História Accept me - Capítulo 32


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Jikook, Kookmin, Lemon, Mpreg, Namjin, Traição, Vhope, Yaoi
Exibições 630
Palavras 1.296
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Primeiramente eu não sei como agradecer os 216 favoritos, eu nunca imaginei que conseguiria alcançar isso, na verdade, no inicio eu não esperava que alguém acompanhasse, essa fic era apenas um modo de eu expressar minha frustração emocional, mas aí chegou nessa proporção e sou apaixonada por cada um de vocês
segundo, estamos quase chegando ao fim :(
terceiro, PROVAVELMENTE a próxima fic será texting e o por escolha de vocês o Jimin vai ser uke, eu também prefiro assim :3
quarto, não deu tempo de revisar

Capítulo 32 - Perdão


Fanfic / Fanfiction Accept me - Capítulo 32 - Perdão

POV's Jimin

Eu realmente não sei como agir, estou na frente do cara que mais repudio e ao mesmo tempo mais amo, o protagonista dos meus piores pesadelos e dos melhores sonhos, Jungkook mexe comigo, me desconfigura sem minha permissão.  Ele me encarava, seus olhos fixos em mim sugando toda minha energia, rompendo toda a barreira que construir nesses meses, eu não gosto desse dom de me controlar que ele possui, é como se eu fosse um escravo lutando pelo direito de ser livre, mas o Jungkook, meu senhor,  sempre tem total domínio da situação. Odeio o poder que ele exerce sobre meu corpo e meus sentimentos, odeio ainda ama-lo, odeio sua beleza encantadora que me rouba o ar, mas mesmo com todo o sentimento vivo dentro de mim, não apaga o fato do quanto eu sai machucado nesse relacionamento, não me faz esquecer das lagrimas derramadas, por mais que eu o ame, eu nunca esquecerei o passado. Foi só jeon chegar que a guerra interna reapareceu,  fodendo com meu psicológico mais uma vez

Junto todo autocontrole que me resta para desviar o olhar, antes que eu perca toda minha força e resistência

— Então... fui chamado com urgência, o que queres falar de tão importante?- disse o mais ríspido possível

— Ah, jiminnie, você não sabe o quanto senti sua falta- quando percebi, seu braços que acolhiam em um abraço caloroso, meu corpo inteiro se arrepiou.  Respirei fundo tentando manter firme, olhei para o yoongi que ainda estava parado ao meu lado

— Yoongi, eu vou para o meu escritório com esse senhor, qualquer problema pode ir me chamar- ele assentiu, comecei a caminhar na direção da ala privada, minha futura sala é a ultima, andamos pelo longo corredor, como a cabine dos editores era de vidro, consegui analisar os mesmos concentrados em seus trabalhos, quando chegamos na sala, que por sorte não era de vidro, dou passagem para Jungkook entrar e assim ele faz, entrei em seguida e sentei na poltrona que ficava em atrás da mesa grande com alguns documentos

— Sente-se!- apontei para a cadeira próxima a mesa, Jungkook sentou e apenas me olhava assustado, arqueei a sobrancelha em um pedido mudo para que ele prosseguisse

— Jimin, por que não me contou que estava esperando um filho meu?- sua voz saiu baixa, a postura dele estava diferente, eu estava adorando ter o controle de tudo dessa vez

— Porque quando eu fui te contar, tu estavas fodendo com outra- disse indiferente, de onde eu estou conseguindo tirar tanta frieza eu não sei

— Me perdoa, meu amor. Eu  não tinha noção do erro que estava cometendo, foi o maior erro da minha vida deixar você escapar. Jimin, eu realmente me arrependi, eu sou a pior pessoa do mundo, eu sei! Mas por favor, me deixa concertar tudo, eu mudei, eu  posso te provar isso. Desde que você foi embora minha vida perdeu a graça e nunca vai ganhar cor novamente se você não estiver nela- as lagrimas rolavam pelo seu rosto, eu conseguia perceber arrependimento em sua fala. Vê-lo daquele jeito me cortava o coração, mas eu precisava ser duro, talvez essa conversa sirva para eu falar o tudo o que quero e tire o peso que sinto

— Primeiro, não me chame de meu amor, pois eu não sou nada teu. Segundo, tudo o que você está falando para mim não passa de mentira, iguais a que você me contou antes de eu viajar. Terceiro, sinto muito mais eu não posso fazer nada por você.

— Você sabe que eu estou sendo verdadeiro, mas eu não mereço uma segunda chance mesmo- ele baixou a cabeça, e enxugou as lagrimas com a “costa” da sua mão — Deixa pelo menos eu acompanhar o crescimento do meu filho

A sala ficou um silencio, por mais que evitar o contato com o Jungkook seja melhor, eu não posso tirar o direito de pai que ele possui , eu estava tão confuso

— É menino ou menina?- ele voltou a se pronunciar

— Ainda não sei- disse frio

— Jimin, obrigada por tudo e me perdoa- ele se levantou, veio em minha direção e acariciou meu rosto, não irei negar que gostei do carinho, mas eu não me redenria

— Não me toque!- ele rapidamente se afastou e voltou a sentar na cadeira a minha frente —Jungkook, aceito seu agradecimento e seu pedido de perdão é desnecessário, não terá utilidade alguma. Eu preciso ir,  qualquer assunto EM RELAÇÃO AO SEU FILHO, aqui está meu numero- tirei um cartão com alguns dados de cima da  mesa e o entreguei, sai dali sem olhar para trás, não conseguiria ficar mais um segundo ali, eu precisava fugir, não me importei se deixei ele sozinho, ou com qualquer outra coisa . Passei rapidamente pelo yoongi que me olhava curioso, fui até meu carro e quando eu me senti seguro, chorei, me desmanchei em lagrimas, doeu ver jeon sofrendo, doeu lembrar do que eu sofri, doeu saber que eu não tenho a capacidade de perdoar.

Liguei o carro e segui de volta para o apartamento, o choro deixou minha visão embasada , foi quando eu percebi que estava sem condições para dirigir, parei antes de causar um acidente. Chega de colocar a vida do meu bebê em risco, desci do carro para  me acalmar, as vezes o destino resolve colaborar, olhei para o lado e estava em frente a uma doceria, nada melhor que chocolate para revigorar os ânimos. Sentei em uma das mesas e pedi uma torta de chocolate, enquanto comia  as palavras de Jungkook passavam pela minha cabeça, será que eu devo perdoa-lo? Talvez não

 Quando meu estado estava um pouco melhor, eu voltei para o carro e segui caminho.

~

Assim que cheguei em casa, deitei no enorme sofá e comecei a alisar minha barriga, ela estava grande, apenas mais dois meses para o nascimento do bebê, eu me sentia tão ansioso. Aliso minha barriga por cima do tecido fino, meu próprio toque faz um arrepio percorrer pelo meu corpo, suspirei

— A voz do papai é linda, né filho?!- ri do meu comentário e em seguida me assustei com um chute na minha barriga — Ai, bebê!  Se comporte- continuei com o carinho até escutar a porta ser aberta, Jackson está em casa antes do almoço, sendo que ele costuma a chegar somente anoite, assim que ele me viu cumprimentou-me com um selinho

— Oi, lindo. Resolvi voltar para casa cedo. Advinha quem me ligou? O mark, ele está vindo  nos visitar, insisti para ele ficar aqui com a gente, mas ele preferiu ficar no hotel, não entendo ele- tentei parecer interessado, mas falhou — Jimin, está tudo bem?

— Sim, por que a pergunta?

— Não é nada, você está um pouco estranho- ele disse e  se ajoelhou perto do sofá onde eu estava deitado, começou a beijar meu pescoço, senti meu corpo reagir,  ele chupou o local arrancando um gemido meu

—Aaah, Jungkook- ele parou os beijos e me encarou, arregalei os olhos quando percebi o que falei

— Jimin, eu realmente gosto de você, mas não está dando mais, essa situação é frustrante para mim como homem

— desculpa, jack, é que eu ainda o amo- abaixei a cabeça

— eu sei e é isso que não tá dando mais, eu voltar para o trabalho e talvez fique com o turno da noite, pedir para o Tae vir fazer sua comida. Posso ir?- assenti e Jackson saiu, me sinto uma pessoa tão ruim

Tae veio fazer minha comida e em seguida voltou para o hospital, o dia se passou com Jungkook em meus pensamentos, suas palavras sinceras, seu pedido de perdão... Tava tudo na paz, jeon, mas você me bagunçou novamente

 


Notas Finais


obrigada por tudo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...