História Acasos do Destino - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Afrodite, Annabeth Chase, Apollo, Ares, Artemis, Atena, Bianca di Angelo, Calipso, Charles "Charlie" Beckendorf, Chris Rodriguez, Clarisse La Rue, Connor Stoll, Dionísio, Frank Zhang, Frederick Chase, Grover Underwood, Hades, Hazel Levesque, Hefesto, Hera (Juno), Hermes, Jason Grace, Katie Gardner, Leo Valdez, Luke Castellan, Malcolm, Miranda Gardiner, Nico di Angelo, Octavian, Percy Jackson, Piper Mclean, Poseidon, Rachel Elizabeth Dare, Reyna Avila Ramírez-Arellano, Sally Jackson, Silena Beauregard, Thalia Grace, Travis Stoll, Will Solace, Zeus, Zoë Nightshade
Tags Caleo, Jasiper, Percabeth, Solangelo, Thaluke
Exibições 112
Palavras 2.524
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, FemmeSlash, Hentai, Lemon, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Tortura
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá meus queridos demigods!
Vim postar o capítulo pra vocês e já vou avisando que não está muito legal, mas dá pro gasto...
Mas uma pergunta, vocês não gostaram do capítulo anterior? Quer dizer, eu sei que não foi o melhor momento Percabeth, mas é só o comecinho deles... Espero que me perdoem, mas não tive muita criatividade com eles.
Mas é hora do capítulo!
Boa Leitura!

Capítulo 17 - Capítulo 17


Percy POV

- Fico feliz, minha princesa – esses apelidos eram de quando éramos menores. Meu pai sempre chamou minha mãe de rainha, o que nos fazia príncipe e princesa. Mesmo sendo infantil eu gostava – que você esteja gostando dele. Eu sei que está sendo sincera e também sei que às vezes você esconde seus sentimentos para não preocupar os outros. Não posso dizer nada pois faço o mesmo – ela ri.

- Verdade – concorda – sempre fazíamos isso, acho que era a nossa semelhança na época, além dos olhos e cabelo – sorrio.

Depois que conversarmos mais um pouco, eu fui dormir. No dia seguinte, quando estava na escola, logo que vi a loura eu acabei sorrindo involuntariamente. A Thalia não pôde deixar de perceber e me exigiu uma conversa depois, eu tinha ideia de que perceberia, minha prima não é boba.

E depois daquele beijo, eu não sabia o que fazer, quer dizer eu chamo ela pra sair? Ou espero? Teria que esperar, já que tinha prometido não contar nada a ninguém por enquanto.

Logo que cheguei em casa, não deu cinco minutos, a Thalia me mandou uma mensagem.

Thalia: Vem em casa agora! Precisamos conversar mocinho.

Nem respondo, apenas pego o elevador indo para seu apartamento, chegando lá não tenho o trabalho de bater na porta, pois ela já está aberta com uma Thalia sorrindo maliciosa pra mim. Minha prima me arrasta para seu quarto, o qual era bem organizado, e me faz sentar ao seu lado na cama.

- Então, me diz o que rolou no seu “encontro” com a Annabeth ontem? – pergunta fazendo aspas com os dedos.

Ontem foi difícil mentir pra Lucy, imagina pra Thalia, minha prima é muito insistente. Porém, manteria minha palavra e não diria nada sobre o beijo, pelo menos não agora. Mordo os lábios e faço uma expressão inocente.

- Nada demais, nós conversamos, fizemos o trabalho – minha prima revirou os olhos com o óbvio – trocamos apelidos e depois... – comecei a falar tudo de uma vez, mas ela me interrompe.

- Como assim trocaram apelidos? – pergunta me olhando com seus olhos azuis eletrizantes.

- Bem eu chamei ela de Sabidinha, você deve imaginar o motivo disso – ela assente – e ela me chamou de Cabeça de Alga porque eu gosto muito de mar e coisas do gênero – ela sorri.

- Ownn, que bonitinhos, já deram até apelidos um ao outro, mas rolou beijo? – perguntou maliciosa, sinto meu rosto esquentar e olho para seus pôsteres na parede, para os móveis pretos, menos em seus olhos.

- Thalia! – a repreendo – Claro que não – me sinto mal em mentir.

- Tá, tá – ela levanta as mãos em rendição – mas você gosta dela, não é? Eu vejo como olha pra ela – assinto corado – o que sente por ela? Realmente? E saiba que eu gosto mil vezes mais dela do que da Rachel – acabo rindo.

- A Lucy me disse o mesmo – ela ri – “ Não quero uma Rachel como cunhada”, palavras dela. Ela disse que gosta da loura e me apoia.

- Apoia o quê?

- É que eu, meio, que estou apaixonado pela Annabeth – parece que cada vez que digo isso me sinto mais estúpido.

- Sério? – não era uma pergunta – Então eu vou te ajudar no que precisar. Pode contar comigo priminho.

- Obrigado Thals – ela sorri.

- Mas me conta o resto – pediu e eu concordo. Conto meu sonho a ela e acabo sorrindo quando termino, é realmente estou apaixonado. Ela aperta minhas bochechas como se eu fosse uma criança fofa que acaba de dizer algo inteligente. Conto tudo menos o beijo, mas acho que nem foi necessário.

Thalia POV

Okay, o Percy está apaixonado pela Annabeth. Certo, isso é bom. Além que eu adorei os apelidos que eles deram um ao outro.

Eu conheço o Percy tão bem quanto a Lucy e sei que ele geralmente não gosta de falar do que sente, por isso eu fico feliz que ele confie em mim pra dizer esse tipo de coisa. Não que eu seja toda dramática e melosa, mas o Percy também não é, acho que sempre fomos parecidos, então eu sempre consigo falar pra ele sobre mim. Ele não é tão complicado quanto o Nico, mas eu e a Lucy temos o talento natural de dobrar eles e isso inclui os três, o Percy, o Nico e o Jason.

Obviamente, eu amo os três, apenas não admito isso sempre, pelo menos não em voz alta. Se eu fizesse isso o ego do meu irmão já estaria lá em cima, mas eu amo ele. Eu amo o nerd chato que ele é. Falando nele, agora está apaixonado pela Piper.

Fico pensando se ele vai cometer o mesmo erro que ele cometeu antes. Eu quase bati nele quando me contou o que ele fez, mas a Lucy me segurou e disse que não adiantava de nada agora, então eu me obriguei a me acalmar. Sempre irei ajudar os três no que eles precisarem.

O Nico é o mais complicado, mas já vi que o Will parece ser o cara certo pra ele, de uma forma ou de outra, eles parecem se encaixar quando estão juntos. Mas aí do louro se ele magoar o meu primo, ele vai ter que se ver comigo.

Daí tem o Luke, meu problema particular. É claro que eu já percebi que ele está afim de mim e, sinceramente, eu também gosto dele, apenas sou orgulhosa demais pra admitir que eu estou apaixonada por Luke Castellan.

Nico POV

Esses últimos dias na escola foram bem calmos, assim não tenho nada de interessante pra contar. E tem essa conferência... Argh, que coisa chata. E esse é um dos primeiros problemas de ter a família rica: Falar em público, eu já disse que eu odeio isso? Não, então eu digo, odeio terminantemente falar na frente das pessoas. Segundo problema: invasão de privacidade, isso é outra coisa que eu odeio.

Chegou sexta-feira, eu e meus primos estávamos na cobertura do nosso prédio. Viu? Que prático, não precisamos nem sair de casa direito. Olho pra frente e vejo o jatinho branco com o típico slogan da empresa, suspiro de forma inaudível e caminho até lá.

- Está ansioso pra ver a Bianca? – pergunta Hazel enquanto subimos as escadas do jatinho. Bianca é minha irmã mais velha, tem vinte anos e está noiva. Imagino que mamãe estaria orgulhosa dela hoje se pudesse vê-la.

- Sim – respondo. Eu gostava muito da Bia, mas era estranho estar com ela sem a nossa mãe.

Nos acomodamos do melhor jeito que pudemos nos bancos do jatinho, não que fosse desconfortável porque não era, mas acho que todos estavam ansiosos pra ver a nossa família de novo. A Thalia se sentou ao meu lado dando um sorriso de lado e fechando os olhos quando o avião decolou, ela tem um pouco de medo de altura. Irônico, não? O pai dela, dono da maior empresa de transporte aéreo que existe e ela tem medo de altura e, consequentemente, de voar.

Mas arrisco a dizer que ela é uma das pessoas que eu mais gosto, ela adora rock e roupas pretas assim como eu, por isso é notável que nós tenhamos muito o que conversar. Coloco os meus fones de ouvido e relaxo pegando no sono.

Chegamos em Londres quando já estava escuro, abro meus olhos lentamente e tento me acostumar com as luzes que vinham de todas as partes. Quando consigo focar minha visão em algum lugar vejo que meus primos estão acordados (se é que dormiram) olhando pela janela, o que me fez olhar também. Nossa família nos esperava sorrindo e acenava, havíamos aterrissado.

Me levantei me espreguiçando e quando estou na porta pra sair sinto um braço rodeando os meus ombros e sorrio com isso. Thalia segue ao meu lado até chegarmos aos nossos familiares.

- Como vão família? Tudo beleza? – perguntou Thalia sorrindo. Ela adora usar gírias quando estamos com a nossa família, às vezes eles entendem, às vezes não, nesse caso eles entenderam.

Todos nós seguimos para a casa do Tio Zeus para um jantar em família. Minha irmã Bianca e o noivo dele Bryan estariam lá, talvez um jantar legal, mas teria, claro, muitas perguntas sobre a nossa vida, muito legal, né?

A casa, mansão melhor dizendo, do Tio Zeus era do mesmo jeito que eu me lembrava, grande e majestosa. Nos reunimos no quarto do Jason enquanto esperávamos nos chamarem para o jantar. Poderia ter sido no quarto da Thalia, mas caso você mexesse em suas coisas, era muito provável que perdesse a mão.

- Parece igual a antes – disse Hazel.

- É, amanhã vai ser um dia e tanto – comento e recebo a concordância dos meus primos.

Jason POV

A nossa chegada foi muito tranquila, na verdade até demais. Imagino que meu pai e o Tio Hades tenham dado um jeito para que os repórteres não aparecessem ou não soubessem que viemos. E eu agradeço a eles por isso.

Não falo nada durante o caminho até minha casa, apenas fico viajando nos meus próprios pensamentos. Quando dei por mim de novo estavam todos conversando no meu quarto, percebi que estava tão distraído pensando em uma coisa ou outra (Piper) que não tinha reparado que tínhamos chegado.

Suspiro pensando em como me apaixonei fácil, Piper era uma garota incrível, mas eu tinha medo de me machucar como na primeira vez que namorei. A Thalia me disse que me apoia no que der e vier, mas me castra se eu fizer o mesmo que eu fiz ano passado.

Flashback on

Sinto as lágrimas descerem pelo meu rosto enquanto ela grita comigo.

- Você acha, Jason, que eu – apontou pra si mesma – me apaixonaria por você?! – perguntou incrédula.

- Você disse que me amava! – grito sem me importar que ela me visse chorar. Eu estava destruído por dentro.

- Faça o favor Jason, eu só estava com você porque você é o capitão do time – disse pausadamente na minha cara, suas palavras frias foram a pior coisa que eu já tinha sentido.

- Quer saber, faz o que quiser da sua vida! – a olho magoado – se quer ficar com todos os garotos da escola você pode, porque eu – aponto pra mim mesmo – não quero mais nada com você! – grito batendo a porta de seu quarto e saio correndo antes que seus pais viessem falar comigo.

Dirijo sem rumo por entre as ruas, olhando para os lados perdido. Por quê? Por quê eu tinha me apaixonado?

Entro em um bar qualquer e peço uma bebida. Não sei quanto tempo fico ali, mas só sinto quando uma mão se pousa no meu ombro.

- Eu posso te ajudar, querido – ela tenta usar uma voz sexy, mas eu não consigo sentir isso.

- Saí fora – digo me desfazendo de sua mão. Dou mais um gole na minha bebida e sinto minha garganta queimar, não me importo e viro o resto da bebida fazendo uma careta.

- Se ela pode ficar com qualquer, por quê você não? – e eu sei que ela me convenceu. Talvez tivesse sido efeito da bebida, ou talvez eu queria um motivo pra fazer o mesmo que ela, como se isso compensasse o fato dela ter me machucado. Eu sabia que estava cometendo um erro, mas não consegui evitar. No dia seguinte acordei e me arrependi no exato momento que percebi o que fizera.

Flashback off

- Está pensando no quê, Jay? – minha prima estava sentada do meu lado na cama. Eu estava deitado e de olhos fechados, apenas os abro pra vê-la.

- Ah, umas lembranças – digo com um toque melancólico na voz.

- Nela, não é? – a olho confuso – eu sei que a Piper não faria isso com você, não te usaria – ela acaricia meu cabelo e eu sinto uma lágrima solitária escorrer pelo meu rosto. Me pergunto como ela me conhece tão bem.

- Eu sei, mas ainda dói – ela apenas coloca minha cabeça em seu colo e limpa meu rosto com o polegar.

- Não se preocupa, às vezes a pessoa certa ainda vai aparecer, ou talvez tenha aparecido e é só uma questão de tempo – diz. Ela me deixa com os meus pensamentos apenas me confortando e isso que eu mais gostava nela. Ela podia ser a pessoa mais próxima de você, mas se você quisesse apenas ficar quieto, ela te faria companhia, te daria apoio.

Fiquei pensativo até a hora do jantar que foi quando a Lucy me chamou para descermos. Olho ao redor ficando meio confuso.

Meus deuses, não lembrava que essa casa era tão grande.

Quando chego a sala de jantar, já estão todos sentados. Pego meu lugar ao lado do Percy e de frente pra Thalia.

Nós nos organizávamos assim: de um lado as mulheres e do outro lado os homens. No lado feminino ficava Hera (minha madrasta), seguida de Sally (mãe do Percy e da Lucy), Perséfone (madrasta do Nico e da Hazel), Thalia, Lucy, Hazel e Bianca. No lado masculino estava meu pai na ponta da mesa, de modo que o lugar de frente pra Hera ficava vago, Tio Poseidon, Tio Hades, eu, Percy, Nico e Bryan (noivo da Bia).

Era desse jeito em todas as refeições em família, um tipo de formalidade que meu pai gostava. Comemos e conversamos bastante, de vez em quando vinha uma enxurrada de perguntas sobre como estamos em NY, o tipo de pergunta que os pais fazem, mesmo sabendo que está tudo ok.

Nós ficamos sentados na sala depois disso, meu pai e Tio Hades (pra variar) ficaram conversando sobre a conferência de amanhã. Nico, Thalia e Lucy conversavam em um canto rindo de vez em quando. Eu e Percy tentávamos puxar assunto com o Bryan, que me pareceu bem simpático. Já Hazel conversava com a irmã enquanto Tia Sally e Tio Poseidon conversavam levianamente e Hera e Perséfone ficavam conversando sobre algo que eu não tinha interesse.

Quando já estava bem tarde, achei que meus primos iriam para suas casas (cof, cof, mansões) deles, mas meu pai disse que eles iriam ficar hoje em casa, já que, provavelmente, queríamos ficar com a nossa prima recém-noiva. Confesso que isso me animou, Bia era a prima mais velha e ainda sim sempre foi comunicativa. Até mesmo trouxeram Sra. O’Leary (cadela do Percy) e Cérbero (cachorro do Nico) pra vê-los.

- Que saudades Sra. O’Leary – disse minha prima se ajoelhando na grama do jardim e abraçando a cachorra.

- E aí, garota? Senti sua falta também – Percy disse rindo quando sua cachorra pulou em cima dele e lambeu todo o seu rosto. Pra quem não sabe a Sra. O’Leary é um Rusky Siberiano negro com manchas cinzas na pelagem e olhos azuis claros. Ela é um animal muito bonito, mas você se assusta quando a vê pela primeira vez e ela rosna.


Notas Finais


E aí? Alguém deduz com quem o Jay ficou?
Enfim, espero que tenham gostado meus queridos demigods.
Beijos da Autora!
Até o próxima!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...