História Acidentes de percurso (SwanQueen) - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time, Once Upon a Time in Wonderland
Personagens August Wayne Booth (Pinóquio), Capitão Killian "Gancho" Jones, Cora (Mills), Cruella De Vil, David Nolan (Príncipe Encantado), Emma Swan, Fa Mulan, Henry Mills, Ingrid / Rainha da Neve / Sarah Fisher, Lacey (Belle), Lilith "Lily" Page, Malévola, Mary Margaret Blanchard (Branca de Neve), Mérida, Neal Cassidy (Baelfire), Peter Pan, Príncipe James, Regina Mills (Rainha Malvada), Robin Hood, Roland, Ruby (Chapeuzinho Vermelho), Sr. Gold (Rumplestiltskin), Tinker Bell, Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Tags Emmaswan, Reginamills, Swanqueen, Transexual, Transsexual, Zelena
Visualizações 227
Palavras 2.230
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Musical (Songfic), Orange, Romance e Novela, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Transsexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 14 - Você tá tão bêbada


Fanfic / Fanfiction Acidentes de percurso (SwanQueen) - Capítulo 14 - Você tá tão bêbada

Pov Regina

Eu poderia ser confundida com o Sid da Era do Gelo nesse momento, deitada... não, esparramada na cama com os cabelos provavelmente bagunçados, sem contar a cara amassada sobre o travesseiro. Não estava disposta a abrir os olhos, não mesmo. Via o fecho de luz vindo debaixo da porta, a sombra da minha mãe passando de um lado pro outro, acho que ela falava ao telefone, mas além da sua voz também dava pra escutar o barulho dos saltos batendo no assoalho. Ela começou a gritar ao telefone, sabia que deve estar vermelha de raiva. Abri meus olhos de "morta-viva", olhei as horas no relógio em cima da estante, nove e quartoze, ela estava atrasada. Voltei a fecha-lo quando ouvi o barulho da maçaneta se abrindo.

— Regina vou voltar só amanhã, vai ficar bem? — Cora perguntou, minha vontade era de ficar de joelhos e implorar pra voltar hoje, eu não estava disposta pra nenhum tipo de festa. Murmurei um "humrum", ela se dispêndio, e a última coisa que ouvi naquela manhã antes de voltar a dormir foi o motor do seu carro dando partida.

°°°

Estava cortando tomates para o meu almoço, que no caso seria um sanduíche de peito de Peru. Olhei para janela da cozinha vendo meu vizinho cortar a grama, eu me achava parecida com ele, não na aparência mas no jeito. Ele é completamente sozinho, pelo menos é o que parece, as vezes me pegava observando ele e minha mãe discutindo. Porém Sr. Tony – era assim que todos o chamava – nunca me pareceu má pessoa, todos os dias me dava bom dia ou boa aula. Muito simpático.

Ouvi a porta principal se abrir e nem me dei o trabalho de saber quem é ate ouvir gritos escandalosos pedindo por comida. As vezes Zelena parecia que passava fome.

— Oi meu sanduíche de Peru! — ela gritou tirando minha deliciosa refeição das minhas mãos.

Estava ela, Kris e Killian com várias sacolas de bebidas, colocaram tudo na geladeira já que não deu pra ter trago ontem, então ficaram todas na casa de Kristin. Compramos salgadinhos também mas esses foram levados por Emma e Rose que prometeram tranzer às duas horas. 

— Ainda não acredito que tenho vocês como amigos. — disse retirando o sanduíche da mão de Zelena. Ela bufou começando a preparar um também.

— Fala serio gata. — Kill disse abrindo a geladeira — Você nos ama.

— Amaria se não fossem tão inconvenientes. — falei com a boca cheia. Tá! Não sou nenhum exemplo.

— A gente veio aqui pra saber se a festa ainda tá de pé? — Kris falou, mas não pude responder pois a campainha tocava insistentemente. Corri pra atender já imaginando quem era, mas me decepcionei quando vi Peter e mais alguns garotos do colégio carregando alguns equipamentos.

— O que é isso? — perguntei franzindo o cenho.

Os outros três voltaram pra sala e Kill indicava o lugar para colocar aqueles troços. 

— Uma boa festa sem um bom som deixa de ser uma festa boa. — Zel falou apoiando seu cotovelo em meu ombro, logo tratei de tirá-lo. Bufei, afinal o que eu poderia fazer? Isso ai, expulsar todo mundo e voltar pro meu sábado tranquilo. Porém, ao mesmo tempo que queria acabar com tudo isso, o espírito "Just Dance" tomava conta do meu corpo. 

— Tá bem. — me joguei no sofá assistindo Peter ligar o som, todo o ambiente foi preenchido por "That's what I like" sorri me lembrando do dia em que eu e Emma fomos a praia. A campainha tocou de novo mas dessa vez não foi eu quem atendi, também não sabia quem era já que a entrada e a sala eram separados por uma parede.

Vi mãos pegando meu sanduíche que agora estava pela metade, já iria me virar pra bater em Zelena mas parei no meio do processo ao vê que na verdade era Emma. Sorri lhe dando um beijo na bochecha, que se dane meu sanduíche.

— Porque você não brigou com ela? — minha amiga ruiva perguntou inconformada.

— Por que eu não sou você. — Emma respondeu lhe mando uma piscada logo após de se sentar ao meu lado. Me deitei colocando a cabeça em suas pernas, talvez eu esteja sendo nada modesta mas eu fazia isso sem nenhuma pretensão.

Senti sua pele quente na minha bochecha, ela vestia um short preto. Olhei pra cima, Emma conversava com Peter sobre as músicas, acho que ela percebeu que eu a olhava pois abaixou a cabeça e começamos a nos encarar. Seu rosto sereno acompanhado por um sorriso quase imperceptível. Ficamos assim por algum tempo até ambas cairem na gargalhada.

— Começaram. — Kill falou revirando os olhos. Os meninos junto com Peter se despediram confirmando a volta no horário da festa.

Kristin levou Kill e as meninas pro shopping, convideram eu e Emma mas recusei e pedi para que a loira ficasse mais um pouco, ela estava relutante então parti pra chantagem.

— Por favor Emm. — disse lhe dando pequenos selinhos.

— Minha mãe disse para eu e Rose voltar juntas.

— Deixa de ser lerda Emma! — Kristin gritou da porta — Para de dar desculpas e vão tranzar. Se você não for eu vou!

Ela não perdia uma. Emma depois de mais alguns beijinhos aceitou.

°°°

Já era sete horas quando a maratona de filmes que eu fiz com a loira acabou. Pedimos uma pizza, e mais uma vez por insistência minha fomos para meu quarto já que o sofá não tinha espaço pra deitarmos, porque era isso que eu queria mesmo a loira negando. Ou Emma era muito timida ou como Kristin dizia: lerda. Não que eu queira me entregar de bandeja para loira, mas seria bom se as vezes ela deixasse essa timidez de lado e aproveitasse. 

No meio do segundo filme eu não resisti e comecei a beijá-la, sem más intenções, meu objetivo era só dar uns amassos e mais nada. Porém quando vi que a coisa ficou fora de controle, parei e voltamos a respirar normalmente, o beijo tinha sido de tirar o fôlego de qualquer um. Me virei e vi Swan apertando as pernas, sabia o que tinha acontecido então tentei lhe distrair com uma conversa sem fim.

°°°

Oito e meia e minha casa já estava lotada de adolescentes, bebendo, dançando e beijando. Fui pra cozinha e Zel me entregou um copo, provavelmente era alguma coisa alcoólica – óbvio eu estava em uma festa e não no culto de domingo.

— Vai com calma gata. — Kill disse chegando "com tudo" ao me ver virando o copo. 

— Aonde você estava? — Zel praticamente gritou com ele.

— Pegando um cara logo ali. — respondeu apontando para um garoto que conversava com outros dois.

— Tá de acordo. — a ruiva disse. Zelena sempre media as pessoas que pegavamos, e no final falava algo como "ta de acordo" ou "precisa melhorar", ela fez isso com a Emma mesmo antes de começarmos a ficar.

Falando em Emma, avistei a cabeleira loira conversando com alguém que depois de ficar na ponta do pé vi que esse alguem era a oferecida da Mérida. Peguei mais um copo pra mim e um pra Swan, me aproximei e chaguei perto o bastante pra acariciar seu braço, ela se virou assustada mais sorriu quando me viu.

— Seu vestido é muito indecente. — afirmei tentando ser seria. Emma passou seus olhos de cima a baixo pelo meu corpo, cruzou os braços e sorriu convencida.

— Te digo o mesmo. — rimos e pulei no seu pescoço lhe beijando esquecendo de todos ali. Fomos interrompidas com Kill me puxando.

— Gata vamos beber, dançar curtir depois vocês podem se engolir. — ele gritou porém todos estavam bêbados pra lhe dar ouvidos.

A festa se animou mais ainda quando Will sugeriu uma disputa para ver quem conseguia beber mais, e eu, como já não estava muito sobria entrei na brincadeira. Emma ficou me observando sentada no sofá com um copo na mão, sua situação também não era das melhores mas ela não era do tipo que se exaltava. Já passava das onze e parecia que ao invés de irem embora, chegava mais e mais gente, fiquei me perguntando se Zelena chamou pessoas fora do nosso círculo escolar.

Perdi o jogo por Peter que balançava a cabeça igual louco ao mesmo tempo que girava a camiseta que por acaso ele não vestia. A loira ainda bebia no sofá mas agora ela observava Rose que está em um cantinho com um garoto. Caminhei até Emma, não, cambaleei(?) até ela me jogando no seu colo.

— Vamos nos beijar um pouquinho? — perguntei fazendo um gesto com o indicador e o dedão.

— Você tá tão bêbada. — ela riu e eu acompanhei.

— Não tô não.

Eu estava, e muito, mas não ligava. Sem deixar ela falar avancei em sua boca com direito a mão boba. Era quente, estava quente, pegando fogo. Emma apertava minha cintura, sua boca tinha gosto de Doritos com vodka. Enfiei as mãos em seu cabelo e me aproximei ainda mais, eu sentia tantas coisas mas o que achei mais gostoso sentir sua ereção em minha bunda. Admito que fiquei excitada.

— Vamos subir? — sussurei em seu ouvido por conta da música alta. Ela me olhou, ela tinha vontade, ela não iria negar, eu não queria que ela negasse. Pra minha surpresa, Emma acentiu, lhe dei mais um beijo, peguei em sua mão e nos desviamos das pessoas até chegar na escada. Em questão de segundos já estávamos no meu quarto, tirei a blusa fina que Emma vestia por cima do vestido. Nos beijavamos com presa e sem nenhum pingo de raciocínio.

Ficando só com as íntimas, parei de beijá-la abaixando meu olhar para sua cueca azul, sorri mordendo o lábio. Imagina isso dentro de mim... 

Ela ia dizer algo mais lhe beijei antes, ainda cambaleando, segui Swan até a cama a aonde a mesma se sentou. Voltei a me sentar no seu colo mas agora de frente, tornando tudo mais fácil. Senti a mãos da loira apertarem minha bunda, gemi com o contato. Mesmo nunca tendo feito isso, tudo ia no calor do momento. Uma experiência.

— Em... — gemi mais uma vez quando sua língua passou pelo meu pescoço, ela também o chupo, mordeu e beijou cada parte dele.

Eu não aguentava mais, se Emma não fizesse nada além disso eu ficaria louca – e não do jeito que queria. Eu não desejava calma, não tinha nenhum motivo pra isso, ao contrário, meu corpo implorava por mais e foi atendido quando Emma tirou o resto de roupa que nos cobria. E lá estava ele, lindo, branco e delicioso.

"É Regina, quem te vê nessa condição não imaginaria o quão timida você é."

Swan me pegou no colo, me jogou na cama e explorou cada parte de cima do meu corpo, voltando a me beijar em seguida. E como não sou uma atoa, segurei em cada seio dela massagendo. Antes do nosso passeio a praia eu achava que Emma usava algum tipo de preenchimento no sutiã – tipo papel higiênico ou meias –, mas quando a vi de biquíni, essa coisa redonda e maravilhosa, todas as minhas dúvidas foram por água abaixo.

Swan desceu a mão passando pela minha barriga indo em direção a vagina, agora sem pressa, começou a massagear meu clitóris. Gemi mais alto ainda, esse negócio tava bom. Seus seios se esfragavam nos meus a medida que eu rebolava sobre os dedos, mas isso não era o suficiente.

— Mais um... — sussurei em êxtase. E sem esperar por mais uma ordem, Emma deixou os círculos pra trás e me penetrou com dois dedos, acho que ela – minha vagina – era muito apertada pois isso doeu um pouco, mas não me preocupei, estava amando. A adrenalina corria pelos nosso corpo, estávamos em um lugar somente nosso, nem o som alto do andar de baixo nos atrapalhava.

Não sabia se ela tinha ou não experiência, mas me fez gozar em questão de segundos. Emma me olhou, ofereceu um sorriso e pediu silenciosamente para me sentar mesmo minhas pernas não me obedecendo, assim eu fiz, mas diferente do que pensava, me sentei em seu colo. A loira me beijou tão ferozmente que quase pensei que iria morrer ali mesmo.

Senti seu pênis me tocando então eu a encarei, sorri maliciosamente, ainda lhe encarando o peguei em minha mão movimentando de cima pra baixo. Emma fechou os olhos gemendo, sorri, era fofa até nessas ocasiões. Em um momento a loira parou minha mão, me puxando para mais um beijo, acho que tinha uma ideia do que ela queria. Sem demorar subi um pouco mais, peguei novamente em seu pênis e fui introduzindo, parei um pouco pois estava doendo, respirei fundo e Emma fez o mesmo, sem interromper o contado dos nossos olhos. Depois de um pouco (muita) tortura – e prazer é claro – seu pênis me preencheu completamente, ficamos um tempo assim, me acostumando enquanto Swan me distraia chupando meus seios.

Quando a dor passou comecei a me movimentar, rapidamente aquilo acelerou e a sensação que eu tinha era que estava montada em um Touro mecânico. Swan segurava firme em minha cintura, nossos gemidos eram altos. Delicioso e ardente, literalmente ardente.

Não aguentamos mais, gozamos ao chegar no ápice. Emma caiu de costas na cama e cai por cima dela. A última coisa que ouvi antes de dormir foi meu gemido quando a loira saiu de dentro de mim.


Notas Finais


Eu sei que não foi um hot esperado, mas esse não será o último.

Até.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...