de barriga pra cima e de braços abertos, sentindo um alívio imenso em minha coluna por estar finalmente descansando. Hoje o dia foi cheio demais e não sei o que dizer sobre ele, só sei que foi realmente gratificante vivê-lo intensamente e a aparição de Jungkook e a surpresa que me fez hoje me deixou imensamente feliz.

Jungkook entrou analisando o ambiente também, assim como eu, mas não demonstrou tanta empolgação como eu demonstrei, o que me deixou um pouco preocupado e pensativo.

Será que não gostou de ter vindo pra cá comigo? Ele pediu pra dormir comigo hoje, não pode ser que ele tenha mudado de ideia tão rápido.

Acho que pode estar cansado.

O clima de um minuto para o outro se tornou pesado e tenso, tornando o ar rarefeito comigo e com ele ali dentro. A tensão é palpável de longe e me incomoda muito, tanto que me deito de lado na cama para não poder encara-lo. Faz alguns minutos que estou ouvindo o batuque de seus dedos e de suas unhas contra a tela do celular, parecendo um tanto que desesperado.

E eu fico feito um idiota pensando em besteiras, deitado na cama com ele ao meu lado, mas afastado o bastante para se dizer que estamos longe um do outro.

Eu pensava nele, mas e ele estava pensando em mim?

Com certeza não.

Queria entende-lo somente com suas ações, mas eu não sou fodão para saber o que se passava em sua mente somente olhando-o, também, isso não é possível nem pra um fodão.

— Eu sinto sua falta – suas palavras me assustam um pouco, tanto porque sua voz está rouca demais e bem próxima. Eu quero me virar para ver se ele realmente está perto de mim, mas não consigo me mexer por estar pasmo demais com sua confissão e proximidade. Não é fácil pra mim. Jungkook tem o outro cara lá para satisfazê-lo de todas as maneiras, porque estaria sentindo a minha falta? Certo que confessou que ainda me ama e que nunca deixou de me amar – eu sinto o mesmo –, mas não dá pra eu continuar assim, não impregna na minha cabeça porque ele ainda continua com aquele cara maluco.

Não entendo de que falta minha ele está sentindo já que sempre estou próximo o bastante para sentir falta, mas me toco que nem sempre estou por perto já que o outro está sempre nos olhando com desconfiança, e eu não queria causar mais problemas, então ficava quieto na minha para não inflamar mais as coisas – ainda desconfio que Jungkook tenha levado uma surra daquele filho da puta. Passamos o período da manhã na faculdade, juntos, e em alguns dias saímos juntos, mas escondidos de nossos amigos, de todos na verdade, só que isso parou de acontecer depois daquele dia que ele chegou na casa do Yoongi totalmente machucado, o que só aumenta a minha desconfiança em relação a Youngk.

— De que modo? – ajusto a posição na cama, ficando de barriga pra cima de novo, mas não o encaro porque realmente não quero fazer tal coisa. Passo a encarar o teto comum como se aquilo fosse a coisa mais interessante do mundo, mas a coisa mais interessante do mundo está ao meu lado, porém, sou um idiota que não quer encara-lo por estar pensando em besteiras. O ambiente está sendo iluminado pelas luzes de alguns postes da rua e pela luz da lua que estava enorme lá no céu, mostrando que realmente era uma ótima noite para se aproveitar intensamente.

— De tudo – sinto a cama se mover indicando que ele está aproximando-se mais do meu corpo, mas acabo me levantando da cama e sigo até a varanda. Jungkook me segue, percebo por conta de seus passos atrás de mim, e encosto-me ao parapeito com as duas mãos. Espero que continue falando, ainda não entendo ao que está se referindo e quero explicações, mas ele não diz nada. Depois de alguns segundos Jungkook chega devagar e abraça minha cintura, apoiando seu queixo sobre meu ombro e observando o ambiente assim como eu. Sua cabeça se mexe um pouco e sinto um beijo leve e úmido sob minha pele naquela região sensível, causando uma onda intensa de arrepio por meu corpo e fecho os olhos com tamanha sensação deleitosa. As mãos afoitas estão em minha cintura, às vezes subindo e descendo em uma massagem leve e acabo sorrindo com sua aproximação, adorando a sensação boa do seu corpo colado com o meu. Sinto saudades, oh, como sinto saudades. Olho pra cima e vejo o céu estrelado e a lua enorme e brilhante, sorrindo pra mim e pra Jungkook. De repente sinto algo duro em minha perna e estremeço. Ah, nossa. – Dos seus beijos – voltou a falar, sussurrando de uma maneira provocante em meu ouvido. Engoli o gemido para não dar tão na cara assim que estou querendo muito fodê-lo essa noite. – Dos seus toques em meu corpo... Dos seus eu te amo sussurrados em meio ao sexo. De você. De exatamente tudo o que tínhamos quando namorávamos. De tudo o que te envolve, Jimin.

Aquelas palavras me fizeram abrir um sorriso, mas eu fechei a boca, tornando-me triste quando me toquei do que perdemos de viver em todo esse tempo. Eu e ele poderíamos ter criado um futuro brilhante e vivido coisas maravilhosas se ele não tivesse ido morar com sua mãe, se não tivesse fugido de mim. E eu deveria ter ido atrás dele. Deveria ter procurado por ele até no inferno, mas algo dentro de mim dizia que deveríamos dar um tempo, que precisávamos de espaço, e decidi testar a relação por mensagens e chamadas de vídeo.

Mas não deu certo como pensei que daria.

Sem perceber estou chorando silenciosamente. As lágrimas escorrem rapidamente por meu rosto, implorando para que a dor fosse embora e fosse substituída por uma alegria imensa. Mas está meio difícil e impossível.

Eu quero minha alegria com Jungkook e se demorar muito pra isso acontecer não tem problema, vai doer, vai! Mas eu esperarei o tempo que for preciso por ele.

Porque o amo e quem ama espera.

Quem ama muito sempre espera.

— Não estou aguentando mais Jungkook – confesso, decidindo dizer pra ele sobre meus sentimentos. Comprimo os lábios e limpo meu rosto banhado em lágrimas com as costas das mãos. Viro meu rosto de lado para poder encara-lo por algum tempo e ele abre a boca totalmente abismado por me ver chorando, por me ver demonstrando o meu lado sensível depois de tanto tempo. Jungkook tenta falar algo diversas vezes, mas não consegue pronunciar nada. Solto um suspiro angustiado, voltando a olhar pra frente e me apoio mais no parapeito, sentindo seu corpo se encostar mais ao meu à medida que eu ia pra frente e sua cabeça fica apoiada em minhas costas. Acabo soltando uma risada de ímpeto e balanço a cabeça em negação por conta daquele homem folgado que eu tenho. Eu tenho? Eu o amo tanto... – Não quero ter que namorar você com ele por perto, isso é errado! Eu quero que você termine esse namoro o mais rápido possível. Vê-lo com ele ao seu lado está me matando aos poucos baby – sinto vontade de chorar de novo ao estar expondo meus sentimentos tão limpidamente para ele, mas Jungkook merece saber que eu não estou mais suportando aquela dor nojenta em meu peito. – Você não percebe que está me machucando?

Jeon se afastou rápido, soltando um muxoxo esquisito, mas não me responde de imediato. Ele parece pensar bem em suas palavras, pois está concentradíssimo. Fitei seu rosto a procura de algum sentimento e tudo o que encontrei foi uma imensidão castanha concentrada no céu estrelado e fico me perguntando internamente no que ele está pensando agora. Tenho vontade de ler mentes para desvendar seu mistério.

— Não é tão fácil assim – suspirou por fim, demonstrando frustração quando passou as mãos pelo rosto. Jungkook mostra-se aperrado com algo que está cutucando sua preocupação e isso me frustra um bocado porque não sei realmente o que está acontecendo com ele, mas seus atos me instigam a descobrir o que é. Porque diachos ele não se abre pra mim? Será que tem medo de algo? Abri mais meus olhos ao ter esse pensamento e continuo o encarando, esperando que prosseguisse para que me fizesse entender o que passa para poder ajuda-lo também, mas aquele pedaço de mau caminho fica em silêncio.

Na minha concepção é só ele terminar com o loiro falso. Não é? Claro que é! Simples e fácil. Mas Jungkook parece totalmente disposto a não acatar tal opção, o que me faz pensar na possibilidade de ele estar amando Youngk e também me amar.

— Você o ama, não é? É por isso? – começo meu interrogatório, bolando mais perguntas em mente. Jungkook me encarou com uma careta engraçada, parecendo mais de nojo, e riu. Eu quis ri também, mas lembrei que estávamos falando de algo muito sério, mesmo que ele esteja demonstrando somente pela expressão que realmente não o ama.

— Não afirma uma coisa quando não tem certeza dela – revirou os olhos e depois me encarou com uma expressão séria. Sinto a fragilidade me invadir diante do seu olhar tão sério, me desarmando por inteiro. Quero dizer algo pra ele, mas estou petrificado com seu olhar penetrante e sufocante. Jungkook nunca me encarou daquele jeito antes e é ruim sentir essas sensações com ele pela primeira vez. Engulo a seco e balanço a cabeça que sim, esquecendo-me do interrogatório que criei mentalmente e desvio meu olhar do seu. – Eu amo você – soltei todo o ar preso em meus pulmões, ouvindo a batida forte do meu coração. – Só você quem eu amei e ainda amo todos esses anos. Porque não consegue entender isso? Porque não acredita?

— Porque não termina com ele de uma vez por todas? – perguntei não aguentando mais ter aquelas palavras entaladas em minha garganta. Faço careta e me viro de novo, segurando em seu ombro com uma das mãos. – Pelo o que eu entendo vocês não tem nada além de um relacionamento que está sendo destruído por conta de que ele está desconfiado de tud...

— Ele não está desconfiado – interrompeu o que eu dizia, deixando-me confuso. Paro rapidamente, olhando pra ele perplexo, pois percebo que Jungkook está afirmando que... – Ele já sabe. Youngk descobriu que o trai com você.

— E o que ele disse com isso? Como ele reagiu? Jungkook?! Não foi ele quem fez isso com você, não foi? Se for eu... – bombardeio, sentindo meu peito doer só de pensar na possibilidade de ter sido aquele troglodita que agrediu o meu garoto. Começo a entrar em desespero, pensando no pior e afirmando coisas que nem sei se foi verdade, mas Jungkook me acalma quando me abraça e afaga meus cabelos com ternura, me livrando do ataque de desespero.

— Não! Calma – tomou meu rosto em mãos quando se aproximou e virou o mesmo para poder beijar minha bochecha e depois encostar seus lábios contra os meus, causando uma leve pressão sob eles. Suspiro fragilizado com sua aproximação, assentindo ao que disse e me acalmo. Subo meu olhar por seu pescoço, sentindo a angustia me invadir quando dou de cara com as marcas de agressões ainda aparentes em sua pele branquinha. Toco na região com as pontas dos dedos, ainda abismado com aquilo, e rapidamente fico com a visão embaçada pela dor que me invade e arrepia meu corpo por inteiro. Eu quero mesmo matar a pessoa que fez isso com o meu Jungkook. Para tentar cura-lo eu beijo seu pescoço devagar, passando minha língua por ali e beijando outras partes machucadas como se meus beijos fossem cura-lo. Jungkook gemeu baixinho, sorrindo pelo o que percebi e apertando ainda mais seus dedos dentro dos meus cabelos. – Não foi ele... – sussurrou depois que parei. Afasto meu corpo do seu para poder fitar seus olhos enquanto ele me diz essa mentira nojenta, mas ele desvia rapidamente o olhar. – Eu já disse o que aconteceu. Porque não consegue acreditar em mim?

— Eu acredito em você sim, mas te conheço mil vezes melhor Jungkook. Sei quando está mentindo – falei devagar, observando-o travar o maxilar e piscar os olhos devagar enquanto olha para um ponto qualquer que eu não esteja para não poder encarar os meus olhos cheios de convicção. – Você não consegue olhar nos olhos da pessoa quando está mentindo porque sabe que isso é demais pra si. Sabe que mentir é feio, é ruim e você simplesmente não fita os olhos da pessoa quando está mentindo. Eu te conheço muito bem, Jungkook – sorri comigo mesmo com o conhecimento que tenho dele, sentindo o orgulho me invadir. O moreno abriu a boca para dizer algo, mas somente soltou o ar como se estivesse se sentindo sufocado com minhas palavras tão verdadeiras. – Porque não fita meus olhos e me diz que não foi ele que fez isso com você? – acaricio seu rosto para lhe passar apoio e mais confiança. Jungkook arfou desesperado, virando sua cabeça aos poucos na minha direção e encarando meus olhos com uma intensidade e força sem fim, mas eu vi pela sombra de seus olhos que ele estava tão angustiado por ter que mentir pra mim olhando em meus olhos.

— Não foi... – se interrompeu rapidamente quando o toque do seu celular soou. Me afasto um passo dele para que atenda, morrendo de raiva por dentro por essa ligação ter nos atrapalhado em algo muito importante. Mordi meu lábio, sentindo a frustração me dominar por eu não ter ouvido completamente a sua mentira esfarrapada e passo a observar Jeon atentamente. Seu rosto parece empalidecer imediatamente e ele arregala os olhos assim que, creio eu, lê o nome da pessoa que está o ligando. Eu me aproximo rápido para tentar ver quem é, mas Jungkook sorriu pra mim como se não estivesse acontecendo nada e se afasta ainda com aquele sorrisinho mentiroso. – Me dá um minuto – e então foi para o outro lado da varanda, deixando-me com cara de bosta. Solto o ar preso pela boca, piscando os olhos lentamente para tentar entender o que tinha acabado de acontecer e o observo falar com a pessoa do outro lado da linha entre dentes. A curiosidade me atingiu de imediato e a desconfiança aumentou, e acho que pode ser seu namorado filho da puta lhe ligando para pedir pra ele ir pra casa ou até para perguntar onde ele está, mas penso que pode ser sua mãe preocupada consigo ou qualquer outra pessoa.

Jungkook finalizou a ligação com um olhar mórbido sob o aparelho e mirou seus olhos em mim, entrando no quarto com raiva.

Eu não tinha culpa, Jeongguk, não me encare assim.

— Que merda – resmunguei quando se passou algum tempinho do ocorrido e soco o ar, sentindo-me um perdedor por não ter conseguido ouvir a verdade sair da boca dele. Consigo ouvir sua movimentação do lado de dentro e acabo me assustando com o toque repentino do meu celular.

Pego o aparelho em mãos e encaro o visor. Minha mãe está ligando pra mim e atendo rapidamente, pois já tenho a desculpa ótima na ponta da língua. Sei que ela vai me perguntar se vou comparecer no jantar idiota e vai perguntar onde estou, mas vou simplesmente ser bem sincero com ela. Não estou com saco pra ser bonzinho. Minha mãe tem que perceber que ainda tenho raiva dela, mesmo que às vezes eu comece a agir de um modo que dê pra entender que a perdoei. Eu não consigo perdoar. É algo estranho. Tem dias que estou apto para dizer sim pra ela em relação ao seu pedido de perdão, mas tem dias que estou chato pra caralho e nem me dou ao trabalho de olhar em sua cara, pois a minha expressão já diz um não.

— Onde está? – a voz entrecortada preenche meus ouvidos e consigo ouvir algumas vozes ao fundo. – Jimin? – ela parece muito preocupada comigo, o que me deixa um pouco atordoado, mas balanço a cabeça em negação para me livrar daquele sentimento avassalador que me impedia, às vezes, de fazer algo e suspiro.

— Oi mãe, estou fora.

— Você não vem para o jantar?

— Não vou – sou direito, pois realmente não gosto de enrolações quando o assunto é coisas idiotas e que me faz perder tempo. É só uma droga de jantar! E eu tenho lembranças muito ruins em relação a isso.

— Tudo bem – ela parece bem decepcionada comigo, o que atinge em cheio uma parte no meu peito, causando aquela típica dorzinha fina no coração, denominada tristeza. Ela finalizou a ligação que nem percebi. Me condeno mentalmente por ser um péssimo filho em todos esses anos e penso em ligar pra ela de volta para lhe explicar direito o que está acontecendo. Eu até ligo, mas ela não me atente de jeito nenhum.

Eu me odeio tanto.

Tento ligar de novo para lhe dar uma desculpa mais explicada, mas ela não me atende e desisto de me passar por culpado na terceira tentativa. Penso que se ela tivesse atendido poderia ficar mais decepcionada comigo, então deixo para esclarecer tudo amanhã quando chegar em casa. Sojin, minha mãe, tem que saber que minha opção sexual não é a que ela pensa que tenho e também tem que saber que sou perdidamente apaixonado por Jeon Jungkook... Espero que ela me aceite. Meu pai não precisa saber sobre isso por agora, depois tentarei explicar tudo pra ele. Talvez eu faça isso com Jungkook ao meu lado e se meu pai tentar fazer algo de ruim para o meu homem eu farei algo pior ainda com ele. Não me importo se somos do mesmo sangue, não mesmo, se machucar Jungkook eu machuco também. Ele foi ruim no passado, tornou-se mediano em relação à ruindade por agora, mas fez coisas e não pediu perdão.

Mas primeiro tenho que resolver minha situação com Jungkook e depois apresenta-lo a meus pais como meu namorado.

Pode demorar, mas creio que ainda vai acontecer.

— Jungkook? – volto pro quarto e o procuro com o olhar, não o encontrando. Franzo o cenho e me viro de costas para fechar a porta que dá acesso à varanda, pois está frio, e tomo cuidado para não quebra-la já que é de vidro e está emperrada. Me estresso rapidamente, forçando a porta para o lado para que fechasse e faço isso com força, chocando o material da porta contra o encaixe da mesma e causando um barulho. Arregalo os olhos com um pouco de raiva e coloco a mão no peito, observo se não quebrou nada já que não tenho dinheiro o bastante aqui comigo para pagar pelo conserto e felizmente está tudo em suas ordens. Viro-me de costas para a porta, observando o quarto escuro com atenção e os olhos bem abertos para enxergar algo, porém, tudo o que consigo ver é a cama que está sendo iluminada pela luz que vem de fora em outras janelas.

Paro por um momento, imaginando-me em um motel com luzes coloridas e um pole dance no meio do quarto. Também alguns objetos horrendos e sexuais postos sobre o criado mudo na cama e Jungkook totalmente pelado na cama, usufruindo de um pênis de borracha e clamando por mim em meio a gemidos manhosos.

Acabo sorrindo com minha imaginação fértil e procuro por ele de novo, me assustando quando o encontro deitado na grande cama somente com um fino lençol de seda sobre seu corpo escultural.

Dai vem da dúvida: ele está pelado?

— Você está tão sensual assim – comento prendendo uma risada e me aproximo da cama. Posso ver sua clavícula saliente a mostra, porém têm algumas marcas arroxeadas naquela região, o que me deixa enraivecido. – Está aprendendo com alguém a ser tão sensual assim? Parece pornô.

Desvio o olhar de sua clavícula temendo não conseguir encara-lo mais essa noite por conta dessas marcas horríveis e disfarço tal coisa, descendo meus olhos por todo seu corpo e vendo boa parte da sua cintura exposta por conta do lençol posto de modo errôneo sobre seu corpo.

E então mato minha dúvida: ele está nu.

Engoli a seco pensando em qualquer outra coisa para me controlar e não avançar em cima dele para beija-lo inteiramente e usufruir do seu corpo do jeito que quero. Pisco os olhos algumas vezes, voltando a fita-lo de cima abaixo e me perdendo um pouco naquele corpo escultural. Jungkook acaba se remexendo na cama, fazendo com que o lençol descobrisse mais um pouco do seu corpo. A região de sua cintura está mais descoberta do que antes e dá para ver um pouco da sua virilha. Rapidamente arregalo os olhos e balanço a cabeça negativamente tentando de algum jeito me controlar, mas não dá. Novamente volto a olha-lo de boca aberta com tamanha perfeição do meu menino e encaro a região abaixo de sua cintura, percebendo que sua mão está ali masturbando seu pênis com leveza.

Acabo me virando de costas para não ter que observar aquela tentação, eu não quero me descontrolar com ele e acabar lhe machucando mais do que já está, mas quero tanto fazer amor com ele agora...

— Não estraga o clima – pediu em um resmungo depois que me percebeu virado de costas pra si, mas riu. Ouço sua movimentação na cama e depois de alguns segundos suas mãos estão em meus ombros, fazendo uma massagem naquela região com delicadeza. – Você está tenso amor, relaxe – respirou em meu pescoço, causando um friozinho em minha barriga por sentir ele tão próximo de mim. Decido relaxar e respiro e inspiro profundamente, relaxando meus ombros. Jungkook continua com a massagem e acaba se esfregando em mim vez ou outra, roçando seu pênis em minhas costas e me deixando abismado com tamanha sem vergonha do meu garoto. Ele era tão tímido! Virou um diabinho sensual ao meu lado. Jeon começa a beijar meu pescoço, usando principalmente a sua língua para me causar arrepios intensos. Viro a cabeça para o lado pra ler dar mais espaço, suspirando vez ou outra por sentir a fricção de sua boca quentinha, úmida e sedenta sob minha pele numa região tão sensível pra mim. Me encostei mais nele, mas o safado se afastou quando viu que eu estava gostando e riu da minha cara. Rapidamente me virei para encara-lo e o vi totalmente lindo e sexy deitado naquela cama, com um sorrisinho vitorioso nos lábios fartos. De repente fica de joelhos na cama e com as mãos apoiadas no colchão. Começou a morder seu lábio inferior, maltratando aqueles lábios com seus dentes de coelho para me provocar. Eu gemi por dentro, fazendo uma expressão de agonia misturada com prazer, e subi direito na cama. Observo seu abdômen gostoso de mais perto, percebendo alguns roxos ficando em um tom esverdeado e engulo o bolo que sobe por minha garganta. Quero chorar agora, mas meu menino está tão necessitado de mim e se me ver desse jeito vou acabar estragando tudo. Tenho vontade de cuidar dele com mais atenção e virar um segurança seu, também quero destruir o desgraçado que fez isso com o meu homem. – Não fica olhando tanto pra isso – implorou com um olhar triste. Jungkook pôs as mãos em frente ao corpo e cruzou os braços rentes ao peito, me fitando com um pouco de irritação e tristeza. – Eu quero você por inteiro, não quero vê-lo tendo pensamentos ruins. E sei que também me quer por inteiro nesta noite, então, eu estou aqui Jimin... – suspirou e descruzou os braços, começando a tocar em seu corpo. Eu confesso que senti algo em meu estomago quando o vi se tocando, e quero muito estar no lugar de suas mãos afoitas. – Você tem mais da metade de mim por agora, só faltam algumas coisinhas pra me ter inteiramente.

— Não vou conseguir – murmurei entre um soluço agoniado, não percebendo que já estava chorando. Meu menino está tão machucado, e não vou aguentar vê-lo desse jeito. Me dói tanto... Estou com uma vontade tão grande de jogar tudo para o alto e fazer amor com ele, mas não vou me permitir porque ele tem muitas marcas roxas em seu corpo, o que me deixa aflito. Meu peito parece que vai rasgar em dor e sofrimento.

— Faz isso por mim, por favor? Eu quero fazer amor com você. Estou morrendo de saudades – sua manha não! Ele vai me conseguir desse jeito.

— Também tô morrendo de saudades, mas olha só o seu estado – me aproximo dele com lágrimas inundando minha visão. Sinto o peso da culpa em meus ombros. Não sei o que é, só me bate a sensação de que aqueles hematomas foram parar ali por minha causa. – Meu amor – pronunciei com uma angustia sem fim. Jungkook se ajeita na cama quando vê que estou próximo o bastante e acabo subindo em seu colo, sentando no mesmo. Segurou em minhas coxas, apertando minha carne com força e mordendo seu lábio, fazendo uma expressão alvoroçada. Soltei um riso pelo nariz e empurro seu corpo para que se deite no colchão, logo estou deitado em cima dele, o abraçando. – Me diz a verdade, por favor! – imploro agoniado, o coração acelerado como se fosse receber uma resposta coerente dele. – Eu não aguento mais sofrer e te ver sofrendo também. Por favor, baby! Eu posso te ajudar nisso, eu quero te ajudar!

— Jiminie, não vamos mais falar sobre isso, tá? – acariciou meu rosto e me deu um beijo na bochecha. Aos poucos fui parando de chorar e apertei seu corpo contra o meu como se quisesse nos fundir e tornarmos um só. Paro de abraça-lo e me afasto para observar o seu estado. Jungkook tem os cabelos que estão um pouco grandes soltos no colchão e o rosto está vermelho junto de seus lábios. Soltei um gemido com a visão que tinha, fechando os olhos um pouco pela tamanha intensidade e sinto sua mão em meu rosto. – Lembra que isso é um momento raro onde podemos ficar sozinhos em paz. Então, por favor, por mim! Tanta aproveitar o momento e vamos nos amar até o fim – a angustia em sua voz é evidente e me deixo levar, mas ainda sim me sinto muito agoniado por não saber quem fez isso com ele.

Eu só quero protegê-lo do monstro que lhe causou tudo isso.

— Também não gosto disso, mas eu irei resolver. Prometo que em breve as coisas vão estar em perfeito estado e vou ser inteiramente seu, meu amor – suas palavras me acalmaram um pouco e assenti um pouco animado, sorrindo. Seus olhos brilhavam em lágrimas como se tivesse lembrado de algo, e quero beija-lo agora para fazê-lo livrar dos pensamentos ruins. – Eu amo você, só você! Por favor, me beija agora e vamos nos envolver nessa coisa magnifica. Estou morrendo de saudades de você, da sua boca – sorriu minimamente e assenti também sorrindo. Levo as mãos até seu rosto e aproximo minha boca da sua, mas não o beijo. Jungkook toca em meus lábios com os seus dedos e os molda perfeitamente, sorrindo feliz e depois une nossos lábios em um beijo singelo que aos poucos se torna afoito e rápido como se quiséssemos ser rápidos em nos amar.

Mas eu tenho todo o tempo do mundo pra você, Jeon Jungkook, e quero que isso seja tão lento e calmo, mas ao mesmo tempo com brutalidade e afobação.

O tempo poderia parar agora, mas eu iria ficar feliz porque eu o tenho ao meu lado.

Eu poderia passar horas e horas falando o quanto sou viciado nos beijos de Jungkook e no quanto me deixam abobado e mais um bocado de sentimentos, mas estou tão concentrando naquele ósculo que nem me dou ao trabalho de pensar em tal coisa. Depois penso nisso com calma e explico pra mim mesmo o quanto sou viciado no meu garoto. Jungkook é incrível no que faz e me fascina por inteiro. O beijo dele é único e causa sensações maravilhosas dentro de mim, tanto que acabei esquecendo que estava o rejeitando pelas marcas arroxeadas em sua pele estonteante.

Joguei meu peso sob meus joelhos, apoiando-os sobre o colchão e pus minhas mãos em seu pescoço, acariciando suas bochechas com os polegares. Senti Jungkook sorrir entre o beijo e apertar minha cintura sem pudor, marcando a mesma com seus dedos. Nossas línguas brincavam nos proporcionando sensações únicas. Eu suguei seus lábios totalmente necessitado e sedento por isso e os mordisquei, chupando de novo e de novo.

Eu não me canso de beija-lo.

Afastei-me um pouco para respirar e sentei na cama, ficando com as costas coladas com a cabeceira da mesma. Não demorou muito para que Jeon subisse em meu colo e sentasse no mesmo, beijando meu pescoço, mordendo minha pele e deixando marcas e rastros de saliva, rebolando sobre meu pau rígido. Os murmúrios baixos que escapuliam de sua boca me excitavam tanto, e meu pau doía de tão duro que estava. Eu o segurei na cintura, pressionando seu quadril pra baixo para causar mais pressão sobre meu pênis sedento. Jungkook acabou rebolando de novo, e gemi em êxtase, querendo mais e mais fricção.

— Isso a-ah – soltou alguns gemidos em meio às carícias eróticas que dava em minha pele, rebolando mais ainda. Sem perceber estávamos nos esfregando um no outro, fazendo nossa excitação aumentar gradativamente. Jungkook levou suas mãos até minha nuca e entrelaçou seus dedos sob meus cabelos, os puxando para o lado e fazendo minha cabeça tombar para o lado puxado. Eu acabei sorrindo por estar realmente gostando daquilo e apertei mais minhas mãos contra sua cintura, passando a comandar o ritmo de suas reboladas maravilhosas.

Sem mais delongas o fiz tirar minha camisa, devagar para que esse tempo juntos fosse bem lento e também para que eu gravasse todos os seus movimentos em minha mente.

Ajudei-o a tirar minha calça e quando nossas peles estavam se tocando foi quando me dei conta de tudo. Iríamos nos amar a noite inteira e nos deliciar em nossos corpos. Iríamos fazer de novo e de novo porque nós amamos. Iríamos nos tornar um só e tudo o que eu mais quero é me tornar um só com Jungkook, porém, por enquanto, ainda éramos Jimin e Jungkook e não nós.

Não vou me conformar até ele terminar esse namoro fajuto.

Nego veemente com a cabeça para me livrar daqueles pensamentos. Devo me concentrar em Jungkook, somente nele. Eu devo isso a ele e ele me deve mais ainda.

Encarei seu rosto bonito por um momento, acariciando suas bochechas lisas com os polegares e sorrindo minimamente. Eu o tenho agora e isso é o que importa. Sou eu quem está o causando sensações tremendamente satisfatórias, sou eu quem vai fazê-lo gozar, sou eu que vou me enterrar nele, dar investidas atrás das outras e amá-lo para o resto da minha vida. Não aquele outro.

Sou eu.

Tenho que me lembrar de que sou o único a estar dentro de Jungkook, além do cara esquecido que tirou sua virgindade, o que era pra ser minha também. Pelo menos tirei sua virgindade da frente quando ele me fodeu na nossa primeira noite.

— No que está pensando? – ele ri e beija minha bochecha, passando seu musculo molhado sobre minha pele e fazendo um rastro de saliva até minha orelha onde ele suga o lóbulo, pondo-o entre dentes e o puxando quando se afasta para me olhar de novo. Eu prestei atenção em tudo aquilo porque tudo o que Jungkook causa em mim deixa-me atendo pra caralho, e acabei arfando. Intensifiquei mais o aperto em sua pele, querendo grava-lo em minhas mãos e querendo causar marcas mesmo.

O outro alguém que ele não quer me dizer causou marcas, porque não posso?

São marcas de amor e não de agressão.

— Estava pensando que sou o único em tudo pra você – sorri ao terminar de pronunciar isso, deitando minha cabeça para o lado pra lhe dar mais espaço para encher-me de beijos molhados. Jungkook fazia tudo com calma, trabalhando bem em me deixar excitado somente com os beijos lascivos contra minha pele em uma região tão sensível.

Pescoço, essa região me causa um arrepio tão grande quando tocada por outra pessoa, e os toques de Jungkook faziam exatamente o mesmo só que com mais intensidade.

Subi um pouco minhas mãos da sua cintura até suas costas, descendo-as devagar e depois subindo, gravando cada parte do seu corpo em minhas mãos afoitas e o observando ofegar diante dos meus toques. Quando desci com as mãos as parei em sua bunda, apalpando as nádegas fartas e ouvindo seu gemido contido.

Ele sorriu contra meu pescoço, mordendo o mesmo com força. Arfei com um sorriso e mordi seu ombro para descontar.

Foi dai que pensei em algo e não iria tirar aquela ideia da cabeça de jeito nenhum.

— Você está certo – confirmou as minhas afirmações.

— Está dizendo que nunca se deitou com ele?

Eu já sabia disso Jeon.

— Não deveríamos estar falando sobre isso nesse momento, não acha? – sorriu de canto, beijando meus lábios rapidamente para ouvir minha resposta.

— Realmente – voltei ao mundo real e sorri impudicamente. Segurei em seus cabelos, apertando minha mão com vários fios dele ali, ouvindo um arfar dolorido do mesmo. – Eu estou querendo ser bruto com você está noite. O que me diz? Aguenta?

— Aceito qualquer coisa vindo de você, meu amor – respondeu manhoso e acabei relembrando das nossas noites em claro. Instantaneamente sorri. Eu estava fazendo de novo com ele e nem me importava se ele estava namorando, o que me importa é o meu amor por ele e vice-versa. – Se eu aguento? Você é fraquinho – provocou.

— Tá mexendo com fogo, Jeon Jungkook – achei graça de sua provocação e acabei rindo. – Se prepare então porque eu não vou ter dó de você – sorri perverso e aproximei seu rosto do meu com força. Jungkook gemeu como uma puta por conta da minha brutalidade e pensei que fosse reclamar comigo, mas tinha um mínimo sorriso satisfeito no canto dos lábios. Ah, seu gostoso, não faz isso comigo porque eu vou descontar tudo em cima de você. – Vou marcar sua pele – suguei uma marca roxa que tinha em seu ombro, morrendo de raiva por ela estar ali, não sou cuidadoso nem nada, e ele reage bem diante disso, pois geme em prazer, arranhando minha pele em seguida. E eu me deliciei totalmente com aquilo. Forcei mais meus lábios contra a pele quente e suguei com mais força para deixar mais roxo do que já estava. Sinto raiva por essas marcas estarem em seu corpo, me sinto muito irritado agora e quero marca-lo por inteiro com marcas feitas por mim. – Vou fazê-lo gemer como um gatinho manhoso e também como uma puta sedenta por sexo – grunhiu em resposta. Soprei uma boa quantidade de ar em cima da marca que acabei de “concertar” e ri quando o senti estremecer. As mãos de Jungkook pareciam perdidas e as guiei até meus mamilos onde ele logo começou a trabalhar. – Você vai sentir a minha investida... – fiz um movimento circular com o quadril e insinuei penetradas fortes, roçando meu pênis duro no seu. – Por semanas – completo. Intensifico os movimentos, deixando Jeon bem perdido com a minha perversão. – As pessoas vão te olhar achando estranho você estar andando mancando e vão perceber de cara que você foi fodido de jeito porque eu... – apontei pra mim com a mão livre, encarando seus olhos profundos. – Eu mesmo Jungkook, só eu que consigo te foder direito, só eu que consigo acertar o seu ponto máximo e que consigo deixa-lo anestesiado depois de uma foda intensa. Só eu, Jeon, tá me entendendo? Só eu – sorri maliciosamente, aproximando meu rosto do seu. Jungkook assentiu rapidamente, parecendo bem agoniado com minhas palavras, e sei que acertei em cheio onde queria acertar. Minha intenção era incita-lo por dentro e por fora, deixa-lo totalmente ansioso para ser fodido de jeito, e consegui fazer isso. – Você não vai andar direito nas próximas semanas baby.

— E... – respirou fundo e fechou os olhos, logo afastando nossos rostos minimamente. – Eu quero que faça tudo isso comigo, Jimin. Quero que faça com força, que me rasgue e me deixe em andar. Eu quero que as pessoas vejam que você me fodeu daquele jeito que eu gosto, quero comentar com os outros que eu tenho o homem perfeito e que sabe foder muito bem.

— Porra... – urrei, segurando em seu ombro. Não aguento por mais nenhum segundo e uni nossos lábios com urgência em um beijo voraz e sedento. Aquilo mais parecia uma guerra, e Jungkook fincou suas mãos em meus cabelos, bagunçando-os tanto que o fez parecer um ninho de passarinhos.

Eu me movi incomodado abaixo dele, e Jeon passou a rebolar com mais afinidade sobre meu pau duro e pulsante. Por impulso acabei investindo contra ele, querendo mais e mais, e decidi que já estava na hora de partimos para algo além de beijos e carícias.

Findei o beijo e fitei seus olhos por alguns instantes, logo passeando meus olhos por cada cantinho do seu corpo maravilhoso. Parei em seus mamilos e por curiosidade toquei ali, logo ganhando um gemido satisfeito em resposta. Abri um mínimo sorriso e belisquei o mamilo direito com os dedos enquanto sugava o outro com minha boca e rodeava com a língua. Jungkook tinha as mãos em meus cabelos e vezes ou outra arranhava minha nuca, ondulando o quadril sobre meu pênis rígido e causando sensações estrondosas em meu corpo fervendo de excitação.

— Seria pedir muito pra você me foder logo? Sem piedade! – pediu em meio a gemidos roucos e tornei a me afastar de seus mamilos eriçados para dar atenção a seu rosto vermelho e suado.

— Não, não seria, mas não vou te dar esse gostinho agora bebê. Você só vai me ter te fodendo depois que eu fizer o que estou querendo fazer desde muito tempo.

— E o que seria? – parecia curioso.

— Não é exatamente eu quem vai fazer isso e sim você – apontei pra ele que encarou-me confuso de princípio, mas abriu um sorriso depois de alguns segundos quando entendeu o que eu quis dizer. Não precisei falar mais nada, pois Jungkook num piscar de olhos estava deitado de bruços na cama e no meio de minhas pernas abertas, tocando em minha ereção latejando por atenção com as pontas dos dedos. – Você é bem rápido – ri.

— Tudo em relação a você eu sou rápido – piscou e sorriu.

A mão afoita e macia segurou meu membro por cima da cueca e pude sentir um pouco do pré-gozo escorrer de minha glande, sujando o tecido fino e branco da minha cueca, deixando-a transparente. Jungkook percebeu meu estado e sorriu perverso, levando a boca até o falo e o contornando com sua boca ainda por cima do tecido. Os gemidos escapuliram incontrolavelmente de minha boca, e pouco me importo se estávamos em um hotel, eu só queria extravasar o prazer que estou sentindo.

Com certeza vamos receber reclamações dos vizinhos, mas não quero mesmo lembrar daquela possível situação que poderíamos passar e foco toda a minha atenção nele. Somente nele.

Jungkook pareceu não se importar também.

Se ele não se importa porque eu iria me importar com tal coisa fútil?

Os olhares que aquele garoto me mandava causavam um nervosismo em meu interior que era ofuscado pelo ferver de sentimentos unidos e aflorados, e os toques em minha região sensível só piorava tudo porque eu pensava em inúmeras coisas relacionadas à Jeon Jungkook e sua sabedoria em usar as mãos, a boca, o corpo... Tudo. E também, estou tão vulnerável ao toque e meu homem me tocando desse jeito só me deixa muito mais sensível.

Fiz questão de retirar minha cueca com rapidez já que percebi que estava mais interessado em me provocar e também estava tão necessitado de toques mais intensos em meu íntimo, e Jungkook realizou meu desejo depois de me encarar, umedecer aqueles lábios fartos lentamente para me provocar e sorrir de uma maneira impudica, logo preenchendo sua boca com meu pau que pulsava por ele.

Meus gemidos ecoaram pelo ambiente e nem me importei nem nada, estava realmente gostando de suas chupadas e de sua boca quentinha comprimindo meu falo pulsante. Jungkook rodeou a glande inchada com a língua, chupando a cabeça despudoradamente e me fazendo revirar os olhos com tal ato avassalador. Seu riso foi mínimo, mas foi o suficiente para me mandar vibrações intensas e inconsequentemente um arrepio forte em meu corpo. Contornou as veias saltadas com a ponta da língua, brincando de por e não por meu pau dentro de sua boca, e não me aguentei por tanto tempo nessa palhaçada infinita. Segurei seus cabelos sem dó e empurrei sua cabeça contra meu falo para que ele o chupasse do jeito que quero. Com a mão em sua cabeça ditei os movimentos da felação e me senti totalmente molhado.

— Adoro quando faz isso neném – acariciei seus cabelos, jogando-os para o lado. Jungkook levantou o olhar pra mim, querendo sorrir, mas não conseguia por estar com meu pau dentro de sua boca.

A prática da felação, droga! Isso é uma coisa tão boa na hora do sexo, e contribui para trazer harmonia para o casal.

E, com certeza, estava trazendo harmonia pra mim e Jungkook.

Ele continuou mamando, beijando meu intimo com carinho e às vezes causando aquele “plot” quando dava um beijo estalado. Mordi meu lábio inferior e olhei pra baixo vendo meu garoto com a língua toda pra fora e pondo meu falo naquela região, passando sorrateiramente o musculo molhado e me olhando com uma pitada de malicia no olhar.

Eu estou quente, muito, mas muito quente.

Jungkook usou uma mão para masturbar o restante que não coube em sua boca e a outra usou para massagear minhas bolas, deixando-me de pernas bambas.

Uma sensação gostosa foi se aproximando em meu baixo ventre e tremi, Jeon percebeu que eu estava próximo e intensificou os movimentos para que eu atingisse meu ápice. Respiro fundo e fecho meus olhos para que conseguisse atingir o orgasmo com mais rapidez. Eu estava necessitado disso, ansioso por demais para sentir aquela sensação gostosa de novo e seguro seus cabelos de novo, empurrando sua cabeça na direção do meu pênis com certa brutalidade. De primeiro nem me importo se estou o machucando, só preciso chegar ao meu limite.

Ouvi um engasgar e parei, mandando um olhar de sinceras desculpas pra ele, mas Jeongguk está tão focado em me mamar que nem se importa com isso.

Sorrio, fechando meus olhos de novo e, sem querer, imaginei-me fodendo Jungkook de quatro e com sua cabeça batendo na parede com a força das estocadas. E imaginar isso foi o basta para que eu gozasse em sua boca.

Continuei ditando os movimentos dele para prolongar a sensação ótima do orgasmo, e foi magnífico.

Intensamente bom. Ah. Me sinto no paraíso.

— Jungkook-ah – gemi sussurrado e meu moreno se afastou do meu pênis com um estalo, sorrindo pra mim e limpando os cantos de sua boca com as costas da mão, provocando-me mais ainda. – Eu quero te foder tanto...

— Então venha me foder – ditou manhoso, sorrindo lascivo. Arrepiei-me internamente quando ele se virou de costas pra mim e ficou de quatro na cama, empinando sua bunda pra mim. Meu pênis fisgou tão forte com a visão de suas nádegas cheinhas escondendo a sua entrada pulsante que clamava por mim e senti que poderia gozar em jatos fortes de novo somente com aquela visão do paraíso.

Estou no céu?

Ofeguei, mas engoli a seco e fui até ele sem pestanejar. Jungkook contraía sua entrada a cada movimento meu sobre a cama e quando aproximei o rosto daquela região, afastando mais as nádegas fartas para poder ter o acesso inteiro de sua entrada, ele gemeu arrastado e impulsionou seu corpo pra frente como se ainda não estivesse preparado para aquilo. Toquei com delicadeza em suas coxas, tentando passar minha calma pra ele e ouço um suspiro como se disse um “pode ir”. Sorri com isso, aproximando mais o rosto daquela região vulnerável. Os gemidos que ganhei foram ótimos, deixaram-me imensamente orgulhoso por estar causando sensações tão gostosas no meu garoto, e fiquei mais excitado. Era possível eu ficar mais duro?

Pus a língua pra fora e lubrifiquei sua entrada com minha saliva, cuspindo na mesma para lubrifica-la. Me afastei para observar com atenção. Jungkook resmungou e eu me lembrei que ele não gostava quando eu fazia isso, mas pouco me importava. Eu não quero machuca-lo quando o penetrar, não pensei na possibilidade de transar com ele – na verdade nem sabia se ele iria para a minha apresentação, quem dirá pedir para dormir comigo – e nem trouxe lubrificante comigo... Quem anda com lubrificante na bolsa? Só uma pessoa ninfomaníaca né.

Prendi a respiração e voltei a por a língua pra fora, trabalhando em exercita-la sobre seu ânus e pressionando ali com convicção. Eu estava mesmo muito ansioso para fodê-lo, mas não queria machuca-lo tanto... Então nada melhor do que uma boa preparação e um bom beijo grego. Passando-se cinco segundos respirei de novo e prendi a respiração, voltando a fazer todo o processo, mas mudando em algumas coisas.

Jungkook urrava, remexendo seus quadris com maestria e praticamente rebolando em minha cara.

Segurei em suas nádegas, mexendo-as rapidamente e lambendo sua entrada também. Aquilo estava muito gostoso, tanto que meu garoto tremia sob minhas investidas com a língua. Eu sabia que ele estava próximo do orgasmo e não queria priva-lo daquilo já que me faz gozar mais cedo – confesso que queria vê-lo gozar comigo dentro dele, mas isso não importa, o que importa é o prazer de ambos.

Com aquele sentimento de desempenho eu me afasto e sinto o tesão nos envolvendo, Jungkook ainda remexia seu quadril, implorando por mais, e não quis deixar meu homem daquele jeito. Pressionei o polegar em seu ânus, fazendo movimentos circulares e penetrando ali com o dedão. Jungkook goza imensamente e eu me delicio ao vê-lo gozar, por fazê-lo gozar tão deliberadamente. Ouvi um gemido alto de sua parte, mais como um grito, e o vi desabar sobre a cama.

— Gostou bebê? – perguntei ofegante, segurando em seus quadris com força e o ajudando a ficar de joelhos de novo. Ele assentiu de imediato, respirando ofegante, mas fez questão de me encarar para mostrar o quão anestesiado está. Eu sorri, beijando com carinho suas covinhas das costas e dei atenção a meu pau que já estava bem duro de novo.

Lubrifiquei meu pênis sedento com minha própria saliva, molhando todo o falo mesmo e pressionei contra a entrada recém-penetrada por meu dedão. Não conseguia penetra-lo, pois ele teimava em contrair a mesma.

— Calma neném – acariciei sua bunda, tentando passar calma. – Assim eu não vou conseguir, colabora.

— D-Desculpa – sussurrou e respirou fundo, relaxando intensamente.

Com isso consegui penetra-lo, mordendo meu lábio inferior ao sentir a quentura que é dentro de Jungkook e a pressão de suas paredes sobre meu falo. Tentei me controlar, tentei ao máximo, mas a cada mexida sem querer minha ou dele eu perdia a sanidade e lembrava-me das palavras que o disse mais cedo. Vou fazer com força, com brutalidade, mas até agora só estou sendo carinhoso demais com o meu garoto.

Mas ele merece.

E também merece ser fodido com tanta força.

Rapidamente o segurei pela cintura, puxando-o na minha direção burlescamente. Jungkook gemeu surpreso, encarando-me de olhos arregalados e sorri perverso, piscando pra ele. O empurrei contra a cama fazendo consequentemente sua cabeça afundar no travesseiro e ele aproveitou para segura-lo com força e colocar pressão em seus cotovelos sobre a cama para se manter firme. Seu rosto estava virado na minha direção e ele não tinha mais aquela expressão assustada e surpresa, agora jazia um sorriso ladino naqueles lindos lábios.

Aquilo foi o estopim.

Soltei um chiado e investi pela primeira vez, temendo que Jeon desmaiasse em breve com tanta pressão que eu penso em coloca sobre ele, mas sorri sacana e comecei sem dó.

A cada impulsionada pra frente que eu dava Jungkook automaticamente ia pra frente e batia sua cabeça na cabeceira da cama como minha imaginação de mais cedo, dando-me um sentimento tão forte dentro de mim. Eu queria gozar dentro dele, queria ver minha porra escorrendo de sua entrada e descendo por suas pernas, queria vê-lo gemer em puro deleite. E eu farei isso.

Continuei impulsionando com força e os choques de sua cabeça contra a parede não parecia incomoda-lo e nem me preocupei tanto, se o incomodasse ele já teria me avisado e eu já teria parado.

Segurei em suas nádegas, espalmando minhas mãos nas mesmas e sorrindo comigo mesmo. Ver meu pau enterrado dentro de Jungkook é prazeroso demais e causa um formigamento em meu interior. Quero acertar um ponto dentro dele, um ponto que o faça gritar extasiado e clamar por mais, e vou rápido já que tenho essa ideia em mente, apertando meus dedos contra aquela carne volumosa e segurando-a com volúpia. Puxei sua cintura contra mim enquanto me impulsionava pra frente somente para dar mais intensidade às penetradas fortes e intensas.

— Você sentiu saudades disso? – pronunciei embasbacado de prazer e olhei pra baixo para dar de encontro com seu bumbum bem empinado pra mim. Ele está fazendo de propósito, não é? – Não faz isso – apertei os olhos e mordi meus lábios com uma força de leão, temendo rasgar meus queridos lábios.

— Unhun – resmungou entre dentes, virando a cabeça para o lado pra somente me fitar. Seus olhos transmitiram mais ainda o prazer imenso que estava sentindo e estavam em uma cor escura.

Cansado de estar naquela posição eu o abandono, fingindo não voltar mais. Recebi um resmungo irritado por ter parado e voltei em uma única estocada, não contente por seus resmungos. A entrada está tão lubrificada que foi bem fácil fodê-lo do jeito que quero. Jungkook acabou caindo na segunda vez que faço isso, demonstrando estar sem forças para prosseguir e gozou de novo no lençol, tremendo em prazer. Meu membro foi praticamente espremido por suas paredes quando ele se contraiu por inteiro, sentindo os espasmos do orgasmo em seu corpo, e praticamente fui estrangulado.

Abandonei-o, observando meu pau ainda duro e necessitado e comecei a masturba-lo, porém, assustei-me quando o moreno virou-se rapidamente e me empurrou na cama, demonstrando ter toda a sua força de volta. Eu fiquei imensamente surpreso e abri a boca para falar algo para lhe intervir, mas já era tarde demais. Jungkook já estava em cima de mim, esfregando a bunda em cima do meu pau e me deixando louco com tamanha onda avassaladora que me invadiu. Eu segurei em meus cabelos por estar realmente com muito tesão, jogando-os pra trás e me sentindo como um louco.

Ri em meio a minha loucura, abrindo minimamente meus olhos e deparando-me com Jungkook segurando meu membro pela base e sentando de uma vez no mesmo, levando-me a loucura. Eu gritei e nem era pra gritar, porque era tão bom estar dentro dele e eu queria sentir mais e mais da sensação incrível. Começou a rebolar, soltando gemidos manhosos e subindo e descendo como um profissional. Eu não sabia o que fazer mais porque estava tão submisso a seu poder, estava tão fissurado no prazer e na expressão magnifica que ele esbanjava.

Jungkook estava lindo daquele jeito. Imensamente lindo. Despudoradamente perfeito e lindo.

E eu me vi ainda mais apaixonado por ele.

O rostinho suado e vermelho, a pintinha abaixo do lábio, a boca carnuda sendo maltratada pelos dentes afiados e perfeitamente alinhados, a pele suada que reluzia quando a luz de fora atingia seu corpo. Tudo, exatamente tudo, nele é incrivelmente bonito e inexplicável. E eu me perguntei por um breve momento se o seu pseudo namorado tinha o privilégio de ver as mesmas coisas que estou vendo nesse momento.

E cheguei à conclusão que: não, sou o único a ter tudo isso.

Meu peito inflou ao dar-me conta disso somente agora. Jungkook não se deitou com aquele homem ridículo, disso eu tenho certeza absoluta – e ele me disse e me provou tal coisa –, acredito totalmente no meu homem e no seu amor intenso por mim.

Com isso levantei meu tronco que estava espalmado na cama e feitei meu menino bonito, segurando seus ombros para que parasse o que estava fazendo porque eu queria encara-lo. Porque eu queria gravar todas as suas perfeições e imperfeições – coisa que ainda acho que não existe, mas ele teima em dizer que sim, existem imperfeições em seu corpo e rosto – em minha mente, e acabei percebendo algo de novo nele. Eu já sei todas elas, todas as suas perfeições e imperfeições. Já sei decorado, de trás pra frente e vice e versa, em ordem alfabética e tudo mais.

Jeon Jungkook continuava o mesmo de sempre, e eu achando que tinha algo diferente em meu menino. Achando que aquele homem repugnante tentou mudar algo em si, que tinha o feito mudar de ideia e o feito tirar algo de seu rosto belo ou de seu corpo, mas não! Ele estava igualzinho, portanto, mais bonito, atraente e único.

— O que foi? Não estava gostando? – pareceu inseguro ao pronunciar tais palavras, mas eu coloquei um dedo rente a seus lábios e neguei com a cabeça veemente, aproximando meu rosto do seu.

— Amor, você é tão lindo – minha garganta doía um pouco, mas nada preocupante, acho que foi por conta dos meus gritos em meio ao prazer. – E você não mudou nadinha.

— Eu não mudei Jimin, a única coisa que mudou em mim foi os meus sentimentos por você.

— O que quer dizer com isso? – querendo ou não aquilo me atingiu de uma maneira ruim porque eu pensei o contrário.

Ele quis dizer que seus sentimentos por mim diminuíram?

— Não pense assim – riu um pouco, remexendo-se para sentir meu pau dentro de si e eu fechei meus olhos por gostar daquele simples movimento, mas os abri rápido porque queria saber o que ele estava querendo dizer. Estava começando a ficar triste porque Jungkook não falava nada e aquilo me atormentava a cada segundo. Aquelas belas íris me observavam com atenção, procurando em minha alma por algo profundo e eu deixei que ele lesse tudo dentro de mim, deixei transparecer tudo o que tinha escondido, contudo, eu não escondia nada do meu garoto. Ele sorriu, um sorriso sincero e disse: – Meus sentimentos por você mudaram porque tornaram-se maiores, mais intensos e fortes, amor. Eu amo você Jimin – comprimiu os lábios, beijando os meus com leveza. – Amo tanto que chega a machucar, às vezes, mas eu suporto porque você está aqui, porque eu sei que posso contar com você pra tudo. Não é como ele, não é como ninguém. Você é único, você é meu e eu me sinto orgulhoso demais por te ter ao meu lado.

— Me assustou bebê – suspirei em alívio, ouvindo-o rir. Aliso seus cabelos molhados em suor e beijo sua bochecha. Me remexo na cama somente para nos levar até o próximo a cabeceira da cama e me encostei na mesma, segurando em sua cintura para que ele retornasse a se mover, mas dessa vez lentamente porque estávamos conversando.

— Desculpa – sorriu envergonhado, se apoiando em meus ombros.

E então o puxei para um beijo.

Enquanto trocávamos salivas sua cintura foi subindo e descendo lentamente, retomando o ritmo rápido e nos beijávamos igualmente rápido. Eu não quero larga-lo nunca mais, quero continuar com ele ao meu lado, quero ficar dentro dele, quero tudo com ele. Uma casa pra morarmos sozinhos, alguns gatos e um filho pra criar.

— Jimin-ah – gemeu arrastado e cessou o beijo. Encostei minha testa na sua e soltei um bocado de ar, o ajudando com os movimentos de sobe e desce. Suas paredes me apertavam, tornando tudo mais prazeroso e gostoso, e eu estava próximo do meu orgasmo. Jungkook percebeu tal coisa, pois eu o apertei com mais força e tremi um pouco, contudo, ele tornou a fazer movimentos desesperados e circulares, beijando meu pescoço e sussurrando palavras de baixo calão em meu ouvido. – Você me fodeu tão gostoso amor – isso e mais coisas pornográficas, deixando-me mais ofegante e necessitado de atingir o meu máximo. – Foi fundo, atingiu o ponto certo. Aquele pontinho qu... – forcei meu quadril pra cima, atingindo seu ponto. Ele arregalou os olhos e grunhiu alto, dizendo: – Isso, ah! ESSE AÍ – gritou extasiado e fiz novamente, sorrindo comigo mesmo por conseguir deixa-lo daquele modo. – Eu quero mais, ah... Eu quero você ainda mais – sussurrou de olhos fechados.

— Não faz assim – implorei sentindo algo imensamente bom em meu baixo ventre.

— Quer que eu faça como? – ditou baixinho, abandonando meu pescoço, mas não sem antes de deixar um beijinho molhado em meu pescoço. Eu fitei seu corpo, observando a marca arroxeada que deixei e o fiz sair de cima de mim. Deitei-o na cama e subi por cima do seu corpo, parando com as pernas perto de seus ombros, uma de cada lado do seu pescoço, e meu pau latejava e batia em seu rosto. Segurei-o pela base, passando a me masturbar e as veias tornaram-se mais grossas. Jungkook sorriu sapeca, creio que adorando aquela visão, mas abriu bem a boca e esperou que eu gozasse nela. Quando atingi meu ápice fiz questão de derramar uma boa quantidade de porra em sua boca e depois melei seu rosto com meu gozo.

— Seu rostinho... Ah – ainda me masturbava para prolongar a sensação de prazer. – Está lindo com a minha porra.

Continuei bombeando meu pênis até parar de gozar e observei o estrago que fiz. Jungkook tinha um sorriso sacana nos lábios e o rosto estava melecado com a gosma branca, mas fez questão de fechar a boca e engolir o gozo que ficou em sua boca, deixando-me fervendo. Eu sai dali antes que enlouquecesse de novo e parei rente a sua cintura, observando seu torso que tinha algumas marcas. Sorri maldoso, sentindo a raiva e a irritação me domar e me aproximei de uma marca que tinha em seu quadril, deitando-me por cima das pernas dele e esfregando de propósito o meu pau em sua perna para deixa-lo sedento. Fixei minha boca na marca, olhando-o com raiva, e chupei a região roxa para deixa-la mais roxa ainda. Jungkook gritou por ter doído e fez biquinho, mas nem me importei com isso, continuei chupando a marca e fazendo mais marcas em seu corpo.

Fiz o mesmo processo com as outras marcas, ganhando gemidos do meu garoto e às vezes ele sorria com isso, deixando-me ainda mais irritado.

— Agora sim – sorri e me deitei ao seu lado. Puxei seu corpo para perto do meu e escorreguei minha mão pela cama a procura de um lençol, quando encontrei levei até seu rosto e limpei os resquícios do meu gozo e depois beijei sua bochecha que tinha um leve gosto salgado.

— E agora vamos dormir?

— O que foi? Não quer dormir? – negou. – E o que quer?

— Eu quero mais – aquela voz manhosa iria me levar à loucura.

— Está tão necessitado assim? – ri.

— Estou.

— Ele não faz o serviço completo?

— Na verdade ele não faz nada – revirou os olhos, rindo. – Só serve pra me dar dor de cabeça.

— Então quer dizer que você só faz isso comigo? Mesmo? – balançou a cabeça que sim. Eu só precisava disso para me sentir melhor. Já sabia que Jungkook não fazia nada com aquele palerma mesmo, ele tem cara de lerdo e de que perde a chance de ter esse deus maravilhoso na cama. – Isso é bom.

— Se sente bem ao saber disso?

— Muito – respondi sincero. – É bom saber que só eu que te fodo.

— E com força ainda mais.

— Tá doendo?

— Não, mas ainda sinto a sensação do seu pau dentro de mim – sorriu. Acabo rindo com o que ele diz e viro a cabeça para frente, ficando em silêncio para apreciar o momento. Jungkook respirava ainda um pouco ofegante e eu também, mas pensava no que fazer para agradar ainda mais o meu homem, porém, sou pego de surpresa quando ele sobe por cima de mim e aproxima seu rosto do meu ouvido. – Eu quero fazer uma posição.

— Qual? – já começava a ficar ansioso.

— É vergonhoso – corou um pouco.

— Não tenha vergonha de mim – assentiu, mas ficou em silêncio, creio que tomando coragem. Jungkook moveu-se em cima de mim, ficando o inverso de como eu estava na cama e eu arregalei os olhos ao dar-me conta de que ele queria um meia nove. Um típico e gostoso meia nove. – É isso que quer amor?

— Sim – a respiração dele acertou em cheio meu membro adormecido, o acordando aos poucos. Eu me senti imensamente excitado, e olhei pra cima dando de encontro com seu pênis e suas bolas, também a sua entrada contraída. Sorri comigo mesmo sabendo que se o provocasse seria bem gostoso, e Jungkook começou a trabalhar rápido. Sua boca já estava envolta do meu pênis e fiquei sem ação porque a sensação era demasiada de boa, mas eu me movi e toquei o pau de Jungkook com minha mão, começando a bombeá-lo rapidamente. Olhei de novo pra sua entrada e ela implorava por mim de novo, então pus seu pênis na boca e comecei a chupa-lo, logo levei um dedo até sua entrada e o penetrei com o mesmo que deslizou facilmente para dentro.

Senti um formigamento em meu baixo ventre e por conta de sua provocação com os dentes em meu falo eu já estava próximo a gozar pela terceira vez na noite, mas não queria que viesse tão rápido e segurei. Voltei ao meu menino, penetrando-o com mais um dedo e recebendo um gemido que acertou em cheio meu pau sedento e molhado. Rodeei minha língua em seu falo, chupando-o e contornando a rigidez às vezes, empurrando, também, os dois dedos em sua entrava que se contraía de vez em quando. Mas não parei. Até que senti que estava perto mesmo de gozar e Jungkook também, pois suas veias se engrossaram bem rápido em minha boca. Fui mais rápido com os dedos, enfiando mais um e recebendo um gemido mais intenso dele, até que o garoto gozou em minha boca e eu engoli tudo com vontade. E gozei também, fazendo-o engasgar um pouco.

— Agora sim vamos dormir – avisou. Tirei meus dedos de dentro dele, limpando no lençol. Ri um pouco quando Jungkook voltou a ficar do meu lado e agarrou meu corpo com ternura, beijando meu peito e pescoço com carinho. – Você foi incrível.

— Você foi mais.

Passamos um bom tempo em silêncio. Ele acariciava meu peito e eu tinha uma mão espalmada em suas costas, fazendo um leve carinho de vez em quando com as unhas. Jungkook respirava calmamente contra minha pele e eu sabia que estava próximo de dormir.

— Eu estava pensando aqui – começou. Dei toda a minha atenção a ele. – Quando tudo se resolver que tal nós passarmos um ano fora desse lugar? Viajando pelo mundo e conhecendo lugares e culturas novas – senti-lo sorrir contra meu peito, e achei bem doce aquela proposta e bem tentadora também.

— Por mim a gente poderia fazer isso agora, sem avisar a ninguém.

— Abandonaria tudo por mim? – pareceu bem surpreso.

— Sim porque eu te amo muito e vale a pena estar ao seu lado. Não me importaria de largar minha vida para viver uma nova com você.

— Me sinto péssimo agora, obrigado – riu sem humor, me apertando.

— Por quê? – eu disse palavras tão bonitas Jungkook, você não gostou de saber dos meus sentimentos?

— Porque eu não fiz isso. Eu te abandonei e nem te avisei... Nem me importei também – fez um biquinho triste.

— Mas eu te entendo, você estava com medo e não sabia pensar coerentemente. Você fez aquilo para se proteger, e eu também faria o mesmo, mas o avisaria – toco em seu nariz, o apertando devagar. – Nós éramos adolescentes naquele tempo Jungkook e tudo mudou agora. Você ainda pensa em fugir de mim? – ele rapidamente negou.

— Nunca! – disse com convicção.

— Então! Tudo mudou esqueceu? Menos sua feição que ainda é infantil.

— Ei! Eu não sou infantil – inflou as bochechas, tornando-se uma bolinha linda.

— Mas é tão lindo.

— Eu sei que sim – piscou pra mim.

— E eu aceito sua proposta, tá? Iremos fazer isso então – abracei mais seu corpo contra o meu. Jungkook passou uma perna por cima do meu corpo, fazendo-me rir. Ele ama dormir assim.

Voltamos a ficar em silêncio e penso que meu garoto já está dormindo, mas dessa vez eu chamo sua atenção.

— Eu quero você ao meu lado daqui pra frente, quero sair por aí esbanjando o meu amor por você e andar de mãos entrelaçadas, mas você não pode fazer isso porque está com ele... Com aquele maldito! – virei meu rosto para poder encara-lo. Jungkook está respirando lentamente e tem os olhos semicerrados, pois está morrendo de sono, mas parece bem atento ao que digo. – Não quero que você venha pra mim em pedaços, tudo bem? Eu quero você por inteiro – assentiu e fechou os olhinhos, e deixei que ele dormisse. Agarrei-me mais ao seu lado, temendo sufoca-lo em meio ao sono, mas eu estava com saudades de dormir do lado dele.

Fecho os olhos, me sentindo bem por tê-lo ao meu lado, e pego no sono.

{...}

Ambos os corpos exaustos dormiam tranquilamente depois de uma boa rodada de sexo, amor em relação a eles, porém, algo acontecia, de fato.

O celular de um dos rapazes começou a apitar do nada, avisando que algo estava realmente acontecendo. Depois de algumas horinhas de sono, Jungkook acordou com tal barulho irritante do seu celular e levantou-se com cuidado para não acordar seu amor. Procurou pelo bendito aparelho que atrapalhava seu sono e o encontrou no criado mudo próximo a cama, logo se moveu na cama e pegou o objeto em mãos, analisando-o. O aparelho estava totalmente destruído e horrível e estava quente, mas ainda dava para ver o que se passava na tela – iria comprar outra quando conseguisse juntar um bom dinheiro –, e acabou por vendo o que não queria ver e perceber.

O localizador do celular estava ligado – não sabia como – e aquilo lhe deixou muito apavorado. Levantou-se às pressas e se vestiu, temendo o inevitável, logo tomando o objeto em mãos para analisa-lo melhor. Olhou ao redor antes de focar sua visão no ecrã e viu Jimin dormindo serenamente, nem percebendo o que se acontecia no quarto. Não iria acorda-lo de jeito nenhum. Mexeu no objeto e acabou por encontrar um aplicativo escondido em meio aos outros.

Arregalou os olhos e quase deixou o objeto se despedaçar no chão quando se deu conta de que estava sendo localizado por Youngk e rapidamente pegou suas coisas, abandonando o quarto e o hotel. Alguns seguranças estranharam, principalmente por ele estar mancando, e o pararam quando ia até a saída, mas avisou que o quarto ainda estava sendo ocupado e lhe deram passagem para sair. Iria direto para o ponto de ônibus se não visse seu namorado, ou ex, não sabia como chama-lo depois de tudo o que aconteceu, parado rente a uma moto grande e preta.

Assustou-se de imediato e quis correr pra longe, mas parou para analisar o antigo loiro. Youngk estava diferente, muito diferente. Os cabelos agora estavam pintados de um tom preto e jogados para um lado causando uma franja. Tinha tatuagens pelo pescoço e pela pele exposta, ou seja, ombros e braços. Jungkook não se moveu por sentir medo daquele cara. Fazia alguns dias que não tinham se visto porque Youngk sumiu magicamente, mas ainda o ligava e mandava mensagens raivosas e ciumentas, deixando Jungkook temeroso.

— Eae – a voz rouca também estava mudada, e não era Youngk presente no momento. Kiji sorria sacana e desencostou-se da moto para se aproximar de Jungkook que recuou um passo com a aproximação do outro. – Não tenha medo. Eu te amo.

— Sai daqui – pronunciou fragilizado, se encolhendo ao que o mais alto se aproximava.

— Eu sei que você estava com ele, então colabore comigo agora e suba na moto para irmos pra casa.

— Não vou com você pra lugar nenhum.

— Você vai – disse exasperado e tomou o braço de Jungkook com sua mão, apertando a região. O moreno arregalou os olhos e fitou seu braço sendo apertado pelo outro, choramingou. – Está fedendo, está imundo e também mancando. Tem ele pra todo lado em seu corpo e eu não gosto nem um pouco disso. Vai chegar em casa, tomar um banho e deitar-se comigo.

— Não vou obedece-lo – fitou os olhos escuros de Kiji. – Não conheço você.

— Você fala muito nãos, tsc. Sou Kiji, seu namorado, ou Youngk como gosta de me chamar – revirou os olhos. – Agora vamos.

Jungkook estranhou, nunca tinha ouvido falar de algum Kiji, e porque Youngk estava se autodenominando como tal? Quis interroga-lo, mas não sabia como começar e também sentia medo, mas iria fazer isso porque merecia explicações.

— Quem é Kiji? – perguntou temoroso.

— Sou eu – apontou pra si mesmo, sorrindo para o moreno. – A personalidade que te ama e tem ciúmes possessivos de você – riu em escarnio, empurrando Jungkook contra a moto e fazendo-o montar na mesma e depois também montou, saindo dali cantando pneu.

Jungkook temeu que sofressem um acidente com tamanha rapidez que o garoto saiu pelas ruas e se segurou fortemente no corpo do outro para não cair – Kiji sorriu com tal ato. Estava muito confuso pelas palavras proferidas de Youngk.

Como assim a personalidade? Ele tem mais de uma? Sua mente estava tendo uma enxurrada de pensamentos e ele sentia-se confuso a cada um destes. Mas iria por tudo a limpo com Youngk, ou Kiji, quando chegassem em casa.

Ainda sentia medo pelo o que poderia acontecer, e torcia para que sua mãe estivesse em casa.

E, felizmente, ela estava.

 


Notas Finais


Vocês ficaram aliviados por saber que Hiyeon está em casa? Eu fiquei!
Espero que tenham entendido o que Jungkook quis dizer com o “Amo tanto que chega a machucar” e com “Só serve pra me dar dor de cabeça”. É um alivio Hiyeon estar em casa, não é? Pra mim é sim.
Enfim como sabem é meu aniversário, agora não mais (só no horário de brasília porque na minha cidade ainda é meu aniversário) e eu decidi postar muitas one shots de presente para vocês, pois estou pensando seriamente em dar uma parada. Sim, parar de escrever. Irei continuar com Abandoned love normalmente, irei terminar também, e Guerra entre pai e genro está para ser excluída ou eu irei continuar, não sei ainda. Avisarei a vocês depois. Mas o assunto do HIATUS é séria e estou pensando seriamente sobre.
Minha escrita está péssima, dá pra perceber. Esse capítulo eu tive que refazer umas cinco ou seis vezes para sair do jeito que eu queria e isso é bem cansativo. Espero que entendam o meu motivo de dar uma parada.

ENFIMMMMM vamos as notícias boas! como todos sabem BTS VAI VIR PRO BRASIL! SIMMMMMMMMM e se me perguntaram se eu vou irei responder que sim também, mas só se conseguir comprar o ingresso. ENTÃOOOOO SE VOCÊS FOREM EU VOU ESTAR LÁ se deus quiser em nome de deusssss. Irei para pista premium, se conseguir comprar o ingresso né, e quero vê-los lá para abraça-los e a gente curtir o show numa boa.

AQUI AS OUTRAS ONE SHOTS: https://spiritfanfics.com/historia/baby-boy-7117272 (BABY BOY)
https://spiritfanfics.com/historia/addict-7109352 (ADDICT)
https://spiritfanfics.com/historia/scratches-7111868 (SCRATCHES)
https://spiritfanfics.com/historia/happy-birthday-jimin-7114306 (HAPPY BIRTHDAY JIMIN)
https://spiritfanfics.com/historia/you-can-describe-6968179 (YOU CAN DESCRIBE)
VÃO LÁ LER! POR FAVOOORRRRR ISSO FOI UM PRESENTE PARA VOCÊS POR CONTA DO MEU ANIVESÁRIO

amo todos, amo tudinho mesmo e espero que entendam que a tia aqui está cansadaaaaa, mas eu estarei sempre por aqui, okay? se eu realmente for dar um HIATUS vou estar por aqui sempre
OBRIGADA POR LEREM!
E SOBRE ESSE CAPÍTULO? NADA A DIZER, NÃO É? ESSE LEMON ME RENDEU MUITA DOR DE CABEÇA E TAMBÉM EXCITAÇ... UKEEEEE nada a declarar
adorei escrever esse lemon, confesso
ME DEU UNS ARREPIO
enfim, ME DIGAM SE GOSTAREM, ME DESEJEM FELIZ ANIVERSÁRIO, EU ACEITO!!!!!
Até a próxima atualização meus amores
kwon xx


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...