História Abismo - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Colin O'Donoghue, Emilie de Ravin, Ginnifer Goodwin, Jamie Dornan, Jared Gilmore, Jennifer Morrison, Josh Dallas, Lana Parrilla, Meghan Ory, Rebecca Mader, Robert Carlyle, Sean Maguire
Personagens Colin O'Donoghue, Jennifer Morrison
Visualizações 78
Palavras 2.352
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


POSTANDO ESSA HORA PORQUE EU CONSEGUI TERMINAR HOJE e prometi a uma leitora que caso eu conseguisse eu postaria, então promessa cumprida com sucesso. Eu gostei muito de escrever esse capítulo, espero que vocês aproveitem bastante dele.

Obrigada pelos favoritos e comentários, eu amo vocês!

Capítulo 8 - Secret love


– “Tarde demais o conheci, por fim, cedo demais, sem conhecê-lo, amei-o. Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que te diga, além de que te amo, se o que quero dizer-te é que te amo? Mas não sei se devo amar-te. Porém, meu coração clamar teu amor!”

 

— Colin... Alguma vez já esteve apaixonado e quis gritar para o mundo inteiro ouvir o quanto você ama essa pessoa, mas não pode? – O’donoghue levantou os olhos a encarando enquanto passam pela catraca de entrada acompanhando alguns turistas que também visitam o ponto turístico. Colin molhou os lábios com a ponta da língua tentando formar um sorriso, porém falhou drasticamente conseguindo apenas suspirar e encarar a amiga, falhando na busca da resposta para o questionamento.

— Acho que alguma vez na vida todos nós já passamos ou vamos passar por uma situação como essa. Acredito que seja algo natural em todo ser humano. – por poucos segundos ele desviou seus olhos dos verdes profundos dela. — Sofrimento é algo natural em todo ser humano, somos programados para isto e é inevitável. Você sabe que não pode; que não deve; que não vai acontecer e, que principalmente vai se ferir, mas mergulha de cabeça, porque não existe sensação mais confusa e intrigante que estar apaixonado. Apaixonado pela pessoa certa na vida errada!

 

 

When you hold me in the street
 (Quando você me abraça na rua)
And you kiss me on the dancefloor
(E me beija na pista de dança)
I wish that it could be like that
(Eu gostaria que pudesse ser assim)
Why can't it be like that
(Por que não pode ser assim?)
Cause I'm yours.
(Já que sou sua)

 

 

Mãos geladas; ambos têm as mãos geladas ansiando para se tocarem, se esquentarem, porém nem mesmo os melhores amigos caminham de mãos dadas. Uma única fotografia dos amigos caminhando de mãos dadas e uma bola de neve se formaria na vida pessoal e profissional dos dois. Ela seria chamada de destruidora de lares e ele de traidor. Porém nada consegue impedir os olhares, os sorrisos, o carinho interno que trocam quando verde e azul se chocam. A calmaria que habita nela ao observar na forma única que ele tem de sorrir enquanto fala sobre qualquer trivialidade, ou a explosão de cores que é Colin quando ela sorri para suas piadas repetidas. A forma boba que ela possui de falar gesticulando ou a maneira tênue que ele encontra para elogiá-la entre uma frase e outra. Poderiam passar horas neste encontro de almas que ainda sim encontrariam mais detalhes para observar, mais sorrisos para absorver e mais amor para guardar onde ninguém jamais conseguirá tocar. O que não é exposto é doloroso, porém é seguro, um segredo bem guardado não se conta sozinho.

Dispersaram-se do grupo de turistas, ambos possuem a mesma alma aventureira que detesta prender-se ao pacato. Adentraram a arena que antigamente era o palco de gladiadores, grandes campões medievais que davam o sangue neste campo por diversos motivos. Na maioria a simples necessidade de guerra, porém às vezes, por amor. Aonde um coração chegaria para alcançar o que lhe pertence? Colin afastou-se de Jennifer e fingiu estar rodando algo na mão, a loira sorriu e observou a atuação do homem, que empunha o braço esquerdo em defesa e o direito em ataque.

 

We keep behind closed doors
 (Nós ficamos atrás de portas fechadas)

Every time I see you I die a little more
 (Todas as vezes que te vejo, morro um pouco mais).

Stolen moments that we steal as
 (Momentos roubados, que roubamos de volta).

The curtain falls
 (Assim que as cortinas caem)

It'll never be enough
 (Nunca será o bastante)

 

 

— Já assistiu “Gladiador”, Jen? – questiona mantendo a sua encenação pela arena, Jennifer mantem a risada presa entre os lábios, gostaria de gravar o amigo. Ainda com os olhos fixos em Colin ela o responde com um simples movimento negativo da cabeça, Colin franze o cenho perplexo com a resposta da loira, não conhece uma única pessoa que ainda não tenha assistido a este clássico ganhador de tantos Óscares. — É um dos melhores filmes sobre o império romano, retrata fielmente o que acontecia aqui neste lugar que estamos pisando, claro que com um pouco da dramatização do cinema. Porém, é um filme que te fascina do inicio ao fim pela garra de Maximus em vingar-se do imperador.

— E por que Maximus... – diz enfatizando o nome do gladiador e rindo da animação do amigo ao lhe falar sobre o filme. —... Quer vingar-se do imperador? Rixa natural de homens?

— Claro que não vou te contar, porque iremos assistir essa noite. – disse como se parecesse totalmente óbvio. Colin caminhou até o centro da arena ainda mantendo a mesma pose de gladiador, Jennifer já começa a indiciar o quanto está se divertindo com a péssima atuação do amigo.

— Acho que tem alguém na arena, vá lá dar uma olhada.

 

As íris de Jennifer tomaram-se por um verde escuro, Colin segurou a mão da loira e correu pela arena até alcançarem um túnel do outro lado por onde entravam os animais de grande porte. O local apertado fez seus corpos entrarem em um inevitável atrito. Jennifer mantem o rosto levantado, caso contrário teria sua boca absurdamente próxima ao rosto de Colin. Ambos tentam manterem-se inertes, respirar baixo e principalmente não rir da situação. A respiração de Colin toca sutilmente o pescoço exposto da loira lhe causando inelutável arrepiamento, consegue sentir cada músculo do homem, sente a mão dele que ainda segura a dela, os batimentos acelerados de ambos no mesmo compasso. Inevitavelmente sente vontade de encarar de perto os seus maravilhosos olhos anis.

Poderia se afogar caso os encarasse por muito tempo? Jennifer nunca desejou tanto se arriscar.

 

— Quem é a sua paixão impossível? – Jennifer quebrou o silêncio. Sentiu o sorriso de Colin se formar e desaparecer no mesmo segundo.

— Fala primeiro... – a loira fechou os olhos ao sentir a testa de Colin encostar-se ao seu ombro. — Afinal, foi você quem puxou o assunto.

— É justo! – ela sorriu. Puxou palavras, lembranças, toques, sorrisos, tudo que pudesse ajuda-la a responder. Porém não conseguiria dizer a verdade ou mentir e flagelou-se por ter dado prosseguimento a isto quando na verdade nem deveria ter começado. — Colin, por que estamos aqui se poderíamos continuar andando até o final do túnel e sair pelo outro lado?

It's obvious you're meant for me
(É óbvio que você foi feito para mim)
Every piece of you it just fits perfectly
(Cada pedaço de você se encaixa perfeitamente em mim)
Every second, every thought.
 (Cada segundo, cada pensamento).
I'm in so deep
 (Estou entregue profundamente)
But I'll never show it on my face
 (Mas nunca demonstrarei)
But we know this, we got a love that is
(Mas nós sabemos disto, temos um amor que é)
Hopeless
 (Sem esperança)

 

 

Pelos corredores os amigos caminham calmamente com sorrisos travessos nos lábios; conversam trivialidades. Durante o pequeno passeio foram parados por admiradores, tiraram fotos, autografaram, mas nada que realmente lhes fosse tomar tempo e é sempre um prazer para ambos atender fãs em qualquer lugar do mundo, isto é uma prova de que o trabalho deles está alcançando várias direções e os deixa estupefatos. Na saída ainda riam lembrando-se do ocorrido na arena, falariam disto por semanas e ainda ririam do quanto foram irresponsáveis por entrarem ali sem autorização alguma. Porém cada um guardaria suas próprias lembranças; Ele do quando Jennifer possui um cheiro de tranquilidade, de como é apaziguante e destruidor estar tão próximo a ela e não conseguir nem ao menos encará-la pelo medo do que pode acontecer em seguida. Ela de como Colin tem uma forma peculiar de protegê-la, de segurar sua mão e sem palavras lhe dizer que não precisa se preocupar e, principalmente, de como gostaria de tê-lo olhado nos olhos, mas existiu o medo irrefutável da consequência disto.

Eles têm necessidade um do outro, precisam respirar amor, porém temem afogar-se... E por medo se matariam respirando incertezas.

 

 

Why can't you hold me in the street
 (Por que você não pode me abraçar na rua)

Why can't I kiss you on the dancefloor
(Por que não posso te beijar na pista de dança)
I wish that it could be like that
(Eu gostaria que pudesse ser assim)

Why can't we be like that
 (Por que não podemos ser assim?).
'Cause I'm yours
 (Já que sou sua).

 

 

Rome Cavalieri Waldorf Astoria Hotels & Resorts – 20h: 40min

 

 

Jennifer está sentada sobre a cama, com as pernas cruzadas em borboleta, mexendo no celular. Veste um macaquinho jeans escuro com uma blusa de listras vermelhas e brancas e o cabelo preso em uma trança feita pela mesma após sair do banho. Está interagindo com os fãs por meio de suas redes sociais, vendo a repercussão das duas fotos que postou e também das fotos postadas por Lana. Rindo mentalmente daqueles que insistem em dizer que elas formam um casal maravilhoso, não que seja inverdade, elas realmente formariam um casal digno do adjetivo “maravilhoso”, se dão bem, se conhecem, se entendem, gostam das mesas coisas, estão sempre dispostas a ajudarem-se. Porém seus corações pertencem a outros... Se no final nada der certo podemos ser um casal, Lana tem belas curvas. Jennifer riu sozinha de seus próprios pensamentos no exato momento em que Parrilla adentrou o quarto.  

 

— Vai dizer onde passou à tarde? – as amigas enunciaram simultaneamente. — Você primeiro! – mais uma vez suas palavras saíram em um uníssono. — Não, eu falo. Chega para de falar, eu falo.

— Não vou poder jantar com você... – Lana mordeu o lábio, Jennifer apenas observou-a. — Sean me convidou para jantar com ele e eu não consegui negar. – a loira cerrou os olhos. — Ah Jennifer, você é linda, mas se eu tiver que escolher entre você e ele pra passar a noite, eu o escolho. Só hoje, eu prometo! Amanhã não iremos nos desgrudar, você ficará enjoada da minha presença.

— Colin me chamou para assistir um filme. – sua voz soou naturalmente, o queixo de Lana caiu, a morena logo se sentou ao lado da amiga na cama lhe tomando o celular com aquele velho ar de pode me contar tudo. — Não é nada demais sua depravada, vamos assistir ao Gladiador, ele está perplexo porque eu nunca assisti e, simplesmente me convidou.

— E a esposa dele?

— Meu Deus você está fazendo isso de novo!

— O que exatamente estou fazendo?

— Jogando verde! E o pior é que eu também fiz isso hoje... Ficar muito tempo com você está me corrompendo. – Jennifer se levantou da cama e caminhou até a mesinha onde há frutas. — Eu estive hoje a centímetros dele, com um pouco mais de vontade teria o beijado. Você entende o que é isso? Eu tive vontade de beijá-lo, de sentir tudo. Claro que já nos beijamos em cena e por mais que eu sempre tenha evitado o beijo técnico, sempre senti que para ele era sim técnico. Você não me compreende, sua história com o Sean é totalmente oposta, porque os dois estão dispostos a isso, mas o Colin não está e eu não vou impor isso a ele. Eu o amo demais para afastá-lo do que ele ama.

 

 

When you're with her do you call

(Quando você está com ele, você a chama).

His name
 (Pelo nome)

Like you do when you're with me
 (Como você faz quando está comigo)

Does it feel the same
 (O sentimento é o mesmo?)

Would you leave if I was ready to
(Você a largaria se eu estivesse pronta)

Settle down
 (Para me comprometer?).

Or would you play it safe and stay
 (Ou você hesitaria e ficaria com ela)

Boy you know this
 (Garoto, você sabe de uma coisa).

We got a love that is hopeless
(Temos um amor sem esperança)

 

 

 

 

 

— Se o filme for tão ruim quanto a sua atuação de falso gladiador, irei embora. – a loira disse enquanto Colin tira o DVD da sacola da locadora. — O que você trouxe ou tem pra comer?

— Tem chocolates e vinho, sei que você adora chocolates bélgicos, porém só encontrei suíços... – Jennifer murmurou algo atrás do mesmo e então ele se sentou na cama, as luzes da cobertura estão apagadas deixando-a parecida com uma sala de cinema. Jennifer tomou posse de todos os travesseiros e deitou-se de bruços sobre eles. Colin suspirou profundamente ao ver o quanto a bunda da loira fica perfeita dentro do macaquinho. — Deitarei em cima de você se não me der um desses travesseiros.

— Eu não duvido você é abusado! – disse lhe jogando um travesseiro no rosto. — Agora dê play no filme vim aqui pra assistir não pra decidir com quantos travesseiros cada um vai ficar, até porque eu vou ficar com mais.

— Antes me responda: quem é a sua paixão impossível?

— Colin é difícil de explicar, isso envolve muita coisa, muitos corações, muita mídia. Se for impossível eu acho mais simples que permaneça apenas dentro de mim.

— Jennifer você fala como se eu fosse anunciar no New York Times a pessoa que você está apaixonada. Eu só quero saber, talvez eu possa te ajudar, quem sabe? – a loira suspirou se dando por vencida, sabe que O’donoghue não irá desistir enquanto não receber uma resposta totalmente convincente.

— Meus fãs acertaram o palpite... – Colin franziu o cenho. — Estou apaixonada pela Lana! – a boca do homem caiu ao ouvir a afirmação de Jennifer. Obviamente desconfiou uma ou duas vezes da sexualidade de LANA, mas nunca de Jennifer. Tentou processar a resposta para não enchê-la de perguntas como “Quando isso começou?” ou “Como isso aconteceu?”

 

 

And nobody knows
(E ninguém sabe)

I'm in love with someone's baby
(Estou apaixonado pelo amor de alguém)

I don't wanna hide us away
(Eu não quero nos esconder)

Tell the world about the love we makin'
(Contar para o mundo sobre este amor que fazemos)

I'm living for that day, someday
(Eu vivo por este dia, que chegará um dia)



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...