História Acontecimentos da Vida! - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Turma da Mônica Jovem
Personagens Agnes, Aninha, Carmem, Cascão, Cascuda, Cebola, Denise, Do Contra, Franjinha (Franja), Irene, Isadora "Isa", Jeremias, Luca, Magali, Maria Mello, Marina, Mônica, Nimbus, Penha, Sofia, Titi, Toni, Xabéu, Xaveco
Tags Bullying, Cebola, Escola, Monica
Exibições 31
Palavras 1.379
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oii amores e amoras, to aqui com mais esse capítulo... ontem o dia foi triste infelizmente pelo o acontecimento que aconteceu com a chapecoense... Então queria disser poucas palavras para dar conforto, mesmo os parentes não vendo, quero deixar minhas sinceras palavras a respeito:

"Hoje nesse imperdoável jogo da vida não houve vitórias,
os cartões amarelos e vermelho deram lugar ao preto do
luto, substituiu-se sonhos por pesadelos, bateram na trave
o grito de vitória e o apito final foi o adeus. Hoje a partida
será no céu as estrelas foram brilhar com Deus"!
#LutoChapecoense

Capítulo 11 - Felicidade ou desonra?


  Fui para casa depois do dia escolar empolgante que eu tive, fiz minhas provas, agora só me bastava uma coisa que era a pior das outras: contar para os pais do cê e os meus sobre o bebê, vou esperar até sábado para isso, eu e ele já combinamos o dia e a hora, só falta dar o convite e esperar no que isso vai dar.

Celular ON:

DonaCebola: alô? Quem deseja?

Mônica : oi DonaCebola, sou eu Mônica, quero lhe falar um negócio

DonaCebola: oh sim querida, diga?

Mônica : eu e o seu filho vamos juntar aqui em casa no sábado as 7 da noite, para um janta entre famílias, nos conhecermos melhor sabe?

DonaCebola: claro, ficaria honrada em ir sim! Presença confirmada

Mônica : -risos- obrigada por tudo, traga os outros

DonaCebola: ok querida, um beijo.

Celular OFF.

Ok, uma etapa já foi só basta agora domar os "meus dragões", meus pais estavam no quarto deles, meu pai lendo o jornal recente e a minha mãe assistindo os romances dela, bati a porta pedindo licença, entrei no quarto e a atenção deles se desviou para mim:

Souza : oi filhinha, quer nos contar algo? -abaixou o jornal

Mônica : quero sim, eu e o cebola vamos dar um jantar no sábado aqui em casa as 7 da noite, para conhermos melhor a família dele, só isso -disse sendo direta

Luísa : gostei da idéia, e você Souza?

Souza: sim, também gostei, já tem idéia do que vai ser a comida? -disse brincando

Mônica : eu estava pensando em um arroz branco, salada e strogonoff de frango, aceita chefe? -disse rindo

Luísa : ótima opção

Souza : o chefe aprova -fez sinal de jóia com os dedos.

É, não foi tão difícil assim, mas não vou ficar confiante na hora de "soltar a bomba" para todos, principalmente meu pai, que fez de tudo para me agradar e no final ver a sua filha virar mãe aos 15 anos de idade, vai ser difícil de engolir, a minha mãe? Sempre me apoiou, foi sábia e me ensinou tudo com carinho...oh mãe, pai me desculpem por isso, espero que vocês me perdoem e dê uma chance para o neto de vocês.

Fiquei na janela do meu quarto, observando a paisagem do bairro, até que aquele carrapato humano me dá um susto de novo, devem imaginar quem seja:

cebola: oii vida? -beijou minha bochecha

Mônica : oi cê... -fiz um suspiro

Cebola: ih, não tá feliz em me ver é? Isso magoa -fez cara de triste

Mônica : -risos - não é isso, é que eu estou pensando como vai ser a janta, entende?

Cebola: sim, mas mô eu não disso que vai dar tudo certo? Vai dar certo, pensamento positivo! - pegou minhas mãos

Mônica : mas, e se não dar? E se falharmos? Se não aceitarem? São tantas perguntas... -disse sem graça

Cebola: calma mô, se não aceitarem, eu vou estar do seu lado, para sempre -fez carinho no meu rosto- além do mais, eles vão querer arrancar meu couro com os dentes, e você não!

Mônica : uau... to mais calma agora -fiz cara de ironia

Cebola: mals -risos- mas eu tenho que ir jogar bola com os manos, mas eu prometo que vou estar aqui com você no quer der e vier -me deu um beijo.

O fiquei observando ir sem tirar meus olhos no dele até sumir completamente de minha vista, revirei os olhos e deitei na cama fazendo tarefa de matemática, que estava bem difícil! Fiquei batendo a cabeça para resolver a questão e a conta sempre obtinha o mesmo resultado -"o céus! Porque Deus não me deu inteligência o suficiente? "- reclamava no meu pensamento emburrada, fiz 3 de 6 e no meio da conta eu despenquei em cima dos meus cadernos dormindo e roncando igual à uma criança que teve um longo dia cansativo, mas perai...eu tive mesmo!

Na hora que acordei era 8 da noite de sexta e depois de eu criar a difícil coragem para levantar, fui a cozinha  beber leite, já que estava com fome, nem percebi que meus pais estavam sentados na mesa, pego o copo e coloquei a bebida e comecei a tomar bem devagar, no último gole, vi a imagem nítida dos meus pais encarando meus seios e logo pergunto:

Mônica : o quê foi?

Souza : sua roupa está molhada e branca! -disse indicando com o seu dedo indicador

Mônica : oh... -olhei o local e soltei uma expressão de medo

Luísa : Mônica, por acaso isso é leite materno?! -falou apreensiva

Mônica : -...- tenho que fazer tarefa! -sai da cozinha.

"Meu Deus! Leite? Leite saindo de mim?! Não era para sair por outro lugar?" Falava sozinha, pesquisei na Internet e era um sintoma normal de gravidez, fala que tem que colocar uma capa que protege e usar sutiã bem apertado, e o peito vai crescer? Caraca agora eu curti a idéia, menos o leite que sai claro!.

Sábado de noite:

Luísa : Mônica! Os convidados chegaram! -informou e eu desci

Mônica : Olá senhor e senhora cebola, Maria cebolinha, Cebola -comprimentei cada um

Senhor Cebola : prazer! -deu um sorriso

Souza:oi como vai? Sente na mesa, hora do rango!

Maria cebolinha: uau mamãe, está casa é grande! -disse encantada

Mônica : cê, senta aqui no meu lado? -disse manhosa

Cebola: claro! -sentou- mô... Você está nervosa? - cochichou

Mônica : muito! -cochichei de volta

Cebola: calma, isso não faz bem para o bebê nem para você!. 

Ficaram todos conversando e comendo, eu sentia calafrios na barriga (literalmente) só de pensar na hora de falar, eu suava e ficava com cada vez mais medo, a única coisa que me confortava era meu namorada presente e me ajudando com tudo, criei coragem de pouco em pouco e fiz sinal para o cê falar e chamar a atenção de todos para contarmos de uma vez por todas:

Cebola : atenção! Família, eu e a mô temos algo a lhes falar -disse sério

Luísa:pois bem! Fale -disse sorrindo

Mônica : -...- eu... -geleu na hora e fiquei muda

Cebola: quer que eu ajude? -disse preocupado

Maria cebolinha: fala logo! -disse brava

Dona Cebola : Maria! Cadê seus modos? - lhe deu uma bronca

Mônica : eu...eu... -agora que começo tem que ir até o fim- eu...estou... grávida! -hesitei na palavra grávida

Cebola: e eu vou assumir! -complimentou.

O silêncio reinou naquela residência, ninguém falou nada, e nem nada fez, mesmas reações, tentavam assimilar toda aquela informação que dada lhes foi, angústia era a palavra para descrever aquela cena, ninguém ficou feliz, por outro lado, estavam zangados mas ao mesmo tempo decpcionados com os seus filhos, depois de tanto os ensinar, lhe pagam com a moeda errada, quem se manifestou foi o pai de Mônica, que onde andava quebrava utensílios de pouco valor e gritando foi falando:

Souza: vocês acham que cuidar de criança é fácil?! Vocês acham que tudo é só farra e brincadeira?! Nem 18 tem e vão e faz uma merda dessa -dizia furioso e quebrando coisas

Senhor Cebola : filho, i-isso é real? -disse incrédulo

Souza: é claro! Eu fui idiota demais, confiei no filho de vocês, e ele engravida a minha filha, seu sem vergonha! -foi para cima de cebola

Mônica : pai não!!! -pulei na frente dele antes- se bater nele não irá resolver nada!

Dona Cebola : vocês ainda são tão jovens, tinham a adolescência inteira para aproveitar e estudar -disse chorando

Luísa : filha, eu lhe falei tanto sobre isso! -disse aborrecida

Cebola: a culpa foi min... -levou um soco do meu pai

Souza: safado! -tentou ir mais para cima dele

SenhorCebola: calma senhor Souza, acho que se dialogarmos feito civilizados poderemos entender melhor -o segurou

Souza: mas se você não entendeu seu filho é um bicho e não gente! -agarrou cebola e todos ficaram gritando

Mônica : papai... -disse zonza e acabei desmaiando perto da parede, chorando

Dona Cebola : Mônica?! -se virou chamando atenção de todos

Cebola:sai! -empurrou meu pai e foi me socorrer.

Antes de eu desmaiar, eu estava muito estressada e com uma forte dor de cabeça, não paravam de brigar e gritar e eu estava muito frágil, saiu tudo do meu controle, comecei a perder meu equilíbrio e desmaiei, o impacto não foi tão grave, pois eu havia caído de bunda mas eu mesmo desmaiada estava consciente que algo poderia acontecer com o bebê, até que me colocam no sofá e jogar água na minha boca para me fazer acordar, sem sucesso.

"Preview : Souza se arrepende de quase causar o aborto do neto? Será menino ou menina?"


Notas Finais


Não me matem se está indo rápido demais pessoal e que eu tenho que fazer a 2 temporada ainda, e também ia ficar muito enjoativo, sexta eu voy ver se passo de ano na entrega do boletim, quer dizer, nas outras matérias eu passei direto mas eu estou apreensiva com matemática mesmo! Se eu passar eu aviso ok? E o tempo vai passsar no próximo capítulo, ai vão saber de que sexo vai ser o salvador (a) , #ForcaChape


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...