História Acasos do Destino - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Afrodite, Annabeth Chase, Apollo, Ares, Artemis, Atena, Bianca di Angelo, Calipso, Charles "Charlie" Beckendorf, Chris Rodriguez, Clarisse La Rue, Connor Stoll, Dionísio, Frank Zhang, Frederick Chase, Grover Underwood, Hades, Hazel Levesque, Hefesto, Hera (Juno), Hermes, Jason Grace, Katie Gardner, Leo Valdez, Luke Castellan, Malcolm, Miranda Gardiner, Nico di Angelo, Octavian, Percy Jackson, Piper Mclean, Poseidon, Rachel Elizabeth Dare, Reyna Avila Ramírez-Arellano, Sally Jackson, Silena Beauregard, Thalia Grace, Travis Stoll, Will Solace, Zeus, Zoë Nightshade
Tags Caleo, Jasiper, Percabeth, Solangelo, Thaluke
Exibições 64
Palavras 3.329
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, FemmeSlash, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Tortura
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá meus queridos demigods!
Estou de volta! Estão gostando amores?
O capítulo está um pouco grandinho e eu achei ele divertido, um pouco.
Espero que vocês gostem assim como eu!
Boa Leitura!

Capítulo 18 - Capítulo 18


Nico POV

Eu estava com muitas saudades do meu cachorro, Cérbero, é claro que ele podia ser meio assustador para algumas pessoas, mas era muito bonzinho com a família. Quando me viu ele correu na minha direção e pulou colocando as patas nos meus ombros, me desequilibro e caio pra trás rindo.

- Calma Cérbero, eu também senti sua falta – digo rindo – agora saí de cima de mim – ele me obedeceu, mas nesse momento meu rosto já estava todo molhado da sua baba – quanto tempo – acaricio seu pelo – Você está sendo bonzinho? – ele latiu como se dissesse “Sim”. A Thalia e a Lucy se ajoelharam ao meu lado e fizeram carinho nele.

- Ele está tão bonito – comentou Lucy sorrindo.

- Claro que está, não é Cérbero? – Thalia disse de forma alegre a ele. Os meus outros primos e minha irmã estavam com a Sra. O’Leary, já que ela não tanto medo quanto o meu cão. Afinal ele é um Rotweiler enorme e preto, o que obviamente dá medo nas pessoas.

Depois que nós brincamos com os nossos cães, entramos e eu fui me lavar, já que tinha tomado um banho do meu cachorro. Assim que seco meu rosto com a toalha vejo minha irmã atrás de mim.

- O Cérbero ficou maior, não ficou? – Bia perguntou casualmente.

- Também reparei – sorrio – eu adoro muito ele.

- Eu também gosto muito dele – ela se aproxima – eu senti sua falta – ela me abraça e eu retribuo circulando meus braços em sua cintura.

- Eu também senti – digo e olho em seu rosto – eu estou feliz por você, o Bryan parece ser um cara bem legal – me afasto um pouco. Não estou muito acostumado com contato.

- Ele é sim – ela sorri com um olhar apaixonado – vem, vamos conversar um pouco – ela me puxa para o quarto de hóspedes.

Fazia um tempo que não conversávamos assim, como irmãos. Desde a morte da minha mãe, eu tinha me fechado pra quase todo mundo, menos minhas primas e minha irmã.

Talvez eu devesse explicar o que aconteceu pra mim ficar desse jeito. Bem, quando nós nos mudamos pra NY, eu acabei me descobrindo gay, como vocês já imaginam. A primeira pessoa que eu contei sobre mim foi a minha mãe e, apesar de surpresa, ela me aceitou.

No entanto, minha mãe sempre foi uma pessoa religiosa e culta, uma das qualidades que meu pai mais gostava nela. E mesmo ela me apoiando eu sabia que era estranho pra ela pensar que seu filho era homossexual e foi por esse motivo que eu nunca contei aos outros sobre mim. As únicas pessoas que sabiam era a Lucy e a Thalia porque elas me ajudaram na época e eu acabei contando. Eu sempre tive medo, entre todas as coisas, que ela tivesse vergonha de mim.

Percy POV

No outro dia de manhã nós fomos comprar roupas (como se precisássemos de mais) e teríamos que agradar os repórteres, “acalmar os ânimos”, por assim dizer, afinal os herdeiros da família Olympus estava na cidade. Então fomos até o peincipal shopping e escolhemos novas roupas para a conferência. Percebi que minha irmã sorria de um jeito meio... apaixonado?

- Por quê está sorrindo? – franzi as sobrancelhas.

- Oi? – ela sorriu – nada, só estava pensando que seria bom se a Caly estivesse aqui – ela ergueu o vestido vermelho de renda – fico imaginando o que ela diria sobre isso.

- Eu acho que isso tem alguma coisa a ver com o Justin – comento de modo casual. Ela cora e desvia o olhar – aha! Tem a ver com ele – acuso rindo. Ela me faz uma careta.

- Cala boca – diz entre dentes.

- Só se você disser o motivo dele gostar de você com esse vestido, porque isso é bem óbvio – me aproximo.

- Por quê está toda sorridente? - perguntei.

- Tudo bem, tudo bem – ela suspira e abaixa o tom de voz – é só que a cor favorita dele é vermelha – pegou um vestido verde que realçaria seus olhos – agora vai pegar sua roupa logo – manda e eu só dou risada.

Ficamos a tarde toda no shopping e admito que foi até legal, fora as entrevistas a todo instante sobre as nossas vidas. Ao anoitecer todos estávamos com roupas formais e nossos tios se asseguraram que não chegariam em NY, já que nós escondemos de todos os outros a nossa fama (?)

Em si a conferência não foi de todo mal, apesar da Thalia ficar reclamando a todo momento de como seria chato e que ela morreria de tédio, meus primos tentaram conversar quando não estávamos no local da conferência, quer dizer quando estávamos no carro na ida e na volta. A Lucy e o Jason conversaram, o Nico olhava pela janela e eu e a Hazel conversamos sobre alguma coisa qualquer. Tínhamos ido em uma limusine preta que chamava mais a atenção do que um carro alegórico. Quando chegamos ao local sorrimos e ignoramos as perguntas que faziam a nós entrando.

Enquanto estávamos lá apenas conversávamos com algumas pessoas que nos cumprimentava e elogiava a nossa família. Tinha tanta gente que eu não me lembro nem da metade deles, vi pela expressão da Thalia que ela se segurava pra não pular no pescoço de ninguém, o Nico tinha um sorriso forçado, Lucy era simpática ao seu modo e eu tentava ser gentil, apesar de mal esperar a hora de irmos.

Olhei em volta, quando as pessoas começaram a se dispersar eu me senti mais aliviado. Parece que essa coisa não terminava, como dizem o tempo passa mais devagar quando as coisas são chatas. Fomos direto para a casa do Tio Zeus, já que nem iríamos pra minha casa e sim ficaríamos direto na casa dele e amanhã sairíamos de lá mesmo. Quando chego no quarto de hóspedes corro pra tirar a minha gravata, às vezes acho que aquilo devia ser chamado de coleira. Me troco rapidamente e já me sinto mais confortável.

Thalia POV

Depois que chegamos em casa eu corri pra trocar de roupa, afinal aquelas roupas são um saco e eu odeio vestido. Quando estava descendo as escadas vi o Percy descendo também, sorrio e passo meus braços por seus ombros pulando em suas costas. Ele ri e segura as minhas pernas em torno de sua cintura e me carregando até a sala de jantar. Foi bem divertido, principalmente porque a Tia Sally ficava dizendo que devíamos tomar cuidado para não cair. Percy me deixou no meu lugar e foi até sua cadeira.

Logo depois meus primos também chegaram e, obviamente, o meu querido irmão.

Durante o jantar meus tios e meu pai conversaram sobre a conferência como se isso fosse a coisa mais interessante do mundo, eu não concordo, mas se eles querem falar sobre isso...

Me viro para a minha prima sentada do meu lado e começo conversar com ela sobre algo mais interessante.

- O que você acha que eles estão falando? – puxo assunto.

- Sei lá, mas parece importante. Vamos esperar pra ver no que dá, mas como vai a operação Nico e Will? – ela me olha interessada e eu sorrio.

- Sinceramente? – pergunto retoricamente – o Nico é muito teimoso, mas em compensação o Will é super paciente e determinado. Eu andei conversando com nosso primo, mas ele não quer ceder – ela suspira – Acho que vamos ter que tomar uma medida mais radical, tipo prendê-los em um quarto e esperar que conversem – disse sincera fazendo minha prima rir.

- Talvez – ela fica um pouco mais séria – a ideia é boa, só não acho que seja bom no quarto – tombo a cabeça confusa e ela percebe – quer dizer, nenhum de nós mora sozinho se vamos fazer isso não podemos arriscar que eles atrapalhem – ela aponta para o Jason e para o Percy discretamente – podemos usar, sei lá, o elevador? Eu posso para-lo, sei mexer nos controles – ela dá um pequeno sorriso – assim temos a desculpa de dizer que foi um acidente – sorrio pra ela. Esse é um dos motivos que eu adoro ela, quando acha necessário ela é incrivelmente diabólica.

Acabamos de jantar e fomos para os quartos. A casa era tão grande que tinha quarto de hóspedes para todos e ainda sobrava. Todos foram dormir, já que o dia foi cansativo.

***

Na hora do almoço nossa família resolveu fazer um churrasco, acabo sorrindo pensando que parecemos aquelas famílias de comercial de margarina. Tão clichê.

Tomo um banho e coloco um biquíni preto em seguida visto uma camisa larga por cima. Desci as escadas e fui até o jardim, onde já se encontravam todos os meus primos e meu irmão. O Percy estava dentro da água, Jason estava sentado na beirada olhando meu primo. Lucy estava deitada perto da Hazel nas cadeiras de praia, espreguiçadeiras, acho. Nico estava na sombra com óculos de sol e olhava o nada entediado.

Olho para a roupa da Lucy e sinto um aperto no peito. Ela usava um maio branco que se abria nas costas com uma fenda, mas eu sabia que cobria aquele lugar. A marca na sua costela esquerda, a cicatriz daquele infeliz sequestro. Por mais que eu soubesse que ela não ligava para a cicatriz, sentia o quanto difícil devia ser pra ela e era por isso que eu a admirava.

Vi o Percy nadar até o lugar onde o Jason estava e dizer algo a ele. Os dois riem balançando a cabeça, ignoro o que quer que estejam planejando e vou na direção das minhas primas. Quando estou perto delas, sinto braços me rodeando e sei quem é. Percy. Ele me pega no colo estilo noiva e saí correndo pra água. Vejo o Jason com a Lucy nos braços e ela ria antes dele pular na piscina. Emergi e dei um tapa no braço do Percy

- Seu maluco, agora estou toda molhada – reclamo, mas no fundo eu gostei da brincadeira. Tiro minha blusa que está pesada por causa da água e a jogo para o lado de fora da piscina.

Dou um sorriso pequeno com uma ideia que tenho. Saio da água e caminho na direção do Nico, a Lucy me olha sorrindo e me segue entendendo o que quero fazer. Chegamos perto dele, que estava de olhos fechados e o pegamos. Eu pelos pés dele e a Lucy pelos braços, caminhamos com ele se debatendo em vão, já que sabíamos como segurá-lo e o jogamos na piscina com óculos de sol e tudo. Em seguida pulamos também.

- Ah! Vocês, realmente, tinham que fazer isso? – ele deu um resmungo de desaprovação fazendo eu e a Lucy rir.

- Sim, você anda muito pálido Niquinho – ele me olhou com um bico – precisa tomar um sol de vez em quando – digo sorrindo.

- Exatamente fantasminha, aproveite – a Lucy sorri – talvez eu até deixe você me ganhar no nado – sorrio. A Lucy e o Percy eram muito rápidos na água, o único que conseguia ganhar deles era Tritão (irmão deles e nadador) e meu Tio Poseidon.

Depois resolvemos brincar de briga de galo. Eu com o Percy e a Lucy com meu irmão, estava bem divertido e estávamos empatados até que todos caem. O Nico tinha puxado os pés do Jason e do Percy fazendo com que todos caíssem, ele ria quando emergimos.

A única que não entrou na água foi a Hazel, assim só a vimos quando saíamos da água pra almoçar. O churrasco estava bom, apesar de eu achar que isso não muito a cara do meu pai.

Tio Poseidon, que sempre fora o mais “adolescente”, perguntou se algum de nós estava namorando. Tenho quase certeza que corei, mas por sorte podia dizer que era do sol. Ninguém abriu a boca pra falar nada, afinal todos estavam “apaixonados”, ou mais ou menos isso. Então não tinha como ninguém zoar ninguém sem ser zoado de volta. Quem fazia isso antes era a Lucy e o Nico, mas o mesmo estava quieto. Hazel tinha ido pra NY esse ano, por isso não sabia muita coisa sobre o ano anterior.

Olhei para o meu pai e acabei sorrindo internamente. Eu não tinha decidido ainda quem era mais careta, se era meu pai ou Tio Hades. Os dois achavam que nós, garotas, tínhamos de ser virgens até o casamento, acho que era por isso que eu, a Bia e Hazel aprontávamos tanto antes. A Bia e eu perdemos a virgindade numa balada que tínhamos ido escondidas e a Hazel tinha ficado com o filho de uma empregada, ou seja, ela tinha “feito” bem debaixo do nariz deles.

A única que ainda era virgem era a Lucy, mesmo que o pai dela tivesse dito que ela podia fazer o que ela quisesse se usasse camisinha. Ele disse isso quando ela tinha menstruado, o que quer dizer quando ela tinha onze anos. Para meu Tio Poseidon era assim “atividade sexual é bem saudável, por isso não irei te proibir de nada filha, apenas quero se proteja com pessoas desconhecidas e não se envergonhe de falar isso comigo”, palavras dele. Eu ouvi uma vez quando fui na casa deles.

Com o Jason, o Nico e o Percy, tenho certeza que foi mais ou menos a mesma coisa, apesar de eu saber que o Nico nunca fez nada por ser gay. Meu pai sempre foi machista, por isso eu sabia que ele tinha dado carta branca para o Jason, o que chega a ser irônico. Parece que quanto mais a coisa é proibida, mais queremos aquilo e vice e versa, o que faz do meu irmão mais certinho. Não que ele nunca tenha feito, mas sei que foi apenas com a primeira namorada, não sei se isso era fofo ou careta.

O Percy eu não fazia ideia se ele era ou não, ele teve duas namoradas, mas nunca disse se já tinha perdido a virgindade e isso nunca foi um assunto muito discutido por mim e ele. Minha conclusão: quando eu e a Hazel arranjarmos um namorado eles vão sofrer. Tenho até pena dos dois, se ficar muito sério vou ter que pedir ajuda para o Tio Poseidon.

Annabeth POV

Era hora do almoço e eu tinha acabado de acordar. Calipso havia vindo dormir em casa para uma noite de garotas, pensamos em chamar a Thalia e a Lucy também, mas a Caly havia dito que as duas estavam ocupadas.

Troquei a minha roupa e fiquei pensando, agora entedia o motivo da Lucy (levando em conta sua privacidade ou seu jeito reservado) ser tão próxima da Calipso. A garota era meiga e gentil, além de espontânea e divertida, o que me fazia pensar que o Leo tivesse escolhido uma ótima garota por quem se apaixonar.

- Annabeth, saí desse banheiro! – gritou Piper do outro lado, ouvi uma risadinha abafada que deduzi ser da Caly.

- Já estou indo! – grito de volta. Escovo os dentes e saio dando um olhar de deboche para a Piper.

- Como você demora – reclamou me fazendo revirar os olhos.

- Como se você fosse muito rápida no banho – digo em escárnio. Ela revira os olhos e entra no banheiro.

- A amizade de vocês é engraçada – Caly diz sorrindo.

- Você e a Lucy nunca brigam? – pergunto curiosa, sinceramente não sei como seria minha vida sem as reclamações da Piper.

- Acho que nunca brigamos, eu só vi ela irritada uma vez e não era comigo – ela sorriu de lado – a Lucy não gosta de brigar, a única pessoa que já conseguiu a irritar de brincadeira foi o Percy – ela dá de ombros.

- Você conhece bem os dois, não é? – pergunto, ela sorri.

- Mais ou menos, mesmo sendo a melhor amiga dela, acho que nunca terei uma amizade como a que ela tem com o irmão e com o Jason – assinto.

- Eles são família, acho que as coisas parecem ficar mais forte quando é família – digo me referindo ao meu pai e a Malcom.

- Sim, mas mesmo assim ela é uma ótima amiga. Uma semelhança entre ela e o Percy é isso, os dois são companheiros – ela sorri – mas mudando de assunto. Eu estava pensando, sua amiga gosta de dança, não é?

- Ama – digo sorrindo.

- Estava me perguntando se ela não quer ser líder de torcida comigo, eu era ano passado, mas tinha umas garotas insuportáveis e a Lucy, apesar de gostar de dançar, não é muito fã disso na escola – ela explicou.

- Eu acho ótimo, a Piper iria adorar – disse animada.

- Eu ia adorar o quê? – Piper estava saindo do banheiro com o cabelo molhado. Sorrio e explico o que a Caly propôs.

A Piper adorou a ideia, ela já tinha insistido pra mim ir com ela, mas isso não muito a minha praia. Dançar na escola? Eu? Não, isso não é pra mim.

***

Estávamos conversando sobre coisas aleatórias, mas obviamente tínhamos acabado no assunto "meninos", então eu fazia de tudo pra não corar. Eu e o Percy não tínhamos nos beijado de novo depois daquele dia, mas eu não conseguia parar de sorrir toda vez que o via.

- Você gosta do Leo? – pergunta a Piper direta. A Caly ri e cora um pouquinho.

- Um pouco, ele é engraçado – diz sorrindo sincera.

- Own! Vamos ter um casal em breve – ela disse animada.

- Estou achando que todo mundo vai se arranjar esse ano – diz a Caly sorrindo de lado e tomando um gole do refrigerante que estava ao lado do sofá. Iríamos assistir um filme, mas resolvemos ficar conversando.

- Tá vamos contar – diz Piper – Annabeth com Percy.

- Hey – protesto corando.

- Nessa eu tenho que concordar, nunca vi o Percy tão apaixonado e idiota do que ele está agora – a Caly diz casualmente me fazendo ficar ainda mais vermelha.

- Piper e Jason – digo tentando mudar de assunto.

- Você não vai fugir desse assunto por muito tempo mocinha – Piper disse, mas continuou o assunto.

- Outro que, obviamente, está apaixonado é o Jason – Caly diz – até Thalia concorda e ela gosta de você – apontou pra Piper.

- Isso é... bom? – pergunta Piper confusa.

- É sim, okay. Falando na Thalia, ela e Luke – diz Caly sorrindo.

- Ele gosta dela, né? O jeito como ele a olha – explico.

- Oh sim, acho que desde que se conheceram, mas eles ficam nessa vai e vem. A Thalia é orgulhosa demais pra admitir que gosta dele – ela diz.

- Hazel e Frank – ressalta Piper.

- Lucy e Justin – comento – eles se gostam, você acha que vão ficar juntos? – pergunto a Calipso.

- Vão sim, a Lucy é quieta, mas eu sei que ela está gostando dele – ela sorri – se querem saber, acho que ele vai ser o primeiro a conquistar o coração daquela garota – sorrimos.

- Podíamos fazer shipps – sugere a Piper.

- Ah não – nego com a cabeça, mas ela continua como se não tivesse me ouvido.

- Percabeth – diz pra mim, dou uma risada e nego.

- Eu odeio shipps por isso, que estranho. Percabeth – digo.

- É fofo – ela continuou. Jasiper era Piper com Jason, Percabeth era Percy comigo, Caleo era Calipso com Leo, Thaluke era Thalia com Luke, Frazel era Frank com Hazel e Jucy era Justin com Lucy, agora te pergunto se isso faz sentido? Não, a Piper é maluca, mas como dizem as melhores pessoas são.
   


Notas Finais


Capítulo de hoje! Eu acho que está fofinho!! (Não liguem, eu sou meio maluca, num sentido bom, okay?)
Acharam Jucy muito estranho? Eu meio que preferi isso a Lustin...
É isso meus amores.
Até o Próximo!
Beijos da Autora!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...