História About Us - Capítulo 45


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Cora (Mills), David Nolan (Príncipe Encantado), Emma Swan, Henry Mills, Personagens Originais, Regina Mills (Rainha Malvada), Vovó (Granny), Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Exibições 108
Palavras 1.554
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yuri
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Transsexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 45 - Capítulo 45


POV Emma

Faz pouco mais de um mês que estamos namorando e minha ficha parece que ainda não caiu, como explicar que você está namorando a garota do seus sonhos? Ainda não sei, mas sei lá acho que não merece explicação, as vezes ainda passamos por dias ruins, dias em que ela some ou apenas pede para eu ficar em silencio, acho que é normal, o fato de nós namorarmos não vai curar todas as feridas dela, sei que não, mas espero ao menos amenizar o sofrimento um pouco, lhe dar paz da mesma forma que ela me da. Isso é importante.

Não dei nada a ela quando completamos um mês de namoro, é também é um namoro a distância, não posso simplesmente largar tudo aqui e correr para ela, por mais que minha vontade seja essa, fiquei com medo dela me achar louca possesiva por dar um presente de comemoração de apenas um mês, mas na verdade para mim já namoramos a tanto tempo que nem sei ao certo quando começou, mas vou deixar minha loucura de lado e respeitar as formalidades, estamos namorando a um mês e 16 dias, assim é melhor. Menos louco.

Quero fazer algo especial para ela, quero matar um pouco dessa saudade que é tão grande, mas do nosso jeito anormal de ser, casais normais pegariam um avião e iriam atrás de seus amados, mas somos somente duas adolescentes loucas que tem um milhão de coisas que nos separam desse apenas pegar um avião e ir matar saudade. Tenho uma ideia e espero quero rezar para que isso dê certo.

Corro para pegar meu notebook volto para a cama e começo a pesquisar, floriculturas em Boston, mas não uma floricultura qualquer e sim uma que eu possa efetuar a compra e escrever o cartão com minha letra online. Sei é meio louco e provável que eu não ache. Mas tentar não custa. Depois de passar umas 1 hora procurando achei uma, bom eu posso escrever o cartão online, ele não sairá com a minha letra mas já é melhor que nada, primeiro passo feito, agora só preciso comprar o presente que não é tão presente assim, espero que ela goste tanto quando eu. Bom eu sei que não vou gostar muito mais espero que ela goste. Depois de conseguir com muito custo o “presente” escrevo o cartão e combino de ser entregue amanhã por volta das 13 horas na escola dela, não, não quero ela morrer de vergonha, apenas quero que todos saibam que ela tem alguém que a cuida e a ama.

Dormir essa noite vai ser difícil, ainda mais que tenho que dormir olhando para ela sem ela ao menos notar que tudo que eu tenho preparado para amanhã.

POV Regina.

Emma estava completamente estranha ontem, parecia nervosa ansiosa, que estava me escondendo algo, não sei não quero nem imaginar o que possa ser, mas por outro lado minha mente louca já cria um milhão de suposições mirabolantes para o que possa ser, na minha mente ecoam coisas tipo, ela encontrou outra melhor que você, ela te traiu, ela vai te deixar, incrível como todas as hipóteses sempre apontam para ela me deixando de alguma forma. Sei que pode ser insegurança de minha parte e de fato sei que é mesmo, mas a quem devo culpar por isso? Ninguém sou assim, mas também sei que Emma jamais faria qualquer coisa do tipo para me machucar ou me magoar, temos uma coisa em comum respeito multou.

Está quase na hora que ela me liga para conversamos um pouco durante o almoço, acho que quando ela ligar vou perguntar o porquê dela ter estado estranha ontem, não quero parecer uma louca lunática, mas é melhor não deixar nenhuma lacuna aberta para dúvidas.

Me direciono para a quadra de basquete da escola na intenção de ter paz e fugir um pouco do frio também, vejo um homem vindo com um buque de rosas na não, sei que pode parecer meio barango e extremamente clichê, mas eu adoraria que algum dia Emma fizesse isso por mim, claro morreria de vergonha, mas isso provaria que mesmo de longe ela ainda não desistiu de mim, de me conquistar um pouco cada dia mais, de me fazer apaixonar por ela cada dia mais um pouco, eu quero isso, acho que merecemos isso, nos amar cada dia um pouco mais, eu pelo menos sinto que a amo. Quando tudo a minha volta fica ruim, quase impossível suportar eu sei que ela sempre estará lá para me acolher e me ajudar. Antes mesmo de sonhar em sentir o que eu sinto por ela, meu coração já sentia que era a ela que ele eu iria confiar. Sempre ouvi nas histórias de romance que o coração não erra e até então comigo ele não errou de fato, espero que continue assim. Estou distraída quando sinto um leve toque no meu ombro.

— Senhorita Mills? _ Pergunta uma voz suave e eu me viro assustada.

— Nossa que susto. _ coloco a mão no peito e tento controlar a respiração. – Sim sou eu Regina Mills, em que posso ajudar. _ Noto ser o rapaz das flores.

— Desculpa lhe assustar não era a minha intenção. _ Fala envergonhado. – São para a senhorita. _ Me estende as flores.

— Mas quem ... _ quando vou perguntar ele já virou as costas e já está refazendo o caminho por onde veio. Quando penso que não meu celular começa a tocar, noto que junto com as flores brancas e rosas tem um cartão junto. Quero ler o cartão, mas também quero atender o celular, porque deve ser Emma. Porque não tentar fazer os dois? Com muito custo consigo pegar o celular e atender antes dele parar de tocar.

— Oi. _ Falo tímida.

— Oi minha pequena. _ Fala animada.

— Tudo bem? _ Pergunto ainda tentando pegar o cartão.

— Muito bem e você? _ Ela está muito feliz, estranho.

— Você está muito feliz porque está assim? _ Pergunto desconfiada.

— Eu? Nada não. _ responde tentando conter a animação.  – Novidades? _ Ela quer saber algo. Será que as flores são dela? Será que ela está aqui? Um sorriso brota em meus lábios.

— Amor espera um minuto deixa eu me sentar. _ Minto coloco o telefone no bolso e pego o cartão. Ansiosa para ler. Começo a ler em voz alta. – “Pode até parecer muito romance clichê, mas o que seria de nós sem os pequenos contos de fadas não é? Escolhi o branco pois ele simboliza a paz e é isso que sinto quando estou com você, o rosa é pelo amor, o mais puro e verdadeiro que sinto por você. Te amo minha pequena linda. Quer ir no cinema comigo?”. _ Termino de ler e fico feito boba olhando para o bilhete será que Emma está aqui? É por isso então que ela estava tão tensa ontem? Como não amar mais ainda minha namorada. – Aonde você está amor? _ Pergunto voltando a pegar o celular. – Eu não estou te enxergando. _ Completo.

— Infelizmente na minha escola. _ Responde um pouco triste.

— Ah. _ Não consigo conter minha frustração. Poderia jurar que as flores eram dela.

— Gostou das flores? _ Ela pergunta mais animada um pouco.

— São lindas, como conseguiu me mandar? _ Pergunto ainda frustrada por ela não está aqui.

— Internet, não é magico? Enfim quer ir ao cinema comigo amanhã? _ Pergunta com a voz animada.

— Como Emma você está em Nova York e eu em Boston. _ Falo um pouco mais rude do que eu gostaria.

— Não precisa ser grossa também. _ Me repreende. – Simples ué, já comprei nossos ingressos o código do seu já está no seu e-mail e o meu está em mãos comprei a mesma sessão para nós duas, na mesma hora e olha que cedi as duas vontades vamos ver seu filme predileto amanhã. _ Explica de forma fácil. – Star Wars, as 20:40, mesmo com a distância estou lhe provando que nada nos impede de fazer programas de casal como ir ao cinema regado a muita pipoca com refrigerante. _ Fala do seu jeito toda alegre.

— Ok! A parto do cinema eu intendi, mas como vamos ver juntas? _ Pergunto ainda sem acreditar.

— Simples, eu vou te ligar quando estiver quase na hora do filme você atende, coloca no fone e assim vamos assistir ao filme juntas, comentar as partes interessantes, rir nas partes engraçadas, essas coisas, do nosso jeito torto. _ Termina de explicar. – Você topa ir comigo? _ Pergunta meio tensa.

— Você é a melhor namorada do mundo sabia? _ Pergunto me derretendo por ela. – Claro que eu topo, você não teve todo esse trabalho para eu dizer não né. Eu te amo. _ Confesso feliz.

Namorar Emma é sempre uma surpresa diferente e isso faz dela única e especial, ela faz de tudo para me ver sorrir, dessa vez não foi diferente, as coisas aqui dentro de mim, andam meio tensas não sei explicar direto, as vezes só quero ficar sozinha e chorar, mas ela nunca me deixa só por muito tempo, tenho que agradecer a ela, sinto que a cada dia que passa a solidão me abraça um pouco mais dentro daquela casa, mas com ela eu me sinto em paz, leve, livre. Me permitir amar Emma foi a minha melhor decisão não tem como contestar.


Notas Finais


" ... Meu Sol Loiro positivo amor. Ao teu lado posso ser quem sou. Eu sei bem fui eu quem vacilou. Reconheço e agora aqui estou."


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...